Acusados de estupro, PMs deixam prisão e voltam ao trabalho

Jovem conta que foi violentada ao pegar carona em viatura da PM.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Por Maria Teresa Cruz

Caso aconteceu em 12 de junho, quando vítima pegou carona em viatura no litoral de SP; Danilo de Freitas Silva e Anderson Silva da Conceição respondem em liberdade

De acordo com vítima, estupro aconteceu dentro da viatura no trajeto até o terminal rodoviário (Divulgação)

Os soldados Danilo de Freitas Silva, do 40º BPM/M, e Anderson Silva da Conceição, do 37º BPM/M, denunciados pelo estupro de uma jovem de 19 anos dentro de uma viatura, estão soltos desde o dia 16 de dezembro e foram reintegrados ao serviço, segundo o Diário Oficial do Estado de São Paulo. O caso corre em segredo de justiça e os PMs continuam respondendo pela acusação de estupro em liberdade.

O caso aconteceu no dia 12 de junho deste ano, em Praia Grande, no litoral sul paulista. Segundo o relato da vítima, ela perdeu o ponto de desembarque de um ônibus intermunicipal, de onde voltava de uma festa na região de Campinas. Ela tinha que ter descido em São Vicente e quando notou estava em Praia Grande. Desceu do ônibus e avistou uma viatura, onde foi buscar informações sobre a melhor forma de fazer o trajeto de volta. Na viatura estavam os soldados Anderson e Danilo, que ofereceram uma carona para a vítima até o terminal rodoviário Tude Bastos. 

Em entrevista à Ponte em junho, alguns dias após o ocorrido, a jovem contou que aceitou a oferta de carona, por pensar estar mais segura com a PM do que aguardando um ônibus passar na avenida, já que o relógio marcava quase meia-noite. “Assim que a viatura começou a andar, ele pegou a minha mão e colocou no pênis dele. Aí eu puxei e ele colocou de novo. Aí eu falei não, não. Mas ele pegou o meu braço com mais força. Ele abriu a calça e abaixou a minha cabeça, para eu fazer sexo oral nele. Aí ele pegou, levantou a minha cabeça e me deitou. Aí ele tirou a minha calça e me penetrou. Por último ele segurou a minha cabeça e ejaculou na minha boca. Isso tudo foi com a viatura em movimento. Quando chegou, ele desceu, se limpou e sentou no banco da frente. Aí eles foram e me deixaram no terminal”, relatou a vítima.

O Ministério Público de São Paulo denunciou os PMs por estupro à Justiça Militar, que manteve os dois policiais presos preventivamente. No último dia 16 de dezembro, no entanto, Anderson e Danilo receberam liberdade provisória, deixaram o Presídio Militar Romão Gomes e se apresentaram à corporação, retornando ao trabalho. A Ponte apurou que o tempo de prisão – 6 meses – bem como o resultado do laudo que indicaria a presença de esperma e foi questionado pela defesa pesaram na decisão da Justiça de conceder liberdade aos policiais.

De acordo com o ouvidor das polícias de São Paulo, Benedito Mariano, que na época do caso já havia destacado à Ponte a gravidade da situação, o IPM (Inquérito Policial Militar) já apontou que houve crime. “O IPM apontou que cometeram crime, um crime absurdo e grave. Eles não têm condições de fazer serviço operacional pelo o que fizeram com a jovem, estupraram a jovem dentro da viatura”, afirma.

Procurada pela Ponte, a advogada dos policiais Flavia Artilheiro informou que o caso corre em segredo de justiça e, portanto, não pode comentar. 

Em novembro, a Corregedoria da Polícia Militar de SP havia indicado a expulsão dos policiais diante da conclusão do inquérito que indicava o cometimento do crime. A Ponte procurou o corregedor coronel Marcelino Fernandes para comentar o caso, mas não obteve retorno. 

A reportagem procurou a PM e a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) para questionar qual o tipo de atividade que os policiais Danilo de Freitas Silva e Anderson Silva da Conceição estão fazendo desde que foram reintegrados, mas, até a publicação da reportagem, não houve retorno.

*Esta reportagem foi publicada originalmente pela Ponte.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas