GCM afasta guardas que atiraram pelas costas de adolescente

Prefeitura de Santo André disse que guardas agiram dentro da lei.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Por Maria Teresa Cruz

Prefeitura de Santo André afirma que GCM agiu dentro da legalidade e informa que Corregedoria afastou agentes até o fim das investigações

Guardas municipais foram afastados por corregedoria até conclusão de investigação | Foto: reprodução

Os GCMs (Guarda Civil Metropolitano) que balearam o estudante Gabriel Bignardi Vital, 17 anos, na quinta-feira (25/12) foram afastados temporariamente de suas funções até que as investigações sobre o caso sejam concluídas. Eles continuam recebendo seus salários normalmente.

A informação foi confirmada nesta sexta-feira (27/12) pela Prefeitura de Santo André, por meio da Secretaria de Segurança Cidadã. Quem solicitou o afastamento dos agentes foi a Corregedoria do órgão. 


Relembre o caso

https://spagora.com.br/gcm-atira-pelas-costas-nao-me-mata-sou-filho-de-policial/policia/

A secretaria defendeu a ação dos guardas municipais, informando que eles agiram “de acordo com o ato de natureza infracional e desobediência do infrator” e que a versão do boletim de ocorrência registrado no 1º DP comprova isso. “Caso haja algum fato novo que legitime uma nova linha de investigação, a administração municipal, bem como a GCM, estão à disposição para a realização de uma nova diligência”, diz nota. 

Gabriel estava pilotando a moto da mãe dele, quando recebeu a ordem de parada da GCM após furar um sinal vermelho na noite de Natal, na altura do Parque Ana Brandão e perto de onde mora. Segundo familiares, o estudante é fã de motos, mas ainda não tinha habilitação. Mesmo assim, juntou as economias e comprou uma moto que estava no nome da mãe dele, Patrícia, que morreu de insuficiência respiratório no sábado (21/12).

Gabriel Bignardi Vital e a motocicleta | Foto: arquivo pessoal

Tio da vítima, Guerreiro Vital afirma que, provavelmente, o adolescente ficou com medo de parar por estar sem a habilitação. “Imagino que quando a GCM mandou ele parar, ele pensou na moto que estava com documento no nome da mãe, que não tinha habilitação, deve ter ficado assustado”, declarou à Ponte na quinta-feira (26/12). Depois de ser baleado, Gabriel caiu e os guardas correram até ele. “Por uma ironia, meu irmão [pai do Gabriel] é guarda municipal. Foi então que o Gabriel gritou: ‘não me mata, sou filho de polícia’. Foi a sorte, foi o grito antes da morte, foi o que salvou. Os guardas baixaram as armas, mas mesmo assim se aproximaram e chegaram a pisar nele”, contou o líder comunitário.

Vital agradeceu a Ponte por ter contado a história de Gabriel, já que, segundo ele, os portais de notícias locais adotaram uma narrativa de criminalizar o jovem. “Graças à Ponte as coisas estão mudando no caso do meu sobrinho. Obrigado”, escreveu à reportagem.

*Esta reportagem foi publicada originalmente pela Ponte.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas