Golpistas que se passavam por delegados são alvos da PF

A pena para os suspeitos pode chegar a 15 anos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Fernanda Cruz/Agência Brasil

(Rovena Rosa/Agência Brasil)

A Polícia Federal deflagrou hoje (28) a terceira fase da operação Impostura, que combate criminosos que se passavam por autoridades da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. São cumpridos, na capital paulista, cinco mandados judiciais, sendo um de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão.

A partir dos mandados expedidos pela 3ª Vara Federal Criminal de São Paulo, foi desarticulada quadrilha especializada na falsificação de documentos voltados à obtenção de vantagens indevidas. Os criminosos fingiam ser delegados federais e procuradores da República.

Os documentos falsos tinham o brasão da República e eram usados no pedido de contribuições financeiras que chegavam a movimentar R$ 2 milhões. Os presos são temporariamente recolhidos para as unidades da Polícia Federal. As penas previstas, em caso de condenação, poderão alcançar de cinco a 15 anos.

A Polícia Federal deflagrou hoje (28) a terceira fase da operação Impostura, que combate criminosos que se passavam por autoridades da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. São cumpridos, na capital paulista, cinco mandados judiciais, sendo um de prisão preventiva e quatro de busca e apreensão.

A partir dos mandados expedidos pela 3ª Vara Federal Criminal de São Paulo, foi desarticulada quadrilha especializada na falsificação de documentos voltados à obtenção de vantagens indevidas. Os criminosos fingiam ser delegados federais e procuradores da república.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas