Iguaria vendida por R$ 1 mil o quilo, pepino-do-mar é apreendido

200 quilos apreendidos pela PRF seriam revendidos em São Paulo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Um carregamento com mais de 200 quilos de pepinos-do-mar foi apreendido pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), na Rodovia Rio-Santos (BR-101), em Paraty, na Costa Verde. Três homens, entre eles um chinês, foram presos por crime ambiental.

O grupo foi flagrado quando levava a mercadoria para restaurantes em São Paulo. O caso aconteceu neste domingo (30).

Iguaria tem alto valor de mercado (Agência PRF/Reprodução)

Policiais rodoviários federais da 3ª Delegacia (Itaguaí) faziam patrulhamento na rodovia e desconfiaram do trio. Os homens estavam ao lado de uma caminhonete parada no acostamento.

Ao revistarem o veículo, encontraram 220 quilos do animal marinho. O produto, de alto valor na culinária e medicina oriental, estava em sacolas plásticas na caçamba da caminhonete.

O pepino-do-mar é considerado uma fina iguaria na China e em outros países orientais. O quilo do produto é comercializado por aproximadamente R$ 1 mil.

Os suspeitos contaram que compraram a mercadoria no Perequê, em Angra dos Reis. Eles disseram que levariam para restaurantes chineses da capital paulista.

Durante a revista, os policiais ainda encontraram R$ 21 mil escondidos num fundo falso do veículo.

A ocorrência foi encaminhada para a 167ª DP (Paraty). Os suspeitos foram indiciados pelo transporte ilegal de pesca proibida, com pena de detenção de um a três anos. Eles ainda foram multados pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) em R$ 500 por unidade apreendida.

*com informações da Agência PRF

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas