Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

MP denuncia ex-marido de corretora morta na frente do filho

Outros dois suspeitos foram denunciados, incluindo um GCM.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Douglas Corrêa/Agência Brasil

Karina foi morta na frente do filho (Facebook/Reprodução)

O Grupo Especial de Combate a Homicídios de Mulheres do Ministério Público do Rio de Janeiro denunciou à Justiça o industriário Pedro Paulo Barros Pereira Júnior, o comerciante Paulo Maurício Barros Pereira e o guarda municipal de Resende Hamir Feitosa Todorovic, pelo assassinato de Karina Garofalo Pereira, de 41 anos, no último dia 15 de agosto, na Barra da Tijuca. A corretora de imóveis foi morta quando ia para casa a pé, com o filho de 13 anos, em frente ao condomínio onde morava.

Os três foram denunciados por homicídio qualificado e feminicídio (artigo 121 do Código Penal), com pena prevista de 12 a 30 anos de reclusão e aumento da pena até a metade pelo fato do crime ter sido cometido por razões de gênero. Paulo Maurício e Hamir também foram enquadrados por portar ou ocultar arma de fogo sem autorização e em desacordo com determinação legal ou regulamentar. A pena prevista para esse crime é de dois a quatro anos de reclusão.

De acordo com a denúncia, o crime foi praticado por motivo torpe, já que Pedro Paulo, ex-marido de Karina, arquitetou uma vingança contra a vítima, já que travava com ela disputas judiciais envolvendo a divisão de bens e questões relacionadas à guarda do filho. O denunciado teria ficado contrariado quando a ex-esposa ficou noiva e passou a residir com o novo companheiro.

O Ministério Público escreveu no documento encaminhado à 1ª Vara Criminal da Capital, que o crime foi praticado com recurso que impossibilitou a defesa da vítima, uma vez que Karina foi atingida por Paulo Maurício pelas costas.

O assassino é primo do ex-marido da vítima e foi reconhecido pelo menino, em vídeos requisitados pela polícia de condomínios da região.

Prisão preventiva

Ainda na denúncia, o MPRJ pede a conversão da prisão temporária dos acusados em prisão preventiva, com base no artigo 312 do Código de Processo Penal, para a garantia da ordem pública, por conveniência da instrução criminal e para assegurar a aplicação da lei penal, por haver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria.

Pedro Paulo encontra-se foragido da Justiça, enquanto os outros dois acusados estão presos no sistema penitenciário estadual, à disposição da Justiça.

Hamir Feitosa Todorovic, preso por suspeita de envolvimento no crime (Polícia Civil/Reprodução)

Mais notícias


Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país

Outras - notícias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest