PCC usou Poupatempo para falsificar documentos

Irmão de Marcola tirou RG e abriu conta bancária.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Por Josmar Jozino, da Ponte Jornalismo, e Luis Adorno, do UOL

Alejandro Juvenal Herbas Camacho Júnior é irmão de Marcola, líder da facção criminosa, e tirou RG falso em 2003, em unidade de São José dos Campos

Alejandro Juvenal Herbas Camacho Júnior, irmão do Marcola, enquanto estava preso com a cúpula do PCC no interior de SP (Reprodução)


Condenado e foragido da Justiça, Alejandro Juvenal Herbas Camacho Júnior, irmão de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder máximo do PCC (Primeiro Comando da Capital), deixou suas impressões digitais e conseguiu tirar uma carteira de identidade falsa em uma unidade do Poupatempo em São José dos Campos, a 97 km de São Paulo.

Na época, 17 de julho de 2003, Júnior, quatro anos mais novo que Marcola, tinha 36 anos. No Poupatempo, que presta serviço para o Instituto de Identificação ligado à Polícia Civil de São Paulo, adquiriu o documento em nome de Paulo Cezar Albuquerque de Souza.

Por causa da emissão do documento falso, Júnior pode abrir uma conta bancária, na qual movimentou R$ 504 mil de novembro de 2002 até maio de 2006. Aquele mês ficou marcado pelos Crimes de Maio, quando o Estado revidou os ataques do PCC às forças de segurança de São Paulo e deixou mais de 500 pessoas mortas.

O irmão de Marcola não foi o único a ter sucesso nesse tipo de operação. Outros líderes do PCC, integrantes de quadrilhas responsáveis por grandes roubos a bancos, transportadores de valores e carros-fortes, também conseguiram a emissão de documento falso na mesma unidade.

Irmão de Marcola afirmou em depoimento que, foragido, foi ao Poupatempo para ter RG falso (Reprodução)

De julho de 2003 a abril de 2010, ao menos 10 criminosos tiraram carteira de identidade falsa na mesma unidade do Poupatempo. A Corregedoria da Polícia Civil abriu inquérito na época para apurar o possível envolvimento de policiais no episódio. O processo de falsificação de documento público contra os acusados continua em andamento. A próxima audiência judicial foi marcada para 30 de janeiro de 2020.

Na prática, com os RGs falsos, os integrantes passam despercebidos quando parados pela polícia e tentam conviver em sociedade sem antecedentes que os comprometam.

Procurado às 14h desta terça-feira (26/11), o Poupatempo não respondeu aos questionamentos da reportagem até a publicação deste texto. O UOL e a Ponte Jornalismo perguntaram qual o resultado do inquérito sobre o documento falso e se alguém foi responsabilizado pela ilegalidade.

Dez anos depois de RG, assassinado com 70 tiros

Cláudio Roberto Zanetti, 38 anos, dirigia seu Audi Q3 blindado, com R$ 73.360 e roupas novas em uma mala, pelo Tatuapé, na zona leste de São Paulo, quando foi atingido por cerca de 70 tiros na cabeça, nos braços e nas pernas, no dia 23 de julho de 2018. Zanetti morreu no hospital, mas sua identidade era outra: Cláudio Roberto Ferreira, o Galo Cego, conhecido pela polícia como um dos grandes ladrões de banco do PCC.

Em 16 de agosto de 2008, dez anos antes, Galo Cego conseguiu tirar a carteira de identidade no Poupatempo de São José dos Campos com o nome falso. Como o irmão de Marcola, suas impressões digitais foram coletadas sem nenhum questionamento.

Cláudio Ferreira estava foragido da Justiça, segundo o Banco Nacional de Mandados de Prisão. Em 2008, ele participou de uma perseguição policial que terminou com três pessoas mortas e 11 feridos. Pela ação, a Justiça o condenou a 65 anos, um mês e 15 dias de prisão em regime fechado, em segunda instância, sob a acusação de latrocínio, roubo, lesão corporal e organização criminosa.

Galo Cego também era ligado à quadrilha que, em agosto de 2005, roubou R$ 164 milhões do Banco Central de Fortaleza.

A morte ocorreu durante uma guerra interna do PCC, originada em fevereiro do mesmo ano, após os assassinatos de Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, acusados de desviar dinheiro da facção criminosa.

Outro beneficiado pelo esquema criminoso foi Lucival Marques da Silva, acusado de participar de grandes roubos a transportadoras de valores. Um deles aconteceu em julho de 1997, quando a quadrilha levou R$ 1,83 milhão de uma empresa em São Paulo. O falso documento obtido por Silva foi emitido em 29 de março de 2008, em nome de Reginaldo Antonio de Souza.

Marcola e Júnior (ou Marcolinha)

Os irmãos Marco, 51 anos, e Alejandro, 47, estão presos na Penitenciária Federal da Papuda, em Brasília, no Distrito Federal, desde março deste ano. O irmão mais novo é chamado de Marcolinha. No sistema estadual paulista, Marcolinha era chamado de Júnior.

Filhos de pai boliviano e mãe brasileira, os irmãos foram criados por uma tia desde 1980, quando fugiram, moraram na rua e passaram a praticar crimes.

Marcola está condenado a 330 anos, seis meses e 24 dias de prisão com praticamente todos os crimes violentos ou hediondos do Código Penal brasileiro, de acordo com sua folha de antecedentes, consultada com exclusividade pela reportagem.

Júnior está condenado a 104 anos, oito meses e 23 dias de prisão por crimes como associação para o tráfico de drogas, tráfico de drogas, roubo qualificado e formação de quadrilha.

Ofício expedido pelo secretário da Administração Penitenciária paulista, o coronel Nivaldo Restivo, aponta que Júnior “registra envolvimento com a facção criminosa, é irmão do Marcola e seu principal conselheiro”, além de ser “extremamente forte no tráfico de drogas e sócio de seu irmão nessa atividade”.

Preso em Fortaleza em 2016, Camacho Júnior estava ganhando espaço dentro da facção. Sua presença no Nordeste serviria para analisar a região como potencial território de exportação de drogas, sobretudo cocaína, para países dos continentes europeu e africano.

De acordo com o Ministério Público, mesmo preso em local de segurança máxima, Júnior não deixou de “exercer sua influência e posição de comando no seio da facção”. Por isso, foi transferido para o sistema federal no início deste ano.

PCC em processo de cartelização

Principal organização criminosa do Brasil, com domínio sobre a exportação de drogas para outros continentes, o PCC está a um passo de se tornar uma máfia, nos moldes de grupos italianos, japoneses, mexicanos e colombianos.

O que falta para o PCC chegar a esse patamar, segundo investigações do MP (Ministério Público) e da PF (Polícia Federal), é a lavagem de dinheiro não precária.

“O PCC ainda enterra dinheiro e mantém a contabilidade em papéis. Falta ter uma lavagem de dinheiro requintada. Mas isso não deve demorar para acontecer. A organização criminosa está em pleno processo de cartelização”, diz o promotor Lincoln Gakyia, considerado como o principal investigador do país contra o crime organizado em São Paulo.

Outro lado

Em nota, a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo) informa que o caso foi investigado junto à Corregedoria e que os documentos emitidos ilegalmente foram cancelados. “A falsificação de documentos pode levar a prisão de dois a seis anos, além de multa. O referido inquérito foi relatado em 2014 e arquivado pelo Judiciário no ano seguinte”, diz a nota.

*Esta reportagem foi publicada originalmente neste link: https://ponte.org/pcc-tinha-esquema-de-falsificacao-de-documentos-em-poupatempo-no-interior-de-sp/

Acompanhe nossos Podcast
Está gostando do conteúdo? Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país