PF faz Operação Contra Desvio de Dinheiro nas obras do Rodoanel

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A Polícia Federal (PF) deflagra hoje (21) a Operação Pedra no Caminho, que apura desvio de recursos públicos nas obras do trecho norte do Rodoanel, em São Paulo. São cumpridos 15 mandados de prisão temporária e 51 mandados de busca e apreensão na capital paulista e nas cidades de Carapicuíba, Arujá, Bofete, Ribeirão Preto e São Pedro, além de Marataízes e Itapemirim, no Espírito Santo.

Ao todo, 14 pessoas foram presas e uma está no exterior, por isso o mandado de prisão neste caso não foi cumprido. Um dos presos é Laurence Casagrande Lourenço, ex-secretário estadual de transportes do Estado de São Paulo e ex-diretor da Dersa no Governo Geraldo Alckmin (PSDB) e atual diretor da Companhia Energética de São Paulo (Cesp).

O inquérito policial foi instaurado em 2016, após denúncia de um ex-funcionário de uma empresa que atuou nas obras. Ele apontou manipulações em termos aditivos ao contrato da obra, com o  objetivo de aumentar o valor pago às empreiteiras.

Os aditivos contratuais, na fase de terraplanagem, eram para a remoção de rochas, mesmo que o projeto inicial já contemplasse o custo dessa remoção. A irregularidade gerou sobrepreço de mais de R$ 131 milhões.

Segundo perícia da Polícia Federal e relatórios do Tribunal de Contas da União e da Controladoria-Geral da União, um dos cinco lotes onde houve aditivos para a remoção de rochas teve sobrepreço de R$ 33 milhões.

Os acusados vão responder pelos crimes de fraude à licitação, estelionato contra o poder público, falsidade ideológica e associação criminosa, conforme as suas participações. Os presos permanecerão na sede da PF em São Paulo, à disposição da Justiça Federal.

A Cesp disse, em nota, que não vai se manifestar sobre a investigação. A Dersa destacou que o Estado tem interesse na investigação e que cobrará dos responsáveis qualquer prejuízo ao dinheiro público. Ao G1, a assessoria de Alckmin informou que o pré-candidato à Presidência se surpreendeu com a notícia da operação e que não tem conhecimento sobre os dados apurados pela Polícia Federal. Disse também que Laurence Casagrande Lourenço “goza de confiança, com anos de bons trabalhos e que se houver algo ilícito, que haja responsabilização”.

(Fernanda Cruz/ Agência Brasil) (atualizado às 16h01)

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas