Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Piloto que morreu no Campo de Marte tinha mais de cinco mil horas de vôo

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

(Facebook/Reprodução)

O piloto Antonio Traversi, que comandava o avião que se acidentou neste domingo (29), no Aeroporto Campo de Marte, em São Paulo, tinha mais de cinco mil horas de vôo, segundo o G1, dado que o credenciava como um comandante experiente.

Ainda não se sabe o que causou o acidente aéreo que matou o piloto e feriu outras seis pessoas que estavam a bordo do avião modelo King Air C90, com capacidade para sete pessoas. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), órgão da Força Aérea Brasileira, enviou técnicos ao local do acidente e vai investigar o que motivou a queda.

Foto tirada logo depois do acidente mostra o rastro de fogo na pista e o avião ainda incendiado. (Twitter/Reprodução)

Testemunhas contaram que o avião fez duas tentativas de aproximação pra pouso na pista de Campo de Marte. “Ele fez uma passagem na torre para ver se estava com o trem de pouso baixado. Depois ele fez um toque de ‘levinho’, tocou. Aí ele falou: ‘vou arremeter e vou vir de novo e pousar completo. Eu acho que ele estava tão nervoso que eu acho que ele ‘estolou’ [estol é um termo da aviação para indicar que a aeronave perdeu sustentação] avião antes do chão, aí o avião explodiu”, disse, sem se identificar, um piloto, em áudio divulgado pelo Whatsapp.

Traversi trabalhava havia dezoito anos para a Videplast, empresa dona do avião, e estava com a documentação em dia. A aeronave havia decolado em Videira, Santa Catarina, cidade onde fica a sede da empresa.

Um dos cinco sócios da empresa, Eliandro Pazin, confirmou à Agência Brasil que o avião* é da Videplast. Segundo ele, estavam a bordo os dois fundadores da companhia, Nereu Denardi e Geraldo Denardi, que são irmãos; o gerente da Videplast, Agnaldo Crippa; o coordenador da empresa, Aguinaldo Nunes; Benê Souza e o filho de Nereu, Enzo, de 17 anos.

Segundo o corpo de bombeiros, as vítimas apresentam traumas no peito e no crânio. Os sobreviventes foram levados para vários hospitais da capital paulista. Um homem que estava na posição do co-piloto foi socorrido e levado pelo helicóptero Águia para o Hospital das Clínicas.

*com informações da Agência Brasil

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider
Podcast

Outras - notícias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest