Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Polícia afasta PMs que mataram garoto inocente

Mizael foi morto dentro de casa, onde dormia quando PMs chegaram.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Família de vítima morta na região metropolitana de Fortaleza prestou depoimento da Controladoria Geral de Disciplina: “policiais estão soltos e isso da medo”, diz tia 

Mizael Fernandes da Silva, 13 anos, foi morto dentro de casa enquanto dormia | Foto: Arquivo pessoal

Camilo Santana (PT-CE), governador do Ceará, solicitou o afastamento dos policiais envolvidos na execução de Mizael Fernandes da Silva, 13 anos, morto pelo Cotar (Comando Tático Rural), da Polícia Militar, com um tiro a queima roupa enquanto dormia dentro de casa em Triângulo, no Chorozinho, região metropolitana de Fortaleza. Mesmo questionado, o governo não informou quantos e quem são os policiais afastados das ruas. 

Nesta segunda-feira (6/7), a família de Mizael foi ouvida pela CGD (Controladoria Geral de Disciplina) dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário. Lizangela Rodrigues Fernandes da Silva Nascimento, tia de Mizael, contou à Ponte que as forças policiais ofereceram proteção para a família, que teme que os PMs envolvidos na ação “apareçam em carros apaisana e matem o restante da família”. No entanto, Lizangela não pode aceitar.

“Eles ofereceram proteção, mas a gente deveria ficar sem se comunicar com o restante da família. Eu tenho um pai deficiente, tenho uma mãe com problemas cardíacos. Como eu resolvo as coisas da minha família, não aceitei”, lamentou a tia. 

Lizangela contou que, apesar do afastamento dos policiais, sente medo. “Eu tô sentindo que vai ter alguma justiça, mas o medo aumentou. A delegada disse que vai ter outra perícia lá em casa. Estamos com medo dos policiais, porque eles estão soltos, só não vão trabalhar”, explica. 

A Defensoria Pública, a Rede de Observatórios da Segurança do Ceará e a Comissão de Direitos Humanos, da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) do Ceará acompanham as investigações do caso. 

À Ponte, Leila Paiva, vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-CE, informou que “é fundamental exigir a apuração criteriosa e célere da responsabilidade”, mas é necessário lembrar que esse não é um caso isolado. “É preciso repensar o modelo de segurança”, argumenta.

“É preciso cobrar a apuração desse e de todos os casos de homicídio praticados pela polícia, que têm aumentado no Estado. Esse modelo não atende nem a polícia nem a sociedade. Estaremos solidários e solidárias a mais essa família que precisa de apoio e de atendimento agora, mas também estaremos atentos e atentas para a apuração da responsabilidade”, declarou Leila.

(Arquivo Pessoal/via Ponte)

Em nota enviada por e-mail, o MP-CE (Ministério Público do Estado do Ceará) informou que a Promotoria de Justiça de Chorozinho está acompanhando o caso. O MP também disse que o caso será investigado pelo Departamento de Assuntos Internos, em Fortaleza. 

“Como não há réu preso, a autoridade policial tem prazo de 30 dias para concluir o Inquérito Policial. Após a conclusão, o Inquérito será remetido à Promotoria para análise dos fatos”, aponta a promotoria.

Mizael foi executado na madrugada do dia 1º de julho enquanto dormia. A tia contou à Ponte que dois PMs entraram em sua casa: um mais alto e outro de estatura média. 

“Quando eu pisei na sala, eu só vi o clarão no quarto e ouvi tiro. Aí eu falei ‘moço, você matou a criança que tava dormindo aí no quarto?’. O policial maior, que atirou, não respondeu e veio correndo falando ‘fiz merda, fiz merda’. E me empurrou para fora. Mandaram a gente ficar mais afastado, mais ou menos 200 metros da minha casa”, descreveu.

O policial saiu da casa e chamou mais três viaturas. “Ouvimos ele falando para uma das viaturas, que parecia ser um chefe dele, que ele tinha feito merda e que queria que eles colocassem outra pessoa no local. Esse outro policial disse que era para ele limpar a merda dele. Três policiais ficaram apontando o fuzil para a gente na esquina da rua”, relatou.

Lizangela também destaca, em seu relato, que o policial que atirou e matou Mizael entrou na casa novamente, limpou rapidamente o quarto e tirou a colcha lilás que cobria a cama. “Ele também levou o travesseiro e o telefone do Mizael. Até então a gente não sabia que o Mizael estava morto. Eu pensei que alguém tinha entrado no quarto e tinha matado esse bandido. Eles entraram e ficaram mais de 1 hora lá”, continuou.

“Embolaram o corpo do Mizael, igual um porco, e colocaram dentro da viatura. Voltaram e pegaram um pano que tinha dentro do carro para limpar o sangue. Não ficou nem um tiro de sangue no chão. Levaram o edredom da cama”, detalhou. 

Repercussão

O crime causou comoção e revolta nos moradores e comerciantes de Chorozinho. Durante três dias, os comerciantes não abriram as portas em homenagem à Mizael. Diversas manifestações foram feitas no município, com cartazes e carreatas. Os protestos também tiveram queima de pneus e troncos de madeira no km 70 da BR-116, que ficou bloqueada por uma hora.

No último fim de semana, uma campanha intitulada #JustiçaPorMizael, puxada pela Rede de Observatórios da Segurança do Ceará, cobrou posicionamento do governo de Camilo Santana e das polícias cearenses sobre a execução de Mizael. O Instituto Marielle Franco, o comunicólogo Raull Santiago, a pedagoga Tati Nefertari, o professor Douglas Belchior e as torcidas antifascistas do Ceará fizeram parte dessa ação.

O que diz a polícia

O governador Camilo Santana se posicionou via nota enviada por sua assessoria de imprensa. “Logo após tomar conhecimento desse fato, determinei imediata, rigorosa e isenta investigação. A Controladoria Geral de Disciplina, órgão independente, abriu sindicância e o comando da Polícia Militar está instaurando um IPM, inclusive com os policiais sendo afastados das ruas durante o processo. Não tenha dúvida que a família e a sociedade terão uma resposta”.

Em nota, a SSPDS (Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social) do Estado do Ceará informou que “o inquérito policial que investiga as circunstâncias da morte de Mizael foi transferido para a DAI (Delegacia de Assuntos Internos) da CGD”. 

Em paralelo, continua a SSPDS, “a PMCE (Polícia Militar do Ceará) instaurou um IPM (Inquérito Policial Militar) com a finalidade de apurar a conduta dos militares envolvidos na ocorrência, que foram afastados do serviço operacional provisoriamente enquanto a investigação estiver em curso, estando assegurado os princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa”.

A reportagem acionou as assessorias da Polícia Militar e da Polícia Civil, mas, até o momento de publicação, não obteve retorno.

Por Caê Vasconcelos – Repórter da Ponte

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país