Policial Militar suspeito de estupro tem prisão revogada em SP

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A Polícia Civil de São Paulo revogou nesta segunda-feira (22) o pedido de prisão temporária de um cabo da Polícia Militar suspeito de raptar e estuprar uma mulher no último dia 14 na Zona Leste de São Paulo. O homem negou o crime à polícia e não foi reconhecido pela vítima, que esteve na delegacia onde ele prestou depoimento.

Imagens de câmera de segurança que circulam pelas redes sociais mostram o momento em que um homem estaciona o carro na rua Antônio La Giudice, no Jardim Aricanduva, na Zona Leste. Eram 7h de 14 de janeiro, um domingo.

As imagens mostram que o homem parece pegar no porta-malas do carro algo que em seguida ele coloca na cintura. Não dá para identificar o que é. O homem fica à espreita na esquina, até que a vítima aparece. Ela resiste ir com ele, e o homem levanta a blusa dela e arrasta a jovem para dentro do carro.

O delegado que cuida do caso diz que pediu a prisão preventiva do cabo Paulo Emídio dos Santos no último sábado (20) porque a vítima identificou o policial como o autor do estupro por meio de uma foto.

Nesta segunda-feira, Paulo Emídio se apresentou ao 66ºDP, na Zona Leste, e negou o crime. Ele levou documentos para mostrar que estava fora de São Paulo no dia do crime. A vítima foi chamada e não reconheceu o policial. Por isso, o delegado revogou o pedido de prisão e decidiu continuar a investigação.

Em dezembro do ano passado, Paulo Emídio dos Santos tinha sido levado para a delegacia acusado de importunação violenta ao pudor. Ele negou o crime e foi liberado. Segundo boletim de ocorrência, a vítima, de 19 anos, contou que andava na rua quando o PM passou num carro e mostrou o órgão genital. O carro é do mesmo modelo do que aparece no vídeo gravado no Jardim Aricanduva no dia 14.

Sobre esse crime de atentado ao pudor, a defesa de Paulo Emídio dos Santos informou que o PM foi confundido por ter o carro igual ao do criminoso e morar na mesma região.

A SSP informou em nota que o 66º DP (Jardim Aricanduva) instaurou inquérito para investigar o caso ocorrido no último domingo (14), no bairro de Aricanduva, zona leste da capital. As investigações seguem em sigilo.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas