Quatro são presos na Régis com droga mais potente que a maconha

Skunk, derivado da Cannabis, vinha de Foz do Iguaçu para São Paulo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Droga era trazida de Foz do Iguaçu para a capital paulista (Agência PRF/Reprodução)

A Polícia Rodoviária Federal prendeu quatro homens por tráfico de drogas nesta quinta-feira (13), na rodovia Régis Bittencourt (BR-116). Eles estavam em dois carros e levam 12 quilos de skunk, uma droga também derivada da Cannabis, como a maconha, porém mais forte e mais cara que ela.

O crime foi descoberto quando uma equipe da PRF fiscalizava em Barra do Turvo, no Vale do Ribeira, e deram ordem de parada ao motorista de um Chevrolet Classic. Os policiais perceberam nervosismo dele e de outro homem, que ia como passageiro, e resolveram fazer uma fiscalização no interior do veículo. A droga foi descoberta em compartimentos no interior das portas, banco traseiro e porta-malas.

Outros dois homens participavam do transporte da droga e foram presos num segundo carro, um Honda Civic, fazendo a observação avançada ao primeiro. Eles foram descobertos após desconfiança da equipe da PRF e confirmação pelos primeiros detidos. Os homens voltaram para averiguar a demora e, na tentativa de abordagem, iniciaram fuga pela rodovia. Eles foram alcançados e dominados, ainda com alguma resistência.

A droga foi obtida em Foz do Iguaçu (PR), região de fronteira do Brasil com Paraguai e Argentina, e seria levada à capital paulista. 

Os quatro homens foram presos e levados à delegacia de Polícia Civil em Barra do Turvo, onde foram registrados os crimes de tráfico interestadual de drogas e formação de quadrilha. As penas somadas podem chegar a 33 anos de prisão.

*com informações da Agência PRF

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas