Receita e PF fazem nova apreensão de cocaína no Porto de Santos

A droga seria levada para a Holanda.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Luciano Nascimento/Agência Brasil

Droga estava escondida em fundos falsos (Receita Federal/Reprodução)

Em operação conjunta realizada hoje (3) com a Polícia Federal (PF), as equipes da Alfândega da Receita Federal apreenderam mais de 285 kg de cocaína no Porto de Santos. A droga estava escondida na estrutura de um contêiner que seria embarcado em navio destinado a Hotterdam, na Holanda. Segundo a Receita, as operações no Porto de Santos já localizaram mais de 22 toneladas de cocaína em cargas de exportação.

O contêiner identificado nesta segunda-feira levaria limões frescos para o país europeu. De acordo com a assessoria da Receita, o que levantou a suspeita das equipes foi, após abrir a carga, identificar as marcas de duas fileiras de solda no assoalho.



Também chamou atenção a diferença de altura quando comparada à de outros contêineres. Houve ainda a indicação positiva dos cães de faro da Receita Federal, aumentando ainda mais a suspeita. 

“Aberta uma ‘janela’ no meio do assoalho do cofre metálico, chegou-se à carga oculta: 252 tabletes, pesando 285 kg de cocaína”, informou a assessoria da Receita.

(Receita Federal/Reprodução)

Um dia antes, no domingo (2), também em operação com a PF, a Alfândega da Receita Federal no Porto de Santos, havia localizado 402 kg de cocaína escondidos em um contêiner destinado também à Europa. A cocaína foi localizada em tabletes, em nove bolsas do tipo esportiva, próximas à porta do contêiner.

“Graças ao trabalho de análise de risco baseado em critérios específicos, inclusive fazendo uso de imagens não intrusivas [raio-X], equipes da Receita Federal selecionaram um contêiner com carga regular de ‘tabaco não manufaturado’ vinda do Porto de Paranaguá e com destino a Antuérpia, na Bélgica”, disse a assessoria. 

De acordo com a Receita, a suspeita é que a droga tenha sido inserida sem o conhecimento dos exportadores e importadores, por meio de uma técnica criminosa denominada de rip-on/rip-off (a droga é colocada clandestinamente no contêiner pouco antes do embarque à revelia do dono da carga).

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas