Acidentes de trânsito mataram 138 pessoas em julho

Homens entre 18 e 29 anos são maioria das vítimas.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Por Camila Maciel

(Reprodução)

As mortes de motociclistas reduziram em julho, com 138 mortes este ano e 166 no mesmo mês do ano passado, aponta sistema de dados do governo paulista, Infosiga SP. Em todo o estado, foram 479 mortes por acidentes de trânsito, uma redução de 3,6% na comparação com 2018. No acumulado do ano, a redução é de 2,2%, passando de 3.142 para 3.072 mortes de janeiro a julho.

A maioria dos motociclistas mortos é de homens (83%) com idade entre 18 e 29 anos (44%), sendo a vítima o condutor do veículo (85% dos casos). As ocorrências estão concentradas em vias urbanas (54%) e mais da metade dos casos (51%) envolvem colisões com outros veículos.

Também houve queda na morte de pedestres. Em julho, foram 128 ocorrências contra 133 no ano passado (-3,8%). No acumulado de janeiro e julho, são 803 ocorrências contra 879 no mesmo período de 2018, uma queda 8,7%. Pessoas com mais de 60 anos são as principais vítimas e correspondem a 40% dos casos neste mês.

Dados regionais

As mortes no trânsito diminuíram em nove das 16 regiões administrativas do estado. Houve queda nas regiões Metropolitana de São Paulo (-13%), Araçatuba (-60%), Barretos (-14%), Bauru (-35%), Registro (-38%), Ribeirão Preto (-26%), Santos (-10%), São José dos Campos (-42%) e São José do Rio Preto (-28%).

Foi registrado aumento das mortes nas regiões de Campinas (+29%), Central (+6%), Franca (+33%), Itapeva (+133%), Marília (+8%) e Sorocaba (+96%). Na região de Presidente Prudente, o índice ficou estável.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas