Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Após enchente, Ceagesp deve ser reaberta amanhã

Prejuízo provocado pela enchente pode chegar a R$ 20 milhões na Ceagesp.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Fechada desde ontem (10) por causa das fortes chuvas que atingiram São Paulo, a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) pode ser reaberta em 24 horas, período necessário para que seja terminada a limpeza do local, disse hoje (11) o presidente da empresa, Johnni Hunter Nogueira.

Segundo ele, a enchente trouxe “grande transtorno” para a companhia. “Vamos trabalhar com previsão de que, em mais ou menos em 24 horas, o mercado esteja totalmente aberto”, disse.

“Fechamos o mercado para a entrada dos produtos. Para os caminhões carregados [que estão chegando com mercadorias] abrimos portões extras nos [portões] 7 e 18, onde esses caminhões estão sendo alojados até o mercado funcionar. E contratamos guincho para a retirada de vários veículos que permaneceram na companhia durante o alagamento [um total de quase 250 veículos]”, disse o presidente da Ceagesp.

A estimativa é que os atacadistas tenham prejuízo de aproximadamente R$ 20 milhões. Sete mil toneladas de produtos foram perdidas, segundo o responsável pela área de economia da companhia, Flávio Godas. Os setores mais atingidos pela enchente foram as frutas, as verduras e os legumes. As áreas de pescados e flores não registraram problemas. Com o dia de hoje parado, sem comercialização dos produtos, o prejuízo é estimado em até R$ 4 milhões.

“Por sorte, de domingo para segunda, o estoque é menor para o mercado em função do domingo não haver comercialização. Os estoques eram baixos e os produtos que chegaram foram, juntamente com esse estoque baixo, os mais afetados”, disse Godas.

Godas pede que os produtores rurais [estimados em 25 mil] que abastecem o entreposto não coloquem seus produtos em trânsito antes de se comunicar com o permissionário. “Não iniciem o trajeto até a Ceagesp sem falar com os permissionários, o destino deles aqui dentro”, disse.

Segurança alimentar e abastecimento

Os portões do Entreposto continuam fechados para entrada e saída de mercadorias, até que a situação dentro do mercado esteja normalizada. O presidente afirma ainda que o fechamento reforça medidas de segurança alimentar, para que nenhum alimento contaminado seja comercializado e chegue indevidamente à mesa do consumidor. Todos os alimentos que estão no local estão sendo levados a um aterro, sob fiscalização, para impedir que sejam consumidos.

“A população tem que ficar tranquila quanto aos alimentos que saem daqui. Existe controle muito grande dos alimentos que estão aqui. A empresa se responsabiliza totalmente com o que está aqui dentro. Não existe risco de contaminação ou de desabastecimento”, ressaltou o presidente da empresa.

“Não enxergamos, nesse primeiro momento, risco de desabastecimento porque o dia em que isso aconteceu foi no domingo para segunda-feira, quando o estoque era baixo e os boxes ainda não tinham recebido a mercadoria. As mercadorias seriam recebidas na segunda-feira. O volume comercializado na segunda-feira também é menor. Então isso não acarretaria muito em desabastecimento e risco de [aumento] de preço [dos produtos]”, disse o presidente.

De acordo com Rubens Reis, gerente de mercado da Ceagesp, a companhia comercializa, por dia, de 10 a 11 mil toneladas. “Esse produto ou está na região produtora ou está no meio do caminho. Sendo restabelecida a Ceagesp, esse produto começa a chegar. Vamos trabalhar arduamente para poder escoar o mais rápido possível, com abertura durante 24 horas”, disse. “O problema de desabastecimento eu acho pouco provável [de acontecer]”, ressaltou.

Nogueira disse que as equipes estão trabalhando 24 horas para tentar agilizar o processo de limpeza do local. Os turnos das equipes de segurança e fiscalização também foram aumentados. “Nossa maior preocupação foi com o descarte desses alimentos. Todos os permissionários que estavam envolvidos, orientados pela companhia, e junto com as nossas equipes, estão descartando os alimentos que poderiam estar contaminados pelas águas. Orientamos eles a fazer o descarte, que será feito para um aterro sanitário. E contratamos mais caminhões, carregadeiras e máquinas para que isso seja feito da forma mais breve possível”.

Dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) apontaram que São Paulo teve a pior chuva em quase 40 anos. Desde 1983 não chovia tanto em um só dia.

O Entreposto Terminal de São Paulo (ETSP) da Ceagesp está localizado em área baixa, na zona oeste da capital, muito próxima aos rios Pinheiros e Tietê, região constantemente suscetível a alagamentos.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país

Outras - notícias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest