Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Caminhada e festival celebram Dia da Visibilidade Trans

163 travestis ou transexuais foram mortos em 2018
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Por Camila Maciel

(Governo do Estado de SP/Reprodução)

Em comemoração ao Dia da Visibilidade Trans (29 de janeiro), a capital paulista terá programação especial neste sábado (2). A partir das 13h, a Rua Líbero Badaró, na Sé, será o ponto de concentração para a 4ª Caminhada pela Paz, que neste ano tem como tema “Travestis e transexuais: nossas vidas importam”. Por volta das 16h30, no Largo do Arouche, terá início o 1º Festival de Arte e Cultura de Travestis e Transexuais de São Paulo (Festrans).

As atividades, além de promover o empoderamento e a visibilidade trans, chamam atenção para os frequentes casos de violência envolvendo esta população. De acordo com a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), em 2018 foram contabilizados 163 assassinatos de travestis ou transexuais. O dossiê organizado pela entidade mostra que apenas 15 casos tiveram os suspeitos presos, o que representa 9% dos casos.



A data – 29 de janeiro – foi escolhida como referência em 2004, quando um grupo de 27 travestis, mulheres transexuais e homens trans entraram no Congresso Nacional, em Brasília, para lançar a campanha “Travesti e Respeito”, promovida pelo Ministério da Saúde. A ideia era destacar a importância do respeito à diversidade. De acordo com a prefeitura, esta foi a primeira campanha nacional idealizada e organizada pelas próprias trans. Desde então a data é lembrada.

Em São Paulo, a data entrou para o calendário de eventos da cidade em 2018 por meio do Decreto 58.227, que também institucionalizou o Programa Transcidadania. A iniciativa faz parte do trabalho da Coordenação de Políticas para LGBTI, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), em parceria com organizações não governamentais, associações, instituições e ativistas.

O preconceito faz com que esta população enfrente diariamente “a invisibilidade e o preconceito”. “Tais fatores provocam reação em cadeia, levando à evasão escolar, à dificuldade de ingressar no mercado de trabalho, e à prostituição como única alternativa possível de renda. Enquanto a expectativa de vida para a população no Brasil é de, em média, 75 anos, no caso da população trans essa média cai para menos da metade – 35 anos”, aponta o governo municipal.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país

Outras - notícias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest