Capital fiscaliza festas clandestinas no Réveillon; multa passa de R$ 9 mil

Denúncias podem ser feitas por telefone, aplicativo e internet
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

A Prefeitura de São Paulo vai manter hoje (31) uma força- tarefa, organizada conjuntamente pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde (COVISA) e pelo Governo do Estado, para impedir a aglomeração de pessoas e evitar a propagação da covid-19.

A “Operação Conjunta de Fiscalização de Festas Clandestinas” envolve profissionais da Vigilância em Saúde (COVISA) do Município e do Estado de São Paulo, em parceria com a Guarda Civil Metropolitana (GCM), as Subprefeituras e a Polícia Militar (PM).

A ação, segundo comunicado, ocorre em toda a cidade, com a proposta de coibir festas clandestinas, que colocam em risco a saúde pública. Os proprietários e organizadores destes eventos responderão administrativamente e, com o encaminhamento dos casos às autoridades policiais pela GCM, poderão também responder criminalmente pelos seus atos.

Essas ações de fiscalizações têm como objetivo o cumprimento do decreto do Governo do Estado de São Paulo, que estabeleceu o retorno da cidade à fase vermelha nos dias 01 a 03 de janeiro.

A Prefeitura reitera que a cidade segue em quarentena em função da pandemia. Na fase vermelha devem funcionar apenas os serviços essenciais como farmácia, padarias e mercados. 

A Secretaria Municipal das Subprefeituras fiscaliza estabelecimentos que excedem o horário permitido pela legislação vigente, além de verificar se estão disponibilizando mesas nas calçadas, com apoio da GCM.

O valor da multa é de R$ 9.231,65 aplicada a cada 250m². Os estabelecimentos devem solicitar a desinterdição na subprefeitura da região. O município disponibiliza a Central SP156 (telefone, aplicativo e site https://sp156.prefeitura.sp.gov.br) para denúncias.

Desde o início da quarentena, 1.311 estabelecimentos foram interditados por descumprirem as regras vigentes, destes, 885 são bares, restaurantes, lanchonetes e cafeterias.  Os estabelecimentos devem solicitar a desinterdição na subprefeitura da região.

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas