Capital terá postos de vacinação contra covid-19 na CPTM, Metrô e Terminais

Quatro estações terão vacinas a partir desta quinta-feira (13)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Arquivo/Mastrangelo Reino/Gov. do Estado de SP)

O governo de São Paulo anunciou hoje (12) que vai ampliar o número de postos de vacinação contra a covid-19 na capital paulista. Os postos serão instalados em estações do Metrô, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU).

A partir de amanhã (13), as pessoas aptas à imunização poderão se vacinar em quatro estações da CPTM: Guaianases ( Linha 11-Coral), São Miguel Paulista, Jardim Helena-Vila Mara e Itaim Paulista, na Linha 12-Safira. Também haverá postos de atendimento na estação Corinthians-Itaquera (Linha 3-Vermelha do Metrô) e no Terminal de Ônibus São Mateus da EMTU. O funcionamento será das 9h30 às 17h.

A partir do dia 17 de maio a vacinação também estará disponível nas estações República, Pinheiros e Butantã, da Linha 4-Amarela do Metrô. Para agilizar o atendimento no dia da vacinação, é indicado que seja feito um pré-cadastro no site Vacina Já. É necessário informar nome completo, CPF, data de nascimento, endereço completo e telefone.

Vacinação

Pessoas com idades entre 45 e 49 anos de idade e que tenham comorbidades poderão ser vacinadas contra a covid-19 a partir do dia 21 de maio. A informação foi dada hoje (12) pelo governo paulista.

Neste mesmo dia serão vacinadas pessoas com deficiência permanente dessa mesma faixa etária (45-49 anos) e que estejam cadastradas para receber o Benefício de Prestação Continuada de Assistência Social (BPC).

O governo paulista espera vacinar 670 mil pessoas com idades entre 45-49 anos e que tem comorbidades e mais 25 mil pessoas com deficiência permanente e que recebem o BPC.

Ao comparecer ao posto de saúde, qualquer pessoa com comorbidades que faz parte das faixas etárias já anunciadas deve apresentar comprovante da condição de risco por meio de exames, receitas, relatório ou prescrição médica. Os cadastros previamente existentes em Unidades Básicas de Saúde (UBS) também podem ser utilizados.

Já as pessoas com deficiência permanente precisam apresentar o comprovante do recebimento do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC).

Relação de comorbidades definidas pelo Ministério da Saúde 

• Doenças Cardiovasculares
• Insuficiência cardíaca (IC)
• Cor-pulmonale (alteração no ventrículo direito) e Hipertensão pulmonar
• Cardiopatia hipertensiva
• Síndromes coronarianas
• Valvopatias
• Miocardiopatias e Pericardiopatias
• Doença da Aorta, dos Grandes Vasos e Fístulas arteriovenosas
• Arritmias cardíacas
• Cardiopatias congênitas no adulto
• Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados
• Diabetes mellitus
• Pneumopatias crônicas graves
• Hipertensão arterial resistente (HAR)
• Hipertensão arterial – estágio 3
• Hipertensão arterial – estágios 1 e 2 com lesão e órgão-alvo e/ou comorbidade
• Doença Cerebrovascular
• Doença renal crônica
• Imunossuprimidos (transplantados; pessoas vivendo com HIV; doenças reumáticas em uso de corticoides; pessoas com câncer)
• Anemia falciforme e talassemia maior (hemoglobinopatias graves)
• Obesidade mórbida
• Cirrose hepática

Insumos

Hoje (12), em entrevista coletiva, o governador de São Paulo, João Doria, voltou a dizer que há dificuldade na liberação de insumos da China para o Brasil.

Segundo Doria, 10 mil litros de insumos para a fabricação da vacina CoronaVac, que é produzida pelo Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac, já estão prontos para o embarque para o Brasil, faltando apenas a liberação e autorização do governo chinês para que elas cheguem ao país. A quantidade de insumos seria suficiente para a produção de 18 mil doses de vacinas, informou o governador.

De acordo com ele, o governo paulista tem conversado com a Embaixada da China para tentar resolver esses problemas. Hoje pela manhã, ele disse ter conversado pessoalmente com o embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, solicitando ajuda para a liberação desses insumos para o Brasil. “A China é o país que mais está ajudando a salvar a vida dos brasileiros, já que tanto a Coronavac, como a AstraZeneca dependem de insumos produzidos lá”, disse o governador.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas