Greve paralisa quatro linhas do Metrô

Greve foi anunciada na noite de ontem.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Quatro linhas do Metrô de São Paulo começaram o dia paralisadas em função de uma greve dos metroviários decidida na noite de ontem (27). O movimento da categoria começou às 0h de hoje, por tempo indeterminado, em um protesto contra corte de salários e de direitos.

Foram afetadas as linhas 1 (Azul), 2 (Verde), 3 (Vermelha) e 15 (Prata). Dos 2.506 metroviários participantes na assembleia, 73,3% votaram por iniciar a greve a partir de amanhã; 21,7%, contra a paralisação; e 5%, abstiveram-se. 

“A greve acontecerá pela defesa dos direitos e o corte de 10% dos salários, anunciados na última quinta-feira à noite”, destacou, em nota, o Sindicato dos Metroviários. 

Segundo a entidade, desde março, o sindicato tem procurado, sem sucesso, o Metrô propondo a prorrogação do Acordo Coletivo, que venceu em 30 de abril. 

Na tarde de ontem, a Justiça do Trabalho de São Paulo (TRT-2) concedeu parcialmente uma liminar para Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), estabelecendo o funcionamento de 95% dos serviços no horário de pico (das 6h às 9h e das 16h30 às 19h30) e 65% nos demais horários em todas as estações.

“Os percentuais estabelecidos dizem respeito à prestação do serviço, e não à mão de obra devidamente colocada para tanto. Deverão ainda ser observadas, durante o período de greve, as atribuições de cada funcionário, inclusive dos engenheiros, não se admitindo alterações objetivas do contrato”, destacou o tribunal.

Caso a liminar não seja respeitada, será aplicada multa diária de R$ 150 mil e R$ 500 mil, nos trabalhadores e na empresa, respectivamente. O julgamento da greve e do dissídio da categoria está agendado para o próximo dia 29, a partir das 15 horas. Procurado, o Metrô ainda não se manifestou. 

*com informações da Agência Brasil

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas