Metrô lotado desafia o controle da epidemia

Chance de pegar a doença aumenta com aglomerações
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Arquivo/Gov. do Estado de São Paulo)

Depois de passar pela Fase Emergencial, o estado de São Paulo entrou, na última segunda-feira (12) na Fase 1-Vermelha do Plano São Paulo, onde somente serviços considerados essenciais podem funcionar. Apesar dessas restrições, o transporte público coletivo em São Paulo continua lotado.

“As atividades que foram mantidas [na Fase Vermelha] são suficientes para manter o transporte cheio. Temos a construção civil funcionando. E a construção civil movimenta mais de 150 mil trabalhadores todos os dias na cidade de São Paulo. Tem muita atividade, e que não necessariamente pode ser considerada essencial, que ainda está mantida”, disse o médico sanitarista Gonzalo Vecina, professor da Faculdade de Saúde Pública de São Paulo, em entrevista à Agência Brasil.

Transporte público cheio é um grave problema para a população porque aumenta o risco de uma pessoa ser infectada pelo novo coronavírus e ter covid-19. E a situação ainda pode piorar com a chegada das estações mais frias.

“[Utilizar o Metrô] é um risco bem elevado porque as pessoas se aglomeram e não há muita ventilação. As janelas teriam que estar abertas para que não houvesse a possibilidade da formação de aerossóis. No calor, isso é mais provável [janelas abertas]. Mas no frio será mais difícil e estamos entrando agora no inverno”, disse Vecina.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a chance de contrair covid-19 é maior em ambientes cheios e espaços sem ventilação adequada onde as pessoas passam longos períodos de tempo próximas umas das outras. “Esses ambientes são onde o vírus parece se espalhar por gotículas respiratórias ou aerossóis de forma mais eficiente, por isso, tomar precauções é ainda mais importante”, alertou o órgão.

Para essa época de pandemia, seria necessário que a ventilação no transporte público fosse aumentada e que fossem desenvolvidos mecanismos para evitar a aglomeração de pessoas, com os passageiros, preferencialmente, todos sentados. Mas não é o que tem sido observado nas grandes capitais, como São Paulo, por exemplo. E, segundo Vecina, um dos problemas que pode ainda agravar o risco de se pegar o novo coronavírus é o ar condicionado, muito utilizado no transporte público.

“Isso [ar condicionado] é mais perigoso. Esse ar condicionado [geralmente utilizado no transporte público] é sem filtro, então você tem a recirculação do aerossol, que o mantêm mais tempo ativo. Num ambiente em que você tem a circulação do ar, o aerossol sofre uma dispersão e vai embora. No caso do Metrô, o ar condicionado recicla esse aerossol, o que é diferente dos aviões. Nos aviões, o ar está continuamente sendo renovado, passa por um filtro absoluto, que filtra a partícula viral. Mas esse ar condicionado, de uma forma geral, que temos em shoppings centers, cinemas e mesmo na nossa casa, esses [modelo] split, não têm filtros. Eles apenas retém partículas grandes de poeira. E essas partículas pequenas, que contém vírus, eles não filtram. Pelo contrário, eles mantêm mais tempo as partículas virais circulando”, explicou.

“A única maneira de você diminuir a possibilidade de infectados no transporte coletivo é que ele tem que circular com janelas abertas e não deve ter aglomeração, ou seja, de preferência ele não deve levar gente em pé, o que é absolutamente difícil na situação de uma cidade grande como São Paulo”, falou Vecina.

Difícil, mas não impossível de ser feito, defendeu. “O sucesso do lockdown em Araraquara foi suspender o transporte coletivo e intermunicipal. Se [a prefeitura de Araraquara] não tivesse suspendido o transporte coletivo e intermunicipal – e eles fizeram essa suspensão por uma semana, eles não teriam tido o sucesso que tiveram na redução de casos e de mortes [por covid-19]”, destacou. “Uma coisa é ser difícil. Outra é ser impossível. Se você tiver inteligência suficiente no governo municipal, haveria possibilidade de propor algum tipo de alternativa, com certeza”, falou.

Diminuição de trens

Além de uma ventilação mais adequada, o transporte público deveria promover outra adequação neste momento de pandemia, que é aumentar o número de veículos disponíveis para evitar que as pessoas se aglomerem dentro deles. No entanto, o que se observou no Metrô de São Paulo nesse período foi o oposto: o Metrô diminuiu o número de trens em circulação, mesmo no período de pico.

Esse problema foi apontado recentemente pelo jornal O Estado de S.Paulo. O Metrô de São Paulo diminuiu o número de trens em circulação e aumentou o tempo de espera nas plataformas. Exatamente no momento em que o distanciamento entre as pessoas precisa ser maior por causa da pandemia. Mesmo o governo paulista negando que tenha ocorrido diminuição no Metrô, o Relatório Integrado Anual Metrô, divulgado no Portal da Transparência da companhia, demonstra que houve diminuição no número de trens circulando. Inclusive no horário de pico.

Na Linha 1-Azul, por exemplo, o número de trens em operação no horário de pico passou de 41 para 36 entre os anos de 2019 e 2020. Já na linha 2-verde, foi de 27 para 19. Na Linha 3-Vermelha, que costuma ficar mais cheia diariamente, o total de trens em operação no ano passado foi de 38 no horário de pico, contra 41 que circulavam em 2019.

Para o médico sanitarista, a única solução para, de fato, diminuir a quantidade de pessoas aglomeradas no Metrô durante a pandemia é restringir a circulação. “Não vejo como diminuir o número de pessoas no transporte coletivo sem reduzir a atividade econômica. Não tem como. O transporte público na cidade já é um transporte colapsado por si. Ele é inferior à demanda. Isso é nítido”. “Transporte público é a única alternativa [para muitas pessoas]. Ônibus, trem e metrô são uma obrigação. A única alternativa é diminuir a atividade econômica e aumentar a frequência [número de vezes que esses veículos passam]. Mas estão fazendo justamente o contrário”, criticou.

Procurada pela Agência Brasil, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos não explicou porque o número de trens foi diminuído no período. Mas informou que, para prevenir os casos de covid-19 no transporte público, está fazendo a Operação Monitorada, que atua com avaliação sistemática a cada faixa de horário, para atender a necessidade do cidadão. “Lembrando que o sistema de trilhos foi projetado e construído para transportar alto fluxo de pessoas da origem ao destino, aglomerado de pessoas em grandes escalas. Em março de 2020 a demanda chegou a cair 80% em relação a um dia normal e na semana passada – último dado disponível – a queda era de 61% na média entre as três empresas – Metrô, CPTM [trens] e EMTU [ônibus entre a região metropolitana]. Antes da pandemia, as empresas transportavam juntas cerca de 10,5 milhões de passageiros por dia”, informou.

Escalonamento

Para tentar diminuir o número de passageiros circulando no horário de pico, o governo paulista chegou a sugerir um escalonamento de horário. Os horários indicados são de entrada ao trabalho das 5h às 7h para profissionais da indústria, 7h às 9h para os de serviços e das 9h às 11h para os trabalhadores do comércio. A medida, no entanto, é apenas uma recomendação, que ainda não tem sido cumprida.

“O escalonamento é uma boa ideia. Mas as pessoas têm que assumir [essa ideia]. Mas ninguém mudou o horário de início de trabalho ou de saída do trabalho. Seria mais uma boa possibilidade para você colocar nessa cesta de possibilidades para conseguir controlar o uso do transporte coletivo. Mas teria que ser algo mais duro [uma obrigação]”, falou Vecina.

Campanha nacional

A lotação e aglomeração no transporte público se tornou também uma preocupação do governo federal. Esta semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o governo pretende lançar um protocolo com orientações para o transporte público. No encontro com os jornalistas, o ministro da Saúde cobrou disciplina e uso de máscaras por quem utiliza transporte público, como forma de evitar ainda mais a disseminação do novo coronavírus.

Segundo Vecina, embora a melhoria nas condições para a prevenção da covid-19 no transporte público caiba principalmente aos governos, individualmente, a pessoa pode tomar algumas atitudes para diminuir os riscos de ser infectada. “Individualmente, cada um de nós pode melhorar a vida, com certeza. Por exemplo, usar uma máscara mais eficaz. Uma máscara de três camadas de pano ou uma máscara N95 bem ajustada à face. Outra questão é, se o ônibus passa muito cheio, espere o próximo, se você puder esperar o próximo ônibus”, alertou.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas