Brasil registra 49 mil novos casos e 1.212 mortes

São Paulo ainda é o Estado mais atingido.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O Brasil registrou 49.298 casos confirmados de covid-19 e 1.212 mortes relacionadas à doença em 24 horas, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (19/08) pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e pelo Ministério da Saúde.

Moradora usa máscara para se proteger em Belém, no Pará (Bruno Cecim/Agência Pará)

O balanço eleva o total de infecções para 3.456.652, enquanto o total de óbitos supera 110 mil, chegando a 111.100. Ao todo, 2.615.254 pessoas se recuperaram da doença, e 730.298 estão em acompanhamento, segundo o ministério. O Conass não divulga número de recuperados.

Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais de casos e mortes devem ser ainda maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação.

São Paulo é o estado brasileiro mais atingido pela epidemia, com 721.377 casos e 27.591 mortes. O total de infectados no território paulista supera os registrados em quase todos os países do mundo, exceto Estados Unidos, Índia e Rússia.

A Bahia é o segundo estado brasileiro com maior número de casos, somando 224.659, mas fica atrás de São Paulo, Rio de Janeiro (14.913 mortes), Ceará (8.241), Pernambuco (7.280) e Pará (6.015) em número de mortos, com 4.611 vidas perdidas para a doença.

O Rio é atualmente o terceiro em número de infecções, com 202.993 casos, seguido do Ceará, que tem 201.201 infectados. Ambos os estados superaram a marca de 200 mil casos de covid-19 nesta quarta-feira. O Pará vem em quinto com mais ocorrências, com 182.231.

Também nesta quarta-feira, o Ministério da Saúde divulgou um novo boletim epidemiológico, apontando que os casos seguem estáveis no país, e as mortes apresentaram leve queda.

Segundo o boletim, entre 9 e 15 de agosto (33ª semana epidemiológica) o Brasil registrou 304.684 infecções, o que mostra estabilidade em relação à semana epidemiológica anterior, mas estanca um movimento de queda iniciado há três semanas.

O número de mortes, por outro lado, caiu 2%. Foram 6.755 óbitos contra 6.914 na semana epidemiológica anterior. Na média diária nessas semanas, houve queda de 988 para 965.

Segundo o ministério, seis estados tiveram acréscimo no número de novas pessoas infectadas entre a semana epidemiológica anterior e a atual, oito ficaram estáveis e 13 tiveram redução. Os maiores aumentos foram no Paraná (36%) e Mato Grosso do Sul (17%). Já as maiores quedas ocorreram no Acre (35%) e Rio Grande do Norte (30%).

Em relação às mortes, nove estados tiveram mais registros do que na semana anterior, cinco ficaram estáveis e 13 tiveram queda. As maiores altas foram no Paraná (34%) e Santa Catarina (31%), e as variações negativas mais significativas foram no Amapá (64%) e no Pará (50%).

A taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes é atualmente de 52,9 no Brasil – cifra bem acima da registrada em países vizinhos como a Argentina (13,59) e o Uruguai (1,16), considerados exemplos no combate à pandemia.

Por outro lado, nações europeias duramente atingidas, como o Reino Unido (62,37) e a Bélgica (87,19), ainda aparecem bem à frente. Mas esses países começaram a registrar seus primeiros casos antes do Brasil, e o número de óbitos diários está atualmente na faixa das dezenas, com o pico tendo sido registrado em abril e maio.

O ritmo de transmissão da covid-19, por sua vez, está em desaceleração no Brasil pela primeira vez desde abril. A taxa de contágio no país é atualmente de 0,98, segundo dados do Imperial College de Londres. O índice mostra para quantas pessoas um paciente contaminado transmite o vírus.

No último fim de semana, o Brasil completou três meses sem um ministro da Saúde. O posto vem sendo ocupado interinamente desde 15 de maio pelo general Eduardo Pazuello, que não tinha experiência na área e indicou militares para quase todos os postos-chave do ministério.

Na sua gestão, as mortes e novas notificações de casos dispararam no país. Foram mais de 95 mil novos óbitos e mais de 3 milhões de casos registrados desde que a pasta passou a ser gerida por Pazuello e outras dezenas de militares.

Sob a intervenção pessoal do presidente Jair Bolsonaro e do Exército, a pasta também tentou esconder os números da epidemia no início de junho, mas voltou atrás após ordem do Supremo Tribunal Federal.

Em números absolutos, o Brasil é o segundo país do mundo com mais infecções e mortes por coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos, que já acumulam mais de 5,5 milhões de casos e mais de 172 mil óbitos. A Índia, que chegou a impor uma das maiores quarentenas do mundo no início da pandemia, agora é o terceiro país mais afetado, com 2,7 milhões de casos e 52 mil mortos.

Ao todo, mais de 22,2 milhões de pessoas foram infectadas pelo vírus em todo o planeta, enquanto mais de 783 mil morreram em decorrência da doença, segundo contagem mantida pela Universidade Johns Hopkins.

EK/abr/ots

_____________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país