Com UTIs perto da lotação, doentes da Capital serão transferidos para o interior

Ocupação de UTI no estado todo está em 69,3%.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Governo do Estado de SP/via Fotos Públicas)

Com 89% de leitos de unidades de terapia intensiva (UTI) ocupados na Grande São Paulo por causa do crescimento de casos de coronavírus, o governo de São Paulo enviará, a partir deste fim de semana, pacientes para serem tratados em hospitais do interior.

A informação foi dada hoje (30) pelo secretário estadual da Saúde de São Paulo, José Henrique Germann. “Então, passamos agora, a partir deste final de semana, a utilizar os leitos do interior para tratamento de pacientes aqui da Grande São Paulo”, disse Germann.

A ocupação de leitos de UTI no estado todo está em torno de 69,3%. Em enfermarias, o percentual é de 48% no estado todo e de 73% na Grande São Paulo.

São Paulo já soma 28.698 casos confirmados de coronavírus, com 2.375 óbitos. Há ainda 1.744 pessoas internadas em UTIs e 2.138 em enfermarias.

Reunião com ministro

Em reunião com representantes da Secretaria Estadual da Saúde e do Centro de Contingência do Coronarívus de São Paulo, com o ministro da Saúde, Nelson Teich, defendeu a manutenção do isolamento social. Segundo o coordenador do Centro de Contingência, David Uip, durante a reunião, o ministro falou também sobre a dificuldade da compra de insumos, principalmente de respiradores.

No evento, o governo estadual encaminhou uma lista de pedidos ao governo federal como o credenciamento de mais 2.783 leitos de UTI específicos para tratamento de pacientes com covid-19.  Segundo Uip, até este momento, foram habilitados 734 leitos. Também foram pedidos 100 respiradores para serem entregues em 15 dias ao Hospital das Clínicas das Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; além de insumos de coleta do RT-PCR [exame para diagnóstico de coronavírus], equipamentos de proteção individual (EPIs), máscaras N-95 e medicamentos emergenciais, entre eles a cloroquina.

Os representantes estaduais pediram ainda 4 milhões de testes rápidos. “O Ministério [da Saúde] já havia enviado 400 mil testes rápidos, com expectativa de chegar a 1 milhão. porém, com destino às prefeituras do estado e exclusivamente para uso com profissionais de saúde. Precisamos, agora, enquanto secretaria, fazer esse mesmo trabalho junto à população”, ressaltlu Germann.

De acordo com Germann, São Paulo já gastou R$ 480 milhões no combate ao coronavírus, com recursos enviados pelo Ministério da Saúde, além de R$ 1,6 bilhão com recursos do Tesouro estadual.

Por Elaine Patrícia Cruz – Repórter da Agência Brasil

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas