Confirmada 4ª morte em presídios de SP

Outros seis detentos estão infectados no Estado.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Vítima estava presa em Lucélia, no interior paulista, onde 14 pessoas morreram em 44 dias de causas diversas; seis detentos estão infectados no estado

Confirmada 4ª morte em presídios de SP

Pátio de presídio de Lucélia após rebelião em abril de 2018 | Foto: Arquivo/Ponte

Num intervalo de 44 dias, 14 presos morreram na Penitenciária de Lucélia, destinada a autores de crimes sexuais e situada na região oeste do estado de São Paulo, distante 607 km da capital. Um deles, Idenyldo Silva, 76 anos, é a 4ª vítima da Covid-19 no sistema prisional paulista. 

Outros três presos morreram desde o início da pandemia: dois na P2 de Sorocaba e um na P1 de Mirandópolis, ambas unidades prisionais do interior do estado. No país, 5 presos já morreram por coronavírus em presídios. Até a publicação da reportagem, o monitoramento do Depen (Departamento Penitenciário Nacional) não havia atualizado esse número.

Entre os outros 13 presos mortos em Lucélia, cinco tiveram como causa do óbito insuficiência respiratória. Outros seis a causa da morte ainda é indeterminada.

Um preso morreu de arritmia cardíaca, distúrbio metabólico e colite. Outro foi vítima de infarto agudo do miocárdio.

As mortes em Lucélia  aconteceram entre os dias 4 de março e 17 de abril deste ano. Os presidiários mortos tinham entre 48 e 93 anos. A maioria dos óbitos ocorreu neste mês: 10 casos.

O medo de morrer da Covid-19 ronda as celas lotadas da Penitenciária de Lucélia. O presídio tem capacidade para 1.440 presos e abriga 2.315. Na ala onde o preso morreu de coronavírus, ao menos 40 prisioneiros foram isolados do restante da população carcerária.

Ponte enviou nesta quinta-feira (23/4) e-mail para a assessoria de imprensa da SAP-SP (Secretaria de Administração Penitenciária de São Paulo), pedindo o número de presos mortos em Lucélia nos meses de fevereiro, março e abril deste ano.

A SAP não divulgou os dados alegando que o mês de abril não havia terminado. A reportagem apurou o nome e a idade de cada um dos 14 mortos no período de 44 dias em Lucélia.

Condenado a oito anos por estupro de vulnerável, o presidiário José Vicente Lima é o mais idoso da lista. Ele tinha 93 anos e morreu no dia primeiro de abril. No atestado de óbito dele consta como causa da morte arritmia cardiaca, distúrbio metabólico e colite.

O enterro de Aparecido Firmino dos Santos não contou com a presença de nenhum parente. Segundo o Serviço Funerário de Lucélia, ele foi sepultado no cemitério da cidade como “indigente”.

O caixão era do tipo mais simples. No túmulo não havia nenhuma coroa de flores. Aparecido era o segundo mais idoso na lista de mortos de Lucélia.

O preso tinha 86 anos e faleceu no dia 6 de abril. A causa da morte ainda é indeterminada, segundo o atestado de óbito. Com medo da Covid-19, os funcionários do serviço funerário usaram roupas especiais no sepultamento de Aparecido.

Idenyldo Silva, de 76 anos, condenado a 36 anos por estupro, vítima da Covid-19 em Lucélia morreu no dia 13 de abril. No atestado de óbito consta que ele sofreu insuficiência respiratória, síndrome do desconforto respiratório e pneumonia.

No atestado de óbito de Idenyldo foi mencionada ainda a seguinte observação: “Aguardando exames laboratoriais”. O exame chegou nesta sexta-feira (24/4). 

A mesma frase foi escrita no atestado de óbito do preso Hélio Paiva de Oliveira, de 58 anos, morto no dia 16 de abril. A causa da morte: insuficiência respiratória, síndrome do desconforto respiratório e pneumonia.

Os presidiários Antonio Rodrigues Jardim, 63 anos, morto no dia 2 de abril; Mário Nogueira dos Santos, 63 anos, falecido no dia 2 de abril; Carlos Mendonça, 71 anos, morto em 6 de abril, e Luiz Carlos de Lima Ferreira, 50 anos,  morto em 13 de abril, também faleceram de insuficiência respiratória.

Os outros presos que tiveram a causa da morte apontada por enquanto como indeterminada são Lourival Rodrigues de Oliveira, 71 anos, morto em 9 de março; Benedito Sérgio Ferreira, 61 anos, morto em 24 de março; Carlos José Gomes, 48 anos, falecido em 29 de março, e Josias Carvalho, 62 nos, morto em 11 de abril.

O detento Severino Francisco Barbosa, de 48 anos, morreu em 4 de março e a causa da morte, a princípio, é infarto agudo do miocárdio.

Em nota divulgada às 17h54 desta sexta-feira, a SAP informou que “seis presos foram confirmados para Covid-19 no estado e que quatro faleceram”. Ainda segundo a SAP, entre os servidores, seis agentes contraíram Covid-19 e dois morreram.

Por Josmar Jozino – Repórter da Ponte

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast