Covid-19 pode deixar sequelas diferentes em cada paciente

Doença pode atacar outros órgãos, além do pulmão
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Passar pelos 15 dias da Covid-19 pode ser uma experiência diferente para cada pessoa, porém, sabe-se que a doença é multissistêmica, ou seja, as complicações dependem do órgão em que o vírus mais “ataca”, não sendo, necessariamente, o pulmão. O pneumologista Fábio Macchione dos Santos, diretor de Recursos Próprios da Unimed Catanduva, interior de São Paulo, e superintendente do Hospital Unimed São Domingos (HUSD), alerta que a Covid-19 pode causar sequelas e, por isso, os cuidados devem continuar mesmo após o período da quarentena.

Fábio Macchione dos Santos, médico pneumologista (Divulgação)

“Ao contrário do que pensam, a Covid-19 não compromete apenas o pulmão. É um vírus que vai se multiplicando pelo corpo, gerando uma ação inflamatória que atinge outros órgãos e sistemas”, explicou o especialista. 

De acordo com a Sociedade Paulista de Pneumologia e Tisiologia (SPPT), estudo publicado sobre o efeito a longo prazo da Covid-19 (em inglês More than 50 Long-term effects of COVID-19: a systematic review and meta-analysis), reuniu quase 50 mil pacientes e identificou mais de 50 doenças que se manifestaram após a Covid-19. Dos entrevistados, 58% apresentaram fadiga; 17% suor; 12% problemas de pele; 11% apresentaram dores; 11% febre intermitente; 11% problemas de sono e 8% apneia do sono. 

O pneumologista alerta que quem teve Covid-19 deve se atentar aos cuidados pulmonares, cardiológicos, neurológicos, necrológicos, musculares, hormonais, vasculares e renais.

“Quando atendemos uma pessoa que teve Covid-19, seguimos um protocolo bem desenhado para entender a situação em particular e é necessário termos informações como: quando foi a doença; que tipo de manifestação ela causou; qual o nível de gravidade e como é o dia a dia do paciente”, disse. 

No caso de pessoas que apresentaram problemas pulmonares, o médico reitera a importância de continuar com os cuidados de reabilitação do pulmão, com treinamento fisioterápico para a recuperação pulmonar. Para quem teve perda de olfato e paladar, ou outros sintomas, como: alteração de apetite, perda de força e formigamentos, também exige uma abordagem cuidadosa. O sistema urinário também pode sofrer alterações, como a dificuldade em urinar.

Micrografia eletrônica de varredura colorida de células CCL-81 (verde) infectadas com partículas do vírus da covid-19 – marrom (NIAID/via Fotos Públicas)

Para quem pratica exercícios, os cuidados com o coração são muito importantes. “Recomendamos ao paciente que faça o ecocardiograma, que identifica uma inflamação das células do coração que se chama miocardite, comprometimento comum que pode aparecer após a doença. Ela pode ser assintomática e muito perigosa”, alertou o especialista.

O cooperado reitera a importância dos cuidados em casa para quem precisou ser internado. A perda de massa muscular que ocorre durante a internação exige uma dieta complementar com suplementação de proteínas, acompanhado de fisioterapia regular para a reabilitação motora.

“Infelizmente, a Covid-19 é uma doença multissistêmica. Os cuidados devem continuar após o tratamento. Procure um profissional habilitado e capacitado. Faça um acompanhamento adequado e minucioso para tratar possíveis sequelas”, reiterou o pneumologista.

Outras doenças

O estudo More than 50 Long-term effects of COVID-19: a systematic review and meta-analysis (Mais de 50 efeitos a Covid-19 a longo prazo: uma análise e revisão sistêmica, em tradução livre) também identificou outros sintomas pós-Covid-19 nos entrevistados: 11% tiveram palpitação; 11% insuficiência cardíaca; 11% aumento da frequência cardíaca; 44% dor de cabeça; 27% dificuldade de atenção; 16% perda de memória; 13% ansiedade; 12% depressão; 25% perda de cabelo; 23% perda do paladar; 21% perda de olfato; 15% zumbido no ouvido; 34% raio X de tórax anormal; 24% falta de ar; 21% falta de ar após atividade física; 19% tosse; 16% dor no peito e desconforto; 10% redução da capacidade pulmonar; 16% risco de náusea ou vômito; 12% problemas digestivos; 21% perda de peso; 20% risco elevado de trombose; 19% dor nas articulações. (Fonte: SPPT).

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas