Insira suas palavras-chave de pesquisa e pressione Enter.

Julho foi o mês com mais mortes desde o começo da pandemia no Brasil

País somou quase 33 mil mortes em julho, segundo consórcio de imprensa.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Cemitério da Vila Formosa, na zona leste de Capital (Luiz França/Câmara Municipal de SP)

O Brasil registrou neste sábado (01/08) 45.392 novos casos de covid-19 em 24 horas, segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Assim o país totaliza 2.707.877 contágios e 93.563 óbitos (acréscimo de 1.088 em relação à véspera). O Ministério da Saúde registra que, do total de casos, 1.865.729 se recuperaram e 748.585 estão em acompanhamento.

Diversas autoridades e instituições de saúde alertam, contudo, que os números reais no Brasil devem ser maiores, em razão da falta de testagem em larga escala e da subnotificação. A taxa de letalidade atual é de 3,5%, e a mortalidade, 44,5 por cada 100 mil habitantes.

Julho foi o mês mais fatal no país desde o início da pandemia, com 32.912 óbitos confirmados por covid-19, segundo dados apurados junto às secretarias de Saúde pelo consórcio formado pelos veículos de imprensa G1O GloboExtraEstadãoFolha e UOL.

São Paulo permanece sendo o estado brasileiro mais atingido pela pandemia, com 552.318 casos (mais de 10 mil em 24 horas) e 23.236 mortes. O número de infectados no território paulista supera os registrados em quase todos os países, sendo menor apenas do que os da Rússia (844 mil), Índia (1,7 milhão) e Estados Unidos (4,6 milhões).

Até 10 de julho, a equipe do Instituto Butantan oferece testagem gratuita de covid-19 no estacionamento do shopping SP Market, na Avenida das Nações Unidas, na capital paulista. O atendimento é feito por ordem de chegada, sem precisar sair do veículo, das 8h00 às 17h00. O resultado sai após 72 horas. Até 200 indivíduos podem realizar o exame por dia, mas a partir de quarta-feira essa capacidade será dobrada.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, e a farmacêutica britânica-sueca AstraZeneca assinaram na sexta-feira um termo-base para o acordo de transferência de tecnologia entre os laboratórios e a produção de 100 milhões de doses de vacina contra a covid-19, caso seja comprovada a sua eficácia e segurança. O medicamento desenvolvido pela empresa sediada em Cambridge, em conjunto com a Universidade de Oxford, já está em fase de testes clínicos no Brasil e outros países.

Segundo o website da Universidade Johns Hopkins, o total de casos no mundo de aproxima de 18 milhões, com mais de 681 mil mortes.

AV/abr,ots

____________________________________________________________

*A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast

SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
SP AGORA - O melhor conteúdo de São Paulo
As últimas notícias de São Paulo e do Brasil.
As manchetes dos principais jornais do país
by SPAGORA

Você vai ouvir na voz do repórter Paulo Édson Fiore as manchetes dos principais jornais brasileiros.

As manchetes dos principais jornais do país
Comandante da PM afasta policial após ele apreender carro de vereadora
As manchetes dos principais jornais do país

Outras - notícias

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest