Morte de voluntário não tem relação com vacina, diz Dimas Covas

Anvisa suspendeu testes da Coronavac após "evento adverso grave"
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan (Governo do Estado de São/Reprodução)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu nesta segunda-feira (09/11) os ensaios clínicos da vacina Coronavac, do laboratório chinês Sinovac, contra o novo coronavírus, após a morte de um voluntário.

A agência comunicou que decidiu interromper o ensaio clínico da vacina Coronavac após a ocorrência de um “evento adverso grave” em 29 de outubro, sem dar mais informações.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que se trata da morte de um voluntário e que ela não tem relação com a vacina. Ele declarou à TV Cultura que a Anvisa foi notificada de um óbito e não de um efeito adverso.

Com a interrupção do estudo, nenhum novo voluntário poderá ser vacinado, afirmou a Anvisa, acrescentando que vai “avaliar os dados observados até o momento e julgar o risco/benefício da continuidade” dos testes.

A suspensão dos ensaios clínicos da Coronavac, que envolve 9 mil voluntários, ocorreu um dia depois de o gigante farmacêutico americano Pfizer anunciar que a sua vacina contra a covid-19 alcançou 90% de eficácia nos testes.

As vacinas da Pfizer e Sinovac estão em testes da fase três, a última fase antes de receberem aprovação regulamentar. Ambas estão sendo testadas no Brasil, o segundo país mais afetado pela pandemia, com mais de 162 mil mortes.

A Coronavac, que também está sendo testada na China, na Turquia, em Bangladesh e na Indonésia,  tem sido objeto de uma batalha política no Brasil entre um dos seus maiores apoiadores, o governador de São Paulo, João Doria, e o seu principal adversário político, o presidente Jair Bolsonaro, que em outubro proibiu a compra da Coronavac.

Bolsonaro desdenhou da vacina por ela ser chinesa e promoveu a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford com a empresa farmacêutica britânica AstraZeneca.

O governo de São Paulo aliou-se à Sinovac para coordenar a última fase dos ensaios clínicos em território brasileiro e assinou um contrato que incluiu a aquisição e distribuição de 46 milhões de doses da vacina.

AS/lusa/ots

Por Deutsche Welle

Acompanhe nossos Podcast
Está gostando do conteúdo? Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados

Últimas - notícias

Orelhas & Tiaras

Play
Play
Play
previous arrow
next arrow
previous arrownext arrow
Slider

Podcast