Pfizer diz que pílula reduz em 89% risco de morte por covid-19

Nenhum dos participantes do estudo havia sido vacinado contra a covid-19
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Pesquisador da Pfizer trabalha em laboratório da companhia
(Divulgação)

A farmacêutica Pfizer anunciou nesta sexta-feira (05/11) que testes clínicos com sua pílula experimental contra a covid-19 mostraram alta efetividade do medicamento. Chamado Paxlovid, o remédio conseguiu baixar em 89% o risco de hospitalização ou morte entre pacientes adultos com covid-19 com alto risco de desenvolver formas graves da doença.

Nos testes, 389 pacientes infectados receberam a pílula em até três dias após o aparecimento dos sintomas. Desse total, apenas três foram hospitalizados em até 28 dias após o início do estudo, e nenhum morreu. Os testes também envolveram 385 pacientes que não receberam o comprimido, dos quais 27 foram hospitalizados e sete morreram.

O tratamento foi ainda administrado a um total de 607 pacientes em até cinco dias após o início dos sintomas. Nesse caso, seis foram hospitalizados, e nenhum morreu. Outros 612 infectados não receberam o medicamento, e desses, 41 foram internados e dez morreram.

Nenhum dos participantes do estudo havia sido vacinado contra a covid-19. O Paxlovid foi administrado em combinação com uma dose baixa de outro antiviral, o Ritonavir, esse mais antigo.

Agora, a Pfizer disse que planeja apresentar à agência reguladora americana Food And Drug Administration (FDA) os resultados de testes com sua pílula, como parte do procedimento para obter autorização para uso emergencial nos Estados Unidos iniciado em outubro.

Comprimido semelhante já aprovado

Os resultados preliminares do Paxlovid parecem superar os obtidos por um produto similar desenvolvido pela rival MSD (Merck nos EUA e Canadá), em parceria com a Ridgeback Biotherapeutics. A droga, chamada Molnupiravir, mostrou no mês passado ser capaz de reduzir pela metade a probabilidade de morte ou hospitalização em pacientes infectados pelo coronavírus com alto risco de desenvolverem quadros graves.

Nesta quinta-feira, a autoridade reguladora de medicamentos do Reino Unido autorizou o uso do Molnupiravir em adultos com covid-19 e ao menos um fator de risco. A droga da farmacêutica americana MSD é considerada a primeira pílula comprovadamente eficaz no tratamento anticovid.

Os dados completos dos testes de ambas as companhias ainda não estão disponíveis.

Com a notícia, as ações da Pfizer subiram 13%, para 49,47 dólares, enquanto as da MSD caíram 6%, para 84,69 dólares.

Por Deutsche Welle
md/ek (AFP, Reuters)

Você usa o Telegram?

Entre em nosso canal no Telegram e receba nossas atualizações de notícias direto no seu celular. Basta clicar aqui

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.