Vacina da Pfizer tem eficácia de 85% já após primeira dose

Pesquisa israelense conclui que dose inicial oferece proteção alta entre duas e quatro semanas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Divulgação)

A primeira dose da vacina contra a covid-19 desenvolvida pela farmacêutica americana Pfizer e a empresa alemã Biontech tem eficácia de 85% em um período de duas a quatro semanas após a aplicação, segundo um estudo divulgado nesta sexta-feira (19/02).

A pesquisa, publicada na revista científica The Lancet, foi realizada com a ajuda de profissionais de saúde do maior hospital de Israel. O país realiza a campanha de vacinação em massa tida como a mais rápida em todo o mundo, lançada no dia 19 de dezembro. 

O estudo foi realizado no hospital Sheba, próximo a Tel Aviv, onde 7.214 funcionários receberam a primeira dose em janeiro. Foi registrada uma redução de 85% nos casos sintomáticos num período entre 15 e 28 dias. A redução das infecções incluindo também os casos assintomáticas foi de 75%.

Estudos realizados em Israel concluíram que a eficácia da vacina é de 95% depois da aplicação da segunda dose. A pesquisa divulgada na Lancet foi realizada com mais de 9 mil profissionais do hospital. Deles, mais de 7 mil já haviam recebido a primeira dose do imunizante. Os demais ainda não haviam sido vacinados.

Gili Regev-Yochay, epidemiologista do Sheba, pediu cautela, afirmando que o estudo foi realizado em grande parte em pessoas jovens e saudáveis. As pesquisas, porém, foram realizadas durante o pico das infecções no país, com os hospitais sobrecarregados de pacientes.

Retardar segunda dose para vacinar mais pessoas

“O que vemos é uma eficácia realmente alta logo após duas semanas, e entre duas e quatro semanas após a vacina, de 85% de redução em infecções sintomáticas”, disse Regev-Yochay, coautora do estudo.

O estudo foi divulgado logo depois de pesquisadores do Canadá sugerirem que a aplicação da segunda dose da vacina Pfizer-Biontech pode ser atrasada, devido ao alto índice de proteção após a primeira inoculação, de modo a aumentar o número de pessoas vacinadas.

A pesquisa canadense afirma que a eficácia do imunizante é de 92,6% após a primeira dose. A conclusão se baseia em documentos enviados pelos fabricantes sobre os últimos testes em humanos submetido para o Departamento de Medicamentos e Alimentos dos Estados Unidos em dezembro.

Segundo a agência reguladora americana, os dados mostram que o imunizante já fornecia proteção antes mesmo da aplicação da segunda dose.

A Pfizer se recusou a comentar sobre as pesquisas, ao afirmar que a empresa realiza suas próprias análises sobre a eficácia da vacina. A farmacêutica deve utilizar os dados israelenses para avaliar o potencial da vacina em proteger contra as variantes mais contagiosas do coronavírus.

Vacina suporta temperatura mais quente

Também nesta sexta-feira, as fabricantes disseram que sua vacina pode suportar temperaturas mais quentes do que se pensava inicialmente, o que simplificaria potencialmente a complexa logística da cadeia de distribuição.

As empresas solicitaram ao órgão regulador dos EUA a permissão para que a vacina seja armazenada por até duas semanas em até 15 graus Celsius negativos, temperatura comumente encontrada em freezers e geladeiras farmacêuticas.

Sob as diretrizes existentes, a vacina BioNTech/Pfizer precisa ser armazenada a uma temperatura de entre 80 a 60 graus Celsius negativos até cinco dias antes do uso, um processo delicado que requer recipientes especiais para embarque e gelo seco para armazenamento.

“Se aprovada, esta nova opção de armazenamento ofereceria às farmácias e centros de vacinação maior flexibilidade na forma como administram seu fornecimento de vacinas”, disse o CEO da Pfizer, Albert Bourla, em comunicado.

A vacina BioNTech/Pfizer foi a primeira contra a covid-19 a ser aprovada no Ocidente, no final do ano passado, e está em uso em dezenas de países.

Por Deutsche Welle

rc/rpr (AFP, Reuters)

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Veja também

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas