Veneno da Jararacuçu combate a reprodução do coronavírus, diz estudo

Resultado foi obtido por cientistas da Unesp, no interior de São Paulo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
(Rede social/via TV Cultura)

Cientistas do Instituto de Química (IQ) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Araraquara (SP), descobriram que o veneno de uma espécie de cobra tem um peptídeo que é capaz de controlar a reprodução do novo coronavírus.

O pedaço de proteína presente no veneno da Jararacuçu, natural do Brasil, inibiu 75% da multiplicação do SARS-CoV-2 nos testes realizados. O resultado foi publicado na revista internacional Molecules.

Em nota, o IQ aponta que “o estudo preliminar apresenta um caminho promissor na busca por medicamentos para tratar pacientes contaminados pela Covid-19. O grande desafio para a criação de um novo fármaco é garantir que ele seja eficiente contra determinada patologia e, ao mesmo tempo, não gere reações adversas para quem for tomá-lo.”

“Nós encontramos um peptídeo que não é tóxico para as células, mas que inibe a replicação do vírus. Com isso, se o composto virar um remédio no futuro, o organismo ganharia tempo para agir e criar os anticorpos necessários, já que o vírus estaria com sua velocidade de infecção comprometida e não avançaria no organismo”, disse Eduardo Maffud Cilli, um dos autores da pesquisa.

O peptídeo em questão bloqueia uma das enzimas responsáveis pela multiplicação do vírus. Como as diferentes cepas do SARS-CoV-2 ainda possuem essa substância, o veneno ainda teria eficácia contra todas as variantes. O texto do IQ ainda caracteriza o pedaço de proteína como “pequeno e fácil de ser obtido”.

Por TV Cultura

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas