Especialista alerta para cuidados na hora do sexo entre mulheres

Tabus sociais ainda são barreiras na hora de falar de sexo.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Falar sobre sexo é um mito para muitas pessoas. Dentro de casa, muitos pais ainda não conversam sobre o assunto com seus filhos, principalmente na adolescência.

Quando se trata de sexualidade, o caso complica ainda mais, pois falar sobre homossexualidade e assumir esta condição para os pais é um processo que requer tempo e, em alguns casos, os filhos não se sentem tão confortáveis para falar sobre.

No que tange a homossexualidade feminina, o assunto fica ainda mais delicado. Foi o que sentiu na pele Carolina Proença. Hoje com 31 anos, ela conta que nunca foi fácil conversar com os pais sobre sexo e sua sexualidade durante a adolescência. Segundo ela, ainda existe um tabu em falar sobre sexo com meninas, e mais ainda com aquelas que transam com outras.

“É difícil pensar que nós não somos tão abertas como parecemos quando queremos falar sobre nossa sexualidade com nossos pais e também sobre sexo. Ainda vivemos em uma sociedade machista, na qual só se fala a respeito de sexo com os homens, de pais para filhos do gênero masculino, quando se trata de falar sobre meninas que transam com meninas, a coisa muda de figura. Eu tive que buscar orientações fora de casa para entender um pouco mais desse universo”, afirma Carolina.

De acordo com a ginecologista Albertina Duarte Takiuti, as mulheres se preocupam, sim, com a saúde íntima desde novinhas, pois são levadas muitas vezes pela mãe aos consultórios ginecológicos, mas para falar sobre a primeira menstruação e as mudanças no corpo, mas muitas não se sentem à vontade para falar sobre sexo, e muitas até desconhecem o prazer pelo mesmo. Em outros casos, algumas desconhecem até sobre sua sexualidade.    

Albertina Duarte Takiuti, médica doutora em Ginecologia e Coordenadora do Programa “Saúde da Adolescente”, da Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo
(Marcia Barros/Divulgação)

“Pode parecer estranho, mas muitas mulheres não conhecem seu próprio corpo, e o que realmente lhes dá prazer, em alguns casos, a mulher só descobre que sente atração por outra depois de já ter transado com homens, mas no desconforto do sexo, não percebem que o problema não está com o parceiro, mas sim com elas, que não sentem atração pelo sexo oposto”, declara.

A médica ainda relata que muitas mulheres não sabem e desconhecem como é o sexo entre elas e quais os riscos, de acordo com a ginecologista estes assuntos deveriam ser abordados em escolas e pelos próprios pais, e ela ainda esclarece algumas dúvidas e alguns cuidados que devem ser seguidos numa transa entre mulheres.

“Usar camisinha durante o sexo oral é muito importante, não compartilhar objetos (como vibradores) para penetração vaginal ou anal. O ideal é que cada uma tenha o seu. Se por acaso forem compartilhar, é muito importante usar sempre a camisinha no objeto, além de manter as unhas bem aparadas para evitar que se machuquem. Caso tenham mais dúvidas, procurar a ajuda de um médico especialista”, declara Takiuti. 

*conteúdo A Expressão 5

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas