Ministério da Saúde diz que Coronavac será distribuída a todo o país

Pasta anuncia acordo com Butantan para compra exclusiva de todas as doses produzidas pelo instituto
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

O Ministério da Saúde anunciou neste sábado (09/01) que a vacinação contra a covid-19 ocorrerá de forma simultânea em todo o país, com distribuição proporcional de doses entre os estados.

A pasta fechou um acordo com o Instituto Butantan para que todas as doses produzidas no Brasil sejam compradas com exclusividade pelo governo federal e distribuídas simultaneamente aos entes federativos por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Ligado ao governo de São Paulo, o Butantan desenvolve a Coronavac, em parceria com a chinesa Sinovac. Segundo o ministério, as doses produzidas pelo instituto serão incorporadas ao plano nacional de vacinação promovido pelo governo federal, ainda sem cronograma claro.

“Representantes do Ministério da Saúde e do Instituto Butantan acertaram que a totalidade das vacinas produzidas pelo laboratório paulista serão adquiridas pelo Governo Federal e incorporadas ao Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19”, afirmou a pasta.

“Assim, brasileiros de todo o país receberão a vacina simultaneamente, dentro da logística integrada e tripartite, feita pelo Ministério da Saúde e as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde.” A distribuição será feita em quantidade proporcional à população de cada estado.

O anúncio ocorre dois dias depois de o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ter informado que o governo federal assinou contrato com o Butantan para a aquisição de 100 milhões de doses da Coronavac, das quais 46 milhões devem ser entregues até abril.

Sem datas

Neste sábado, o ministério disse ainda que a campanha nacional de imunização deve ter início “tão logo os imunizantes recebam autorização da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]”.

Dois dias antes, ao anunciar a compra de doses da Coronavac, Pazuello afirmara que, “no melhor cenário”, a vacinação pelo Plano Nacional de Imunização começará em 20 de janeiro.

O governo de São Paulo, por sua vez, o primeiro a apostar na Coronavac, tem um cronograma de vacinação pronto, independente do governo federal, com início em 25 de janeiro.

Na sexta-feira, autoridades de saúde paulistas destacaram que o estado manterá seu cronograma de imunização, independente do planejamento federal, e que não esperará o resto do país caso o plano nacional não comece antes do dia 25.

O governo paulista já tem um estoque de 10,8 milhões de doses da Coronavac, que foram importadas prontas da China, e deve receber mais 35 milhões de doses até a primeira quinzena de fevereiro. 

Aval da Anvisa

Na sexta-feira, a Anvisa recebeu os dois primeiros pedidos de registro emergencial no país de vacinas contra a covid-19. A autorização foi solicitada para a Coronavac e para o imunizante criado pela farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade de Oxford, que no Brasil são parceiros da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), uma entidade do governo federal.

A Anvisa tem até dez dias para fazer a análise dos dados e responder se autoriza o uso das vacinas.

Em testes realizados no Brasil, a Coronavac teve eficácia de 78% para evitar casos leves da covid-19 e evitou em 100% a ocorrência de casos moderados e graves, segundo os resultados finais divulgados pelo governo de São Paulo na quinta-feira.

Disputa política

A Coronavac está no centro de uma disputa política entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), seu desafeto.

Em outubro, Pazuello havia anunciado um acordo para a compra de 46 milhões de doses da vacina chinesa, que foi logo depois revogado por Bolsonaro. À época, o presidente anunciou no Twitter que a Coronavac não seria comprada pelo governo federal.

Em 10 de novembro, Bolsonaro chegou a comemorar uma decisão da Anvisa que suspendeu temporariamente os estudos clínicos da Coronavac após a morte de um participante dos testes, que depois se mostrou não relacionada à vacina. “Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, afirmou o presidente.

No dia seguinte, Bolsonaro indicou para assumir um assento na Anvisa o tenente-coronel Jorge Luiz Kormann, que não tem formação em saúde e, em seu perfil no Twitter, já havia manifestado críticas à Coronavac e à Organização Mundial da Saúde (OMS).

Atrás do governo paulista na corrida pela vacina, o governo federal apostou num acordo com a empresa anglo-sueca AstraZeneca, em parceria com a Fiocruz. Na contramão de quase todos os países do mundo, o Ministério da Saúde se comprometeu inicialmente com apenas uma vacina, e não com um leque diversificado como ocorreu, por exemplo, na União Europeia.

Atualmente, mais de 40 nações já iniciaram esforços para vacinar suas populações, incluindo vários países latino-americanos.

Por Deutsche Welle

EK/ots

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas