Robô é usado pela 1ª vez em cirurgia no interior de SP

Robô custou R$ 13 milhões. Paciente é um homem de 57 anos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Robô custou R$ 13 milhões. Paciente é um homem de 57 anos.

Paciente é um homem de 57 anos (Secretaria Estadual de Saúde/Reprodução)


Com câncer de próstata, um paciente de 57 anos foi o primeiro a ser operado nesta semana pelo robô Da Vinci Xi, no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), vinculado à Universidade de São Paulo (USP). O equipamento foi adquirido recentemente pela instituição por cerca de R$ 13 milhões, com recursos da Secretaria Estadual da Saúde e da Fundação de Apoio à Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas (FAEPA).

O Da Vinci Xi é o modelo mais moderno que existe e o único no interior de São Paulo. Na cirurgia, ele foi controlado pelo professor da FMRP e cirurgião Rodolfo Borges dos Reis, que passou por treinamento nos Estados Unidos para comandar o robô – com quatro braços que realizam movimentos precisos e sensíveis. Em três deles, há pinças, tesouras e bisturis.

Esses braços mecânicos permitem movimentos difíceis de serem realizados por mãos e braços humanos. No outro, uma câmera potente entra no corpo e aumenta entre 10 e 15 vezes a visão do médico.

Manuseio

A movimentação dos instrumentos ocorre pelo manuseio de um comando muito parecido com joysticksde jogos no computador. À medida que move as mãos e os dedos, o robô reproduz os movimentos, mais finos e flexíveis, dentro do corpo e consegue acessar regiões mais difíceis para a mão humana. Detalhe: o corte é de oito milímetros.

“O Hospital das Clínicas prima pelo que tem de mais moderno em tecnologia. Sem dúvida, a aquisição do robô foi um grande passo. Com isso, poderemos oferecer essa inovação aos pacientes e promover o treinamento das equipes médicas, para que os profissionais saiam mais capacitados e com acesso às mais modernas tecnologias”, salienta o professor Rodolfo Borges dos Reis.

“As grandes vantagens da cirurgia robótica são menos sangramento e precisão maior das suturas intracorpóreas. Praticamente não tem hérnia e o é retorno mais rápido às suas atividades diárias, além de uma alta mais precoce”, completa o docente. Rodolfo Borges dos Reis estima uma cirurgia realizada por semana na unidade.

Áreas

Para o HC da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, a nova tecnologia colocada à disposição dos médicos representa um avanço para a capacitação dos profissionais e, especialmente, para o tratamento dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).

“O robô terá atuação transversal. Várias áreas serão contempladas, entre elas, a urologia, que tem grande número de pacientes que podem se beneficiar, a ginecologia, cirurgia geral do sistema digestório, cirurgia de cabeça e pescoço e cirurgia torácica. Essas são as principais áreas”, completa o professor Rodolfo Borges dos Reis.

*Conteúdo do Governo do Estado de SP

Compartilhe notícia

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp

Outras notícias

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie!.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias relacionadas