A pedido da PF, STF manda prender bolsonarista Allan dos Santos

Allan dos Santos é investigado em inquérito no STF (Reprodução)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a prisão preventiva do jornalista Allan dos Santos, responsável pelo site Terça Livre. A decisão foi assinada em 5 de outubro e tornou-se pública hoje (21) após vários órgãos de imprensa divulgarem a informação. 

O pedido de prisão foi feito pela Polícia Federal (PF) no âmbito de um inquérito que apura a suposta disseminação de notícias falsas e a atuação de uma organização digital para atentar contra a democracia e o Estado de Direito. Em 2020, Allan dos Santos foi alvo de buscas da corporação. 

“O quadro fático que tem se consolidado desde o ano passado permite concluir pela adequação e proporcionalidade da medida extrema de restrição de liberdade, pois as medidas cautelares anteriormente impostas se demonstraram ineficientes para coibir as práticas criminosas”, decidiu o ministro.

Na decisão, Moraes ainda determinou que o Ministério da Justiça e a Embaixada dos Estados Unidos iniciem o procedimento de extradição de Allan dos Santos para o Brasil. Desde o ano passado, ele mora naquele país. 

A determinação também contempla o bloqueio das contas bancárias do jornalista, das contas nas redes sociais e a inclusão do mandato da prisão em uma lista de procurados pela Interpol. 

A Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestou contra a prisão preventiva. 

A reportagem não conseguiu contato com a defesa do jornalista.

Por Agência Brasil

Ameaça a Barroso: Juíza rejeita denúncia contra Allan dos Santos

A Justiça Federal em Brasília rejeitou nesta terça-feira (24) uma denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o blogueiro Allan dos Santos, dono do canal “Terça Livre”. Ele era acusado de ameaçar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso.

A juíza Pollyana Kelly Alves, da 12ª Vara Federal Criminal, avaliou que os ataques do blogueiro estavam protegidos pela liberdade de expressão e que o MPF não conseguiu comprovar uma ameaça efetiva.

“Tenho ressaltado que o direito de liberdade de expressão dos pensamentos e ideias consiste em amparo àquele que emite críticas, ainda que inconvenientes e injustas. Em uma democracia, todo indivíduo deve ter assegurado o direito de emitir suas opiniões sem receios ou medos, sobretudo aquelas causadoras de desconforto ao criticado”, diz a decisão.

Segundo a denúncia, as ameaças foram feitas durante a gravação de um vídeo intitulado “Barroso é um miliciano digital”, em que Santos ataca Barroso por, supostamente, ter se referido a ele como “terrorista digital”.

No vídeo divulgado em novembro de 2020, o bolsonarista proferiu as seguintes palavras: “Tira o digital, se você tem culhão! Tira a p**** do digital, e cresce! Dá nome aos bois! De uma vez por todas Barroso, vira homem! Tira a p**** do digital! E bota só terrorista! Pra você ver o que a gente faz com você. Tá na hora de falar grosso nessa p****!”

Por TV Cultura

Canal bolsonarista é banido do YouTube

Allan dos Santos é investigado em inquérito no STF (Reprodução)

O YouTube tirou do ar o canal Terça Livre, do blogueiro bolsonarista Allan dos Santos. Ele já é investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e foi alvo de operações da Polícia Federal.

O anúncio oficial foi feito através do site do Terça Livre, que informou que os dois canais, “Terça Livre TV” e o “Terça Livre Live”, “foram encerrados” na noite de quarta-feira (3). Segundo o site, o canal foi banido da plataforma por “violação dos Termos de Serviço”.

Em nota, o Google afirmou que “todos os conteúdos no YouTube precisam seguir nossas diretrizes”, além de contar “com uma combinação de sistemas inteligentes, revisores humanos e denúncias de usuários para identificar conteúdo suspeito e agimos rapidamente sobre aqueles que estão em desacordo com nossas políticas”.

Segundo a nota postada pelo Terça Livre, a ação é recorrente de uma campanha do grupo ativista Sleeping Giants Brasil.

Allan é investigado pela PF e tem dois inquéritos abertos pelo STF. Um por ameaças a ministros do Tribunal e a disseminação de informações falsas na internet e outro investiga o financiamento de atos antidemocráticos.

Por TV Cultura