“Quero provocar uma reação emocional com minha obra”, diz o pintor espanhol Fincias

Fincias usa e abusa das cores em suas obras

Mexer com os sentimentos e criar uma experiência diferenciada. Esse é o desejo do pintor espanhol José Luis G. Fincias em relação ao seu trabalho que é reconhecido na Espanha e em vários outros países. “Quero provocar uma reação emocional em quem vê o meu trabalho”, diz o artista.

Ele disse que pinta e desenha desde que começou a entender o mundo, ou seja, ainda criança. Depois foi se aperfeiçoando e completando a sua formação artística. “O pincel se tornou parte de mim e as cores são as minhas melhores aliadas”, comenta José Luis G. Fincias.

O artista espanhol disse que quando pinta, tenta expressar para o mundo os sentimentos que carrega dentro de si para poder provocar uma reação em quem aprecia seu trabalho, que é chamativo, colorido, enérgico e passional, como ele mesmo define.

Sua obra corre o mundo e em sua brilhante carreira artística, Fincias realizou exposições em importantes galerias de arte da Espanha como na capital Madri e cidades como Barcelona, Santander, Oviedo, Tarragona, Zamora, Bilbao e San Sebastián. “Também realizei exposições em outros países, em cidades como Estocolmo, Amsterdam, Edimburgo, Luxemburgo, Estrasburgo, Miami, Hamburgo, Porto, Roma, Paris, Bruxelas, Nova York, Mônaco, Singapura e Hong Kong”, destaca o artista.

Sua obra foi adquirida por instituições públicas e colecionadores da Espanha e de outros países. Membro de AEPE (Associação Espanhola de Pintores e Escultores). José Luis G. Fincias é membro fundador do Grupo de Artistas Plásticos KAIKOO y ESPACIO CERO.  

Críticos de arte reconhecem trabalho de Fincias

Renomados críticos de artes da Espanha e do mundo reconhecem o talento e a qualidade do trabalho de Fincias, como a Crítica de Arte, colaboradora do Museu Vasco de Arte Contemporâneo, Galerias de Arte e o Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia de Madrid, Izaskun Monfort Aurteneche. “Nas criações deste autor madrilenho, o magnetismo que caracteriza o estilo de Fincias, reverbera em tecidos carregados com matéria e fortes contrastes de cor”, disse a crítica.

Marcos Martín,do Diario La Opinión de Zamora, também concorda quando se trata da obra de Fincias. “Não há melhor maneira, do que se entreter com a pintura de Fincias para respirar otimismo diante dos tempos que vivemos”, disse o crítico.

A lista de críticas positivas é extensa. “O estilo próprio de um pintor é fundamental para poder determinar sua marca e reconhecer sua obra, mas nos tempos atuais e com a qualidade dos artistas existentes, nem sempre é fácil. Existem muitos elogios que podem definir FINCIAS como artista. Nós apenas te convidamos a conhecer sua obra que emociona intensificando a vida da cor”, disse o crítico Josep Lluís Del Río na revista Guiarte y Tú, de Barcelona.

COLORS.-100-x-81-cm.-FINCIAS.-Óleo e Acrílico sobre tela

A originalidade do pintor espanhol José Domínguez no Brasil

José Dominguez

Os críticos de arte são unânimes: o artista plástico espanhol José Domínguez se destaca pelo seu jeito único de pintar, graças à sua perspectiva diferenciada de ver o mundo. O crítico de arte internacional, especialista em arte moderna e contemporânea, de Nápoles, Itália, Antonio Malmo, disse que ele aplica a perspectiva com precisão. “José Domínguez oferece a todos nós uma visão serena e harmoniosa da vida, do ambiente e das coisas, revivida através de sua extraordinária sensibilidade”, disse o crítico de arte.

O artista plástico Francisco Arroyo Ceballos, membro da Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA), o pintor disse que o estilo de José Domínguez é único. “Algo mágico invade a tela e transporta o espectador preenchendo em sua mente um vazio difícil de completar no ambiente urbano em que a vida vegetal é degradada e quase que inexistente”, disse Ceballos.

Paixão por paisagens

José Domínguez é um pintor apaixonado por paisagens, um artista com pinceladas fáceis e cores contidas. Suas perspectivas diferenciadas de vários lugares do mundo levam o espectador de sua obra a viajar de maneira sugestiva pelos cinco continentes.

Ele nasceu em Martos, Jaen, mas se considera um verdadeiro cidadão do mundo. José Domínguez decidiu dedicar-se inteiramente e profissionalmente à pintura em 1990, após a sua primeira exposição na cidade de Córdoba e hoje sua arte atravessa fronteiras em todos os níveis, mostrando seu trabalho em todo o mundo, tanto com exposições individuais e coletivas e em feiras de arte.  Ele é membro da Sociedade Nacional de Belas Artes da França e acadêmico sênior da aclamada Academia Grecci-Marino, na Itália. Em 2009 foi premiado pela Academia Nacional de Artes Plásticas do Brasil.

Alguns críticos afirmam que a pintura José Dominguez apresenta uma “simplicidade luminosa”, porque suas paisagens mostram de forma simples e luminosa a beleza arquitetônica de cidade novas e velhas, passando por Veneza e Nova York, além de Madrid, Paris e Sevilha, sem ignorar suas raízes em Jaén e sua cidade natal, Martos. O branco do cal e seu legado histórico, artístico e cultural são presenças constantes em sua obra.

Para ele, o trabalho e a constância têm sua recompensa no final. Segundo o artista, sua turnê internacional de exposições 2018/2019 segue por vários países como França, Alemanha, Romênia, Itália, Estados Unidos e, claro, Brasil, onde serão realizadas exposições em vários centros e entidades.

O artista espanhol é presença constante em várias publicações internacionais sobre pintura como o “quarto volume do dicionário de pintores e escultores do século XX”, no livro “Abordagem para as Artes Plásticas no limiar do século XXI”, ou o “Dicionário Enciclopédico Internacional de Arte Moderna e Contemporânea da Itália”. Além disso, mais de dez museus, como Santa Cruz de Tenerife, Portugal, México, Argentina, entre outros, tem em seu catálogo obras de José Domínguez.