Franquias ampliam o delivery para faturar na pandemia

Uma pesquisa de Food Service realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), em parceria com a consultoria Galunion, aponta que, em agosto, o delivery dobrou sua participação no faturamento das redes entrevistadas, passando de 18% para 36%. Também cresceu a captura mista de pedidos (uso de canais próprios e marketplaces), que saltou de 45% (antes da pandemia) para 73%.

Outros movimentos importantes detectados foram a criação de novos canais/formas de venda, incluindo as cozinhas virtuais (dark kitchens), ajustes no cardápio/oferta de produtos e a digitalização nas interações com o consumidor. A pesquisa teve a participação de 85 marcas, representando R$ 20,6 bilhões e cerca de 15 mil unidades em todo o País.

O delivery foi alternativa de muitos restaurantes para manter o faturamento durante a pandemia. Mas, apesar do fechamento de algumas unidades, outras oportunidades de negócios surgiram derivadas da entrega dos pedidos em casa.

Água Doce Sabores do Brasil (Divulgação)

É o caso da rede de franquias Água Doce Sabores do Brasil, que enxergou no estoque de bebidas das unidades uma utilidade para faturar, além da venda de pratos. Em comunicado, o diretor de franquias da rede, Julio Bertolucci, disse que o chamado delivery de bebidas incrementou em 40% o faturamento das 80 unidades da marca. 

“Em parceria com os nossos fornecedores conseguimos articular preços competitivos no mercado e passamos a ser mini distribuidores locais de bebidas. O sucesso se deu porque, além de promover valores que competem com outros estabelecimentos, oferecemos drinks que colaboram para a experiência de consumo dos clientes”, comenta Julio.

Divino Fogão (Divulgação)

Na rede Divino Fogão não foi diferente, segundo a comunicado. Com todas as unidades localizadas dentro de shopping centers, o delivery – que antes era um agregador – se tornou uma parte importante para as unidades. São mais de 170 unidades espalhadas pelo Brasil e as entregas em domicílio cresceram de 600% durante a pandemia.

A procura pelo serviço permitiu que a franquia visualizasse uma oportunidade de negócio para ampliar o acesso dos consumidores aos pratos que são referência dentro do Divino Fogão. Com foco total no delivery, a rede lançou o projeto de Dark Kitchen, cozinhas invisíveis que atuam como parceiros na preparação e entrega dos produtos.

“A pandemia permitiu enxergar um gargalo que antes não era possível. Com o projeto, buscaremos parceiros com experiência em alimentação, como hotéis e lanchonetes, que tenham espaço físico e tempo ocioso das cozinhas para se dedicarem à produção de pratos exclusivos do Divino Fogão para delivery. Isto irá permitir a ampliação do raio de alcance das entregas, além de contribuir para que o licenciado rentabilize seu negócio, especialmente neste momento em que se ensaia uma retomada da economia. Até o final de 2021, a nossa expectativa é chegar a 600 cozinhas”, comenta Reinaldo Varela, fundador da rede conhecida pela comida típica de fazenda.

Mr. Cheney (Divulgação)

Mr. Cheney, rede de cookies tipicamente americanos, possui cerca de 95% de suas operações em shoppings. Com a obrigatoriedade do isolamento social, a rede teve que acelerar o projeto do primeiro e-commerce da marca e da plataforma própria de delivery.

“Da noite para o dia, o faturamento das 75 unidades caiu drasticamente por conta do fechamento dos shoppings. O delivery foi a única saída para muitos franqueados. Estávamos estruturando a loja on-line desde 2019, mas a pandemia acelerou a nossa estratégia”, explica Lindolfo Paiva, sócio fundador do Mr. Cheney via nota distribuída à imprensa.

Ainda segundo Paiva, no ano passado, a média de participação das vendas on-lineda rede era de 5% e, com o atual cenário, passou a ser de 26% no último trimestre, o que representa um crescimento de 422%.

“Tivemos que nos adaptar de uma forma rápida, justamente para minimizar os impactos do outro lado da ponta. Como a digitalização já era uma realidade para nós, só apertamos o start e oferecemos os devidos treinamentos aos lojistas. A evolução foi muito positiva e os nossos clientes receptivos com a novidade”, explica o executivo da rede que conta com um aplicativo próprio de entregas.

10 franquias que custam menos que um carro zero

(Reprodução)

O empreendedorismo é uma opção que vem crescendo no país. De acordo com pesquisa realizada pela Global Entrepreneurship Monitor (GEM), 2020 será o ano com maior aumento de número de novos empreendedores nos últimos 20 anos.

Com R$45 mil ou menos, é possível investir em um negócio próprio e começar a faturar. Este é o valor do carro mais vendido no primeiro semestre de 2020, o Chevrolet Onix, de acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). O modelo mais básico, zero Km, custa em torno de R$ 45 mil, com dados da tabela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). 

Entre as opções de investimento, as franquias são uma boa pedida para quem tem vontade de investir, mas não sabe muito bem como estabelecer uma marca no mercado. 

De acordo com José Carlos Fugice, CEO da Goakira Inteligência Empresarial e especialista em franquias, é preciso que o interessado em um modelo de negócios faça uma pesquisa aprofundada sobre as redes antes de tomar uma decisão.

“O ponto principal é avaliar se as atividades exigidas pela franquia estão dentro do perfil de trabalho que a pessoa está acostumada e sabe executar. Não adianta só ter “afinidade com a marca”. Isso é muito genérico. Por outro lado, a pesquisa é algo fundamental no processo de escolha de uma marca para investir. Pesquise no Google, Reclame Aqui. Jogue o CNPJ da empresa e o nome do criador nos buscadores. Reúna informações para fundamentar a sua decisão. E por mais que isso possa soar repetitivo, procure franqueados e ex-franqueados da empresa em questão e colha feedbacks”, explica.  

Confira 10 opções de franquias que podem ser compradas com o valor de um automóvel popular, zero Km.

Dulc Croc

Criada em 2019, a Dulc Croc é uma rede de micro confeitarias gourmet. O franqueado atua com a venda de doces, bolos, brownies, cookies e outros produtos com o mais alto padrão de qualidade. Com modelo enxuto, o negócio pode ser operado de casa e as vendas podem ser feitas tanto pelo delivery quanto por meio de encomendas.

Investimento: R$3,5 mil

Faturamento: R$3 mil

Tempo de retorno: 6 a 12 meses

Maxipay

Criada em 2018, a MaxiPay é uma fintech de soluções de pagamento. Com um portfólio de serviços variados, as possibilidades para os franqueados são inúmeras. Ele pode oferecer serviços bancários (correspondente), empréstimos, abertura de conta e aluguel de máquinas de cartão. Além disso, a empresa parcela o valor do investimento em 12 vezes.

Investimento: R$3,9 mil

Faturamento: R$6,6 mil

Tempo de retorno: 2 meses

Valor Web

Criada em 2001, a Valor Web é uma rede de franquias especializada em marketing digital. A proposta da empresa é oferecer soluções práticas com foco nos resultados. Os franqueados são responsáveis pela prospecção de empresas e o oferecimento de serviços como desenvolvimento de sites, e-commerce, mídias sociais, anúncios na web e Google Adwords. A empresa conta com 15 franquias em operação atualmente em modelo home based.

Investimento: a partir de R$10 mil

Faturamento: média de R$25 mil

Tempo de retorno: 3 a 6 meses

Alfred Delivery

Criado em 2017, o Alfred Delivery é um aplicativo que entrega absolutamente tudo o que o cliente deseja. De pipoca de cinema até seu prato predileto, o objetivo da empresa é ser um “marketplace de tudo” dos pequenos centros urbanos. Nos últimos meses a empresa cresceu mais de 200%.

Investimento: a partir de R$10 mil

Faturamento: R$90 mil

Tempo de retorno: 12 a 18 meses

PremiaPão

Criada em 2015, a PremiaPão é uma rede de franquias que comercializa espaços publicitários em sacos de pão. Com mais de 100 unidades espalhadas entre cidades do interior e capitais, a rede opera exclusivamente em modelo home based. Os franqueados são responsáveis pela prospecção de anunciantes locais. Ao todo, cada saquinho comporta 36 propagandas do tamanho de um cartão de visitas.  

Valor de investimento: R$10 mil

Faturamento: R$17 mil

Tempo de retorno: 3 a 6 meses

Bem Seguros e Créditos

A Bem Seguros e créditos é uma franquia especializada em soluções financeiras. Criada em 2018, a rede oferece serviços de crédito pessoal e consignado, consórcios, seguros, e outros. Fundada em São José do Rio Preto, a marca entrou para o franchising em 2019. A Bem Seguros e créditos possui mais de 300 unidades ativas em todos os estados brasileiros. O plano da franquia é comercializar mais 150 novas unidades até o fim de 2020.

Investimento: a partir de R$11,4 mil

Faturamento: R$6 mil

Retorno: 3 meses

TFlow

Criada em 2013, a TFlow é uma rede de franquias especializada em moda masculina com mix de produtos completo. No franchising desde 2015, a marca ficou conhecida como a “marca dos artistas”, por muitos deles usarem as peças no meio artístico, Jorge & Mateus, Zé neto e Cristiano, Jesus luz, a influencer Rafaela Kaliman e entre outros. Com mais de 100 unidades espalhadas por todo o Brasil, a rede espera alcançar 140 unidades até o fim do ano.

Investimento: R$15 mil

Faturamento: R$10 mil

Retorno: 2 a 3 meses

Romeo e Julieta

Criada em 2016, a Romeo e Julieta é um serviço online que leva o supermercado até você e opera por meio de franquias. Diferentemente de outras empresas, o negócio conta com funcionalidades que permitem ao cliente escolher o ponto certo das frutas e legumes que deseja. A franqueadora parcela a taxa de franquia em até 10 vezes.

Investimento: R$25 mil

Faturamento: a partir de R$80 mil

Tempo de retorno: 24 meses

Turquesa Esmalteria

No mercado desde 2014, a Turquesa Esmalteria é uma rede de franquias especializada em beleza e estética. Com serviços como manicure, pedicure, embelezamento do olhar, depilação, estética facial e corporal, a marca oferece modelos de operação enxutos para quem quer empreender na área. A rede conta com 50 franquias em operação atualmente.

Investimento: a partir de R$45 mil

Faturamento: média de R$50 mil (loja madura)

Tempo de retorno: 16 meses (médio)

Go Fit Truck

Lançada recentemente, a Go Fit Truck é uma rede de franquias de academia móvel. Com foco na saúde e bem-estar das pessoas, o modelo conta com um “truck” no qual é levada a experiência de uma academia boutique (frequencímetros, bebedouro e toalhas personalizadas, por exemplo) para diversos locais. Além disso, o franqueado não precisa ser preparador físico.

Investimento: a partir de R$80 mil

Faturamento: R$30 mil a R$40 mil

Tempo de retorno: 12 meses

Por Assessoria

Franquia de depilação inaugura loja biossegura nos Jardins

A Depyl Action inaugura a primeira loja biossegura da rede, que é conhecida pela especialização em depilação e cuidado com os pelos. A unidade é a quarta da marca na região metropolitana. Adaptado ao ‘novo normal’, o negócio na capital foi modelado para o atual momento do segmento de beleza e estética.

(Divulgação)

“Conseguimos inaugurar a loja em São Paulo de acordo com o que estamos vivenciando. Com o know-how da franqueadora, fizemos um estudo de como criar um modelo de negócio biosseguro e, em menos de três meses, abrimos as portas já nos moldes para esse novo normal. Como nascemos habituados com os padrões de higienização e biossegurança, como por exemplo, cabines individuais para a depilação e o descarte da cera após a utilização, as adaptações foram mais fáceis de serem implantadas. Com a ajuda da musculatura da rede pudemos ver o resultado ainda durante a pandemia”, comenta Danyelle Van Straten, fundadora da Depyl Action, que conta com 113 unidades no Brasil e duas na Venezuela.

De acordo com dados da 3ª edição da pesquisa sobre o impacto da pandemia de coronavírus nos pequenos negócios realizada pelo Sebrae, o segmento de beleza mostrou sinais de recuperação de receita. Em abril, os negócios tiveram faturamento 76% menor do que no período pré-crise, já em maio, diminuiu para 59%. No caso da Depyl Action, o e-commerce e o home care implantados no segundo trimestre de 2020, permitiram a retomada de 10% do faturamento estipulado para o mesmo período, além da abertura da primeira loja adequada para o pós-pandêmico.

Comandada por Manuela Penna e Jaqueline Paiva, a loja paulistana inaugurou com novas soluções definidas pela rede. Os agendamentos individuais, novos procedimentos e o uso de EPI’s de rotina nas unidades da marca ganharam incremento, como a máscara protetora facial de acrílico. Além disso, as clientes serão encaminhadas para sua cabine individual de depilação sem passar pela recepção para evitar contato com outros clientes. A higienização de cabine será feita após cada atendimento.

Outra inovação para o formato biosseguro da rede é o pagamento via plataforma. O sistema permite que a cliente pague seus procedimentos pelo celular. O movimento possibilita que tanto as colaboradoras quanto a consumidora fiquem seguras sem precisar manusear o dinheiro dentro da loja. O canal de venda on-line também foi uma solução para facilitar a compra dos serviços da Depyl Action.  O e-commerce da rede vende vouchers – usados na unidade sem precisar sair de casa.

Como referência a flagship da rede localizada em Belo Horizonte, Minas Gerais, a unidade do Jardim Paulista, bairro da zona sul da capital, recebe seus clientes com a fachada e áreas comuns renovadas de acordo com a nova proposta da marca e serviços como depilação feminina e masculina, além do tratamento com luz pulsada.

“O modelo nasceu adaptado a rotina dos brasileiros e permite a Depyl Action sair na frente no que tange a segurança. A loja inaugurou com todos os procedimentos para o cuidado com as pessoas, seguindo as normas internas aplicadas pela franquia e também pelo governo local”, finaliza Manuela.

A unidade está localizada na Alameda Franca, 219.

5 segmentos para investir e morar no sul do Brasil

Um dos lanches da Melting Burger (Divulgação)

A região Sul faturou mais de R$ 30 bi no setor de franquias em 2019. Os dados da Associação Brasileira do Franchising (ABF) apontaram um crescimento de 11% em relação a 2018. Segundo a Pesquisa da IPC Maps, a concentração de empresas em território sulista é de 17,8%, que representa mais de quatro milhões de estabelecimentos. A localidade perde apenas para o Sudeste que possui 50,86% das companhias.

Os dados mostram que o Sul está em terceiro lugar no ranking de liderança de consumo, com cerca de 17,82%, perdendo para o Sudeste – 48,89% – e Nordeste, 18,82%.

Dentro desse cenário, vários segmentos do franchising estão dispostos a expandir suas marcas para o Sul, tanto nas capitais como no interior. Segundo a ABF mais de 17 mil unidades foram inauguradas na região no ano passado.

Em âmbito nacional, o setor de franquias cresceu 8,1% em faturamento no último trimestre de 2019 em relação ao ano passado. Além disso, a abertura de redes voltou a crescer e a projeção de criação de empregos está em torno de 4,6%, diante uma taxa de desemprego de 11,2% no período, de acordo com o último levantamento do IBGE.

Veja abaixo cinco setores em destaque no Sul e algumas marcas como opções de investimento:



Alimentação (O primeiro na lista dos segmentos com 25,9% de participação e mais de quatro mil unidades em operação)

Calzoon

Criada em 1999, em Joinville, Santa Catarina, a Calzoon Sucos e Calzones, é uma rede de franquias que tem o objetivo de popularizar o calzone por todo o Brasil.

Além de ser prático para o consumo, o calzone também oferece vantagens para quem vai operar a franquia. O produto chega na loja pronto e congelado, e o franqueado deve focar apenas em assar o calzone no forno e no atendimento ao cliente.

Essa facilidade de operação tem atraído diversos investidores que desejam entrar para o segmento mais forte do franchising, mas evitam franquias que exigem alta manipulação e preparo dos alimentos. O investimento inicial em uma franquia da Calzoon Sucos e Calzones é a partir de R$ 150 mil com previsão média de retorno em 24 meses e faturamento médio de R$ 60mil.

Melting Burgers 

A Melting Burgers é uma rede de hamburguerias que nasceu em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. A marca também tem unidades em Olímpia e em São Paulo. A franquia opera pelo sistema de co-franchising, no qual o investidor compra cotas do negócio. A operação é comandada pela própria franqueadora, em parceria com a Cobiz, especializada em expansão de redes. No último ano, a marca vendeu mais de 240 mil sanduíches e atendeu mais de 150 mil clientes. A aposta é para Sanduíches divertidos como o LeBron James, que leva catupiry, bacon crocante e crispy de mandioquinha. Para investir no negócio, cada cota custa a partir de R$ 50 mil, com prazo de retorno a partir de 15 meses e lucratividade de 15% a 20% por unidade.

Flamy

Fundada em 2001, por mãe e filha, Flávia Aparecida e Mirian Cristina, na cidade de Hortolândia, a Flamy é uma confeitaria conhecida por seus bolos artesanais. A rede que também oferece salgados, tortas e taças de sorvetes e açaí, conta com 14 unidades entre Campinas e São Paulo, e faturou no último ano, mais de R$ 5,5 milhões. Para se tornar um franqueado é necessário investir cerca de R$ 180 mil, com prazo de retorno de até 26 meses.

Saúde, Beleza e Bem-Estar (Com 19% de participação e mais de três mil unidades abertas)

Depyl Action

Especializada em depilação e cuidados com o pelo, a Depyl Action tem mais de 110 unidades em operação no Brasil e na Venezuela. A franquia, que nasceu em 1996, oferece depilação com cera morna e à laser, luz pulsada, design de sobrancelhas, alongamento de cílios, aparo de pelos e coloração de cílios, da região íntima e de barba.

Com 23 anos de mercado, a marca é comandada pela empresária Danyelle Van Straten, diretora da Associação Brasileira de Franchising (ABF), em Minas Gerais. Por mês, a Depyl Action atende quase 150 mil homens e mulheres. Interessados em aderir ao negócio investem a partir de R$340 mil, com faturamento médio mensal de R$ 85 mil e prazo de retorno estimado entre 24 e 48 meses. A lucratividade varia entre 10 e 15%.

Gou Odonto

(Divulgação)

Fundada em 2010, a GOU Odonto é uma rede de franquias odontológicas, que possui atualmente mais de 120 clínicas em funcionamento no país. Os serviços oferecidos vão desde tratamentos ortodônticos até estéticos, inclusive clareamentos com resultados em até três sessões. O negócio aposta na conversão de bandeira para expandir para outras regiões do Brasil. O investimento inicial é de R$ 10 mil, considerando que o dentista já tenha o espaço montado. O prazo de retorno vai de três e a seis meses e a lucratividade é de 50%.

Emagrecentro

(Divulgação)

Rede de clínicas especializadas em emagrecimento e estética no Brasil e no EUA, a Emagrecentro é uma franquia com mais de 170 unidades em operação. A marca oferece tratamentos a preço populares para emagrecimento rápido, queima de gordura localizada, celulite e flacidez. Além de serviços como luz pulsada, secagem de microvasinhos e limpeza de pele. Fundada em 1987 e com atuação no franchising desde 1994, a Emagrecentro é comandada pelo médico Edson Ramuth.

Para aderir a uma franquia da rede é necessário desembolsar a partir de R$ 80 mil, com retorno estimado de 6 a 12 meses, faturamento médio de R$ 50 mil e lucratividade de até 50%.

Serviços Educacionais (Alta de 12,3% e duas mil unidades em operação)

Vox2you

Fundada por Luis Camara, na cidade de Cravinhos, a Vox2you entrou para o mercado de franchising em 2017, e hoje é a maior franquia de escolas de oratória do Brasil, com mais de 40 unidades. Além de técnicas para ajudar na comunicação, a rede desenvolveu curso com princípios, condutas e disciplinas, para quem quer alcançar o sucesso, com base na trajetória do cantor e parceiro Zezé Di Camargo.

Para investir na franquia, é necessário um investimento em média de R$ 160 mil, com prazo de retorno de 15 meses.

Sigbol

A Sigbol é uma franquia que oferece cursos especializados em moda. A rede concentra mais de 20 unidades no estado de São Paulo e em Goiânia, Goiás. A franquia foi a primeira a oferecer esse tipo de curso no país, com início em 1984. A estreia no franchising ocorreu em 2011. Nos 50 anos de atuação, a Sigbol já formou mais de 130 mil alunos. Os cursos variam de aprendizados básicos em corte e costura a cursos de criação e design, como moda pet, moda praia, e desenho técnico.

A franquia oferece três modelos: Basic, Smart e Full, com investimento inicial de R$ 42 mil, R$ 92 mil e R$ 132 mil, respectivamente. O faturamento médio para os três modelos é de R$35 mil com lucratividade de 30%, e prazo de retorno entre oito e doze meses.

Moda (10,1% de participação na região)

Mil e Uma Sapatilhas

(Divulgação)

Criada em 2015, a Mil e Uma Sapatilhas nasceu como objetivo de atender a classe emergente com produtos de preço único. Com foco no público feminino, a rede também possui produtos para as crianças com calçados que partem de numeração 23. Cada par de calçado está à venda por R$ 60. O investimento inicial da rede é de R$ 92.490 e o tempo de retorno estimado é de 12 meses.

Serviços e Outros Negócios (Crescimento de 9% e duas mil unidades)

Ótris Soluções Financeiras

Fundada em 2010 na cidade de Campinas, pelo administrador Caio Katayama, a Ótris Soluções Financeiras é uma rede especializada em recuperação de créditos para PME. Desde sua fundação, o grupo Ótris já recuperou aproximadamente R$ 5 milhões para empresas de todo país. A franquia entrou para o franchising em 2017 e possui três modelos de negócios: a home based, com investimento inicial de R$ 10 mil, a microfranquia, a partir de R$ 90 mil e modelos mais robustos, como a padrão, que exige investimento de R$ 120 mil. O prazo médio de retorno é entre 4 a 24 meses e a taxa de lucratividade varia de 28 a 35%.

Vazoli

(Passo Avanti/Divulgação)

A Vazoli é uma franquia de crédito, especializada em empréstimos consignados e seguros em geral, que nasceu em setembro de 2008, na cidade de Severínia, interior de São Paulo. A rede entrou para o mercado de franquias em 2011 e recebeu, por cinco anos consecutivos, o selo de excelência pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). Com mais de 100 cidades espalhadas por 20 estados brasileiros, a Vazoli prevê investimento inicial a partir de R$ 60 mil, faturamento bruto mensal entre R$ 200 mil e R$ 300 mil, lucratividade de 8% e prazo de retorno estimado em 8 a 15 meses.

Ceofood

Lançada em março de 2018, o Ceofood é um aplicativo de gastronômico e que também faz entregas para estabelecimentos em modo geral que opera no modelo de franquia, com foco em regiões periféricas e cidades do interior. O franqueado é responsável por prospectar novos restaurantes e estabelecimentos que pagam um valor fixo, de R$99 a R$149, para serem inclusos no aplicativo, diferentemente de marcas concorrentes que cobram um percentual em cima dos pedidos. O lucro é obtido dos valores mensalmente pagos pelos restaurantes. Com o modelo ‘home based’ a franquia é ideal para aqueles que buscam uma maior versatilidade de horários e qualidade de vida.

O investimento inicial é de R$ 5.990,00 com prazo de retorno de seis a 12 meses e lucratividade de 50%.

Ceopag

A Ceopag é uma franquia de meios eletrônicos de pagamento que oferece, além da maquininha de cartão, conta digital, cartão de crédito e até aplicativo com inteligência artificial que permite cobrança com reconhecimento facial. A marca, fundada em 2019, tem 349 unidades no Brasil, em sistema de microfranquia. Cada franqueado é responsável por uma área de atuação e tem como foco buscar estabelecimentos interessados nas soluções oferecidas pela rede para pagamento eletrônico. A Ceopag é opção para empreendedores com faturamento entre R$1 mil e R$ 100 mil, inclusive negativados. A Ceopag prevê investimento inicial a partir de R$ 6.990,00, com faturamento médio de R$ 5 mil e prazo médio de retorno de 6 a 12 meses.

Nutrimais

(Divulgação)

Nutrimais é a primeira e maior rede de franquias de agronegócios do Brasil. Fundada em 2012, a empresa entrou para o franchising em 2017, e em menos de quatro anos conta com mais de 300 franqueados por todo o país. A rede comercializa suplementos para diferentes tipos de animais rurais, como bovinos, equinos, ovinos, caprinos, suínos e aves. Enriquecidos com probióticos, prebióticos e com fontes de proteína e energia, esses produtos contribuem para o equilíbrio do metabolismo do rebanho, promovendo um melhor aproveitamento dos nutrientes. Com modelos de microfranquia home based a rede promete trazer aquilo que há de mais sofisticado em suplementação animal para os interiores brasileiros. Em 2019, a Nutrimais foi indicada como uma das 50 maiores franquias do Brasil.

Clube de Permuta

(Divulgação)

O Clube de Permuta é uma plataforma de relacionamento empresarial de compra e venda de produtos e serviços por permuta multilateral. A empresa começou no estado brasileiro de Minas Gerais, no ano de 2012 e entrou para o mercado de franchising em 2015. Com mais de 20 unidades em atividade, já movimentou mais de R$170 milhões em negociações. Para se tornar um franqueado, é preciso investir a partir de R$95 mil (com taxa de franquia inclusa) e o tempo de retorno é de, em média, 18 meses.

Super Estágios

Criada em 2009, a Super Estágios é a primeira rede de franquias de estágios homologada pela ABF no país. A rede trabalha com um sistema online de cadastro e além de ajudar o estudante a ingressar no mercado de trabalho, realiza o acompanhamento do mesmo na empresa, garantindo que o período seja, para ambos os lados, uma experiência positiva. Desde a sua criação, a rede já conseguiu colocar mais de um milhão de pessoas no mercado de trabalho. O investimento inicial para uma franquia da Super Estágios é de R$ 120 mil, com uma previsão média de retorno em 18 meses e um faturamento médio de R$ 100 mil.

SuperSeg Brasil

Proprietários da Superseg Brasil em uma das lojas, em Campinas, no interior estado de São Paulo (Léo Barrilari/Divulgação)

A SuperSeg Brasil, franquia especializada em segurança eletrônica, que nasceu em Campinas, interior de São Paulo, no ano de 2016. A rede entrou para o Franchising no ano seguinte. Em 2019, teve um faturamento bruto de R$ 19 milhões. A marca conta com 27 unidades, espalhadas por quatro estados brasileiros, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Rondônia. Para ser um franqueado da SuperSeg é preciso desembolsar um valor inicial de R$ 70 a 80 mil, o faturamento médio mensal gira em torno de R$ 45 mil e um prazo de retorno que gira entre 14 e 18 meses.

Dia da mulher: 10 histórias de empreendedoras que inspiram

Danyelle Van Straten, diretora e fundadora da Depyl Action (Vinicius Andrade/Divulgação)

No Brasil cerca de 24 milhões de mulheres são empreendedoras, segundo dados de estudo realizado pelo Sebrae. São muitos casos em que o empreendedorismo é uma alternativa criada pela necessidade. No país, 44% do público feminino aposta na criação de um negócio como alternativa para complementar a renda e até mesmo como única receita dentro de casa. 

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, que representa as vitórias conquistadas pelas mulheres ao redor do mundo, conheça 10 histórias de empreendedoras brasileiras e que ajudaram a economia brasileira movimentando mais de R$ 800 mi em 2019.



  1. Renata Marcolino

Com dívidas acumuladas, a fonoaudióloga Renata Marcolino precisou recorrer a outra alternativa de renda com o propósito de auxiliar o marido em um momento de dificuldade financeira. A então funcionaria pública decidiu apostar no comércio de sapatilhas populares para saldar a dívida da família. A criação do negócio começou com as revendas dos calçados dentro do porta-malas do carro da fonoaudióloga, que usava o veículo para ir até as casas de suas clientes.

Da ideia de levar os calçados até suas clientes, nasceu a Mil e Uma Sapatilhas, que já vendeu mais de dois milhões de sapatilhas e se tornou o primeiro negócio com foco no público emergente com produtos licenciados Disney. Com mais de 140 unidades abertas, a marca faturou R$ 60 milhões em 2019 com a comercialização de sapatilhas.

  1. Danyelle Van Straten

Danyelle Van Straten é o nome por trás da Depyl Action, franquia especializada em depilação e cuidados com o pelo que faturou em 2019 mais de R$ 122 milhões. A marca tem mais de 110 unidades em operação no Brasil e duas na Venezuela. A rede pretende inaugurar dez unidades em 2020. A franquia nasceu em 1996, mas o negócio deu os primeiros passos na década de 1980, quando a família de Danyelle Van Straten descobriu uma receita caseira de cera de depilação. Associada a uma técnica, também criada pela família, a remoção de pelos ficava mais confortável. Inicialmente, Danyelle viajava o Brasil vendendo a cera em feiras.

Naquela época, o espaço para depilação representava o fundo do salão, não era nem 10% do negócio. E foi nessa brecha que Danyelle e sua mãe, Glaci Van Straten, enxergaram o próximo passo: oferecer um local exclusivo para a depilação e levar este serviço para a porta da frente. O resultado disso culminou na Depyl Action, transformada em franquia, em 1996. Um espaço privativo, confortável e com atendimento sem hora marcada que oferece além da depilação com cera, serviços de depilação à laser, luz pulsada, design de sobrancelhas, alongamento de cílios, coloração de cílios e da região íntima; aparo de pelos e coloração de barba.

  1. Marcela Tarraf 

Com um sonho de voltar para o interior, Marcela Tarraf, decidiu mudar de área para trazer uma novidade a São José do Rio Preto. Fundada em 2013, a Melting Burgers é conhecida pelo ambiente decorado por equipamentos de esportes americanos e por oferecer lanches de primeira linha, que fazem sucesso também pela criatividade nos nomes. O LeBron James, por exemplo, é o mais vendido da rede e leva catupiry, bacon crocante e crispy de mandioquinha. Em 2019, a rede que produz seus hambúrgueres com carne de Angus, comercializou mais de 240 mil lanches

As vendas de unidades são feitas pelo meio do co-franchising, um modelo de negócio criado pela Cobiz. Com cinco unidades, o negócio faturou R$ 7 milhões no ano passado.

  1. Rafaela Justino

Nascida em Ribeirão Preto, Rafaela Justino conheceu a Vox2you, franquia de escolas de oratória, em 2017, para aprimorar as técnicas de atendimento aos pacientes quando ainda era enfermeira. Após meses de curso, a enfermeira se apaixonou pela metodologia da franquia. Ao ser desligada do hospital, viu no negócio uma oportunidade de recomeçar e colocar em prática um sonho antigo que era o de empreender.

Em apenas um ano de funcionamento, a unidade possui mais de 300 alunos matriculados e um faturamento de R$ 1,5 milhão.

  1. Sibele Vaz de Lima

Vendedora de seguros de um grande banco na cidade de Severínia, interior de São Paulo, Sibele Vaz de Lima viu, em 2008, a oportunidade de uma renda extra quando um imóvel, de pouco mais de 15m2, ficou disponível. Mas o que era para ser um complemento financeiro, se tornou a única fonte de renda.

Sibele não contava com o fato de ser demitida poucos meses após o início da empreitada. Desempregada, e logo depois, grávida da segunda filha, ela arregaçou as mangas e foi à luta. Criou a Vazoli, que hoje é a maior franquia de crédito do país, com a ajuda do marido, Eric Vaz de Lima, e transformou uma pequena ideia em um negócio que movimentou mais de R$ 600 milhões em 2019. A rede conta com mais de 100 unidades espalhadas por 22 estados do Brasil.

  1. Sanaua Morais

Aos 16 anos, Sanaua Morais saiu da cidade de Palmeira dos Índios, interior de Alagoas para estudar biomedicina. Após fazer o primeiro semestre sem pagar as mensalidades, a jovem quase desistiu do curso, mas contou com a ajuda de uma tia para terminar os estudos. Para pagar os outros meses, a estudante recebeu a ajuda de familiares com metade do valor das mensalidades e a outra parte do dinheiro por meio dos sapatos que vendia na faculdade. Dois anos depois Sanaua conseguiu um emprego de vendedora em uma loja de roupa masculina.

Aos 23 anos, já casada e com um emprego na área, a biomédica conhece a Emagrecentro, clínica de emagrecimento e estética. Sanaua e o marido, Diego Peixoto, vendem o apartamento e o carro para investir, em abril de 2016, na franquia da rede. No primeiro mês, a clínica faturou R$ 45 mil e teve mais demanda do que o esperado. Em setembro do mesmo ano, a empresária inaugurou a segunda unidade.

Com duas franquias em Maceió, Sanaua decide, em janeiro de 2019, abrir a terceira clínica da rede, dessa vez, na sua cidade natal, Palmeira dos Índios.

Hoje Sanaua fatura anualmente mais de R$ 3 milhões com as três unidades. Com mais de 40 colaboradores nas clínicas, a empresária espera futuramente ampliar seu negócio por mais estados da região Nordeste. 

  1. Poliana Ferraz

Para Poliana Ferraz, a insatisfação que teve como estagiária fez com que ela criasse uma das maiores redes de franquias de estágios do Brasil.  Quando era estudante de direito, ao participar de diversos programas de estágio, sempre se sentia frustrada, pois não realizava as atividades que tinham realmente a ver com sua área. Em seu dia a dia, a limitavam com atividades mais similares ao trabalho de uma secretária, como servir café, atender o telefone e tirar xerox. A situação mudou em 2008, quando a jovem estudou a Lei 11788, conhecida como a “lei do estágio”, e que descrevia os direitos e deveres dos estagiários. Encontrando uma oportunidade de negócio com a sanção da lei, em 2009, Poliana criou a Super Estágios, empresa que direciona estudantes para programas de estágios e realiza a gestão dos mesmos do primeiro ao último, garantindo que a experiência seja satisfatória tanto para o estagiário quanto também para a empresa em que ele trabalha.

Em 2014, a empresa entrou para o franchising, tornando-se a primeira rede de franquias de estágios homologada pela ABF. Hoje, com 36 unidades em operação, a rede foi responsável pela inserção de mais de um milhão de estudantes no mercado de trabalho e em 2019 faturou R$ 37 milhões

  1. Flávia Aparecida Correa e Mirian Cristina Correa

Conhecida por seus bolos artesanais na cidade de Hortolândia, Flávia Aparecida e sua filha Mirian Cristina, decidiram apostar em um mercado promissor, depois de ver que as demandas pelo produto só aumentavam. Elas uniram o momento do mercado com o sonho de empreender e abriram a Flamy.

Em 2001, mãe e filha inauguraram a primeira unidade da confeitaria, que além de bolos, comercializam também salgados, tortas e sorvetes na taça. Com 15 unidades no estado de São Paulo, a rede faturou mais de R$ 5,5 milhões, no ultimo ano.

  1. Raissa Diniz

Formada em administração de empresas e com MBA em marketing, Raissa Diniz, de 41 anos, se interessa por assuntos relacionados ao empreendedorismo desde os 16, quando começou a trabalhar no negócio fundado pelo pai, O Borrachão Revestimento. O primeiro cargo de Raissa na empresa de artefatos de borracha foi de auxiliar de estoque. Conforme foi estudando e se especializando, também foi evoluindo de cargo. Já foi auxiliar de secretariado, de caixa, de venda, de gerência e hoje é diretora comercial.

Raissa sempre se manteve informada a respeito de negócios inovadores. Em 2018, adquiriu uma franquia do Clube de Permuta, plataforma de trocas multilaterais de produtos e serviços, em Natal, no Rio Grande do Norte. A empresária encontrou na franquia, uma maneira de driblar a crise econômica que atingia o Brasil e, até o momento, já faturou mais de R$ 1,5 milhão.

10. Thais Mezadri e Daniela Fogaça

Com a mãe internada, e numa nova sociedade com a melhor amiga da matriarca, Thais assumiu a escola de moda e dobrou o faturamento. Para Thais Mezadri, não tem como falar de Sigbol Fashion sem falar de dois amores: a moda e a mãe. Desde pequena Thais tinha o sonho de ser estilista. Aos 16 anos, apoiada pela mãe, iniciou o curso de Desenho de Moda na Sigbol. Após concluir o curso, entrou na faculdade de Negócios de Moda e atuou por alguns anos na área.

Em 2014, a mãe de Thais ficou desempregada e decidiu investir em uma franquia. A Sigbol foi a escolha das duas, enquanto a estilista dava aulas a mãe ficava na administração. Mas em 2018, a mãe de Thais descobriu uma leucemia e pensou em vender a unidade. Thais decidiu assumir a direção da escola enquanto a mãe fazia o tratamento. Com a ajuda de Daniela Fogaça, amiga da família e também apaixonada por moda, elas tocaram o negócio o ano inteiro, até a recuperação da mãe dela.

No inicio de 2019, Thais comprou a unidade da mãe e com a sócia Daniela implantaram estratégias de otimização de espaço e marketing. Em um ano, o faturamento da loja dobrou. De 85 alunos, no inicio de 2019, Thais começou este ano com 110 alunos. Aluna, professora e gestora, hoje Thais usa o conhecimento que obteve nas três áreas para gerir a escola que fatura cerca de R$38 mil por mês.


Advogada larga carreira e vende mais de 60 mil sapatilhas populares

(Divulgação)

O ano foi 2017. Lais Florêncio trabalhava em uma multinacional do segmento de seguros em Contagem, município de Minas Gerais, mas com o sonho de ter um negócio para chamar de seu. Além da jornada como funcionária contratada, era motorista de van para ajudar na empresa do namorado.

A dupla jornada despertou ainda mais a vontade de se tornar empreendedora. Apaixonada por sapatos, a advogada viu a oportunidade de aliar a paixão e de ser empresária ao conhecer a Mil e Uma Sapatilhas. Com três unidades em três anos, a jovem comercializou mais de 60 mil pares de sapatilhas em 2019.

“Meu primeiro contato com o segmento foi por meio de um contrato para abertura de uma franquia. Aquilo despertou meu interesse pelo setor e pensei que poderia ser uma alternativa para que eu realizasse meu sonho de empreender. A oportunidade de abrir um negócio e ainda vender produtos que sempre fui fã foi o empurrão que precisava”, conta Lais, que junto com Sérgio Rodrigues, seu companheiro, abriram a primeira unidade da rede de sapatilhas em Contagem.

Mas o começo não foi fácil. O preconceito por largar uma carreira promissora e um emprego estável foram alguns dos desafios que a jovem teve que ultrapassar.

“Muitos me falavam: ‘Vai abrir uma lojinha para vender sapatilha?’ Ouvi isso de dentro da minha família e por incrível que pareça, eles foram os primeiros clientes e se surpreenderam com a dimensão do sucesso da loja”, relembra.

As mulheres da cidade vieram em peso para abertura da unidade. Com fila na porta, foram vendidos 3 mil pares de sapatilhas no primeiro final de semana de funcionamento. O sucesso foi tanto que a empresária buscou pela expansão do seu negócio na região. Lais abriu mais duas lojas em Minas Gerais em menos de dois anos.

“É preciso muita dedicação e empenho para cuidar de três lojas. O apoio e conhecimento do Sérgio, o suporte dos franqueadores e acreditar no produto da Mil e Uma Sapatilhas contribuiu muito para todo o sucesso que venho fazendo pela região mineira”, finaliza a empresária que está no ranking das franquias que mais faturam em Minas Gerais.

Ex-enfermeira fatura R$ 1,5 milhão com escola de oratória

Rafaela é franqueada da rede (Divulgação)

Nascida em Ribeirão Preto, Rafaela Justino era enfermeira em uma das grandes redes hospitalares, em 2018. Após ser demitida, decidiu que seria dona do próprio negócio e, com ajuda do namorado, Rafael Firmiano, investiu na Vox2you, franquia de escolas de oratória.

A franqueada conta que se interessou pela marca enquanto ainda era enfermeira, durante um curso de qualificação profissional.

“Meses de curso foram o suficiente para eu me apaixonar pela metodologia da rede. Sempre tive o sonho de ser dona do meu próprio negócio”, explica Rafaela Justino.

A franquia, presente em 12 estados e com 41 unidades, oferece desde serviços que auxiliam a controlar ansiedade e nervosismo em situações de estresse, até aulas de oratória e cursos com metodologias de ensino baseada na história de vida de artistas, como Zezé Di Camargo.

“Tão importante quanto ter um segundo idioma é saber se comunicar e controlar seus sentimentos, em qualquer situação”, afirma a empresária.

O negócio tem se mostrado interessante por ter metodologia exclusiva, além de ser um mercado não muito explorado no franchising.

“Completamos um ano de funcionamento, em 2020, e contamos com mais de 300 alunos na unidade. A franquia mostrou ser tão rentável que consegui recuperar meu investimento, e até mesmo faturar, antes do prazo estipulado”, conta Rafaela, que faturou R$ 1.5 milhão, em 2019.

Para ser um franqueado é necessário investir em média R$ 230 mil, com um prazo de retorno de 15 meses e faturamento de até R$ 120 mil.

Calzone, a nova aposta no mercado de franquias

Rede quer abrir 50 unidades no primeiro semestre (Divulgação)


Nascido em Nápoles, cidade do sul da Itália, o calzone é um salgado no formato de uma pizza fechada. Nos últimos anos, o alimento ganhou grande popularidade devido à facilidade em manipulá-lo e a praticidade na hora de consumir. A sua fama pode ser observada pelo crescimento exponencial da Calzoon Sucos e Calzones, rede especializada na produção e comercialização de calzones que no último ano saltou de 10 para 40 unidades franqueadas pelo Brasil, apresentando um crescimento de 300%.

“O ano de 2019 foi excelente para a marca. O calzone se popularizou como uma novidade em diversos estados, e isso favoreceu muito a nossa expansão. Vamos inaugurar 50 novas unidades no primeiro semestre de 2020, e temos a expectativa de fechar o ano com 110 lojas operando. Nosso objetivo é tornar o calzone um salgado conhecido em todo Brasil por meio da nossa marca e rede”, comenta Bruno Jerke, CEO da Calzoon Sucos e Calzones.

Confira abaixo cinco motivos para acreditar no crescimento do mercado de calzones em 2020:

1 – Praticidade para comer 

Uma das vantagens do calzone é a praticidade de consumo. As pessoas podem comprar o salgado e comer caminhando seguindo as atividades do dia, sem a necessidade de garfo e faca e sem se preocupar em derrubar o recheio. Além disso ele tem um rápido preparo e pode ser comparado a uma refeição completa. Qualidades essas que trazem um potencial para o calzone competir com outros produtos de redes de fast-food.

2 – Produto coringa

Os calzones também entram em uma classificação de produtos acessíveis a todos os públicos. Seu preço varia de R$7 a R$ 9 reais, um valor que cabe no bolso de todas as classes sociais. A variedade de sabores é outro atrativo do produto, e na Calzoon Sucos e Calzones existem 15 opções salgadas e 3 doces. Além dos sabores tradicionais, a rede também conta com três versões vegetarianas, atendendo também a este público.

3 – Pouca manipulação do alimento 

Para aqueles que querem investir em uma franquia de calzone, a manipulação do alimento é quase zero. Os salgados chegam para o franqueado, prontos e congelados, sendo que o único trabalho em loja é assar o produto e atender ao cliente.

“Diferente das pizzas em que é necessário montar o produto final, dependendo ainda de um profissional com experiência, os calzones são mais práticos e rápidos de fazer. O produto vem direto da franqueadora congelado, é só tirar do freezer e colocar no forno. Em 15 minutos sai uma fornada de calzones quentinhos”, comenta Bruno.

4 – Produto mais saudável e com menor teor calórico

Os calzones são fabricados somente com ingredientes frescos e sem uso de conservantes. Após a montagem, o produto passa por um processo de ultra congelamento, que preserva as características naturais. Para o consumo, o calzone é assado no forno, sem fritura, o que o torna um produto com menor teor calórico e mais saudável do que a maioria daqueles que são oferecidos pelas redes de fast-food.

5 – Franquia de alimentação em ascensão e modelo de baixo investimento

Segundo a ABF (Associação Brasileira do Franchising), em 2019, o segmento de alimentação liderou o crescimento de novas redes franqueadoras. De acordo com a associação, o setor de franquias fechou o último ano com um aumento de 6,9% no faturamento nominal. Só no terceiro trimestre, o ramo de alimentação cresceu 6,7% em número de unidades, e se mantém entre os quatro setores com maior expansão.

“A alimentação é um dos segmentos mais procurados no universo de franquias. Mesmo durante as crises, é um ramo que mantém ou aumenta o faturamento pela variedade de opções de produtos e investimentos. A Calzoon Sucos e Calzones, por exemplo, possui um modelo de negócio de baixo investimento, a partir de R$ 150 mil, bem mais em conta comparado a outras opções no segmento”, explica Bruno.

Franquia de crédito, Vazoli recebe prêmios de dois bancos

Franquia de crédito se destacou em qualidade e produção. Marca está presente em mais de 100 cidades

Sibele e Eric, fundadores da Vazoli (Divulgação)


Criada em Severínia, no interior de São Paulo, a Vazoli acaba de conquistar dois importantes prêmios do sistema bancário. A franquia de crédito recebeu cinco troféus oferecidos pelo Bradesco, por ter se destacado em produção e qualidade dos serviços oferecidos aos clientes. Foi eleita a melhor correspondente bancária do Brasil.

“Além do prêmio de primeiro lugar, recebemos outros troféus em diferentes categorias avaliadas pelo Bradesco”, comemora Eric Vaz de Lima, Ceo da Vazoli.

A marca também foi bem avaliada na premiação oferecida pelo Itaú. Nesta, a Vazoli apareceu entre 40 empresas bem sucedidas em volume de empréstimos e qualidade.

“Os prêmios por qualidade ao fornecer crédito aos clientes são muito importantes e vêm em um momento em que os bancos trabalham fortemente para garantir empréstimos eficientes, sem fraudes”, comenta.

Segundo ele, os bancos têm intensificado a fiscalização para assegurar serviço de qualidade para quem busca dinheiro extra em correspondentes bancários, como a Vazoli.

“Ficar em primeiro lugar no prêmio do Bradesco e entre os 40 melhores do Itaú em qualidade na operação, sem reclamação ou fraude, sem dúvida é uma prova de que estamos no caminho certo”, finaliza.

Sobre a Vazoli

A Vazoli movimentou mais de R$ 400 milhões em 2018. A rede, especializada em empréstimos e seguros, nasceu em setembro de 2008 e está no franchising desde 2011. No segmento de franquias, a marca conquistou nos últimos anos seis (2014 a 2019) selos de excelência consecutivos oferecidos pela Associação Brasileira de Franchising (ABF). Com mais de 90 cidades espalhadas por 20 estados brasileiros, a empresa tem como meta fechar o ano de 2019 com mais de 120 unidades.

Ficha Técnica

  • SEGMENTO: prestação de serviço e obtenção de crédito
  • Fundação (ano): 2008
  • Início da franquia (ano): 2011
  • Unidade própria: 05
  • Total de lojas: 108
  • Investimento inicial: de R$ 65 mil a R$ 85 mil (incluindo taxa de franquia, capital para instalação e capital de giro)
  • Taxa de franquia:
  • Modelo para cidades com até 50 mil habitantes: R$ 25.000,00
  • Modelo para cidades de 50mil a 100mil habitantes: R$ 35.000,00
  • Modelo para cidades com mais de 100mil habitantes: R$ 45.000,00
  • Capital de giro: R$ 20.000,00
  • Royalties: 1 salário mínimo
  • Taxa de publicidade: 1/3 salário mínimo
  • Área mínima: 25 m²
  • Nº de funcionários: 2
  • Faturamento Bruto médio mensal: de R$ 300 mil a R$ 500 mil
  • Faturamento 2017: R$ 350 milhões
  • Faturamento 2018: R$ 400 milhões
  • Lucro médio mensal: Média de 06%
  • Prazo de retorno: de 8 a 15 meses

Youtuber fatura R$ 19 mi com empresa de segurança

Canal digital com mais de cinco milhões de visualizações foi o pontapé inicial para o negócio que já vendeu mais de um milhão de equipamentos de segurança em todo país.

Heverton Guimarães, sócio fundador da SuperSeg Brasil (Léo Barrilari/Superseg Brasil)


Com mais de 11 milhões de visualizações no Youtube, o analista de sistemas Heverton Guimarães virou referência na internet com dicas sobre equipamentos de segurança patrimonial. O canal dele, o maior do segmento no Brasil, tem hoje mais de 77 mil seguidores e deu origem a um negócio de R$ 19 milhões.

 “A ideia era ajudar não só técnicos, mas pessoas que quisessem instalar seus próprios equipamentos gastando pouco. Não imaginava que fosse dar tão certo”, lembra Heverton, que tem seguidores por todo o país.

 O início casual já ajudava a estruturar o mercado que lhe renderia lucros no futuro. A ideia ganhou corpo quando Heverton conheceu seu atual sócio, Evandro Machado. Empreendedor por natureza, foi ele o responsável por transformar o canal no Youtube em uma empresa que distribui equipamentos do setor para instaladores em todo o Brasil.

 “Esse cara veio de uma família de empreendedores e isso me cativou. Foi dele a ideia de usar a popularidade do canal para abrir uma empresa do setor. O começo foi terrível,  com praticamente zero de investimento, mas pouco a pouco foi dando certo”, relembra Heverton.

Helton, Heverton e Evandro, proprietários da Superseg Brasil (Léo Barrilari/Superseg Brasil)

 A SuperSeg, que ele administra ao lado do irmão, Helton Cézar, e do sócio, Evandro, vendeu mais de um milhão de equipamentos de segurança ao longo dos últimos cinco anos. A empresa faz parte do Grupo Protemaxxi, responsável por quatro marcas diferentes no ramo da segurança eletrônica.

 O negócio virou franquia em 2017. O trio já conta com 25 lojas em operação nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, e Rondônia.

O plano de metas é ousado: a SuperSeg Brasil quer chegar a 50 unidades até o fim do próximo ano. O setor de segurança eletrônica cresce, em média, 8% ao ano, segundo dados da Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese).

“As pessoas estão cada vez mais preocupadas com seu patrimônio e as tecnologias estão deixando este tipo de sistema cada vez mais barato. No passado apenas as mansões contavam com equipamentos de ponta. Hoje isso está ao alcance de boa parte da população”, finaliza.

Ficha técnica

  • Ano de Fundação: 2016
  • Ano no Franchising: 2017
  • Formatos oferecidos: Loja de rua
  • Unidades Próprias: 1
  • Unidades Franqueadas: 24
  • Investimento total: De R$ 70.000,00 a R$ 80.000,00
  • Taxa de Franquia: R$ 35.000,00
  • Capital de giro: De 24.000,00 a R$ 35.000,00
  • Área média para instalação: A partir de 30m2
  • Quantidade de funcionários: 3
  • Royalties: Dois salários mínimos
  • Taxa de Publicidade: Meio salário mínimo
  • Faturamento Médio (R$): R$ 45.000,00
  • Lucratividade: 20-25%
  • Prazo de Retorno Médio (meses): de 14 a 18 meses