Tiroteio na Flórida deixa dois mortos e vários feridos

(Reprodução)

Um tiroteio na Flórida, nos Estados Unidos, deixou duas pessoas mortas e outras 25 feridas na madrugada deste domingo (30). O ato aconteceu durante um show, em um salão de festas chamado El Mula Banquet Hall.

Três pessoas saíram de um carro e começaram a atirar contra as pessoas que estavam do lado de fora do salão, segundo o diretor da polícia local Alfredo “Freddy” Ramirez III. Ele classificou, em suas redes sociais, os criminosos como “assassinos a sangue frio” e o ataque como “covarde”.

Ainda não se sabe a identidade dos atiradores, e nenhuma prisão foi efetivada.

Por TV Cultura

Ataque em escola na Rússia deixa ao menos 8 mortos

Ao menos oito pessoas morreram e várias ficaram feridas após um ataque a tiros numa escola na cidade russa de Kazan nesta terça-feira (11/05), segundo autoridades russas.

Rustam Minnikhanov, governador da República do Tartaristão – parte da Federação Russa de maioria muçulmana, da qual Kazan é a capital – afirmou que quatro meninos e três meninas, alunos da 8ª série, morreram no ataque, além de um professor. 

Segundo autoridades, aparentemente o atirador agiu sozinho. “O terrorista foi preso, ele tem 19 anos de idade. Uma arma de fogo está registrada em seu nome. Outros cúmplices não foram identificados. Uma investigação está em curso”, disse o governador após visitar a escola, classificando o ocorrido de uma grande tragédia para todo o país. 

https://twitter.com/tvrain/status/1392025429230374912

De acordo com a imprensa russa, o jovem teria anunciado o ataque pouco antes no Telegram. Ele teria ingressado na escola pela entrada principal com uma metralhadora e atirado imediatamente à sua volta.

Vídeos em redes sociais mostram pessoas pulando das janelas do prédio e fugindo. Os alunos foram retirados da escola, parte deles sendo abrigada num jardim de infância vizinho. Imagens mostraram dezenas de ambulâncias diante da escola.

Segundo Minnikhanov, 16 pessoas foram hospitalizadas após sofrerem ferimentos no ataque, incluindo 12 crianças, seis das quais estão na UTI. Segundo a agência de notícias Associated Press, o número de feridos reportado por autoridades de saúde locais foi 21, sendo 18 crianças – seis delas internadas na UTI. 

Autoridades afirmaram que medidas de segurança adicionais foram implementadas em todas as escolas de Kazan, que fica cerca de 700 quilômetros a leste de Moscou. Também anunciaram um dia de luto nesta quarta-feira em memória das vítimas. O Ministério de Emergências da Rússia enviou um avião com médicos e equipamentos para Kazan.

Após o ataque, o presidente russo, Vladimir Putin, manifestou suas condolências aos familiares dos mortos e ordenou uma revisão da legislação de controle de armas no país.

“O presidente deu ordem para elaborar urgentemente uma nova disposição relativa aos tipos de armas que podem estar em mãos civis, levando em conta a arma” utilizada no ataque, disse a repórteres o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov. 

Ataques a tiros em escolas são raros na Rússia. Um dos maiores incidentes do tipo recentes ocorreu na Crimeia, anexada pela Rússia, em 2018, quando um estudante matou 19 pessoas antes de tirar a própria vida. 

Por Deutsche Welle
lf (AP, Reuters, AFP, DPA, ARD)

Menor que ameaçou atacar escola é apreendido

Policiais da Delegacia de Cabo Frio apreenderam um adolescente de 15 anos de idade, que ameaçava pelas redes sociais um ataque a uma escola particular na cidade da Região dos Lagos. A descoberta da ação foi possível graças ao Laboratório de Operações Cibernéticas da Secretaria de Operações Integradas (Seopi) do Ministério da Justiça e Segurança Pública, que identificou que as ameaças partiam da cidade de Cabo Frio.  

Com as informações repassadas pela equipe do ministério, a Polícia Civil do Rio de Janeiro conseguiu identificar e apreender o adolescente suspeito, que teria divulgado a ação em suas redes sociais. 

De acordo com o ministro da Justiça, Anderson Torres, “a tecnologia se torna cada vez mais fundamental para a resolução de crimes. Neste caso, a ação rápida e conjunta entre o Ministério da Justiça e Segurança Pública e a Polícia Civil do Rio evitou uma tragédia. Esse é o nosso compromisso com a sociedade”.

A ação ocorreria dois dias depois do ataque a uma creche na cidade de Saudades, em Santa Catarina, que deixou cinco mortos, sendo três bebês, uma professora e uma auxiliar.  

Segundo o delegado da Polícia Civil de Cabo Frio Carlos Eduardo Almeida, “no dia [5], por volta das 22h, recebemos informações do Ministério da Justiça e Segurança Pública e montamos uma operação para esta manhã. As equipes foram até o local apontado nessas informações. Fomos recebidos pela mãe do adolescente. Na busca, conseguimos encontrar todo o material que estava sendo postado pelo adolescente em uma plataforma de rede social”.

Mensagens

Em uma das mensagens postadas, o menor apreendido dizia ter começado a planejar o ataque no dia 4 de maio e iria realizar o ato dois dias depois, ou seja, na quinta-feira (6). A intenção seria atacar na hora do recreio, no mesmo horário do massacre em Realengo. O internauta afirmou que mataria um professor e dois funcionários da escola, além de alunos. Uma arma branca e coquetéis molotov seriam usados na ação.

O massacre em Realengo, zona oeste do Rio, ocorreu no dia 7 de abril de 2011, por volta das 8h30, na Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo. Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos de idade, invadiu a escola armado com dois revólveres e começou a disparar contra os alunos presentes, matando 12 deles, com idade entre 13 e 15 anos, e deixou mais de 22 feridos. O assassino foi interceptado por policiais, mas cometeu suicídio antes de ser detido.

Na residência do suspeito foram encontrados materiais para fabricação de coquetel molotov, desenhos que simulavam a ação contra a escola, além de outros artefatos. O perfil que o usuário utilizava nas redes sociais tinha a imagem de Wellington Menezes de Oliveira, autor do massacre de Realengo. 

O delegado Carlos Eduardo informou que “o adolescente foi ouvido, em companhia dos pais e com toda a tranquilidade, e disse que realmente ia perpetrar essa ação”.

O coordenador do Laboratório de Operações Cibernéticas do Ministério da Justiça, Alessandro Barreto, disse que “cada vez mais a tecnologia é empregada para a prática de crimes. Tecnologias ofertadas com fins lícitos são empregadas de forma criminosa. A apreensão do adolescente, após a publicação de ameaças de ataques em redes sociais a uma escola na cidade de Cabo Frio, no Rio de Janeiro, demonstra uma ação oportuna da Polícia Civil do Rio de Janeiro e do Ministério da Justiça e Segurança Pública para reprimir crimes praticados na internet com reflexos no meio físico”.

Ataque a tiros deixa feridos no centro de Viena

(Reprodução)

Forças de segurança de Viena, estão conduzindo nesta segunda-feira à noite (02/11) uma grande operação policial no centro da capital austríaca. Segundo a imprensa local, um ou mais homens efetuaram disparos na região da praça Schweden, próximo a uma sinagoga.

A polícia da capital austríaca confirmou pelo Twitter que foram efetuados disparos no centro da cidade, que deixaram várias pessoas feridas. A polícia também pediu que a população evite todos os locais públicos da cidade e o transporte público. As autoridades ainda apelaram aos usuários de redes sociais que não divulguem fotos ou vídeos do ataque.

O Ministério do Interior informou que pelo menos uma pessoa morreu, de acordo com editor-chefe do semanário Falter, Florian Klenk, que aponta que não está claro se foi um ataque à sinagoga ou uma tentativa de assassinato de clientes de um bar vizinho.

O líder da comunidade judaica da cidade, Oskar Deutsch, também afirmou que não estava claro se a sinagoga de Viena foi o alvo principal do ataque.

A sinagoga já estava fechada no momento do ataque. De acordo com a agência de notícias APA, um dos agressores foi morto.

Imagens que circulam em redes sociais mostram um policial sendo atingidos por disparos. O Ministério do Interior confirmou que um policial ficou ferido.

Um vídeo tambüem mostra um dos agressores, carregando um fuzil de assalto. Outro registro mostra um restaurante, com mesas derrubadas na calçada e o que parece ser um poça de sangue.

Mais informações em breve…

https://twitter.com/SVNewsAlerts/status/1323349405882343424

JPS/ots

Por Deutsche Welle

10 mortes: Massacre em Suzano completa um ano

(Arquivo/Rovena Rosa/Agência Brasil)

Um ano após o massacre na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, completado hoje (13), que resultou na morte de dez pessoas, o governo do estado busca acelerar projetos que aumentem a segurança dentro das escolas. 

Na capital paulista, por exemplo, na Escola Estadual Caetano de Campos, região central da cidade, um policial da reserva permanece dentro do colégio no período das aulas, como parte de um projeto-piloto do governo que está em desenvolvimento.

A Secretaria Estadual de Educação criou também um gabinete integrado de segurança escolar, em que há a participação da Polícia Militar e da Secretaria de Segurança Pública. De acordo com a pasta, um relatório com os resultados da ação deverá ser publicado nos próximos meses. 



Seis das vítimas do massacre em Suzano (Reprodução)

O governo do estado promete ainda novas câmeras de segurança nas escolas, assim como redes de wi-fi para possibilitar o acesso remoto às imagens. Novos protocolos de funcionamento dos portões dos colégios também estão sendo implementados, assim como orientações para elaboração dos regimentos internos, que é feito por cada escola.  

De acordo com a secretaria, o governo dispõe de R$ 1,1 bilhão para realizar obras em mais de 1,3 mil escolas. Além das mudanças estruturais, o governo fez alteração na parte pedagógica e está implementando nova disciplina, chamada Projeto de Vida, que, entre outras atribuições, leva para a sala de aula a questão do bullying

“A disciplina é sobre o desenvolvimento do projeto de vida do aluno. Tem que haver um espaço dentro da escola para que a gente cada vez mais escute, entenda quais são os sonhos, os desejos dos nossos estudantes, para que a própria escola se organize em torno deles e dê apoio. Neste ano, a disciplina já começou para todas as escolas, desde o 6° ano até o ensino médio”, destacou o secretário de Educação do estado, Rossieli Soares.

O governo estadual está também criando equipes multidisciplinares para trabalhar com as diretorias de ensino. Segundo a pasta, uma resolução, que deverá ser publicada em breve, vai incorporar psicólogos e assistentes sociais para desenvolver trabalhos na rede de ensino, especialmente nos grandes centros paulistas. A pasta informou que chamou, ainda em 2019, 1,5 mil novos funcionários concursados – agentes de organização escolar – e mais 2 mil temporários.

Suzano

De acordo com a Secretaria de Educação, 90% das reformas na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, onde ocorreu o massacre, estão concluídas. O término, inicialmente previsto para março, deverá ocorrer no mês de abril. O projeto, que custará mais de R$ 3,1 milhões, está sendo financiado com a ajuda de parceiros privados. 

“O projeto foi pensado para ampliar os espaços de convivência, para que haja uma releitura da própria escola, que é antiga e já precisava receber intervenções. Além disso, a mudança olhou para aspectos de segurança”, disse o secretário Rossieli Soares. Está sendo construída, por exemplo, uma entrada exclusiva para alunos à escola, e outra para a comunidade e ex-alunos, que não dará acesso aos estudantes. 

A revitalização da unidade inclui a construção de novas áreas comuns, de estudo, de convivência e administrativas. Prevê ainda a demolição e reconstrução de novas salas de aula, do Centro de Ensino de Línguas (CEL), banheiros e cantinas, além da reforma das salas de leitura e informática.

Também está sendo criada uma área de 1,5 mil metros quadrados para uso comum, que contará com paisagismo, além de um espaço destinado à prática de esportes, aulas ao ar livre e bicicletário.

De acordo com a pasta, o muralista Eduardo Kobra e sua equipe vão pintar painéis internos e os muros externos da escola. Os desenhos serão criados a partir de um concurso que vai reunir os alunos das 60 escolas da região de Suzano e selecionar os melhores trabalhos. 

Em 13 de março de 2019, dois ex-alunos entraram armados na escola pela porta da frente, assassinaram seis colegas, dois funcionários e se suicidaram.

Câmeras da escola gravaram momento em que atirador abriu fogo contras as vítimas (Reprodução)

Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil

Em novo ataque, base americana é atingida por mísseis

Irã dispara mísseis contra alvos norte-americanos no Iraque


Vários mísseis atingiram, neste domingo, a base aérea militar da cidade de Balad, no Iraque, que abriga forças norte-americanas. Pelo menos quatro soldados iraquianos teriam ficado feridos na sequência deste ataque.

A base está situada a cerca de 80 quilómetros a norte de Bagdá e os mísseis teriam caído na pista usada para pousos e decolagens, de acordo com fontes militares citadas pela agência Reuters. De acordo com o exército iraquiano, quase todas as tropas norte-americanas já deixaram a base.


Leia Também


Este ataque acontece depois de, na madrugada da última quarta-feira, mais de uma dúzia de mísseis iranianos terem sido lançados contra duas bases aéreas que também são ocupadas por tropas norte-americanas, em Ain al-Assad e Arbil, no Iraque.
Essa ação foi assumida pelos Guardas da Revolução iranianos como uma “operação de vingança” pela morte do general Qassem Soleimani, comandante da força de elite Al-Quds, que foi abatido dias antes num ataque aéreo em Bagdá, capital do Iraque, ordenado pelo Presidente dos EUA, Donald Trump.

Por RTP – Emissora Pública de Portugal

Ataque dos EUA ao Irã gera tensão entre líderes

Por Jonas Valente

(Arquivo/Alan Santos/Presidência da República)


O ataque dos Estados Unidos que resultou na morte, no Iraque, de um militar de alta patente do Irã, o general Qassem Soleimani, e a tensão disparada com o ato repercutiram entre líderes mundiais. O tema ganhou visibilidade hoje (3) devido aos riscos da escalada do conflito entre as duas nações.

Diante da repercussão do episódio, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, buscou justificar o ato. Em sua conta no Twitter, declarou que Soleimani matou ou feriu “milhares de americanos por um período estendido de tempo e planejava matar muito mais” e acusou-o de participar da morte de manifestantes iranianos em seu país.

“Embora o Irã não admitisse isso, Soleimani era odiado e temido em seu país. Eles não estão tristes como seus líderes querem fazer o mundo crer”. Trump acrescentou que as pessoas do Iraque “não querem ser dominadas e controladas pelo Irã”.

Também pelo Twitter, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, postou que o país vai “honrar a memória do Major Soleimani” e declarou três dias de luto. O presidente da República Islâmica do Irã, Hassan Rouhani, acrescentou que a “resistência contra os excessos dos Estados Unidos vai continuar” e que “o Irã vai se vingar deste crime hediondo”.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Javad Zariff, afirmou que o “ato de terrorismo internacional” dos Estados Unidos, a força mais efetiva de luta contra o Estado Islâmico, é “extremamente perigoso e uma escalada tola”. O chanceler completou que os EUA são responsáveis pelo seu comportamento “aventureiro”.

O primeiro-ministro do Iraque, Adel Abdul Mahdi, condenou o ataque, classificando-o de uma “agressão ao Iraque, ao Estado, ao governo e ao seu povo”, bem como uma violação da condição das forças dos Estados Unidos no país.

Outros países

Representantes do governo russo criticaram o ato e manifestaram apoio ao Irã. O diretor do Conselho da Europa para Relações Exteriores, Carl Bildt, apontou que a situação enfraquece o Iraque e faz o país mais propenso à atuação de grupos terroristas, como o Estado Islâmico.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, manifestou preocupação com a situação e advogou pela redução do aprofundamento dos conflitos no Golfo. “Este é um momento em que líderes devem exercitar sua cautela. O mundo não pode permitir uma nova guerra no Golfo”, pontuou.

O ministro das Relações Exteriores do Canadá, François-Phillipe Champagne, divulgou nota em tom semelhante na qual convoca os governantes dos países envolvidos “de todos os lados” para não permitirem a escalada do conflito. “Nosso objetivo continua sendo um Iraque estável e unido”, continuou, acrescentando que o país possuía preocupação com a atuação do general iraniano na região.

Saída do Iraque

A Embaixada dos Estados Unidos no Iraque emitiu um alerta de segurança recomendando que os cidadãos deixem o país em razão dos riscos de retaliaçãoem razão do ataque. O órgão informou que as atividades estão suspensas e pediu que os cidadãos estadunidenses não se aproximem da sede.

No dia 31 de dezembro, a embaixada foi atacada por manifestantes na capital, Bagdá. Trump acusou o Irã de responsabilidade pelo ato. O governo iraniano, contudo, negou qualquer participação na iniciativa.

Entenda o caso

Comandante de alto escalão da Guarda Revolucionária do Irã, Qassem Soleimani foi morto ontem (2) nos arredores do aeroporto de Bagdá. Soleimani era o comandante da unidade de elite Força Quds, uma brigada de forças especiais responsável por operações militares extraterritoriais do Irã que faz parte da Guarda Revolucionária Islâmica.

O governo dos Estados Unidos justificou a ação afirmando que as Forças Armadas do país “agiram defensivamente de forma decisiva, matando Qassem Soleimani para proteger os indivíduos americanos no exterior”.

O presidente Donald Trump ordenou a morte do comandante da força de elite iraniana Al-Quds, general Qassem Soleimani, anunciou o Pentágono em um comunicado. Na nota, o Pentágono disse que Soleimani estava “ativamente a desenvolver planos para atacar diplomatas e membros de serviço norte-americanos no Iraque e em toda a região”.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, respondeu que o país preparará uma “retaliação severa” pelo ataque.

Grupo de extrema-direita reivindica ataque ao Porta dos Fundos

Por Leonardo Coelho e Maria Teresa Cruz

Em 2018, grupo de extrema-direita entrou na universidade e queimou bandeiras antifascistas; ataque à sede do Porta dos Fundos aconteceu na véspera de Natal

Símbolo é o mesmo que aparecia em vídeo após ataque à UniRio em dezembro do ano passado (Reprodução)


Um grupo de extrema-direita, que em dezembro do ano passado invadiu a UniRio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro), reivindicou a autoria do ataque à sede da produtora Porta dos Fundos na terça-feira (24/12). 

Em vídeo, o grupo de nome Comando de Insurgência Popular Nacionalista expõe cenas da noite em que lançaram coquetéis molotov e explicam o que teria motivado o ataque: o especial de Natal “A primeira tentação de Cristo”, feito pelo Porta dos Fundos, que retrata Jesus Cristo (Gregório Duvivier) como um gay, que namora Orlando (Fábio Porchat), e Deus (Antônio Tabet) como mentiroso. 

Em dezembro de 2018, reportagem da Ponte tratou pela primeira vez do grupo integralista, quando pelo menos 11 integrantes entraram em um dos campi da UniRio e queimaram três bandeiras antifascistas com a intenção de se colocarem contra o grupo que combate e denuncia o crescimento do discurso de ódio.

Uma das bandeiras na fachada da universidade que foi roubada e queimada por grupo integralista (arquivo pessoal)

O Comando se autodenomina integralista, pensamento com fundamento de ideais tradicionais e ligação com o fascismo na época da Segunda Guerra Mundial.  

As três bandeiras antifascistas foram criadas e colocadas por alunos do campus no dia 26 de outubro do ano passado como apoio e protesto contra uma série de ações policiais e dos TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) para fiscalizar supostas propagandas eleitorais irregulares em universidades. Na ocasião, a polarização estava colocada entre apoiadores de Jair Bolsonaro e quem era contrário ao agora presidente. 

Durante a semana que antecedeu o segundo turno das eleições, foram relatadas desde a invasão de espaços para o recolhimento de materiais considerados irregulares pelos TREs, como panfletos, até cancelamentos de eventos que tinham em seu nome ou teor relacionado ao combate ao fascismo, em pelo menos 26 universidades em 13 estados.

Na época, a Ponte conversou com o pesquisador Odilon Caldeira Neto, Phd da Universidade Federal de Santa Maria e autor da obra “Sob o Signo do Sigma: Integralismo, Neointegralismo e o Antissemitismo”, que ponderou que a ação na UniRio expunha um cenário mais agitado no campo da direita política, do qual o integralismo faz parte.

Ele explicou, à época, que o movimento político nasceu no período de entreguerras, como Ação Integralista Brasileira (AIB), e propunha uma plataforma autoritária, antidemocrática, nacionalista, corporativista e com algumas tendências antissemitas, com clara inspiração nos modelos e correntes intelectuais autoritárias, conservadoras e fascistas na Itália, Portugal e Alemanha.

“O neointegralismo é um fenômeno que acomete os tais grupos após a morte de de sua principal liderança, Plínio Salgado, em 1975. Após o falecimento, os militantes integralistas – e simpatizantes – passam a disputar essa herança política da liderança e também a divergir em termos de estratégias”, avalia o historiador. “Atualmente, existem dois principais grupos integralistas mais institucionalizados, que são a FIB (Frente Integralista Brasileira) e o MIL-B (Movimento Integralista e Linearista Brasileiro). Ambos estão presentes em diversas localidade do país, no entanto, a FIB é mais articulada, inclusive em torno de partidos políticos”, declarou à Ponte.

Ponte procurou a Polícia Federal e fez as seguintes perguntas:

  1. A investigação da PF sobre esses ataques na UFF e na UNIRIO chegou à alguma conclusão? Caso não, em que pé ela está e o que vocês podem compartilhar?
  2. A Polícia Civil do Rio de Janeiro entrou em contato com vocês para avaliar material captado pelos seus investigadores? 

Até a publicação da reportagem não havia retorno. 

Entenda o caso

O mesmo grupo que, no ano passado, invadiu e queimou bandeiras na UniRio afirma que foi o responsável pelo ataque ao Porta dos Fundos. No vídeo, eles usam expressões como “burguesia”, “antipatriótica” e “marxista” e se dizem integrantes da FIB (Família Integralista Brasileira).

“O Porta dos Fundos resolveu fazer um ataque direto contra a fé do povo brasileiro se escondendo atrás do véu da liberdade de expressão. Esses malditos servos do grande capital blasfemaram contra o espírito santo quando chamaram nosso Senhor Jesus Cristo de bastardo e Maria de prostituta e adúltera. Por isso não merecem perdão”, diz um dos trechos do manifesto lido no vídeo. 

Também criticam a Justiça do Rio que negou o pedido de liminar para tirar do ar o vídeo do Porta dos Fundos da plataforma Netflix. E concluem com o jargão “Deus, pátria, família e Cristo”. 

https://www.youtube.com/watch?v=sxCspqWMigg&feature=emb_title

Desde os ataques, manifestações de repúdio tem circulado no Twitter. O humorista Fábio Porchat, um dos criadores do Porta dos Fundos, escreveu duas mensagens sobre o caso: “Não vão nos calar! Nunca! É preciso estar atento e forte”, escreveu, reproduzindo trecho da letra da canção Divino Maravilhoso, de Caetano Veloso.

E nesta quarta-feira (25/12) agradeceu o apoio que tem recebido: “Obrigado a todos que estão mandando mensagem de carinho e de apoio. Juntos somos mais fortes. Precisamos de todos lado a lado para vencermos o terror!”.

*Esta reportagem foi publicada originalmente pela Ponte.

Atirador atinge seis pessoas em Moscou

Por NHK

(Shamil Zhumatov)


Um homem armado disparou nas proximidades da sede da principal agência de segurança da Rússia, matando um de seus funcionários e deixando cinco pessoas feridas.

O ataque ocorreu no Serviço Federal de Segurança, na parte central de Moscou, por volta das 18h dessa quinta-feira. Os feridos incluem um civil. Uma unidade das Forças Especiais matou o atirador no local.

O incidente ocorreu na véspera do Dia de Serviços de Segurança da Rússia.

O presidente Vladimir Putin estava a cerca de um quilômetro do local quando houve o ataque. Ele participava de um evento para homenagear o trabalho do pessoal de segurança no Kremlin.

Observadores na Rússia afirmam que o atentado pode ter sido planejado para provocar ou protestar contra os serviços de segurança do país.

*Emissora pública de televisão do Japão

Polícia confirma mortes em atentado na Ponte de Londres

Por RTP



Na sequência de um atentado na Ponte de Londres, a polícia confirmou ter abatido o suspeito e que duas das vítimas de esfaqueamento morreram. Segundo a polícia, há vários feridos, alguns em estado grave.

Em entrevista coletiva, a polícia disse que todas as possibilidades estão em aberto e desaconselhou quaisquer especulações sobre a natureza do incidente. As autoridades recomendaram que as pessoas evitem circular nas imediações da Ponte de Londres.

A Scotland Yard tinha informado, no início da tarde que a polícia foi chamada por causa de um esfaqueamento ocorrido na Ponte de Londres um pouco antes das 2h da tarde desta sexta-feira (29). A emergência médica de Londres confirmou a ocorrência de um incidente grave e informou ter enviado várias equipes para o local.

Sem ter ainda provas ou certezas sobre a natureza do incidente, a polícia está, por precaução, a considerá-lo como sendo relacionado com o terrorismo.

A Ponte de Londres foi fechada ao trânsito, e a polícia retirou as pessoas que lá estavam.

O secretário do Interior, Priti Patel, e primeiro-ministro Boris Johnson manifestaram-se nas redes sociais. Patel declarou-se “muito preocupado”com o incidente e solidário com as pessoas afetadas.
Johnson destacou a “imediata resposta” da polícia e da emergência médica, e afirmou que está sendo informado sobre a evolução dos acontecimentos.

Esfaqueamento em Haia

Várias pessoas foram esfaqueadas nesta tarde em uma rua comercial de Haia, na Holanda.

A polícia local confirma vários feridos e informa que os serviços de emergência estão no local do incidente.

Segundo a polícia, o atacante, que fugiu, é um homem que aparenta idade entre 45 e os 50 anos e vestia roupas esportivas de cor cinza.