Despedida das vítimas do ataque será em velório coletivo

Seis das vítimas do massacre em Suzano (Facebook/Reprodução)

A despedida das vítimas do massacre em Suzano será realizada nesta quinta-feira (14) em um velório coletivo. Segundo a prefeitura, o início da cerimônia será às 7h.

Durante a noite desta quarta-feira (13), o Instituto Médico Legal (IML) liberou todos os corpos para o velório. Eles foram levadas para funerárias da cidade para preparação.

*Correção: Erramos ao afirmar neste post que o massacre foi em Osasco. O texto já foi corrigido

Suzano: Vídeo mostra início do massacre em escola

(Circuito Interno/Reprodução)

As câmeras de segurança da Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na grande São Paulo, registraram o início do massacre promovido por dois atiradores. A gravação registrou o momento em que alunos e funcionários da escola são surpreendidos pelos tiros, perto da secretaria da escola.

Após acertar várias vítimas, ele vai em direção ao pátio da escola, onde acertou outras pessoas. O segundo envolvido no ataque chega ao local logo depois e atinge as pessoas baleadas com golpes de machado.

Alunos que tentavam escapar também foram atingidos por golpes. A gravação já está com a polícia e vai ser analisada no inquérito que apura a motivação do crime.

Mortos

1. Caio Oliveira, 15 anos, estudante.
2. Claiton Antonio Ribeiro, 17 anos, estudante.
3. Douglas Murilo Celestino, 16 anos, estudante 
4. Kaio Lucas da Costa Limeira, 15 anos, estudante.
5. Samuel Melquiades Silva Oliveira, 16 anos, estudante.
6. Eliana Regina de Oliveira Xavier, 38 anos, funcionária da escola.
7. Marilena Ferreira Vieira Umezo, 59 anos, coordenadora pedagógica.
8. Guilherme Taucci Monteiro – 17 anos 
9. Luiz Henrique de Castro – 25 anos 
10. Jorge Antonio de Moraes, 51 anos, dono da locadora e tio de um dos atiradores

Feridos

1. Adna Isabella Bezerra de Paula, 16 anos
2. Anderson Carrilho de Brito, 15 anos
3. Beatriz Gonçalves Fernandes, 15 anos
4. Guilherme Ramos do Amaral, 14 anos
5. Jenifer da Silva Cavalcante
6. José Vitor Ramos Lemos
7. Leonardo Martinez Santos
8. Leonardo Vinícius Santa Rosa, 20 anos
9. Letícia de Melo Nunes
10. Murillo Gomes Louro Benites, 15 anos
11. Samuel Silva Félix

Onze feridos em massacre ainda estão internados

Por Camila Boehm e Bruno Bocchini 

(Nivaldo Lima/SP AGORA)

Onze feridos pelos atiradores na Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, continuam internados em hospitais. Sete pessoas estão em hospitais estaduais, duas estão em hospitais municipais de Suzano e outras duas em hospital particular.

Duas pessoas estão internadas no hospital particular Santa Maria de Suzano. Um deles, ferido por arma branca, recebe atendimento pós-cirúrgico, está em estado grave, mas em evolução positiva, segundo o hospital. O outro foi ferido por arma de fogo, mas está estável.

Um dos feridos está internado na Santa Casa de Suzano e uma segunda pessoa está no Pronto-Socorro da cidade, de acordo com a prefeitura de Suzano.

De acordo com informações da Secretarial de Saúde do Estado, o Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes, está atendendo dois dos feridos. Um deles está em estado grave, mas estável, e passa por avaliação médica.

Um paciente procurou o hospital junto à sua família com uma fratura no tornozelo e vai passar por procedimento cirúrgico, segundo a secretaria. O hospital Luzia de Pinho Melo chegou a receber mais uma pessoa, que não resistiu aos ferimentos e morreu.

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-USP), na capital paulista, atende no momento quatro feridos, ainda segundo a secretaria. O HC-USP recebeu uma quinta pessoa ferida no atentado, que acabou morrendo.

Uma paciente está sendo atendida pelo Hospital Geral de Itaquaquecetuba, com quadro clínico estável, informou a secretaria estadual de saúde.

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo informou ainda que foram enviados dois psiquiatras e um psicólogo para dar apoio no atendimento às famílias e demais envolvidos na ocorrência. Eles atuarão em conjunto com a equipe do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de Suzano.

Polícia investiga motivação para massacre em Suzano

Por Elaine Patrícia Cruz

Luiz Henrique e Guilherme, apontados como atiradores do massacre em Suzano (Facebook/Reprodução)

O secretário de Segurança Pública de São Paulo, João Camilo Pires de Campo, e o comandante da Polícia Militar, coronel Marcelo Salles, disseram hoje (13), em entrevista coletiva sobre o massacre na Escola Raul Brasil, em Suzano, que a motivação do crime ainda não é conhecida, mas está sendo investigada pela Polícia Civil. “Todos esses cabos soltos, cabe à polícia agora ir amarrando”, disse o secretário.

Os dois atiradores, confirmados como Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, eram ex-alunos da escola Raul Brasil. Um deles, Guilherrne, estudou na escola até o ano passado e tinha problemas (que não foram citados). Um inquérito foi aberto, e já houve uma reconstituição no local.Os atiradores entraram na escola com certa facilidade, já que o portão estava aberto.

Eles chegaram em um carro branco e portavam um revólver 38, quatro jet luders (para recarregamento de arma), uma besta (uma espécie de arco e flecha) e uma machadinha, que foi encontrada com um dos atiradores. Antes de entrar na escola, eles atiraram no dono de uma locadora de carros, Jorge Antonio Moraes, que também veio a óbito.

Equipes da polícia na escola onde massacre aconteceu, em Suzano (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Quando entraram na escola, eles atiraram primeiro na coordenadora Marilena Ferreira Vieira Umezo, depois em uma funcionária da escola, reconhecida como Eliana Regina de Oliveira Xavier, e então miraram os alunos. Cinco estudantes e as duas funcionárias da escola morreram. Os atiradores se mataram.

Os alunos que morreram foram Pablo Henrique Rodrigues, Cleiton Antônio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquíades Silva de Oliveira e João Vitor Ramos Lemos (morreu na ambulância do Samu, a caminho do hospital).

Feridos

Feridos foram levados para hospitais de Suzano e região (Nivaldo Lima/SP AGORA)

Segundo o governo paulista, os feridos são Leticia Melo Nunes (removida para o Hospital Santa Maria), Samuel Silva Felix (levado para o Hospital Santa Maria), Beatriz Gonçalves, Anderson Carrilho de Brito, (atendido no Hospital Santa Maria) Murilo Gomes Louro Benite (está no Hospital das Clínicas), Jennifer Silva Cavalcanti (Hospital Luzia de Pinho Mello, em Mogi das Cruzes), Leonardo Vinicius Santana, Adna Bezerra e Guilherme Ramos. O estado de saúde dos feridos não foi informado.

Divulgados nomes de vítimas e de autores de massacre em Suzano

Por Elaine Patrícia Cruz

Equipes da polícia na escola onde massacre aconteceu, em Suzano (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Em entrevista coletiva concedida na tarde de hoje (13), a polícia civil de São Paulo confirmou o nome dos dois atiradores da escola Raul Brasil, em Suzano, na grande São Paulo. Os autores do crime são Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 anos, ex-alunos. A motivação para o crime ainda não foi divulgada. Guilherme Henrique estudou no colégio até o ano passado.

Os dois atiradores chegaram à escola por volta das 9h30 da manhã de hoje, durante o intervalo de aulas, e atiraram contra funcionários e estudantes. Cinco crianças e um funcionário morreram no local. Os dois atiradores se mataram. De acordo com último balanço divulgado pela polícia, 10 pessoas ficaram feridas e 10 pessoas morreram, incluindo os dois atiradores.

Dentre os que morreram, duas eram funcionários da escola, Eliane Regina de Oliveira Xavier e Marilena Vieira Umezo. Cinco eram alunos do ensino médio: Pablo Henrique Rodrigues, Clayton Antonio Ribeiro, Caio Oliveira, Samuel Melquiades Silva de Oliveira e João Vitor Ramos Lemos, que morreu no deslocamento para o hospital.

Feridos foram levados para hospitais de Suzano e região (Nivaldo Lima/SP AGORA)

Vinte e três pessoas foram levadas ao hospital, entre elas, pessoas que passaram mal após o ataque. Antes de chegarem à escola, eles atiraram no dono de uma locadora de carros, Jorge Antonio Moraes, que também veio a óbito.

O governador João Doria decretou luto oficial de três dias no estado.

Atiradores usaram revólver e arma medieval durante ataque

Atirador foi encontrado morto no corredor da escola (Reprodução)

O comandante-geral da Polícia Militar, Marcelo Salles, informou que os dois adolescentes auores dos tiros na Escola Estadual Raul Brasil nesta manhã usaram um revólver calibre 38 e uma arma medieval semelhante a um arco e flecha. Até o momento, pelo menos 10 pessoas morreram no ataque.

Segundo os policiais, os atiradores atacaram, inicialmente, um lava-jato que estava ao lado do colégio e depois entraram na escola atirando na coordenadora pedagógica, num funcionário e nos estudantes.

Salles disse ainda que os estudantes atacados estavam na hora do recreio. De acordo com ele, os atiradores se suicidaram em um dos corredores da escola. Segundo o policial, há artefatos explosivos dentro do colégio, por isso é fundamental o isolamento da área.

Na parte externa do colégio, o governador de São Paulo, João Doria, disse ter visto hoje as cenas mais tristes da sua vida. Ele cancelou a agenda e seguiu para o local com autoridades de segurança pública e da área de educação do estado.

O crime ocorreu por volta das 9h30. Segundo informações da Polícia Militar, dois adolescentes armados e encapuzados invadiram o local e efetuaram disparos contra os alunos.

À tarde, as autoridades de São Paulo concederão nova entrevista sobre o caso.

Vítimas

No total, 23 pessoas foram encaminhadas a unidades de saúde: Hospital Santa Maria (9), Santa Casa (3), Hospital Luzia de Pinho Mello (2), Hospital Santana (2), Hospital Santa Marcelina (5), Hospital das Clínicas (2).

Atiradores de Suzano estavam encapuzados e se mataram

Dois atiradores foram encontrados mortos no corredor da escola (Reprodução)

Os dois atiradores que invadiram a escola de Suzano, na grande São Paulo, estavam encapuzados na hora do ataque, segundo confirmou a Polícia Militar. A Capitã Cibele, da PM, disse à Globo News que os dois se mataram após atingir alunos e um funcionário da escola.

Os corpos dos atiradores foram encontrados em um dos corredores da escola.

Cinco mortes foram confirmadas até agora. O número de feridos não foi confirmado.

https://spagora.com.br/homem-invade-escola-em-sp-e-mata-cinco-criancas/

Atirador da Catedral atuou na promotoria de Carapicuíba

Praça da Catedral de Campinas (Cortesia Diário Correio/EFE/Agência Brasil/Reprodução)

A Polícia Civil informou que Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, é o autor dos disparos na Catedral Metropolitana de Campinas. Ele era morador de Valinhos, cidade vizinha a Campinas.

Euler foi servidor concursado do Ministério Público do Estado de São Paulo, atuando como auxiliar de Promotoria I, na Comarca de Carapicuíba, região metropolitana de São Paulo. O Ministério Público de São Paulo informou que ele pediu exoneração do cargo em 3 de julho de 2014. O perfil de Euler em uma rede social, sem postagens, informa que ele estudou no Colégio Técnico da Unicamp e na Unip, em Campinas.

O delegado José Henrique Ventura, que acompanha as investigações do caso, informou que Euler Fernando Grandolpho não tem antecedentes criminais. “A profissão, ao que parece, é analista de sistemas. É uma pessoa fora de qualquer suspeita em circunstâncias normais. Agora, com a identificação, nós vamos investigar a motivação”, apontou.

A carteira de habilitação do atirador foi encontrada em uma mochila dentro da igreja. Ventura informou que será feita uma diligência à casa de Grandolpho para buscar informações que possam levar ao esclarecimento do crime. “Vamos fazer um levantamento da casa, de quem mora, se é casado. Os dados para saber os antecedentes antes dele chegar a Campinas”, explicou.

Investigações preliminares apontam que Grandolpho não conhecia as vítimas. “Estamos agora identificando as vítimas, porque o que nos interessava primeiro era saber quem era o atirador”, apontou o delegado.

As imagens de câmeras de segurança mostram que o atirador entrou na igreja, sentou em um dos bancos e começou a atirar em pessoas que estavam atrás dele. Ele tinha uma pistola e quatro carregadores. “Usou dois carregadores e tinha dois cheios com 22 cápsulas”, disse Ventura. Antes de se matar, o atirador foi atingido pela polícia.

Testemunha

O aposentado Pedro Rodrigues, 66 anos, estava em um dos últimos bancos da igreja quando o atirador abriu fogo. “Eu peguei o final da missa, sentei, mais ou menos depois de 5 minutos que tinha terminado a celebração. Começou a chegar as pessoas para fazer as ações individuais e de repente percebi que no meio um rapaz se levantou, se posicionou em frente a um casal e começou a atirar à queima roupa. Eu vi dois tiros”, contou. Rodrigues correu para fora da igreja e continuou a ouvir disparos. “Eu escutei mais ou menos 15 disparos”.

O tiroteio ocorreu por volta das 13h25, segundo informações da Polícia Militar. Quatro pessoas morreram no local. Ainda não se sabe a motivação do crime.

Feridos

Um homem de 84 anos, que foi atingido no tórax e no abdômen, passou por cirurgia no Hospital Municipal Doutor Mário Gatti e agora está na Unidade de Terapia Intensiva. Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura, o estado de saúde dele é grave. Uma mulher de 65 anos foi levada para a mesma unidade, permanece em observação, mas o estado dela é estável. Ela foi ferida no tórax, na mão e teve uma fratura na clavícula.

As outras duas pessoas baleadas foram levadas para o Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e para o Hospital Beneficência Portuguesa de Campinas.

* Com informações de Eliane Gonçalves, da Rádio Nacional

Tiroteio na Catedral: Idoso de 84 anos está em estado grave

Por Camila Maciel, da Agência Brasil

Um homem de 84 anos, que foi atingido no tórax e no abdômen durante tiroteio na Igreja da Sé em Campinas (SP), passa por cirurgia nesta tarde no Hospital Municipal Doutor Mário Gatti. Entre os quatro feridos pelo homem que entrou na catedral atirando nas pessoas, ele é o que se encontra em estado mais grave. Na mesma unidade, uma mulher de 65 anos está estável e permanece em observação. Ela foi ferida no tórax e na mão e teve uma fratura na clavícula.

Outra mulher, que foi levada ao Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), também está estável e permanece em observação pela equipe de trauma. A idade dela não foi confirmada. Segundo a assessoria de imprensa do hospital, ela pode ter alta ainda nesta terça-feira.

A quarta pessoa ferida foi encaminhada ao Hospital da Beneficência Portuguesa de Campinas, mas não há informações sobre o quadro de saúde.

Segundo a Polícia Militar, o incidente ocorreu às 13h25 na Catedral Metropolitana, na Rua 13 de Maio. A corporação ainda não tem detalhes da ocorrência. De acordo com relatos, um homem de aproximadamente 30 anos, invadiu a igreja, atirou contra as pessoas e se matou. Ainda não se sabe a motivação. Até o momento, quatro mortes foram confirmadas.

Investigações

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) informou que o 1º Distrito Policial de Campinas investiga, com apoio do Setor de Homicídios da cidade, as mortes ocorridas nesta tarde.

Em nota, a SSP dz que policiais militares atiraram contra o autor dos disparos e que, em seguida, ele se matou. A nota informa também que imagens das câmeras de segurança da igreja foram apreendidas e serão analisadas.