Homem é preso após atirar dentro de galpão no Brás

(Polícia Militar/Reprodução)

Um homem foi preso pela Polícia Militar após atirar dentro de um galpão, na região do Brás, área Central de São Paulo. Os tiros foram ouvidos por PMs que patrulhavam a região.

Ao entrar no local, os policiais encontraram o suspeito sozinho. Ele negou que tivesse atirado, mas durante a revista ao local encontraram a pistola calibre .380, com a numeração raspada, um carregador,  vários estojos deflagrados e R$ 2,193,00.

O suspeito foi preso e levado para a delegacia. O armamento foi apreendido e o dinheiro devolvido à esposa do homem.

Mulher é morta a tiros na região central de São Paulo

Veja esta e outras notícias no canal do Youtube do repórter Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan.

Uma mulher foi assassinada a tiros em plena luz do dia em uma das ruas do Brás, no Centro de São Paulo.

O crime ocorreu no final da tarde desta segunda-feira(21), na Rua Monsenhor de Andrade, próximo à Rua São Caetano, em frente à Mesquita do Brás, e foi presenciado por algumas pessoas e flagrado por uma câmera de segurança. A imagem, que já está sendo analisada pela Polícia Civil, mostra o suspeito chegando ao local minutos antes, em uma bicicleta.

Ele permanece encostado junto a um poste por cerca de quatro minutos, como se estivesse aguardando a chegada da vitima, que surge, então, caminhando pela calçada. O criminoso espera a mulher se aproximar, saca uma arma e efetua os disparos, que atingem a cabeça. Ainda com a vítima ao solo, o suspeito atira novamente. Em seguida, sobe na bicicleta e deixa o local.

O crime é observado a poucos metros de distância por um rapaz que também estava de bicicleta e que, imediatamente após os tiros, vai embora no mesmo sentido do assassino.

A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros foram acionados, mas, quando as equipes chegaram ao local, constataram que a mulher, identificada posteriormente como sendo Ana Paula da Silva Matos, de 34 anos, já estava sem vida.

O caso foi registrado no 12º Distrito Policial do Pari e vai ser investigado pelo DHPP, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa.

Uma das hipóteses é de crime passional ou vingança, já que a bolsa com os pertences da vítima não foi levada.

*Com informações de Paulo Édson Fiore, da Jovem Pan.

Operação busca roupas e calçados falsificados no Brás

(Receita Federal)

Uma operação da Receita Federal e da Prefeitura de São Paulo tenta localizar roupas e calçados falsificados, vendidos na região do Brás, área de comércio popular na Capital Paulista. A “Operação Segunda Dose” se concentra, segundo a Receita, em um shopping que abriga lojas e depósitos de mercadorias importadas. A expectativa, aponta nota divulgada pelo órgão, é da apreensão de elevado volume de produtos, podendo chegar a R$ 300 milhões em valor de mercado.

O mesmo shopping já foi alvo de ação da Receita Federal no ano passado.

“A prática identificada atualmente no local lesa os comerciantes, importadores e produtores brasileiros que atuam na legalidade, subtrai os empregos legítimos e sonega tributos, que deixam de ser recolhidos aos cofres públicos. São violados direitos autorais e de marcas, desestimulando o investimento por empreendedores legítimos no Brasil. Há também notória violação de direitos dos consumidores com produtos clandestinos e que não atendem aos requisitos de segurança”, informa a Receita.

A Prefeitura apoia a ação por meio da Subprefeitura da Mooca, auxiliando na logística de remoção das mercadorias, e da Guarda Civil Metropolitana, que preserva o perímetro do local garantindo a segurança das diligências. 

Valores sonegados

Estima-se que o montante de tributos federais sonegados correspondentes às mercadorias a serem apreendidas possa somar R$ 150 milhões. O valor, segundo a Receita, seria suficiente para financiar o ensino de mais de 30 mil alunos em escola pública por um ano. 

Após a conclusão da ação, a Receita Federal representará à Prefeitura pela cassação do alvará de funcionamento e interdição dos estabelecimentos infratores, na forma da Legislação Municipal. Os responsáveis também serão representados pelo crime de contrabando e por outros correlatos.

Contador é encontrado morto dentro de apartamento no Centro de SP

Um contador foi encontrado amarrado e morto, na noite de terça-feira (3), dentro do próprio apartamento no Centro de São Paulo. Inicialmente, a Polícia Civil investiga o caso como crime. Apesar dele ter sido registrado como homicídio qualificado, que é o assassinato, policiais também apuram se o homem foi vítima de latrocínio, que é o roubo seguido de morte. O celular dela teria sido roubado.

Até a publicação desta matéria nenhum suspeito do crime havia sido identificado ou preso. José Jesus tinha 64 anos e foi achado sem vida por volta das 19h na cobertura onde morava sozinho, no Brás.

Segundo testemunhas, a residência dele não estava revirada, mas o telefone do idoso havia desaparecido.

De acordo com a família da vítima, o último contato de José foi no domingo (1º), quando ele mandou uma mensagem de ‘bom dia’ num grupo de WhatsApp. Depois disso, ninguém mais conseguiu contato com o contador.

Preocupados, parentes dele foram até o prédio onde ele morava e arrombaram a porta do apartamento, onde encontraram o corpo de Jesus. Ele estava amarrado com um lençol no pescoço.

O apartamento do contador foi periciado pela Polícia Técnico-Científica. A investigação está procurando câmeras de segurança que possam ter gravado algum suspeito do crime.

O caso está sendo apurado pelo Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).

O apartamento do contador foi periciado pela Polícia Técnico-Científica(Reprodução)

Polícia mata suspeito de assaltar farmácia

Uma troca de tiros entre policiais militares e criminosos terminou com a morte de um suspeito na área Central de São Paulo. O tiroteio ocorreu por volta das nove horas da noite desta segunda-feira (24) na na região do Brás.

Local do assalto, na Avenida Celso Garcia (Google Street View)

De acordo com a PM, três bandidos armados invadiram a drogaria Stillus Farma, localizado na Avenida Celso Garcia, número 275, próximo à esquina com a Rua Joli. Os criminosos renderam dois funcionários e os clientes que estavam no local e recolheram o dinheiro que havia no caixa, além de celulares e outros pertences das vítimas.

Toda a ação foi testemunhada por um pedestre, que ligou para o 190, dando o alerta. O Copom acionou as equipes em patrulhamento na área, e os policiais chegaram rapidamente ao local, ainda em meio ao assalto.

Assim que perceberam a aproximação dos militares, os assaltantes correram, mas um deles invadiu uma lanchonete ao lado da farmácia, de onde teria efetuado disparos em direção aos Pms, que reagiram. No revide, o criminoso acabou sendo atingindo e ficou caído na calçada.

Os outros dois conseguiram fugir, um deles, possivelmente, também baleado. Atingido no tórax, o suspeito ainda foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado ao Hospital Municipal do Tatuapé, mas ele não resistiu e acabou morrendo. Os militares saíram ilesos. 

A ocorrência foi comunicada ao delegado plantonista do Oitavo Distrito Policial, do Brás, e registrado como “morte decorrente de intervenção policial” no DHPP, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa,  que vai apurar a ação dos PMs.

Por Paulo Édson Fiore – Repórter da Jovem Pan

Receita apreende 20 mil calçados falsificados no Brás

Uma operação realizada hoje (8), na região do Brás, terminou com mais de 20 mil pares de calçados falsificados apreendidos. A ação, realizada em um shopping popular, é da Receita Federal com o apoio da Prefeitura de São Paulo, e calcula em R$ 2,5 milhões o valor da mercadoria ilegal.

(Receita Federal/Reprodução)

A operação se chama “Pseudopodes 4”, em referência ao termo grego, que também é utilizado pela biologia e significa pés falsos. É a quarta vez nos últimos anos que a Receita Federal atua contra a venda de calçados falsificados (de marcas contrafeitas) de origem estrangeira na região do Brás. 

A prática identificada lesa os comerciantes, importadores e produtores brasileiros que atuam na legalidade, subtrai os empregos legítimos gerados pela atividade legal e sonega tributos, que deixam de ser recolhidos aos cofres públicos. 

Além da perda das mercadorias apreendidas, os responsáveis devem ser representados pelo crime de contrabando. 

*Com informações da Receita Federal do Brasil

Brás: Shopping é interditado e materiais são apreendidos

(Receita Federal/Reprodução)

Como parte das ações de combate a pirataria por meio da Operação Comércio Legal, a Prefeitura de São Paulo e a Receita Federal deflagraram na manhã desta segunda-feira (2), em um shopping na Rua Barão de Ladário, região do Brás, a operação Promitheia, que resultou na apreensão de produtos piratas e na interdição do imóvel por conta de uma série de irregularidades que infringem o Código de Obras e Edificações.

“Houve um desrespeito a legislação municipal. Aplicamos mais de 60 multas aqui que representam um total de R$ 12 milhões só em autuações”, afirmou o prefeito Bruno Covas.

No shopping eram comercializados itens como relógios, roupas, tênis, brinquedos, artigos de luxo e todo tipo de pirataria possível e imaginável.

Segundo o coordenador da Operação Comércio Legal, Fabio Lepique, a expectativa é que sejam apreendidas cerca de mil toneladas de itens irregulares.

Agentes fazem a segurança em frente ao shopping alvo da ação (Receita Federal/Reprodução)

“Trata-se do maior distribuidor de pirataria para o Brasil e América Latina. Para se ter uma ideia da dimensão dessa operação, foram apreendidas cerca de 1.700 toneladas em diversas operações desde 2018”, afirmou.

Segundo o auditor fiscal da Receita Federal, Alan Towersey, o valor estimado da apreensão é de R$ 500 milhões. “A operação deve durar três semanas. O objetivo é retirar as mercadorias ilícitas que abastecem todo Brasil e levar para os depósitos da Receita Federal”, disse.

Sobre a Operação Comércio Legal

Implementada em novembro de 2018, com uma ação na região do Brás a Operação Comércio Legal tem o objetivo de combater a pirataria e melhorar a mobilidade em locais de grande concentração de comerciantes ambulantes.

Em pouco mais de um mês de atuação no Brás, a área abrangida passou de 22 mil para 96 mil metros quadrados fiscalizados.

No dia 26 de agosto, a Prefeitura de São Paulo deflagrou a terceira etapa da operação, ampliando a área de atuação dos agentes de fiscalização para uma área de 153 mil metros quadrados.

Na última sexta-feira (30/08), foram destruídas cerca de 200 toneladas de brinquedos apreendidos durante intervenções realizadas pela administração municipal para combater a pirataria em estabelecimentos que comercializavam esses itens de forma irregular. Desse total, cerca de 10 toneladas foram apreendidas em ações exclusivas da Receita Federal.

(Receita Federal/Reprodução)

*Com informações da Prefeitura de SP

Receita Federal apreende 30 mil relógios falsificados no Brás

Carga está avaliada em R$ 1,5 milhão (Receita Federal/Reprodução)

A Receita Federal apreendeu hoje (23) cerca de 30 mil
relógios falsificados, segundo estimativa inicial. A carga é
suficiente para encher dois caminhões.

A operação foi realizada no Brás, área de comércio popular da capital
paulista, com o apoio da Guarda Civil Metropolitana.



Nos estabelecimentos de um shopping popular, todas as mercadorias estavam irregulares e foram apreendidas como fruto de contrabando.

O valor das mercadorias apreendidas é de aproximadamente R$ 4,5 milhão.

Os envolvidos responderão administrativa e criminalmente em liberdade.

Operação tem o apoio da Guarda Civil Metropolitana (Receita Federal/Reprodução)

*Atualizado às 20h30

Receita apreende cinco mil pares de sapatos falsificados no Brás

Fiscais esperam encontrar dez mil pares de calçados falsificados (Receita Federal/Reprodução)

A Receita Federal apreendeu nesta terça-feira (29) cerca de cinco mil pares de calçados falsificados, segundo estimativa inicial. A carga removida foi suficiente para encher dois caminhões.

Um veículo, utilizado para transporte da mercadoria irregular, também foi apreendido. A operação foi realizada no Brás, área de comércio popular da capital paulista, com o apoio da Guarda Civil Metropolitana. 

Na loja fiscalizada, apenas uma parte das mercadorias estava regular e não foi apreendida. Os fiscais da Receita acreditam que, ao final da operação, dez mil pares tenham sido apreendidos.

Loja fiscalizada tinha parte das mercadorias falsificada (Receita Federal/Reprodução)

*Conteúdo da Receita Federal

Fiscalização de camelôs no Brás tem pessoas presas e mercadorias apreendidas

Região do Brás recebeu meio milhão de pessoas no sábado (15)(Heloisa Ballarini/Prefeitura de SP/Reprodução)

A Operação Comércio Legal apreendeu 2.350 sacos de dez quilos em mercadorias que estavam sendo vendidas por camelôs na região do Largo da Concórdia, no Brás. Segundo a Prefeitura, desde o fim de novembro, quando a operação começou, 23,5 toneladas foram levadas para os depósitos do município.

Além dos produtos apreendidos, dois camelôs com Termo de Permissão de Uso falso foram presos pela Polícia Civil e nove pessoas foram detidas por vandalismo. Uma ação conjunta com a Receita Federal também resultou na apreensão de cerca de 30 mil pares de tênis e 10 mil bonés. Os galpões foram interditados nos termos da lei.



O prefeito Bruno Covas percorreu o local neste fim de semana, 20º dia da ação e considerado o de maior movimento no comércio, por conta das compras de Natal. O lugar, que normalmente conta com 330 mil pessoas circulando diariamente, recebeu 500 mil na ocasião.

“Sempre soubemos da dificuldade que seria retomar o espaço público nesta região. Por isso, optamos por fazê-lo aos poucos, para dar tranquilidade e segurança à população, sem retroceder. A Operação tem sido bem sucedida e isso já nos permite ampliar o perímetro de ação”, enfatizou Bruno Covas.

Prefeito Bruno Covas esteve na região de comércio popular (Heloisa Ballarini/Prefeitura de SP/Reprodução)

Na região foram mapeados 1.205 ambulantes ilegais e apenas dois deles possuíam o TPU, documento concedido pelo governo municipal que permite a comercialização de produtos. A ação tem o objetivo de combater a presença de camelôs ilegais, melhorar a mobilidade e oferecer atendimento social. O perímetro conta com 211 lojas de comerciantes legalizados, que pagam impostos e têm seus negócios prejudicados pela presença dos ilegais.

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE) prestou 1.161 atendimentos. Foram cadastradas 553 pessoas pelo Programa Operação Trabalho (POT), que concede bolsas e promove a reinserção no mercado de trabalho e outras 608 encaminhadas ao Centro de Apoio ao Trabalho e ao Empreendedorismo (CATe).

Já a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) cadastrou 261 pessoas no Centro de Referência e Atendimento para Imigrantes (CRAI) e 740 receberam orientações gerais. Do total de atendimentos feitos pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Assistência Social (SMADS), 252 foram encaminhadas para pernoitar em nos Centros Temporários de Acolhimento (CTA) e 106 foram assistidos em outros centros especializados.

*com informações da Prefeitura de São Paulo