Bruno Covas passa por radioterapia para controlar sangramento

Bruno Covas com o filho após receber alta da UTI, em 4 de maio (Rede Social/Reprodução)

O prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas, passou hoje (6) por uma radioterapia para controlar um sangramento residual no estômago, que foi detectado por um novo exame de endoscopia digestiva alta. A informação foi divulgada no final da tarde de hoje pelo Hospital Sírio-Libanês, onde Covas está internado desde o último domingo (2).

Segundo o boletim médico, o quadro clínico de Covas é estável, e não há previsão de alta hospitalar.

Em suas redes sociais, Covas escreveu que está bem e em companhia da família, “seguindo com disciplina o tratamento determinado” pela equipe médica. “Um passo de cada vez. Com fé e dedicação, tenho certeza de que vou vencer. Obrigado pelo carinho e apoio de todos vocês”, diz a mensagem.

O prefeito licenciado de São Paulo foi internado domingo após exames médicos terem demonstrado sangramento em uma úlcera no estômago, mesmo local onde foi descoberto o seu tumor inicial. Ele foi transferido para uma unidade de terapia intensiva (UTI) e intubado, sendo extubado no dia seguinte, à tarde.

Por causa do sangramento, os médicos tiveram que interromper o tratamento de Covas contra o câncer, que estava anteriormente previsto para ser realizado na última segunda-feira (3). Não há previsão de quando será retomado o tratamento de quimioterapia e de imunoterapia.

Bruno Covas foi diagnosticado com adenocarcinoma em outubro de 2019, um câncer na região da cárdia, entre o esôfago e o estômago, com metástase no fígado e uma lesão linfonodos. Em fevereiro deste ano, os médicos descobriram um novo nódulo no fígado. E, no mês passado, exames de controle identificaram novos pontos da doença no fígado e nos ossos.

Para prosseguir com o tratamento contra o câncer, nesta semana, Covas pediu afastamento do cargo de prefeito de São Paulo por um período de 30 dias.

Por Elaine Patrícia Cruz, da Agência Brasil

Médicos retiram intubação e Covas deixa UTI

Em tratamento contra um câncer desde 2019, o prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas, foi extubado na noite de ontem (3) após o sangramento em uma úlcera no estômago ter sido estancado. Ele continua internado no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, mas deixou a unidade de terapia intensiva (UTI). Agora, Covas aguarda liberação de um leito de unidade semi-intensiva, sem previsão de alta.

“Entendemos o sangramento como evento pontual. Faz parte do acompanhamento de doentes crônicos que tenham eventos pontuais. No caso, foi um sangramento gástrico, mas poderia ter sido uma infecção ou qualquer outra contingência. Como tal, este procedimento foi enfrentado. Foi enfrentado o sangramento, foi estancado o sangramento, o paciente foi para uma unidade de terapia intensiva e acaba de ter alta”, explicou o médico David Uip, que compõe a equipe médica que trata o prefeito e que já foi médico particular do avô do prefeito, o ex-governador Mário Covas, que também lutou contra um câncer.

Em entrevista coletiva no início da tarde de hoje (4), os médicos que o atendem disseram que Covas está bem, fazendo piadas e querendo assistir ao jogo do time pelo qual torce, o Santos, contra o The Strongest, que se enfrentam hoje pela Copa Libertadores da América.

“Essa foi a grande angústia que ele teve e ele ficou muito feliz em sair da UTI [para ver o jogo]”, disse o médico Artur Katz.

“Hoje ele está animado, revigorado, fazendo piadas e descontraído. Essa é uma característica da personalidade dele. Mesmo diante das dificuldades e desafios que ele tem, ele sempre procura fazer piadas e descontrair. Ele está motivado para seguir adiante nessa batalha, nessa jornada, com nossa ajuda”, disse o médico oncologista Tulio Eduardo Flesch Pfiffer.

Por enquanto, os médicos não têm previsão de quando Covas poderá retomar o seu tratamento fazendo as sessões de quimioterapia e de imunoterapia, que deveriam ter ocorrido ontem (3) e foram suspensas após Covas apresentar o sangramento.

“Aquilo que estava previsto que era a segunda sessão de quimioimunoterapia foi obviamente adiada e vai depender de outros fatores, inclusive a recuperação do sangramento. Além do estancamento do sangue, ele teve que receber unidades de sangue. Foi um sangramento agudo. O prefeito neste momento está normal, sentado em uma cadeira, conversando habitualmente”, acrescentou Uip.

Sangramento

Bruno Covas foi internado no último domingo (2) para fazer exames de rotina de sangue, de imagem e endoscópios, que acabaram demonstrando um sangramento no local do tumor inicial. Os médicos decidiram então intubá-lo.

“A intubação foi uma estratégia basicamente para evitar que os coágulos fossem aspirados e fossem contaminar a via aérea. Foi basicamente uma intubação para proteger a via aérea durante a realização de um evento. Uma vez superada a hemorragia e o estômago todo limpo, se pode proceder a extubação”, explicou Katz.

“O objetivo atual é recolocar o prefeito em suas condições ideais de saúde, seja pela reposição do sangue perdido, seja pelo controle hemodinâmico, seja por nutrição, para que a gente possa futuramente avaliar quando tomar alguma decisão do ponto de vista oncológico, do ponto de vista de continuidade do tratamento, já que essa intercorrência (o sangramento) nos forçou a uma espécie de desvio dos planos originais”, explicou Arthur. “Uma vez superada a intercorrência, vamos planejar o que fazer daqui para a frente”, acrescentou.

Ainda no domingo, Covas comunicou que encaminhou à Câmara Municipal o seu pedido de afastamento da prefeitura pelo período de 30 dias para dar prosseguimento ao seu tratamento contra a doença. O pedido encaminhado à Câmara Municipal não precisou ser votado e foi publicado hoje no Diário Oficial do município. Nesse período, o cargo será assumido pelo vice-prefeito, Ricardo Nunes.

Histórico

Covas foi diagnosticado com um adenocarcinoma em outubro de 2019, um câncer na região da cárdia, entre o esôfago e o estômago, com metástase no fígado e uma lesão nos linfonodos. Após o diagnóstico, ele iniciou um tratamento de quatro meses de quimioterapia.

Em fevereiro do ano passado, exames demonstraram regressão da lesão esôfago-gástrica e da lesão hepática, mas uma biópsia detectou que o câncer nos linfonodos ainda persistia e os médicos decidiram então iniciar uma nova fase de tratamento, baseado em imunoterapia, uma estratégia que permite ao próprio sistema imune do paciente combater a doença. Exames feitos pelo prefeito em abril de 2020 demonstraram controle da lesão em linfonodos.

Já neste ano, em fevereiro, Covas passou por um novo tratamento quimioterápico após os médicos descobrirem um novo nódulo no fígado. E em meados de abril, exames de controle demonstraram novos pontos da doença no fígado e nos ossos. Com isso, os médicos decidiram dar continuidade ao tratamento com quimioterapia, além de imunoterapia. Na semana passada, no dia 27 de abril, ele recebeu alta do hospital, mas voltou a ser internado em uma unidade de terapia intensiva (UTI) no último domingo (2), após se sentir indisposto, com náuseas e abatido. Os médicos então decidiram intubá-lo por um dia para que o sangramento pudesse ser contido.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Com sangramento, Covas é transferido para UTI

Com sangramento, Covas é transferido para UTI
Bruno Covas teve de ser transferido para a unidade de tratamento intensivo nesta segunda-feira.(Arquivo)

Em tratamento contra um câncer desde 2019, o prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas, está internado em uma unidade de terapia intensiva (UTI) do Hospital Sírio Libanês, na capital paulista. De acordo com boletim médico enviado à imprensa no início da tarde de hoje (3), Bruno Covas foi submetido a uma intubação orotraqueal e está recebendo as medidas de suporte clínico.

O prefeito foi internado ontem (2) no hospital para fazer exames de rotina de sangue, de imagem e endoscópios. A endoscopia mostrou um sangramento no local do tumor inicial e os médicos decidiram interná-lo em uma UTI.

Ainda de acordo com o boletim, o sangramento está sendo controlado com medidas de hemostasia local.

Licença

Ontem (2), o prefeito decidiu solicitar um licenciamento da prefeitura pelo período de 30 dias para poder se dedicar exclusivamente ao tratamento médico contra o câncer. O pedido de licenciamento foi encaminhado hoje à Câmara Municipal. Nesse período, o cargo será exercido pelo vice-prefeito, Ricardo Nunes.

Em um comunicado assinado ontem pelo prefeito, também publicado em suas redes sociais, ele diz: “nesses últimos meses, a vida tem me apresentado enormes desafios”.

“Tenho procurado enfrentá-los com fé, de cabeça erguida e com muita determinação. Assumi um compromisso com a cidade e sua população e tenho sido o mais transparente possível com a situação da minha saúde e com as etapas do meu tratamento”, escreveu.

“Tenho seguido à risca as orientações da equipe médica e venho trabalhando em regime de teletrabalho, ao longo desses últimos dias, contando com a dedicação e empenho de nossa equipe. Mas agora, diante dos novos focos da doença, meu corpo está exigindo que eu dedique mais tempo ao tratamento, que entra em uma fase muito rigorosa”, escreveu o prefeito, ao justificar o seu pedido de licenciamento do cargo.

Histórico

Bruno Covas faz tratamento contra um câncer desde outubro de 2019, quando ele foi diagnosticado com adenocarcinoma, um tipo de câncer na região de transição do esôfago para o estômago, além de uma metástase no fígado e uma lesão nos linfonodos. Após o diagnóstico, ele iniciou um tratamento de quatro meses de quimioterapia.

Em fevereiro do ano passado, exames demonstraram regressão da lesão esôfago-gástrica e da lesão hepática, mas uma biópsia detectou que o câncer nos linfonodos ainda persistia e os médicos decidiram então iniciar uma nova fase de tratamento, baseado em imunoterapia, uma estratégia que permite ao próprio sistema imune do paciente combater a doença. Exames feitos pelo prefeito em abril de 2020 demonstraram controle da lesão em linfonodos.

Já neste ano, em fevereiro, Covas passou por um novo tratamento quimioterápico após os médicos descobrirem um novo nódulo no fígado. E em meados de abril, exames de controle demonstraram novos pontos da doença no fígado e nos ossos. Com isso, os médicos decidiram dar continuidade ao tratamento com quimioterapia, além de imunoterapia. No dia 27 de abril, ele recebeu alta do hospital. Mas ontem ele voltou a ser internado.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Bruno Covas recebe alta após 12 dias internado

Com sangramento, Covas é transferido para UTI

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, recebeu alta hoje (27) após passar 12 dias internado fazendo tratamento contra o câncer no hospital Sírio Libanês, na capital paulista. A partir de agora, Covas passará a realizar aplicações de quimioterapia, com duração de 48 horas, a cada duas semanas. O tratamento do prefeito é complementado com imunoterapia.

“A internação acabou se prolongando devido ao acúmulo de líquido no espaço entre os pulmões e a pleura, dentro da caixa torácica. O prefeito foi submetido a drenagem pleural e seu quadro evoluiu com sucesso, com redução do líquido e melhora clínica”, diz o texto do boletim médico divulgado.

Segundo os médicos que cuidam do prefeito, Covas está apto a fazer atividades pessoais e profissionais, porém sem participar de agendas públicas.

O prefeito trata, desde outubro de 2019, um adenocarcinoma, tipo de câncer maligno, situado na região da cárdia – válvula que controla o acesso do esôfago e do estômago. Por meio de tomografia computadorizada, também foi descoberta uma metástase no fígado e uma lesão em um linfonodo. Exames recentes apontaram que a doença atingiu também os ossos do político.

Por Bruno Bocchini, da AgÊncia Brasil

Após líquido no pulmão e abdômen, Bruno Covas segue internado

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Os exames realizados no prefeito de São Paulo, Bruno Covas, mostraram avanço do câncer, com acúmulo de líquido no abdômen e no pulmão. Ele está internado desde quinta-feira (15) no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, em tratamento contra a doença.

Segundo equipe médica que o acompanha, o prefeito está bem, já adaptado ao tratamento quimioterápico e imunoterápico. Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (21), os médicos informaram ainda que o prefeito despacha normalmente de dentro do hospital.

Como Bruno Covas apresentou emagrecimento, os médicos optaram fazer complementação alimentar noturna através de um catéter por via venosa.

O prefeito trata, desde outubro de 2019, um adenocarcinoma, tipo de câncer maligno, situado na região do cardia, na transição do esôfago para o estômago. Por meio do exame pet scan, também foi descoberta uma metástase no fígado e uma lesão no linfonodo.

Por Fernanda Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Capital antecipa feriados de 2022 para frear contaminações pela covid-19

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Arquivo/Patrícia Cruz/Fotos Públicas)

O prefeito Bruno Covas (PSDB) anunciou, nesta quinta-feira (18), várias medidas para conter a escada da pandemia na cidade e evitar o colapso das redes pública e privada de saúde. Cinco feriados municipais – dois deste ano e três de 2022 – serão antecipados a partir de sexta-feira (26/03) e serão encerrados no domingo (04/04), incluindo a sexta-feira Santa e a Páscoa. No total, serão 10 dias consecutivos.

Além disso, Covas determinou a alteração do rodízio de carros para intensificar o toque de recolher, abertura de 640 novos leitos para atendimento da Covid-19, liberação da Renda Básica Emergencial a partir da próxima semana e a intensificação do programa de distribuição de refeições para pessoas em situação de rua.

“Não há ação isolada do poder público que tenha o efeito desejado sem a participação da população. Isso serve para a antecipação de feriado, lockdown ou qualquer medida feita pela Prefeitura ou Governo do Estado. Mais importante do que qualquer medida é a conscientização da população. Não dá mais para termos um jovem de 22 anos – que em 48 horas – vem a óbito porque não consegue ser atendido em um leito de UTI aqui na cidade de São Paulo. Esta é uma responsabilidade compartilhada”, disse o prefeito.

A antecipação dos feriados segue como aconteceu em 2020, quando grande parte da população permaneceu em casa, ajudando a conter a pandemia, forçando a cidade a parar, pois quanto mais pessoas circulam, maior é a possibilidade de serem infectadas ao mesmo tempo, provocando a sobrecarga em todo o sistema de saúde, seja ele público ou particular.

“A cidade que nunca parou, a cidade que trabalha, a cidade que é a soma do esforço de vários migrantes e imigrantes que para cá vieram em busca de trabalho, precisa parar”, afirmou Covas. “Precisa parar para que a gente não tenha mais casos como esses de pessoas que não conseguem ser atendidas e vêm a óbito por falta de atendimento. A vacina está chegando e esse esforço extra é necessário para que a gente possa avançar nesse momento tão difícil”, ressaltou.

Os feriados que serão antecipados são:

Corpus Christi – 3 de junho de 2021

Consciência Negra – 20 de novembro de 2021

Aniversário da cidade – 25 de janeiro de 2022

Corpus Christi – 16 de junho de 2022

Consciência Negra – 20 de novembro de 2022

Apoio da população 

O secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, e a vice-presidente da Câmara, vereadora Ruth Costa, destacaram a importância do apoio e do engajamento das pessoas ao isolamento social. “Hoje, mais do que nunca, precisamos do apoio da população. Não é o momento de ficarmos cansados e jogarmos a toalha, muito pelo contrário”, destacou Gorinchteyn.

“É o momento que se isso acontecer, todo o isolamento, todo o trabalho que tivemos em um ano irá por terra abaixo, porque as pessoas vão continuar morrendo e sendo enterradas”, completou. Ruth Costa também fez um apelo, sobretudo para as mulheres.“Destaquei as mulheres porque elas ficam em casa com os filhos, na escola, mas vamos aguentar esse momento de crise protegendo a vida”, afirmou a vice presidente da Câmara Municipal.

640 novos leitos 

A rede municipal será ampliada com a criação de mais 640 leitos (UTIs e enfermarias) para pacientes com covid-19 na capital paulista. Esses novos leitos serão criados nos Hospitais do Jabaquara, na Zona Sul, de Itaquera, na Zona Leste, e no vereador José Storopolli, na Vila Maria, Zona Norte.

O secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, explicou que, mesmo com os esforços já realizados – abertura de leitos dos Hospitais Dia, UPAs, entre outras ampliações – a cidade de São Paulo está em seu pior momento desde o início da pandemia por causa da pressão sobre os sistemas de saúde público e privado. Aparecido acrescentou, também, que todo o empenho acumulado da Prefeitura e da secretaria estadual da Saúde estão sendo insuficientes diante gravidade da situação e transmissibilidade do coronavírus.

“O esforço acumulado da Prefeitura e da Secretaria Estadual de Saúde, está se tornando insuficiente em função da gravidade do momento, da transmissibilidade da doença, da pressão das internações para que a gente possa resistir nesses próximos 15 dias e conseguir atender todos aqueles que precisaram de tratamento, como sempre fizemos”, disse o secretário municipal da Saúde Edson Aparecido, justificando a necessidade urgente do isolamento social.

Alteração do rodízio 

O prefeito também anunciou que a partir da próxima segunda-feira (22), o horário do rodízio para veículos na cidade será alterado, liberando a opção do carro na parte da manhã (7h às 10h) e da tarde (17h às 20h), de acordo com o final da placa de cada veículo. Com isso, o rodízio passará a valer de acordo com o toque restrição, das 20h às 5h.

Covas disse que está somando esforço com o governo do Estado para evitar a circulação de pessoas no período noturno e, assim, espera que as pessoas, mais do que receio de qualquer fiscalização, entendam que esse é o momento de uma ação coletiva contra o coronavírus. “Eu, que enfrento uma doença e que luto para estar vivo a cada dia, queria que cada um da cidade possa pensar na sua saúde, na saúde do seu semelhante, da sua família, dos seus amigos e vizinhos. As nossas ações têm consequências. Se você pega o vírus pode levar isso para dentro de casa, contaminar algum ente querido.”

Aquisição de Vacinas 

Bruno Covas destacou que a cidade de São Paulo faz parte de um consórcio com outros municípios do Brasil, liderado pela Frente Nacional de Prefeitos, para poder adquirir vacinas para o município. A Secretaria da Saúde está em contato com representantes das indústrias farmacêuticas para viabilizar a compra de imunizantes.

Renda Básica Emergencial 

Durante a entrevista coletiva virtual, Covas também anunciou a liberação de R$ 500 milhões de recursos municipais para efetuar o pagamento da Renda Básica Emergencial para a população em situação de vulnerabilidade social durante os meses de março, abril e maio. Mais de um milhão de famílias serão beneficiadas com o recurso.

O contrato entre a Prefeitura e a Caixa Econômica Federal será assinado hoje. A expectativa é que o pagamento do auxílio emergencial seja feito na semana que vem. “Foi autorizado ontem (quarta-feira, 17) e publicado no Diário Oficial do Município o montante de meio bilhão de reais dos cofres municipais para que, após a assinatura do contrato, que deve acontecer hoje, iniciar na semana que vem o pagamento do auxílio emergencial na cidade de São Paulo”, declarou Bruno Covas.

Cestas básicas e refeições 

Levando-se em conta o esforço e o sacrifício que a população tem feito ao longo desse último ano, a Prefeitura de São Paulo irá triplicar a distribuição diária de cestas básicas, passando de 2.500 para 7.500. 
Pensando na população em alta vulnerabilidade, sobretudo em situação de rua, também haverá a ampliação da quantidade de refeições diárias distribuídas, passando de 7.500 para 10 mil.

Com Pref. de São Paulo

Sem UTI: Capital registra primeira morte de paciente na fila de espera

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Gov. do Estado de SP/Reprodução)

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), afirmou nesta quinta-feira (18) que a capital paulista registrou a primeira morte de um paciente com Covid-19 devido à falta de vagas em UTI. Covas deu a declaração durante entrevista à GloboNews. Ele disse que o caso ocorreu na Zona Leste e citou o colapso do sistema de saúde.

De acordo com o prefeito, a taxa de ocupação dos leitos de UTI da capital é de 88%. Ele também afirmou que deve anunciar nesta quinta-feira (18) novas medidas de restrição com o objetivo de diminuir a sobrecarga do sistema de saúde do município. 

Segundo boletim do governo do estado de São Paulo, a capital registra 19.897 óbitos por coronavírus e 567.617 casos confirmados da doença.

O site da TV Cultura entrou em contato com a prefeitura de São Paulo para mais informações sobre as declarações dadas pelo prefeito, mas até o momento não obteve retorno.

Por TV Cultura

Capital mantém vacinação de idosos neste domingo

(Gov. do Estado de SP)

Os cinco drive-thru de vacinação contra COVID-19 instalados na Capital vão funcionar neste domingo (28). O anúncio foi feito pelo governador de São Paulo, João Doria, que diz tem acertado a ampliação do serviço com o prefeito Bruno Covas.

“O drive-thru tem se mostrado a melhor opção para a vacinação dos idosos”, destacou Doria.

O serviço funcionará no Pacaembú das 8h às 19h, assim como no Anhembi, Autódromo de Interlagos e Igreja Boas Novas (Vila Prudente). Na Neo Quimica Arena, do Corinthians, a imunização ocorrerá das 8h às 17h também neste domingo.

O foco é vacinar exclusivamente os idosos com idade entre 80 e 84 anos, grupo que teve o início da vacinação em São Paulo antecipado para ontem (27), três dias antes da data inicialmente indicada (1º de março, próxima segunda-feira).

Durante a semana, 474 mil doses da vacina de Oxford/Astrazeneca e Fiocruz foram distribuídas pelo governo do Estado para todas as regiões, visando à vacinação do público na faixa etária de 80 a 84 anos.

Fases da campanha em SP

(Gov. do Estado de SP)

A primeira fase da campanha de vacinação contra a COVID-19 começou com profissionais de saúde, idosos com mais de 60 anos e pessoas com deficiência com mais de 18 anos vivendo em instituições de longa permanência, indígenas aldeados e quilombolas. Este último grupo foi inserido no Plano Estadual de Imunização (PEI) de São Paulo, mas não estava contemplado no PNI (Programa Nacional de Imunizações).

O PEI também definiu o início da segunda fase para 8 de fevereiro, contemplando idosos a partir de 90 anos e também a faixa etária de 85 a 89 anos. A partir deste sábado (27) foi iniciada a vacinação dos idosos entre 80 e 84 anos.

Ontem (26), o Governador também anunciou o próximo grupo da campanha: idosos de 77 a 79 anos, que poderão receber a primeira dose a partir de 3 de março. A inclusão de novos grupos populacionais é embasada no PNI.

Vacina Já

O pré-cadastro no site Vacina Já (www.vacinaja.sp.gov.br) economiza em 90% no tempo de atendimento para imunização, que passa a ocorrer de 1 a 3 minutos. Os cidadãos que não conseguirem preencher antes de comparecer ao serviço podem também informar seus dados presencialmente. Neste caso, o tempo estimado é de dez minutos.

*Com Gov. de São Paulo

Bruno Covas retoma quimioterapia após surgimento de nódulo no fígado

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Gov. do Estado de SP/Reprodução)

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, foi diagnosticado com um novo nódulo cancerígeno no fígado, segundo boletim médico emitido pelo Hospital Sírio-Libanês.

O nódulo foi descoberto durante realização de exames de controle nesta quarta-feira (17). Segundo o hospital, o prefeito da capital paulista está “bem disposto, alimentando-se bem e recuperando peso”.

Covas volta a passar por sessões de quimioterapia para tratamento, iniciadas já nesta quarta. Ainda de acordo com o hospital, serão necessárias, inicialmente, quatro sessões de 48 horas, com intervalos de 14 dias entre cada uma. A imunoterapia pela qual passava para enfrentamento de tumor no trato digestivo será interrompida.

Confira a íntegra do boletim médico sobre o estado de saúde de Bruno Covas:

O Prefeito Bruno Covas foi internado na terça-feira, dia 16, dentro de sua rotina de tratamento para realização de exames de controle. Clinicamente o prefeito está bem disposto, alimentando-se bem e recuperando peso após período de radioterapia.

Os exames de imagem realizados nesta quarta-feira, dia 17, evidenciaram sucesso da radioterapia no controle dos linfonodos, próximos ao estômago. Foi detectado também o surgimento de um novo nódulo no fígado, cuja presença enseja ajuste no tratamento.

A imunoterapia será interrompida e um novo protocolo de quimioterapia convencional terá início. Inicialmente estão prescritas quatro sessões de 48 horas, com intervalos de 14 dias entre cada uma. Novos exames de imagem para controle serão realizados ao final deste ciclo.  

O prefeito iniciou a quimioterapia na tarde desta 4ª feira, 17, e deverá ficar internado até sábado. Ele está sendo acompanhado pelas equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, Prof. Dr. João Luis Fernandes da Silva e pelo Prof. Dr. Roberto Kalil Filho.

Por TV Cultura

Bruno Covas e 55 vereadores tomam posse

Tomou posse na tarde de hoje (1º) o prefeito eleito de São Paulo, Bruno Covas, que recebeu 59,38% dos votos válidos nas Eleições de 2020. Covas foi vitorioso em 50 das 58 zonas eleitorais de São Paulo e derrotou, no 2º turno, o candidato Guilherme Boulos (PSOL).

Covas assumiu a prefeitura de São Paulo pela primeira vez em 2018, ao receber o posto de João Doria, então eleito para o governo estadual. O político enfrenta, desde 2019, um tratamento contra um câncer na cárdia – região entre o esôfago e o estômago, com metástase no fígado e linfonodos.

Em seu discurso de posse, Covas reafirmou seu compromisso com a cidade de São Paulo. “Estaremos a postos para lutar por ela [a democracia] e defendê-la. Os eleitores manifestaram o que querem para os próximos quatro anos. As vozes das urnas são claras e pedem moderação, equilíbrio, respeito à ciência, humildade e trabalho eficiente.”

O prefeito afirmou crer que os projetos de governo foram capazes de traduzir as vozes e sentimentos da população. “Agradeço e tenho clara noção da responsabilidade e dos desafios que estão por vir. Temos um programa e sabemos o rumo que deve ser seguido. Mas mantenho a humildade necessária para manter meus ouvidos abertos para ouvir sugestões e críticas da população, que é a prioridade da nossa administração”, afirmou durante a solenidade de posse.

“Covas foi focado para cuidar das pessoas e vai conduzir os próximos quatro anos nesta linha. Estarei à disposição para ajudar a sempre elevar a democracia e cuidar das pessoas”, disse o vice-prefeito Ricardo Nunes durante a diplomação.

Perfis

Bruno Covas Lopes tem 40 anos, nasceu em Santos, é divorciado e tem um patrimônio declarado de R$ 104.966,68. Ele é neto do ex-governador de São Paulo Mário Covas, que morreu em 6 de março de 2001, vítima de um câncer. Covas formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e também em Economia na Pontifícia Universidade Católica (PUC). 

Na política, foi deputado estadual e atuou como secretário estadual de Meio Ambiente entre 2011 e 2014, durante a gestão de Geraldo Alckmin (PSDB) no governo do estado. Foi eleito deputado federal em 2014, deixando o cargo em 2017, quando concorreu na chapa do PSDB à prefeitura.

O vice-prefeito, Ricardo Nunes, do MDB, tem 53 anos, é casado, declara ao TSE a ocupação de vereador e tem ensino superior incompleto. Ele tem um patrimônio declarado de R$ 4.836.716,54.

Por Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil