‘Ajuda muito a atravessar a tempestade’, diz Covas sobre apoio

Por Flávia Albuquerque

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Leon Rodrigues/Prefeitura de SP/Reprodução)


O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, passou na noite de ontem (27) por uma laparoscopia diagnóstica para identificar tumor detectado no trato digestivo em exame realizado no sábado (26).

Covas deu entrada no Hospital Sírio-Libanês, no dia 23, para tratamento de uma erisipela – infecção cutânea causada geralmente por bactéria -. No dia 25, foi diagnosticado com trombose venosa das veias fibulares. Outros exames apontaram para tromboembolismo pulmonar.

De acordo com o boletim médico, os resultados dos exames anatomopatológicos demoram alguns dias.

Na manhã de hoje (28), o prefeito publicou boletim médico em uma rede social e disse não ter dúvidas de que vencerá o desafio. “Quero agradecer as centenas de mensagens que tenho recebido de inúmeras pessoas. Ajuda muito a atravessar a tempestade”.

O prefeito Bruno Covas está sendo acompanhado pelas equipes médicas coordenadas pelo professor Dr. David Uip, pelo professor Dr. Roberto Kalil Filho, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, Dr. Artur Katz e professor Dr. Raul Cutait.

Exame indica tumor no trato digestivo de Bruno Covas

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Arquivo/Eduardo Ogata/Fotos Públicas)


O Hospital Sírio-Libanês informou que o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, será submetido na noite deste domingo (27) a uma laparoscopia diagnóstica. Na sexta-feira (25), Covas foi diagnosticado comtrombose venosa – formação de um coágulo sanguíneo em uma veia profunda – nas veias fibulares, localizadas na lateral da perna e no tornozelo.

“No sábado, dia 26, foi realizado um pet scan em continuidade à investigação diagnóstica. Este exame mostrou o surgimento de uma tumoração no trato digestivo”, informa o boletim médico.

Nesta segunda-feira (28), os médicos que acompanham Covas vão dar entrevista coletiva para falar sobre o estado de saúde do prefeito.

Bruno Covas deu entrada no Hospital Sírio-Libanês na quarta-feira (23) para o tratamento de uma erisipela, doença que causa um tipo de celulite (infecção da pele) provocada por bactérias que, quando encontram uma porta de entrada nas camadas mais superficiais da pele, espalham-se, formando uma mancha vermelha.

Prefeito de SP está internado com quadro de Trombose

Por Flávia Albuquerque

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Arquivo/Leon Rodrigues/Prefeitura de SP)


Depois de fazer exames complementares, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, foi diagnosticado com quadro de trombose venosa – formação de um coágulo sanguíneo numa veia profunda – nas veias fibulares, localizadas na lateral da perna e no tornozelo. Covas está internado desde a tarde de quarta-feira (23) no Hospital Sírio-Libanês, para o tratamento de uma erisipela.

A erisipela é doença que causa um tipo de celulite (infecção da pele) provocada por bactérias que, quando encontram uma porta de entrada nas camadas mais superficiais da pele, espalham-se, formando uma mancha vermelha. No sábado (19), ele já havia ido ao Hospital Albert Einstein por causa dessa infecção na pele em membro inferior.

Segundo o boletim médico, Covas segue em tratamento, sem previsão de alta.

Guarda Metropolitana recebe 171 novas viaturas

(Gildison de Souza/Prefeitura de SP)

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) recebeu 171 novas viaturas que vão ser usadas no patrulhamento de rotina. Foram entregues 132 veículos do modelo Renault Duster Expression, 20 Fiat Mobi Like, 12 GM Trailblazer, quatro Chevrolet Spin e três Volkswagen Amarok.

Os veículos foram alugados e o contrato de locação tem duração de 36 meses, no valor total de R$ 19,4 milhões. Segundo a Prefeitura de São Paulo, o custo mensal de operação, incluídos seguro, manutenção e documentação, será de R$ 539,8 mil.

A nova frota deverá consumir cerca de R$ 220 mil em combustível, por mês.

“Destaco que nove desses carros vão ficar nas Delegacias de Defesa a Mulher (DDM), fazendo um trabalho em conjunto com a Polícia Civil, para reduzir casos de violência”, disse o prefeito da capital, Bruno Covas, que destacou ainda o aumento de 30% no salário dos GCMs.

Com os novos veículos, a frota da GCM passa a ser de 220 carros e 121 motos.

*Com informações da Prefeitura de São Paulo

Ônibus: novos contratos de concessão vão ser assinados hoje

Por Daniel Mello

Ônibus enfileirados perto da Prefeitura de São Paulo na manhã de hoje (Nivaldo Lima/SP Agora)

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, disse que pretende assinar ainda hoje (6) os novos contratos das concessionárias de ônibus na cidade. “Se tudo der certo, eles são assinados hoje e publicados no Diário Oficial de amanhã. O novo contrato reorganiza o sistema na cidade de São Paulo. Nós temos hoje linhas sobrepostas, linhas que concorrem com trem e metrô”, explicou ao conceder entrevista coletiva para falar sobre a greve dos motoristas e cobradores na cidade.

A eliminação de postos de trabalho com a redução de linhas é um dos pontos que levaram a paralisação iniciada nesta madrugada. Os trabalhadores também reclamam do não pagamento e Participação nos Lucros e Resultados.

Bruno Covas, prefeito de São Paulo, durante entrevista à Band (Nivaldo Lima/SP Agora)

Covas negou que a prefeitura tenha qualquer relação com os problemas nos pagamentos dos motoristas e trabalhadores. “A prefeitura está com o pagamento em dia em relação às empresas concessionárias. Portanto, eventual verba trabalhista que não esteja sendo repassada aos funcionários não é por conta de falta de pagamento da prefeitura”.

O prefeito se dispôs a antecipar pagamentos às companhias para que elas possam honrar os compromissos assumidos com os empregados. “A prefeitura se coloca à disposição das empresas, para se for o caso, antecipar receitas que eles têm para resolver os problemas de fluxo de caixa”, acrescentou.

Corte de postos de trabalho

Sobre a manutenção dos empregos, Covas disse que a orientação feita às concessionárias é que as alterações sejam efetuadas de modo a preservar os atuais funcionários. “Nós estamos orientando as empresas que façam essas adaptações sem contratação de novos funcionários, reaproveitando os que elas já tem para evitar qualquer demissão”.A mesma estratégia deve ser adotada, segundo o prefeito, em relação ao fim dos postos de cobrador na cidade. A intenção é gradualmente acabar com a função, uma vez que a maior parte dos pagamentos são feitos pelo sistema eletrônico do Bilhete Único. “Hoje, menos de 5% da população paga a passagem em dinheiro, não tem sentido a gente continuar a arcar com esse custo”, defendeu.

Covas não acredita que haja riscos no fato de o motorista ter que cobrar as passagens pagas em dinheiro, dividindo a atenção entre as duas atividades. “Várias cidades já implementaram e deu certo. Se deu certo em outras cidades, porque não pode dar certo na cidade de São Paulo”.

Licitação

As alterações no sistema de transporte público tiveram, de acordo com o prefeito, ampla discussão com a população. “Estamos assinando os novos contratos que estão sendo discutidos de forma pública desde 2013, quando a cidade começou a conviver com os contratos emergenciais”, disse.

A licitação, no entanto, sofreu diversas contestações ao longo dos últimos anos. A prefeitura vem tentando realizar essa concorrência desde 2015. O processo sofreu várias contestações do Tribunal de Contas do Município. A suspensão do edital levou a sucessivas prorrogações, desde 2016, dos contratos com as empresas. Há ainda disputas judiciais, que só permitiram a realização da licitação neste ano.

Devido às últimas contestações na Justiça, o tempo de validade dos novos contratos foi reduzido dos iniciais 20 anos para 15 anos.

Covas chegou a levantar a suspeita de que os protestos feitos hoje, com bloqueios parciais de vias em pontos da região central da cidade tenha sido influenciado por empresários insatisfeitos com as mudanças no sistema. “A gente estranha, por exemplo, que nos pontos de paralisação a gente tenha ônibus de apenas quatro empresas”, destacou.

https://spagora.com.br/parte-da-rede-de-onibus-da-capital-ainda-esta-parada/

Brás: Shopping é interditado e materiais são apreendidos

(Receita Federal/Reprodução)

Como parte das ações de combate a pirataria por meio da Operação Comércio Legal, a Prefeitura de São Paulo e a Receita Federal deflagraram na manhã desta segunda-feira (2), em um shopping na Rua Barão de Ladário, região do Brás, a operação Promitheia, que resultou na apreensão de produtos piratas e na interdição do imóvel por conta de uma série de irregularidades que infringem o Código de Obras e Edificações.

“Houve um desrespeito a legislação municipal. Aplicamos mais de 60 multas aqui que representam um total de R$ 12 milhões só em autuações”, afirmou o prefeito Bruno Covas.

No shopping eram comercializados itens como relógios, roupas, tênis, brinquedos, artigos de luxo e todo tipo de pirataria possível e imaginável.

Segundo o coordenador da Operação Comércio Legal, Fabio Lepique, a expectativa é que sejam apreendidas cerca de mil toneladas de itens irregulares.

Agentes fazem a segurança em frente ao shopping alvo da ação (Receita Federal/Reprodução)

“Trata-se do maior distribuidor de pirataria para o Brasil e América Latina. Para se ter uma ideia da dimensão dessa operação, foram apreendidas cerca de 1.700 toneladas em diversas operações desde 2018”, afirmou.

Segundo o auditor fiscal da Receita Federal, Alan Towersey, o valor estimado da apreensão é de R$ 500 milhões. “A operação deve durar três semanas. O objetivo é retirar as mercadorias ilícitas que abastecem todo Brasil e levar para os depósitos da Receita Federal”, disse.

Sobre a Operação Comércio Legal

Implementada em novembro de 2018, com uma ação na região do Brás a Operação Comércio Legal tem o objetivo de combater a pirataria e melhorar a mobilidade em locais de grande concentração de comerciantes ambulantes.

Em pouco mais de um mês de atuação no Brás, a área abrangida passou de 22 mil para 96 mil metros quadrados fiscalizados.

No dia 26 de agosto, a Prefeitura de São Paulo deflagrou a terceira etapa da operação, ampliando a área de atuação dos agentes de fiscalização para uma área de 153 mil metros quadrados.

Na última sexta-feira (30/08), foram destruídas cerca de 200 toneladas de brinquedos apreendidos durante intervenções realizadas pela administração municipal para combater a pirataria em estabelecimentos que comercializavam esses itens de forma irregular. Desse total, cerca de 10 toneladas foram apreendidas em ações exclusivas da Receita Federal.

(Receita Federal/Reprodução)

*Com informações da Prefeitura de SP

Parceria internacional pode criar hospital na zona leste

(Reprodução)

O prefeito Bruno Covas recebeu o prefeito de Miami (cidade da Flórida, Estados Unidos), Francis Suarez, para tratar de uma parceria na área da saúde. No encontro foi discutido um protocolo para a criação de um hospital universitário modelo em São Paulo, na região da Mooca, Zona Leste.

“Discutimos uma parceria na área de Saúde, entre a Universidade de Miami, apoiada pela prefeitura de Miami, e a cidade de São Paulo. A ideia é que tenhamos aqui um hospital para pesquisas e formação de médicos, que consigam atender as necessidades da população”, afirmou Covas. “A Universidade Brasil, que tem um memorando de entendimento com a Universidade de Miami, é que vai fazer essa ação junto com a Prefeitura de São Paulo”, acrescentou.

“Estou muito orgulhoso. Depois de ter viajado por alguns locais, a conexão emocional entre Miami e São Paulo é inspiradora”, disse Suarez. “A mensagem que eu vou levar para Miami é que há uma harmonia entre nossas cidades e que temos muito a aprender com o prefeito e com a cidade de São Paulo, que é muito maior do que Miami. Nós temos muito o que crescer”, completou ele.

Estiveram presentes no encontro o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, e o secretário executivo de Relações Internacionais, Luiz Álvaro Salles Aguiar de Menezes. O próximo passo será a definição de encontros para a concretização do projeto e atração de pesquisas e investimentos na área de saúde.

“Desde 2014, conversamos sobre esta parceria com a Universidade de Miami e agora será implementado um projeto de terceira idade. Isso vem também de um conceito mundial da Universidade de Miami, de formar médicos com grandes capacitações. Proposta semelhante foi feita em Israel, e agora será realizada em São Paulo, na Zona Leste”, informou o reitor da Universidade Brasil, Fernando Costa.

Miami tem um Distrito de Saúde, região com a maior concentração de instalações médicas e de pesquisa da área de saúde dos Estados Unidos, depois de Houston, no Texas. O bairro é composto principalmente por hospitais, institutos de pesquisa, clínicas e escritórios governamentais, sendo considerado um centro do crescimento do setor de biotecnologia e pesquisa médica da região.

O Distrito abriga a Universidade de Miami Leonard M. Miller School of Medicine e a Life Science and Technology Park, ambas dedicadas não apenas a incentivar a pesquisa na área de saúde, mas também  em ampliar a eficiência dos serviços de saúde mediante a intersecção dos mais variados setores da sociedade: organizações não governamentais, empresas, comunidade e setor público.

O projeto da criação do Distrito da Saúde em Miami envolveu uma variedade de objetivos sociais, dentre eles: a intensificação da qualidade de vida, o encorajamento ao desenvolvimento econômico, o incentivo a moradia, geração de empregos e melhoria da saúde pública na região. Em Miami, esse projeto inclui a necessidade de reorganização da área de mobilidade para ampliar o acesso dessa região, uma vez que esse atende toda a região de Miami-Dade .

Em Miami, a revitalização ocorreu a partir da criação do hospital “Jackson Memorial Hospital Medical Center Overlay District”, que é terceirizado, sem fins lucrativos, e a principal instalação de ensino da Escola de Medicina Leonard M. Miller da Universidade de Miami. Com mais de 1.550 leitos licenciados, o Jackson Memorial Hospital é um centro de referência, um ímã para pesquisa médica, e abriga o Ryder Trauma Center – o único centro de traumatologia Nível 1 adulto e pediátrico no Condado de Miami-Dade.

Atualmente, a Universidade de Miami só tem uma ação fora dos Estados Unidos, que é em Israel. A ideia é que a segunda seja no Brasil, em São Paulo. “É uma cidade que tem relação fraternal com Miami, além de uma relação cultural e econômica, que vai ajudar a construir ainda mais pontes, não só entre São Paulo e Miami, mas também entre o Brasil e os Estados Unidos”, falou Bruno Covas.

De acordo com o prefeito, o projeto é importante para atrair investimentos e gerar emprego e renda na capital. “Mesmo sendo um equipamento privado, a parte de pesquisa será fundamental, porque é exatamente este o futuro da economia na cidade. A área de pesquisa e de serviço é a vocação de São Paulo para a geração de emprego e renda”, acrescentou Covas.

“A Prefeitura está facilitando a aproximação entre os entes públicos e privados que querem investir na cidade de São Paulo”, destacou o secretário Luiz Alvaro.

O prefeito Bruno Covas ressaltou ainda a importância para a capital de parcerias com as empresas e se coloca à disposição de outros representantes da iniciativa privada que desejarem contribuir com a cidade.

Bruno Covas ficará afastado da Prefeitura por uma semana

Bruno Covas, prefeito de São Paulo (Leon Rodrigues/Prefeitura de SP/Reprodução)

A Prefeitura de São Paulo comunicou hoje (9) que o prefeito Bruno Covas entrou em licença não remunerada a partir deste sábado até o próximo dia 15.

Quem assume o cargo nesse período é o presidente da Câmara Municipal, Eduardo Tuma.

Segundo nota da Prefeitura, Covas está saindo de licença por motivos pessoais.

Novos procuradores tomam posse na prefeitura da capital

(Leon Rodrigues/Prefeitura de São Paulo/Reprodução)

Tomaram posse hoje (17) 35 novos procuradores de São Paulo que vão atuar na prefeitura da capital. Com os recém-admitidos, a cidade passa a contar com 383 procuradores.

Os novos procuradores, aprovados em concurso público, atenderão às demandas das assessorias jurídicas das secretarias municipais e nos departamentos judicial e fiscal.

“Com eles, vamos lutar contra problemas como a falta de creches e problemas na saúde, entre outros. Serão nossos parceiros para ajudar a administrar São Paulo”, disse o prefeito Bruno Covas.

Além de compor o quadro das secretarias, as admissões irão suprir as aposentadorias de procuradores que atuavam nos departamentos da PGM. Essas nomeações também possibilitaram a transferência de outros procuradores que estavam trabalhando em departamentos, para secretarias.

“O ingresso de novos procuradores reforça a preocupação da Prefeitura na defesa legal dos interesses do município e a prioridade em garantir segurança jurídica às ações e aos projetos da municipalidade”, afirmou o procurador geral Guilherme Bueno de Camargo.

Atribuições da PGM e do procurador do município
A finalidade da PGM, órgão jurídico e vinculado diretamente ao prefeito, é definir o posicionamento técnico-jurídico do município e sua representação judicial, desempenhando as atividades de consultoria e assessoramento jurídico do Poder Executivo, além da inscrição e a cobrança judicial e extrajudicial da dívida ativa, assim como o processamento dos feitos relativos ao patrimônio municipal imóvel.

Os procuradores do município atuam nas assessorias jurídicas das secretarias e órgãos municipais, nas unidades de assistência direta ao procurador geral do município e em órgãos de execução da Procuradoria Geral do Município (PGM).

*com informações da Prefeitura de São Paulo

Polo de confecções pode atrair empregos para a zona leste

A prefeitura de São Paulo assinou nesta terça-feira (11) o termo de cooperação técnica que prevê a promoção e o desenvolvimento de um polo de confecções na Zona Leste. O objetivo deste acordo é atrair as empresas para a região, por meio de incentivo fiscal, e aumentar a oferta de emprego nas regiões mais periféricas da cidade de São Paulo.

“Essa assinatura é mais ação conjunta da Prefeitura de São Paulo com o setor privado para encontrar soluções mais práticas para os problemas da cidade”, afirmou o prefeito Bruno Covas.

Além das entidades empresariais, estiveram presentes na reunião o presidente da SP Negócios, agência municipal de promoção de investimentos e exportações, Juan Quirós, e representantes da ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção).

“Existe um grande potencial para a geração de milhares de novos empregos por meio de um polo de confecções na Zona Leste. Além disso, a instalação de empresas do setor na área incentivada vai reduzir a distância entre o trabalhador e o local de trabalho, já que a região é a mais populosa da cidade, o que contribuirá para a melhoria da mobilidade urbana e, consequente, na qualidade de vida das pessoas”, explica Juan.

O programa de incentivo fiscal da Zona Leste beneficia os setores empresariais intensivos em mão de obra, como o de confecções, que terá plano exclusivo para a atração de empresas devido ao grande número de postos de trabalho que gera. A Abit representa, apenas na cidade de São Paulo, 8 mil empresas que empregam 475 mil pessoas direta e indiretamente.

*com informações da Prefeitura de São Paulo