Preparativos para o Carnaval são autorizados pela Prefeitura

(Arquivo/Rafael Neddermeyer/LIGASP/Fotos Públicas)

A prefeitura de São Paulo autorizou o início das medidas administrativas e dos preparativos para a realização dos desfiles das escolas de samba e das celebrações do Carnaval 2022 no Sambódromo do Anhembi. A autorização foi publicada no Diário Oficial da última quarta-feira (15).

A medida foi tomada após uma reunião da São Paulo Turismo (SPTuris), empresa que administra os eventos na cidade de São Paulo, com representantes da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo. Segundo a Liga, a decisão foi previamente estudada por comissões criadas pela prefeitura em julho deste ano.

Isso não significa que a realização do Carnaval já esteja autorizada. O que foi permitido é o início da preparação para o evento, já que o Carnaval ainda vai depender de uma autorização dos órgãos municipais de saúde e de que, pelo menos, 70% dos paulistanos já estejam vacinados.

“Saliente-se que a realização do referido evento estará condicionada à verificação, no correspondente período, das condições epidemiológicas relativas à pandemia da covid-19 favoráveis e viabilizadoras a tanto, conforme entendimento das autoridades sanitárias competentes”, diz o texto do Diário Oficial.

Neste ano de 2021, o Carnaval foi cancelado na cidade de São Paulo por causa da pandemia de covid-19. Mas com o avanço da vacinação e uma melhora dos indicadores neste momento, há uma perspectiva mais positiva para que ele possa ser realizado em 2022. Mas além de depender do cenário da pandemia, o decreto também exige que sejam seguidos os protocolos sanitários que estarão em vigor no ano que vem.

O Carnaval 2022 ocorre no dia 1° de março.

Por Agência Brasil

Capital estuda Réveillon e Carnaval com público presencial

(Arquivo/Marcelo Pereira/Fotos Públicas)

A prefeitura de São Paulo montou dois grupos de trabalho para tratar sobre o réveillon e o carnaval, com presença de público, na cidade. Segundo o prefeito Ricardo Nunes, o assunto foi debatido em reunião ocorrida nesta quinta-feira (1º) entre diversas secretarias municipais.

“[Na reunião] saiu um grupo que vai organizar a questão do réveillon com as normas de organização, sempre com a [Secretaria de] Saúde junto. O responsável desse grupo será o secretário-executivo do estado. Um outro grupo que vai cuidar do carnaval de rua. Carnaval a gente vai tratar de duas formas: carnaval de rua e carnaval do Sambódromo”, disse o prefeito hoje, após entrega do Plano de Metas para a Câmara Municipal.

O grupo responsável pelo carnaval de rua será coordenado pelo secretário Alexandre Modonezi, da Secretaria Municipal das Subprefeituras (SMSUB).

“O carnaval de rua, pelo tamanho que a gente espera que seja, deve ser o maior carnaval da história”, disse Nunes.

Milhares de foliões curtem o carnaval de São Paulo na avenida Marquês de São Vicente, na Barra Funda (Arquivo/SPTuris/Reprodução)

Reabertura

O prefeito disse ainda que há um grupo de trabalho mais amplo para tratar das ações de reabertura de atividades na capital quando o percentual de vacinados chegar em 70%. “Chegando o número de vacinados na cidade de São Paulo em 70%, hoje nós estamos em 56%, nós vamos começar a fazer um processo de reabertura dos nossos espaços públicos – Anhangabaú, Paulista e por aí adiante”, disse.

Segundo Nunes, o grupo que vai cuidar do réveillon e do carnaval vai interagir com esse grupo de trabalho mais amplo, que vai coordenar as ações de reabertura das atividades. “[As ações de reabertura] nós chamamos de retomada econômica, que é muito importante para a cidade poder voltar a gerar emprego, renda e dar dignidade às pessoas”, disse.

Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil

Vigilância Sanitária multa 200 estabelecimentos no Estado durante o Carnaval

Fiscais receberam apoio da Polícia Militar (Gov. do Estado de SP/Reprodução)

As equipes da Vigilância Sanitária estadual, com suporte da Polícia Militar, realizaram 6,9 mil inspeções em todo o estado em operação especial realizada durante o Carnaval, entre os dias 12 e 16 de fevereiro (sexta a terça-feira). Por todo o Estado, foram mobilizados mil agentes sanitário pela Secretaria de Estado da Saúde e mais de 31 mil policiais pela Secretaria de Segurança Pública.

Também foram autuados 200 estabelecimentos, entre bares, baladas e festas clandestinas, por desrespeito às normas sanitárias, como a permissão de aglomerações, presença de consumidores sem utilização de máscaras ou descumprimento às definições do Plano São Paulo.

Só na Capital, foram 229 inspeções, que resultaram em 48 autuações. Entre eles, 19 estabelecimentos foram fechados na ocasião da ação, incluindo uma festa clandestina que reunia 380 pessoas.

Após recomendação do Centro de Contingência, o Governo de São Paulo anunciou a suspensão do ponto facultativo no feriado, visando reduzir potenciais aglomerações que convencionalmente ocorreriam durante as celebrações carnavalescas. A finalidade foi reduzir a circulação de pessoas e principalmente proteger vidas diante do recrudescimento da pandemia. “Essas ações foram realizadas para que  pudéssemos redimir e reduzir a circulação do vírus em cada uma das localidades”, destacou o Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

As fiscalizações ocorrem em parceria com os municípios e tem o objetivo de verificar o cumprimento do Decreto Estadual nº 64.959 de 4 de maio de 2020 sobre o uso de máscaras e das diretrizes do Plano São Paulo.

As infrações às regras de funcionamento sujeita os estabelecimentos à autuações com base no Código Sanitário, que prevê multa de até R$ 290 mil. Pela falta do uso de máscara, a multa é de R$ 5.278 por estabelecimento, por cada consumir em desconformidade com a lei. Transeuntes em espaços coletivos também podem ser multados em R$ 551,00 pelo não uso da proteção facial.

Além das ações de campo programadas, a fiscalização também pode ser feita por denúncia, que pode ser feita pelo telefone 0800-771-3541, disque-denúncia da Vigilância Sanitária do Estado. A ligação é gratuita.

Por Gov. do Estado de SP

Após pausa de Carnaval, bancos reabrem hoje

Após o  fechamento nos dias 15 e 16, as agências bancárias reabrem hoje (17) a partir das 12h, com encerramento em horário normal de fechamento das agências. De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) nas localidades em que as agências fecham normalmente antes das 15h, o início do atendimento ao público será antecipado, de modo a garantir o mínimo de 3 horas de funcionamento.

Mesmo com o cancelamento dos pontos facultativos e das festas de carnaval em muitos estados e municípios, os bancos ficaram de portas fechadas para o atendimento ao público, em razão da pandemia causada pela covid-19.

A orientação da Febraban é que os clientes utilizem, preferencialmente, mesmo com o retorno do atendimento, os canais digitais, como sites e aplicativo dos bancos, para a realização de transferências e pagamento de contas.

Segundo a instituição, as contas de consumo (água, energia, telefone etc.) e carnês com vencimento em 15 ou 16 de fevereiro poderão ser pagos nesta quarta-feira, sem acréscimo.

A Febraban informou ainda que os boletos bancários de clientes cadastrados como sacados eletrônicos poderão ser pagos via débito direto autorizado.

Por Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil 

Com feriado cancelado, alunos seguem com aulas esta semana

Com a decisão do Estado de suspender o feriado de Carnaval, os alunos da rede estadual seguem a rotina da volta às aulas, de segunda a sexta-feira, de forma remota, pelo Centro de Mídias de São Paulo, ou presencial, com no máximo 35% dos alunos matriculados e revezamento dos estudantes, seguindo todos os protocolos.

“No Centro de Mídias o aluno vai encontrar três aulas por dia de todos os componentes curriculares, ele pode interagir com o professor por vídeo ou mensagem. Para semana que vem teremos muitos conteúdos importantes que vão trabalhar temas como acolhimento, protocolos sanitários, uso de tecnologia e as habilidades previstas no currículo”, afirma Bruna Waitman, coordenadora do CMSP.

A suspensão do ponto facultativo no Carnaval já havia sido anunciada pelo governador João Doria em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes. A medida visa evitar que sejam feitas aglomerações nas datas que possam agravar situação da pandemia. Desta forma as escolas incluíram os dias 15, 16 e 17 no planejamento e cronograma para o ano letivo.

As aulas na rede estadual retornaram do dia 8 de fevereiro e cada unidade definiu a maneira que realizará o rodízio de alunos e suas atividades presenciais e remotas. A carga horária também poderá ser adaptada para o cumprimento das normas. Por isso é importante que pais, responsáveis ou alunos maiores de 18 anos entrem em contato com a sua escola para saber os dias e horários em que poderão ir presencialmente na unidade.

*Com Gov. do Estado de São Paulo

Poupatempo mantém atendimento na semana do carnaval

O Governo de São Paulo suspendeu o feriado de Carnaval neste ano, com o objetivo de evitar aglomerações e diminuir o risco de contágio da Covid-19. Por isso, os postos do Poupatempo abrirão no horário habitual na próxima semana, entre os dias 15 e 20 de fevereiro, inclusive em cidades que decretaram ponto facultativo de Carnaval.

A exceção será somente para as regiões que estiverem na Fase Vermelha do Plano São Paulo. Sendo assim, os postos localizados em Araraquara, Avaré, Bauru, Botucatu, Franca, Jaú, Lençóis Paulista, Lins e São Carlos permanecem fechados.

Importante destacar que o atendimento presencial nas unidades do Poupatempo é realizado exclusivamente mediante agendamento, que pode ser feito pelo portal www.poupatempo.sp.gov.br ou no aplicativo Poupatempo Digital.

Além disso, para evitar aglomerações, os postos operam com capacidade reduzida, somente para serviços que necessitam da presença do cidadão para serem concluídos, como a primeira via do RG, transferência interestadual e mudança nas características de veículos.

Pelos canais digitais, o Poupatempo oferece mais de 120 serviços online, que podem ser realizados sem sair de casa, 24 horas por dia, sete dias por semana. Entre os serviços digitais mais solicitados estão renovação de CNH, pesquisa de pontuação, consulta de IPVA, Licenciamento de veículos, Atestado de Antecedentes Criminais, Carteira de Trabalho Digital, Seguro Desemprego, entre outros, tudo de forma prática e rápida, com a mesma qualidade e eficiência que são marcas do Poupatempo.

Para acessar as unidades do programa, além do agendamento, é obrigatório o uso de máscara, medição de temperatura, higienização das mãos com álcool em gel, e dos calçados, em tapete sanitizante, todos disponibilizados na entrada de cada unidade. Para reforçar o distanciamento, peças de acrílico separam as mesas de atendimento, entre colaboradores e usuários, e há sinalização nos bancos e no chão, para marcação de espaço entre os cidadãos.

Para conferir os endereços e horários de funcionamento de cada posto, acesse o portal www.poupatempo.sp.gov.br ou baixe o aplicativo Poupatempo Digital.

Por Gov. do Estado de SP

Rio cancela carnaval fora de época

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, decidiu suspender o carnaval fora de época que havia sido planejado para julho. A criação de um carnaval anual no início do segundo semestre foi aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro e sancionada pelo governador em exercício, Claudio Castro.

A decisão da Prefeitura do Rio de Janeiro foi anunciada na tarde de hoje (21), no perfil de Eduardo Paes no Twitter.

Paes explicou que o carnaval exige uma grande preparação por parte dos órgãos públicos e das agremiações e instituições ligadas ao samba, o que ele não considera possível fazer nesse momento.  

“Dessa forma, gostaria de informar que não teremos carnaval no meio do ano em 2021″, disse o prefeito, que completou: “certamente em 2022 poderemos (todos devidamente vacinados) celebrar a vida e nossa cultura com toda a intensidade que merecemos”.

O projeto que prevê a realização anual de um carnaval fora de época em julho foi sancionado na semana passada pelo governo do estado, que ainda não definiu a data da celebração. Na época, o governo esclareceu que a lei visa a estimular o turismo, o lazer e a economia, mas apenas possibilita que o evento seja realizado, o que irá depender das recomendações das autoridades sanitárias.

A celebração foi batizada de CarnaRio e, segundo a lei, a organização deve ser discutida entre a Secretaria de Estado de Cultura, as ligas de Escolas de Samba, agremiações e blocos carnavalescos.

Antes da aprovação da lei, o adiamento do carnaval para julho já havia sido anunciado pela Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) e por grupos que representam blocos de carnaval tradicionais da cidade. As escolas de samba do grupo especial já haviam sorteado a ordem dos desfiles, que estavam previstos para ocorrer nos dias 11 (domingo) e 12 (segunda) de julho.

Apesar disso, o presidente da Liesa, Jorge Castanheira, havia reiterado, em dezembro, que a vacinação da população contra a covid-19 seria fundamental para a realização do evento.

Nota Sebastiana

A Associação de Blocos de Rua do Rio (Sebastiana) divulgou uma nota de apoio à medida, em que afirma “receber com alívio” a decisão do prefeito. A associação representa parte dos blocos tradicionais da zona sul e do centro do Rio, como o Escravos da Mauá, o Carmelitas e o Simpatia é Quase Amor.

“A decisão do prefeito Eduardo Paes vem ao encontro do posicionamento da Sebastiana anunciado anteriormente, que reitera a não realização dos desfiles dos seus blocos em 2021. O retorno dos blocos às ruas só poderá se dar quando houver vacina e imunização de toda a população, condição essa que assegure a segurança de todos”.

A Sebastiana reconhece que a decisão afeta “uma legião de trabalhadores”, mas afirma que a cidade “não tem condições de organizar e financiar a estrutura necessária para um evento do tamanho do carnaval”.

“Para nós, o mais importante nesse momento é o cuidado com as pessoas, o controle da pandemia e o respeito à vida e ao luto das famílias. Além disso, iniciar conversas com as secretarias de cultura tanto da prefeitura quanto do estado para que sejam criados editais de emergenciais de ajuda aos trabalhadores do carnaval”.

Por Vinícius Lisboa – Repórter da Agência Brasil –

Guarulhos cancela pontos facultativos no Carnaval

A cidade de Guarulhos, na grande São Paulo, cancelou os pontos facultativos nos dias 16 e 17 de fevereiro, período de Carnaval. A medida, anunciada pela Prefeitura, é uma forma de evitar viagens dos moradores durante o feriado prolongado que possam provocar exposição ao coronavírus, como ocorreu nas festas de fim de ano. Segundo a cidade, após o Natal e o Réveillon houve aumento no número de pacientes por Covid-19.

Com os pontos facultativos cancelados, as repartições públicas vão funcionar normalmente.

“Se concedêssemos os pontos facultativos, boa parte da população poderia viajar para regiões onde a infestação do coronavírus é maior, acarretando mais uma sobrecarga no sistema de saúde pública, a exemplo do que vem ocorrendo nesta primeira quinzena de janeiro”, disse o prefeito Guti por meio de comunicado.  

A nota diz também que na última quinta-feira (14), durante reunião com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, Guti sugeriu a suspensão de pontos facultativos em todo Brasil. Também participaram da reunião mais de cem chefes de executivo municipal, da Frente Nacional de Prefeitos.

Casos

Até o meio da tarde de hoje (16), Guarulhos contabilizava 1.782 mortes por covid-19 desde o início da pandemia. A cidade, que vive um aumento no número de casos nas últimas semanas, confirmou até agora 30.312 casos da doença. Os hospitais que recebem os pacientes mais graves apresentam 68,3% das UTIs ocupadas e 61,1% dos leitos de enfermaria com doentes.

Barulho dos trios elétricos afeta peixes que vivem perto da praia em Salvador

(Arquivo/Paulo Lima/Gov. da Bahia)

O glitter não é o único produto do Carnaval que pode afetar os peixes em seu ambiente natural. Ao menos em Salvador, a música alta emitida pelos trios elétricos no circuito Barra Ondina também provoca mudança de comportamento no peixe donzela (Stegastes fuscus), que vive nos recifes próximos à praia.

Pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e pela Universidade Federal da Bahia, publicada na revista Biological Conservation nesta quinta-feira (17/12) e divulgada pela Agência Bori, concluiu que o aumento da pressão acústica dentro da água durante o Carnaval fez o peixe donzela se alimentar menos e ficar mais vulnerável a predadores durante os dias de folia.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores monitoraram o comportamento dos peixes donzela que vivem em um recife próximo ao litoral, a menos de 100 metros de onde passam os trios elétricos, e o comparou com peixes da mesma espécie que habitam um recife similar, mas afastado dois quilômetros ao leste da fonte sonora, onde não havia barulho.

Os experimentos foram realizados durante dois dias antes, dois dias durante e dois dias depois do Carnaval de 2018, e usaram câmeras operadas remotamente para gravar o comportamento dos peixes.

Os pesquisadores contaram quantas vezes os peixes tentavam se alimentar, fazendo movimentos em direção ao leito marinho ou em partículas flutuantes na água, e qual era a distância de um predador para que os peixes donzela fugissem.

Para simular a reação a predadores, eles usaram um peixe falso feito de fibra de vidro com 30 centímetros de comprimento, do tamanho real de uma espécie comum nos recifes. A reação foi medida para 252 peixes donzela diferentes.

A pesquisa também registrou a intensidade acústica na praia e dentro da água, com o uso de microfones especiais. Durante o Carnaval, a pressão sonora dentro do mar próximo aos trios elétricos aumentava em até 30 decibéis.

Menos comida e reflexos mais lentos

O peixe donzela é uma espécie com comportamento territorial, no qual cada um ocupa uma área de cerca de 2 metros quadrados. Durante o Carnaval, os peixes não saíram do recife onde habitavam, mas mudaram seu comportamento.

Eles fizeram 29% menos tentativas de alimentação do que antes do Carnaval, e a distância para que percebessem um potencial predador e fugissem diminuiu em cerca de 50%, comparado com os peixes que estavam no recife distante do Carnaval, longe do barulho.

A capacidade de identificar e fugir de predadores é uma característica fundamental para que os peixes cresçam, cheguem à maturidade e sobrevivam, segundo a pesquisa.

“A música extremamente alta dos trios elétricos é, na verdade, uma forma de poluição sonora no ambiente marinho”, diz o pesquisador Antoine Leduc, um dos autores do estudo. Ele defende que fontes terrestres de emissões acústicas sejam levadas em conta para planejar o manejo e a conservação dos ambientes marinhos costeiros.

O estudo não identifica quais seriam as consequências da poluição sonora a longo prazo para as espécies, mas prevê que possam afetar também outros peixes e invertebrados marinhos. Ambos os recifes são a morada de 77 diferentes espécies de peixes.

“Será preciso fazer outros estudos para avaliar como essa fonte de poluição afeta outras espécies e até qual distância da costa os efeitos acústicos do Carnaval impactam o ambiente marinho”, diz Leduc.

“A poluição sonora gerada por atividades humanas em terra pode contribuir para padrões de degradação do habitat costeiro e perda de biodiversidade local. Contudo, a poluição sonora entre meios (por exemplo, da terra para a água) está apenas começando a ser considerada formalmente como um fator de estresse relevante para a conservação de espécies aquáticas”, afirma o estudo.

BL/ots

Por Deutsche Welle

Escolas de samba adiam desfile de Carnaval no Rio

(Fernando Maia/Riotur)

A Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa) decidiu adiar os desfiles das escolas de samba do grupo especial, que aconteceriam em fevereiro, devido à pandemia de covid-19. A decisão foi tomada, de forma unânime, na noite desta quinta-feira (24/09), durante reunião entre representantes das agremiações. Ainda não há nova data para o desfile.

O presidente da Liesa, Jorge Castanheira, afirmou que, como ainda não se sabe se haverá uma vacina até o Carnaval, não haverá tempo hábil para as agremiações se prepararem.

Ele destacou, no entanto, que, por enquanto, os desfiles não foram suspensos, apenas adiados. A Liesa continuará acompanhando a situação da pandemia e fará novas reuniões para decidir se será possível realizar os desfiles em uma nova data em 2021 ou se o evento terá mesmo que ser cancelado.

“Em função de toda essa insegurança, essa instabilidade em relação a área da ciência, de não saber se lá em fevereiro vamos ter ou não a vacina, chegamos à conclusão que esse processo tem que ser adiado. Não temos como fazer em fevereiro. As escolas já não vão ter tempo nem condições financeiras e de organização de viabilizar até fevereiro”, destacou Castanheira.

Devido às restrições e regras de distanciamento social provocadas pela pandemia de covid-19, os trabalhos nos barracões das escolas de samba do Rio de Janeiro ainda não começaram.

Os presidentes das escolas de samba concordam que a realização do desfile na data antes prevista, em fevereiro, seria um desafio de tempo e logística.

Na Alemanha, a pandemia de coronavírus fez com que na última sexta-feira o governo de Renânia do Norte-Vestfália cancelasse, após reunião com a liderança de entidades carnavalescas, os grandes desfiles e eventos do próximo Carnaval. Com a medida, não serão realizadas em 2021 paradas carnavalescas como as das cidades de Colônia, Düsseldorf, Bonn e Aachen, que estão entre as maiores e mais tradicionais do país. 

MD/ebc/epd

Por Deutsche Welle