300 apartamentos são entregues na zona leste

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) do governo federal e a Secretaria de Estado da Habitação do estado de São Paulo entregaram hoje (27) na capital paulista 300 apartamentos populares no bairro do Lajeado, na zona Leste da cidade. 

Essa foi a segunda e última etapa de entrega das moradias populares do Conjunto Habitacional São Carlos, que tem ao todo 600 apartamentos. O projeto é resultado de parceria entre os governos federal, estadual e a prefeitura de São Paulo. 

Foram investidos no empreendimento R$ 75,7 milhões: R$ 12,1 milhões da agência de fomento do governo paulista destinada à construção de moradias populares; R$ 57,6 milhões da Caixa; e R$ 6 milhões da prefeitura, que também doou o terreno.

As unidades foram destinadas a famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil. Elas terão até 120 meses para quitar o imóvel com prestações que variam entre R$80 e R$270 por mês, dependendo do rendimento familiar.

Os apartamentos do conjunto São Carlos têm dois dormitórios, sala, cozinha, banheiro e área de serviço, distribuídos em 49 metros quadrados de área útil. O residencial conta com paisagismo, área de lazer, playground, centro comunitário e quadra poliesportiva.

Casa Própria: Leilão online terá mais 10 mil imóveis

A Caixa participará de uma feira de imóveis no dia 30 de outubro que disponibilizará cerca de 10 mil imóveis novos, usados ou na planta. A Feira de Imóveis Online de Brasília será feita online .

A feira contará com a participação de agentes de crédito imobiliário como construtoras e corretores, além de correspondentes da Caixa, que prestarão consulta a quem tiver interesse em comprar algum imóvel. Também será disponibilizado o Simulador Habitacional do site da Caixa ou o aplicativo Habitação Caixa, para facilitar a comparação de taxas de juros e condições para o financiamento.

Por meio de nota, a Caixa informa que disponibiliza “taxas diferenciadas de acordo com as condições da operação e o perfil de relacionamento do cliente. Na modalidade SBPE, atualizada pela TR, as taxas anuais variam entre TR+6,25% e TR+8,00%a.a. Na opção de financiamento com atualização pelo IPCA, ficam entre IPCA+2,95% a.a. e IPCA+4,95% a.a. E há ainda a opção de Taxa Fixa, que varia entre 8,00% a.a. a 9,75% a.a”.

Ainda segundo o banco, os clientes que contratarem financiamento de imóveis novos até 30 dezembro terão a opção de carência de seis meses para começar a pagar. A contratação poderá ser feita pelo aplicativo Habitação Caixa, nos Correspondentes Caixa Aqui ou por meio das Agências.

Mais informações podem ser obtidas aqui.

Por Agência Brasil

Caixa amplia para 180 dias pausa nos financiamentos

A Caixa Econômica Federal vai ampliar, mais uma vez, a pausa do pagamento de financiamentos habitacionais, que agora poderá ser de até 180 dias. A informação foi confirmada nesta quarta-feira (22) pelo presidente do banco, Pedro Guimarães. Em maio, esse adiamento já havia sido estendido para 120 dias. 

A ampliação do prazo vale para pessoas físicas e jurídicas, no caso de financiamentos à produção de empreendimentos e para os financiamentos de aquisição e construção de imóveis comerciais e individuais. Estão contemplados clientes que financiam o imóvel por meio do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), programa Minha Casa Minha Vida e pelo Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE), todos operados pela Caixa.

Segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, até o momento, mais de 2,4 milhões de mutuários já pediram a pausa na prestação habitacional, número que representa R$ 8,6 bilhões em financiamentos suspensos. A medida faz parte das ações para enfrentar os efeitos causados à economia pela pandemia de covid-19. 

“Lembrando que essa pausa não é automática. Há a necessidade dessas pessoas pedirem, seja pelo aplicativo, seja pelos telefones, que são encontrados no site da Caixa”, informou Guimarães, em entrevista.  

Quem pedir a pausa no contrato terá de pagar juros, seguros e taxas, que serão acrescidos ao saldo devedor do contrato. De acordo com o banco, a taxa de juros e o prazo contratados originalmente não sofrem alteração.

Os clientes com pagamentos em dia ou aqueles com pagamentos em atraso por, no máximo, 18 meses, podem pedir a carência. Clientes que usaram o FGTS para abater parte da prestação também podem requerer a suspensão. No caso de pessoas jurídicas, a possibilidade de pausa nas prestações é permitida para quem está com até duas parcelas fora do prazo (atraso de 60 dias).

Para pedir a pausa ou requerer a extensão da pausa já concedida, basta acessar o aplicativo Habitação Caixa ou registrar o pedido pelos telefones 3004-1105 (para capitais) e 0800-726-0505 (demais localidades), ou de forma automatizada pelo 0800-726-8068, opções 2-4-2, de segunda a sexta-feira, e aos sábados, das 10h às 16h (exceto feriados).

Por Pedro Rafael Vilela – Repórter da Agência Brasil 

Caixa reduz juros para compra da casa própria

Kelly Oliveira/Agência Brasil

Com a redução dos juros, a Caixa prevê a retomada de investimentos no setor da construção civil (Arquivo/Agência Brasil)

A Caixa Econômica Federal anunciou hoje (24) a redução de até 0,5 ponto percentual das taxas de juros do crédito imobiliário para operações com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). As taxas mínimas passaram de 9% ao ano para 8,75% ao ano, no caso de imóveis dentro do Sistema Financeiro de Habitação (SFH), e de 10% ao ano para 9,5% ao ano, para imóveis enquadrados no Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI). A Caixa também alterou o limite de cota de financiamento de imóveis usados de 70% para 80%.

Estão enquadrados no SFH os imóveis residenciais de até R$ 800 mil, para todo país, exceto para Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal, onde o limite é de R$ 950 mil. Os imóveis residenciais acima dos limites do SFH são enquadrados no SFI.

De acordo com o presidente da Caixa, Nelson Antônio de Souza, a nova redução das taxas de juros facilita o acesso à casa própria e contribui para a retomada de investimentos no setor da construção civil. “Cabe à Caixa, como principal agente financeiro da habitação, continuar oferecendo as melhores taxas e condições para os nossos clientes, além de colaborar com a retomada de investimentos do mercado imobiliário e suas cadeias produtivas”, disse em nota.

Para este ano, a Caixa tem R$ 82,1 bilhões disponíveis para o crédito habitacional. O banco mantém a liderança no setor com 69,3% das operações para aquisição da casa própria.

Em abril, a Caixa já havida reduzido os juros em até 1,25 ponto percentual, nas operações com recursos do SBPE. Naquele mês, o limite de cota de financiamento do imóvel usado subiu de 50% para 70% e a Caixa retomou o financiamento de operações de interveniente quitante (imóveis com produção financiada por outros bancos) com cota de até 70%.

Em julho, o banco reduziu em média de 1 a 2 pontos percentuais ao ano as taxas do crédito imobiliário para pessoa jurídica.