Conselho de ética do Cidadania defende expulsão de deputado após assédio na Alesp

Fernando Cury (Cidadania) toca a deputada Isa Penna (PSOL) durante sessão na Alesp (Reprodução)

O Conselho de Ética do partido Cidadania aprovou ontem (10) um relatório em que recomenda a expulsão do deputado estadual Fernando Cury. O parlamentar do partido foi gravado apalpando a deputada Isa Penna (PSOL) dentro do plenário da casa.

Segundo comunicado divulgado pelo partido, o parecer da Comissão e o relatório vão ser encaminhados para a Presidência do Cidadania, “à qual caberá convocar o Diretório Nacional para deliberar a respeito e decidir pela expulsão ou não do parlamentar”, informa.

“As imagens do plenário por si conferem clareza ao acontecimento, com nitidez, câmeras flagraram um comportamento descabido, rasteiro e incongruente por parte do deputado Fernando Cury contra a deputada Isa Penna. O fato é grave e insolente, não nos permite outra interpretação que não a de estarmos diante de um acontecimento desrespeitoso e afrontoso, que deve ser combatido”, destacou a relatora, Mariete de Paiva Souza.

Para a relatora do procedimento, a importunação sexual sofrida pela deputada fere frontalmente o Código de Ética do Cidadania em seu artigo 3º, inciso I.

Em nota ao G1, Cury disse que não tem “dúvidas de estar sendo submetido a um julgamento ilegal, sumário e de exceção, que viola o Código de Ética do próprio partido e a Constituição Federal.”

Vídeo mostra deputado apalpando seio de colega na Assembleia de SP

A situação foi gravada às 0h36 desta quinta-feira (17/12), durante sessão lesgialativa após a votação da Lei do Orçamento.

Vídeo gravado por câmera da Assembleia Legislativa de São Paulo mostra o deputado Fernando Cury (Cidadania) passando a mão no seio da deputada estadual Isa Penna (PSOL) durante sessão extraordinária para votar o orçamento do estado na noite desta quarta-feira (16).

Pelas imagens, é possível ver o deputado Fernando Cury conversando com outro deputado. Depois, ele faz um movimento em direção à deputada Isa Penna, que está apoiada na mesa diretora da Casa, e retorna a conversar com outro parlamentar, mas volta a se dirigir à deputada. Cury, então, para atrás da deputada apalpando seu seio e ela, imediatamente, tenta o afastar.

Segundo nota da deputada, ela e outras parlamentares já foram assediadas em outras ocasiões.

“A deputada Isa Penna é conhecida por atuar em prol do combate à violência contra as mulheres e afirma que a violência política de gênero que sofreu publicamente na ALESP infelizmente não é um caso excepcional, dado que ela e as deputadas Mônica Seixas e Erica Malunguinho, do mesmo partido, já foram assediadas em ocasiões anteriores”, diz a nota.

Em discurso no plenário nesta quinta-feira (17), a deputada do PSOL afirmou que vai registrar um boletim de ocorrências contra o parlamentar do Cidadania e abrir uma representação contra ele no Conselho de Ética da Casa.

“O caso que a gente vive não é isolado. A gente vê a violência política e institucional contra as mulheres o tempo todo. O que dá direito de alguém encostar numa parte íntima do meu corpo. Meu peito é íntimo. É o meu corpo. Eu estou aqui pedindo pelo direito de ficar de pé e conversar com o presidente da Assembleia sem ser assediada”, afirmou Isa Penna.

Também em plenário, o deputado Cury pediu desculpas por “abraçar” a colega. Ele negou que houve assédio ou importunação sexual.

“Subo aqui hoje nessa tribuna muito constrangido e muito triste pelo fato que foi aqui ocorrido e relatado, pelo julgamento feito, mas estou aqui para passar a minha versão para vocês. Em primeiro lugar, gostaria de frisar a todos, principalmente as mulheres que estão aqui, que não houve, de forma alguma, da minha parte, a tentativa de assédio, importunação sexual ou qualquer outra coisa ou qualquer outro nome semelhante a esse. Eu nunca fiz isso na minha vida toda. E quero dizer, de forma veemente, principalmente para as colegas deputadas que estão aqui, eu nunca fiz isso. Mas se a deputada Isa Penna se sentiu ofendida com o abraço que eu lhe dei, eu peço, de início, desculpa por isso. Desculpa se eu a constrangi. Desculpa se eu tentei, como faço com diversas colegas aqui, de abraçar e estar próximo. Se com esse gesto eu a constrangi e ela se sentiu ofendida, peço desculpas.”

Em outro momento do discurso, Cury disse que “sua chefe de gabinete é mulher e está acostumado a abraçar e beijar suas assessoras.”

“Queria dizer para vocês que não fiz por mal nada de errado. Meu comportamento com a deputada Isa Penna é o comportamento que tenho com cada um dos deputados aqui. Com os colegas deputados, as colegas deputadas, com os assessores e com as assessoras, com a Polícia Militar femininas aqui. De cumprimentar, de abraçar, de beijar, de estar junto. A minha chefe de gabinete é uma mulher. Eu tenho assessoras mulheres aqui, no escritório em Botucatu. Eu nunca ia fazer isso na frente de 100 deputados. Quantas câmeras tem aqui na Assembleia Legislativa? Estava na frente do presidente. Pelo amor de Deus. Eu não fiz nada disso. Não fiz nada de errado. O que eu diz foi abraçar. Vocês viram o vídeo”.

Em nota, a Alesp afirmou que o Conselho de Ética fará a avaliação do caso.

 

Brasileiros são presos por fraude em documentos de cidadania italiana

Um grupo de sete brasileiros foi preso na província de Verbania e Novara, na região de Piemonte, norte da Itália. Eles são acusados de falsificar documentos para obtenção de cidadania italiana. A polícia italiana,que investiga o caso há um ano,apura ainda a possível participação de um padre italiano, de uma paróquia de Pádua, no esquema.

De acordo com as investigações, conduzidas no âmbito da Operação Santos, pelo menos 800 falsas cidadanias italianas foram obtidas por meio do esquema que, segundo apurações preliminares, movimentou cerca de 5 milhões de euros.

Os documentos falsos deverão ser imediatamente revogados.

A investigação, denominada Esquadrão de Voo, identificou que o esquema envolvia fraudes em cartórios de tal forma que os brasileiros aparecessem como moradores das províncias de Verbania e Novara.

As informações são Polícia de Verbania e Novara.

Agência Brasil aguarda informações do Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, sobre o assunto.

Cadeiras de rodas ocupam espaço de carros em ação de cidadania

O motorista que tentou estacionar em Catanduva, no interior de São Paulo, não conseguiu achar vagas porque todas estavam ocupadas por cadeiras de rodas. Preso a uma delas, o cartaz dizia: “é só um minutinho”.

(Facebook/Reprodução)

A frase é uma referência a desculpa geralmente dada por motoristas que estacionam em vagas destinadas para deficientes físicos e idosos. A ação faz parte de uma campanha da Guarda Civil Municipal.

“A ação da GCM propõe uma inversão de papeis, já que, não são raros os flagrantes de quem não precisa, mas para seu carro em vagas reservadas para pessoas com deficiência e idosos”, comentou o prefeito da cidade, Afonso Macchione, no Facebook.