Butantan recebe insumo para mais 5 milhões de doses da CoronaVac

(Gov. do Estado de SP)

O Instituto Butantan recebeu hoje (19) mais três mil litros de insumo para produção de cinco milhões de doses da CoronaVac, vacina contra a covid-19. O carregamento veio da China e chegou no começo da manhã ao Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos.

Este é o terceiro carregamento de 2021 da matéria-prima fornecida pela biofarmacêutica Sinovac, parceira internacional do Butantan. Ainda hoje, o insumo será transportado em caminhões refrigerados até a sede do Butantan, na Capital Paulista, onde as vacinas serão envasadas, embaladas e rotuladas para distribuição ao SUS (Sistema Único de Saúde).

Na última quarta-feira (14), o Governo de São Paulo completou 40,7 milhões de doses entregues ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). O total de envios corresponde a 88,4% das 46 milhões de doses previstas até 30 de abril no primeiro contrato do Instituto Butantan com o Ministério da Saúde.

Somente em abril foram 4,5 milhões. Em março foram disponibilizadas 22,7 milhões de doses. Em fevereiro, 4,85 milhões e, em janeiro, 8,7 milhões de unidades. Até setembro, está prevista a entrega de mais 54 milhões de doses.

Chegada de insumos no aeroporto internacional de Guarulhos.
Jean Gorinchteyn, João Doria e Dimas Covas acompanharam a chegada do insumo (Gov. do Estado de SP)

*Com Gov. do Estado de São Paulo

Insumo para CoronaVac é embarcado na China

Uma nova remessa de matéria-prima da fábrica da biofarmacêutica Sinovac Life Sciences para o Instituto Butantan chegou na manhã de hoje (15) no Aeroporto Internacional de Pequim (PEK) e após passar por procedimentos burocráticos embarcará para o Brasil.

A carga com 3 mil litros de IFA (Insumo Farmacêutico Ativo) será utilizada para produzir 5 milhões de doses da vacina contra a COVID-19.

Nesta quarta, o Governo de São Paulo completou 40,7 milhões de doses entregues ao PNI (Programa Nacional de Imunizações). Somente em abril foram 4,5 milhões. O total de envios corresponde a 88,4% das 46 milhões de doses previstas até 30 de abril no primeiro contrato do Instituto Butantan com o Ministério da Saúde.

Em março foram disponibilizadas 22,7 milhões de doses. Em fevereiro, 4,85 milhões e, em janeiro, 8,7 milhões de unidades.

Por Gov. do Estado de SP

Butantan entrega mais um milhão de doses de CoronaVac

(Gov. do Estado de SP)

O Instituto Butantan entregou hoje (14) mais um milhão de doses da CoronaVac ao Ministério da Saúde. O governador João Doria acompanhou a liberação do imunizante que será distribuído para todo Brasil.

Segundo o Estado, esta foi a 23ª entrega até agora. Já foram disponibilizadas 40,7 milhões de doses ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Somente em abril foram 4,5 milhões.

“A vacina do Instituto Butantan, onde estamos, aqui em São Paulo, é para todo o Brasil. É um momento histórico ultrapassar a casa de 40 milhões de doses dessa vacina. A cada 10 brasileiros, 8 estão recebendo a vacina do Butantan nos seus braços. A vacina que salva, a vacina do Brasil”, destacou Doria.

O total de envios corresponde a 88,4% das 46 milhões de doses previstas até 30 de abril no primeiro contrato do Instituto Butantan com o Ministério da Saúde. Em março foram disponibilizadas 22,7 milhões de doses. Em fevereiro, 4,85 milhões e, em janeiro, 8,7 milhões de unidades.

*Com Gov. do Estado de SP

Coronavac é efetiva contra variante brasileira, aponta estudo

(Gov. do Estado de SP)

Um estudo divulgado nesta quarta-feira (07/04) mostra que a Coronavac, vacina contra a covid-19 produzida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, é 50% efetiva na prevenção de infecções sintomáticas causadas pela variante P.1 do coronavírus, duas semanas após a aplicação da primeira dose.

A pesquisa contou com a participação de mais de 67 mil profissionais de saúde de Manaus, onde a variante foi descoberta em janeiro. Os dados sobre a efetividade do imunizante após a segunda dose ainda estão sendo coletados.

Trata-se da primeira pesquisa a analisar a efetividade da Coronavac em um local onde a variante P.1, também conhecida como “variante brasileira”, é predominante.

O estudo é do grupo Vebra Covid-19, formado por pesquisadores de instituições nacionais e internacionais e servidores das secretarias de saúde do Amazonas e de São Paulo e das secretárias municipais de saúde de Manaus e São Paulo, com o apoio da Organização Panamericana de Saúde (Opas).

De acordo com o grupo, os resultados são encorajadores e apoiam o uso contínuo dessa vacina no Brasil e em outros países com a circulação da mesma variante.

Pesquisas anteriores haviam revelado a eficácia de 50,38% da Coronavac. Isso significa a capacidade de o imunizante prevenir a covid-19, com base em dados de voluntários participantes de estudo. 

Já a pesquisa divulgada nesta quarta-feira mostra a efetividade da Coronavac, ou seja, a capacidade da vacina de prevenir a covid-19 em uma situação real de vacinação em grande escala, como o seu impacto na redução de casos, mortalidade ou hospitalizações. 

De acordo com a última atualização do Ministério da Saúde,a grande maioria das cerca de 25 milhões de doses aplicadas (82,2%) no Brasil são da Coronavac. Os outros 17,8% são da AstraZeneca-Oxford, que no Brasil é produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Por Deutsche Welle
le/as (ots)

Butantan entrega mais 1 milhão de doses da CoronaVac

(Gov. do Estado de SP)

O Instituto Butatan entregou hoje (5) mais um milhão de doses da vacina contra o coronavírus ao Programa Nacional de Imunizações (PNI). Com o lote desta manhã, o instituto forneceu um total de 37,2 milhões de doses da vacina CoronaVac, desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac, para serem distribuídas em todo o país.

Até o fim deste mês, o Butantan deve finalizar o primeiro contrato firmado com o Ministério da Saúde para fornecimento de 46 milhões de doses do imunizante. Até o fim de agosto devem ser fornecidas mais 54 milhões de doses ao PNI, totalizando 100 milhões de doses de CoronaVac.

Já foram aplicadas no estado de São Paulo 6,4 milhões de doses de vacina, sendo 1,6 milhão de segunda dose da imunização.

Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil

Butantan entrega mais 3,4 milhões de doses da CoronaVac

O Instituto Butantan entregou hoje (31) mais 3,4 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus. Elas serão utilizadas no Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde. Com a nova entrega, o instituto contabiliza a disponibilização de 36,2 milhões de doses de CoronaVac, a vacina desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

A previsão é que até o fim de abril sejam entregues 46 milhões de doses da vacina, conforme contrato firmado entre o Butantan e o Ministério da Saúde.

Até o fim de agosto, o instituto pretende produzir e entregar mais 54 milhões de doses, totalizando 100 milhões de doses de vacina a serem distribuídas em todo o país.

Por Agência Brasil

Mourão recebe primeira dose da Coronavac

O vice-presidente, Hamilton Mourão, recebeu nesta segunda-feira (29/03) a primeira dose da vacina contra a covid-19. O imunizante utilizado foi a Coronavac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Em até quatro semanas, o vice-presidente deverá receber a segunda dose.

“Hoje fiz minha parte como cidadão consciente e recebi a primeira dose da vacina contra a covid-19 (Coronavac). Espero que, em breve, o maior número possível de vacinas chegue à população brasileira”, escreveu ele no Twitter, em um post com a foto do momento da vacinação.

Mourão tem 67 anos e recebeu o imunizante, pois, na semana passada, pessoas na sua faixa etária começaram a ser vacinadas no Distrito Federal. O general recebeu a Coronavac em um posto drive-thru, em Brasília.

No final de dezembro, Mourão testou positivo para a covid-19 e ficou 12 dias afastado do trabalho. No mês seguinte, em uma postura diferente da do presidente Jair Bolsonaro, que disse que não tomaria vacina e “ponto final”, o vice-presidente afirmou que iria, sim, se vacinar.

No sábado, o ministro da Economia, Paulo Guedes, recebeu a primeira dose da vacina. No dia 18, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), general Augusto Heleno, havia sido imunizado.

Por Deutsche Welle
le (Agência Brasil, ots)

Butantan entrega mais cinco milhões de doses da CoronaVac

Visita ao Instituto Butantan para liberação de novas doses da vacina do Butantan contra Covid-19
(Gov. do Estado de SP)

O Instituto Butantan liberou hoje (29), no começo da manhã, mais cinco milhões de doses da vacina CoronaVac. É a maior remessa em um único dia de março liberada ao Ministério da Saúde.

Segundo o Governo do Estado de São Paulo, neste mês foram entregues 19,3 milhões de doses – quantitativo maior do que o disponibilizado em janeiro e fevereiro juntos.

“Estamos muito felizes por estarmos ajudando na imunização e a salvar milhões de vidas em todo Brasil”, destacou o governador João Doria, que acompanhou a saída das doses da sede do Instituto.

Com o novo carregamento, o total de imunizantes oferecidos por São Paulo ao PNI (Programa Nacional de Imunizações) chega a 32,8 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro. Até o fim de abril, o total de vacinas garantidas pelo Butantan ao país somará 46 milhões.

O Butantan ainda trabalha para entregar outras 54 milhões de doses para vacinação dos brasileiros até o dia 30 de agosto, totalizando 100 milhões de unidades. Atualmente, 85% das vacinas disponíveis no país contra a COVID-19 são do Butantan.

*com Gov. do Estado de São Paulo

CoronaVac: Mais 2,2 milhões de doses são entregues ao Ministério da Saúde

Visita o Instituto Butantan para a liberação de novas doses de vacina

Mais 2,2 milhões de doses da vacina CoronaVac fabricadas pelo Instituto Butantan contra o novo coronavírus foram liberadas nesta quarta-feira (24), para uso em todo o país. Desde o começo do mês de março foram entregues 14,3 milhões de doses, quantitativo maior do que o disponibilizado em janeiro e fevereiro juntos, o que representa a produção de quase 25 mil vacinas por hora, informou o órgão.

Segundo o governador de São Paulo, João Doria, o volume de vacinas distribuído é quatro vezes maior do que a Espanha aplicou e o dobro das doses da Alemanha. “Hoje o Butantan é um orgulho para o Brasil, um orgulho para os brasileiros que já tiveram a oportunidade de receberem as suas vacinas”, destacou Doria.

Com o novo carregamento, o total de imunizantes oferecidos por São Paulo ao Programa Nacional de Imunizações chega a 27,8 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro. Até o fim de abril, o total de vacinas garantidas pelo Butantan ao país somará 46 milhões de doses.

O Butantan deve entregar outras 54 milhões de doses para vacinação dos brasileiros até o dia 30 de agosto, totalizando 100 milhões de unidades. Atualmente, 85% das vacinas disponíveis no país contra a covid-19 são fabricadas pelo Butantan.

A produção da vacina segue em ritmo constante e acelerado. No último dia 4, uma remessa de 8,2 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), correspondente a cerca de 14 milhões de doses, desembarcou em São Paulo para produção local.

Outros 11 mil litros de insumos enviados pela biofarmacêutica Sinovac, parceira internacional no desenvolvimento do imunizante mais usado no Brasil contra a covid-19, chegaram ao país em fevereiro.

Até o fim de março, o Butantan aguarda nova carga de IFA correspondente a cerca de 6 milhões de doses, o que permitirá o cumprimento integral do acordo inicial de 46 milhões de doses contratadas pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o Instituto Butantan, o órgão formou uma força-tarefa para acelerar a produção de doses da vacina para todo o país. Uma das medidas foi dobrar o quadro de funcionários na linha de envase para atender à demanda urgente por imunizantes contra o novo coronavírus.

Por Agência Brasil

Butantan entrega mais 1 milhão de doses de Coronavac

João Doria, governador de São Paulo, e Jean Gorinchteyn, secretário Estadual de saúde acompanharam a entraga (Gov. do Estado de SP)

Nesta segunda-feira (22) foram liberados mais 1 milhão de doses da vacina do Instituto Butantan contra o coronavírus para uso em todo o país. Somente nos últimos dez dias, o Instituto Butantan entregou ao Brasil 8,3 milhões de doses, o equivalente a 830 mil unidades diárias do imunizante.

“Até o final do próximo mês de abril, serão 46 milhões de doses. Fico muito feliz, como brasileiro, como filho de baiano que sou, de saber que em todo Brasil, baianos, paraibanos, sergipanos, gaúchos, catarinenses, paulistas, cariocas, todos estão recebendo a vacina do Butantan. No dia de hoje, de cada mil brasileiros vacinados, 950 estão sendo vacinados com a vacina do Butantan”, destacou o governador de São Paulo, João Doria.

Com o novo carregamento, o total de vacinas oferecida por São Paulo ao Plano Nacional de Imunizações (PNI) chega a 25,6 milhões de doses desde o início das entregas, em 17 de janeiro. Até o final de abril, o total de vacinas garantidas pelo Butantan ao país somará 46 milhões.

O Instituto Butantan informou que trabalha para entregar outras 54 milhões de doses para vacinação dos brasileiros até o dia 30 de agosto, totalizando 100 milhões de unidades. Atualmente, 85% das vacinas disponíveis no país contra a covid-19 são do Butantan.

No último dia 4, uma remessa de 8,2 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA), correspondente a cerca de 14 milhões de doses, desembarcou em São Paulo para produção local.

Outros 11 mil litros de insumos enviados pela biofarmacêutica Sinovac, parceira internacional no desenvolvimento do imunizante mais usado no Brasil contra a covid-19, chegaram ao país em fevereiro.

Até o fim de março, o Butantan aguarda nova carga de IFA correspondente a cerca de 6 milhões de doses, o que permitirá o cumprimento integral do acordo inicial de 46 milhões de doses contratadas pelo Ministério da Saúde.

Com o aporte regular de matéria-prima, o Butantan formou uma força-tarefa para acelerar a produção de doses da vacina para todo o país. Uma das medidas foi dobrar o quadro de funcionários na linha de envase para atender a demanda urgente por imunizantes contra o coronavírus.

Por Agência Brasil