“Parecia uma cidade fantasma”, diz nadador após voltar da Itália

Carlos Farremberg, da equipe paralímpica (Rodolfo Vilela/Rede do Esporte)

O nadador paralímpico Carlos Farremberg fez parte da delegação brasileira que precisou voltar da Itália às pressas após o cancelamento da etapa de Lignano Sabbiadoro da World Series – circuito mundial da modalidade. A competição estava marcada para iniciar nesta quinta-feira (27) e seguir até domingo (1º de março), reunindo 900 atletas de 41 países, mas foi cancelada por causa do surto do novo coronavírus (Covid-19), cujos casos tiveram aumento repentino em território europeu.

Em entrevista à Agência Brasil, Farremberg contou que no pouco tempo em que permaneceram na sede do evento (na região de Veneza), entre domingo (23) à noite e segunda-feira (24) pela manhã até por volta das 15h, a sensação era de estar “praticamente” em uma quarentena.

“Muitos eventos, não só esportivos, mas com aglomeração de pessoas, foram cancelados. Em algumas regiões, as escolas estavam fechadas. Parecia uma cidade fantasma. A gente ficou poucas horas, mas deu essa impressão. Nosso hotel estava bem vazio. Muita gente era esperada para o torneio. Quem teve a informação (do cancelamento) antes, nem foi. Demos azar de estarmos no meio do caminho”, relatou.

“Saímos do Brasil com orientações do Comitê [Paralímpico Brasileiro], que forneceu álcool em gel e máscaras. Lavávamos a mão direto. Estávamos tranquilos, mas querendo ir embora logo, até porque não podíamos treinar. Não dava para usar a piscina e nem a academia. Estava tudo fechado. Fomos orientados a não sair do hotel ou passear porque a passagem (de volta) poderia chegar a qualquer momento e teríamos que sair rápido”, acrescentou o brasileiro, que compete na classe S13 (atletas com baixa visão) e defende a equipe da Unisanta, de Santos (SP).

Segundo o nadador, a delegação do país, com 33 integrantes, foi informada sobre o cancelamento da etapa ao chegar em Veneza. “Viemos de Roma, onde fizemos escala. Lá, todo mundo que desceu (do avião) teve que aferir a temperatura com uma funcionária, que usava máscara e tudo. Até ali, sabíamos que os casos [do novo coronavírus] haviam aumentado no país, mas não tinham falado de cancelar [o torneio]. Chegamos tarde [em Veneza] no domingo. Já pensava em como seria a organização, pois havia outras delegações lá também querendo retornar. Felizmente, o Comitê foi bem ágil”, descreveu.

Conforme a agência de notícias italiana Ansa, o último balanço da Defesa Civil da Itália registrou que 11 pessoas foram mortas e 322 estão contaminadas pelo novo coronavírus. As vítimas mais recentes, todas idosas, residiam em cidades situadas ao norte do país – onde se situa Lignano Sabbiadoro.

Sem a competição na Itália, o próximo compromisso da seleção brasileira de natação paralímpica é o Open Loterias Caixa, evento internacional marcado para os dias 26 a 28 de março no Centro de Treinamento Paralímpico em São Paulo. Os atletas têm até o fim de abril para estabelecer os índices mínimos determinados pelo Comitê Paralímpíco Brasileiro para obter vaga na Paralimpíada de Tóquio, no Japão – que tem registadas cinco mortes e 862 casos do novo coronavírus até 0h desta quarta-feira (26).

No Brasil
O voo de volta da delegação de paratletas brasileiros chegou na manhã de terça-feira (25) no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP). Diferentemente da Itália, conforme Farremberg, a delegação não foi submetida a avaliações após o desembarque. Em nota, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) explicou que o país “não está adotando ou recomendando a medição de temperatura em passageiros sem sintomas, já que esta medida tem baixa efetividade” e que o papel da agência é “dar encaminhamento aos casos sintomáticos, adotar medidas para encaminhamentos desta pessoa ao serviço de atendimento e tornar possível o rastreamento dos demais passageiros em casos de confirmação”.

Ainda segundo a Anvisa, após a confirmação de um caso do Covid-19 em um passageiro que veio da Itália para o Brasil na última sexta-feira (21), foi solicitada “a lista de passageiros que estavam no mesmo voo”, que será encaminhada ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) para investigação de outros presentes na aeronave. A agência, por fim, “aumentou a criticidade no monitoramento dos voos internacionais provenientes de países onde há casos confirmados da doença”.

Por Lincoln Chaves – Repórter da TV Brasil

Ministério confirma 1º caso de Coronavírus no Brasil

O Ministério da Saúde confirmou, hoje (26), o primeiro caso de um brasileiro infectado pelo novo coronavírus (Covid-19). No momento, há vinte casos suspeitos da doença no país. Cinquenta e nove casos suspeitos foram descartados

Trata-se de um homem de 61 anos, morador da cidade de São Paulo, que esteve na região da Lombardia, no norte da Itália, entre os dias 9 e 21 de fevereiro. Ao retornar da viagem, na última sexta-feira (21), o paciente apresentou os sinais e sintomas compatíveis com a doença (febre, tosse seca, dor de garganta e coriza).

Atendido no Hospital Israelita Albert Einstein na segunda-feira (24), o homem foi submetido a exames clínicos que apontaram a suspeita de infecção pelo vírus. Com resultados preliminares realizados pela unidade de saúde e de acordo com o Plano de Contingência Nacional, o hospital enviou a amostra para o laboratório de referência nacional, Instituto Adolfo Lutz, para contraprova. “Agora é que vamos ver como este vírus vai se comportar em um país tropical, durante o verão”, disse hoje o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

“Como vai ser o padrão de comportamento deste vírus, que é novo e tanto pode manter o mesmo padrão de comportamento de transmissão que apresentou no hemisfério Norte, onde, nesta época, está fazendo frio”, disse hoje o ministro.

Na última sexta-feira (21), as autoridades italianas notificaram nove óbitos, o que levou o governo brasileiro a incluir a Itália entre os países onde a doença está se espalhando e há risco de infecção.

De acordo com o Ministério da Saúde, no mundo, já foram registrados mais de 80,2 mil casos do coronavírus em 34 países. Foram registradas 2,7 mil mortes causadas pela doença, sendo que os casos mais graves são aqueles que afetam pessoas com mais de 60 anos.

Por Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil

*Atualizado às 12h42

 

Confirmado 1º caso de Coronavírus em SP, diz jornal

Foi confirmado na noite desta terça-feira (25) o primeiro caso do Brasil de Covid-19, o novo Coronavírus. A informação foi divulgada pela Folha de S. Paulo, que cita fontes ligadas ao processo de testagem de amostras do paciente. A pessoa que contraiu Covid-19 é um homem, de 61 anos, morador de São Paulo.

Mais cedo, a Secretaria Estadual de Saúde confirmou que ele deu entrada em um hospital particular na zona sul da Capital com sintomas de gripe e relatou ter viajado recentemente à Itália, na Europa.

“Com resultados preliminares realizados pela unidade de saúde e de acordo com o Plano de Contingência Nacional, o hospital enviou a amostra para o laboratório de referência nacional, Instituto Adolfo Lutz, para contraprova”, relata nota da Secretaria.

Ainda segundo a nota, o paciente está bem.

Critérios

Nesta segunda-feira (24) o Ministério da Saúde ampliou os critérios para definição de caso suspeito para o novo coronavírus. Agora, também estão enquadradas dentro desta definição as pessoas que apresentarem febre e mais um sintoma gripal, como tosse ou falta de ar, e chegando dos seguintes países: Alemanha, Austrália, Emirados Árabes, Filipinas, França, Irã, Itália e Malásia. A lista já incluia, além da China, Cingapura, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Camboja, Japão, Tailândia e Vietnã.

A doença continua se espalhando pela Europa. Na Itália, o número de mortes pelo virus saltou para 11 e o total de casos confirmados subiu para 300. Na Espanha, um hotel nas Ilhas Canárias com 1 mil hóspedes e funcionários foi posto sob quarentena, depois da confirmação de um caso no local, de um turista italiano. Outro caso foi confirmado na região Catalunha. Suíça, Áustria e Croácia confirmaram os primeiros registros da doença.

*Com informações da Agência Brasil

Covid-19: China tem 2.663 mortes por Coronavírus

Autoridades de saúde da China informaram que outras 71 pessoas morreram na segunda-feira em decorrência de infecção causada pelo coronavírus, elevando o número total de mortes na China continental para 2.663.

Ainda segundo as autoridades, 508 novos casos foram reportados, elevando o número total de pessoas infectadas para 77.658.

O número de novas infecções fora da província de Hubei, onde o surto teve início, foi de apenas nove casos. Nenhuma nova infecção foi confirmada em 23 das 31 províncias, cidades e outras unidades administrativas em toda a China.

A província de Guangdong rebaixou em um nível o seu alerta de saúde pública. Diversas empresas japonesas possuem fábricas na província, localizada na região sudeste.

A Organização Mundial da Saúde pede para a China manter o seu esforço monumental de conter o vírus, mesmo com a recente queda no número de casos novos.

Em uma coletiva de imprensa realizada na segunda-feira em Pequim, Bruce Aylward, representante da Organização Mundial de Saúde, disse que as medidas implementadas no mês passado para isolar a cidade de Wuhan na província de Hubei, local mais atingido pelo vírus, contribuíram para a diminuição no número de novas infecções.

Diamond Princess

O ministro da Saúde do Japão, Katsunobu Kato, disse que 28 passageiros apresentaram febre ou outros sintomas após desembarcarem do navio sob quarentena Diamond Princess.

Katsunobu Kato disse em uma comissão do Parlamento na terça-feira que os passageiros estão entre aqueles que responderam a questionários de acompanhamento do ministério após o desembarque.

Cerca de 970 pessoas que testaram negativo para o novo coronavírus puderam deixar a embarcação, num processo que durou três dias iniciando na quarta-feira passada.

Entre eles, uma mulher de 60 anos testou positivo após retornar para sua casa ao norte de Tóquio.

Por NHK – Emissora Pública do Japão

Covid-19: Após viagem ao Japão, homem é isolado em SP

Um homem que viajou recentemente ao Japão apresentou sintomas de Covid-19, o novo Coronavírus, e foi isolado em casa pelas autoridades de saúde de São Paulo. Essa nova investigação foi notificada neste domingo (23).

Assim como a China, o Japão entrou na relação de locais de risco para transmissão de Covid-19 na última sexta-feira (21), pelo Ministério da Saúde. A partir de então, quem apresentar sintomas do Covid-19 e tiver viajado recentemente para China, Japão, Coreia do Sul e do Norte, Singapura, Vietnã, Tailândia e Camboja será considerado suspeito.

A mudança levou em conta o aumento de casos de Covid-19 registrados fora do território chinês. As orientações já foram replicadas pela Secretaria de Estado da Saúde para as regiões do território paulista.

Até o momento, São Paulo já descartou 25 suspeitos de Covid-19. São Paulo e o Brasil seguem sem nenhum caso confirmado. Os dados oficiais estão sendo registrados pelos municípios em um sistema de notificação do Ministério da Saúde.

*Com informações da Secretaria Estadual da Saúde

Brasileiros são liberados de quarentena em Goiás

(Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

O grupo de 58 repatriados da China que estava em quarentena na Base Aérea de Anápolis foi liberado hoje (23), quatro dias antes do previsto.

Antes de embarcarem em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), em Anápolis, para as suas cidades, os repatriados participaram de um café da manhã de despedida e de uma cerimônia, com a presença do ministro da Defesa, Fernando Azevedo; do governador do Estado de Goiás, Ronaldo Caiado; e do prefeito de Anápolis, Roberto Naves.
Em fala a integrantes da operação de resgate dos brasileiros, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, disse que o sentimento era de “orgulho, de missão cumprida”, ao concluir a Operação Regresso à Pátria Amada Brasil. Azevedo agradeceu a todos que participaram do acolhimento ao grupo de repatriados.

A liberação foi feita após a confirmação de que os repatriados não estão infectados pelo novo coronavírus. Na última sexta-feira (21), foi feita a terceira e última coleta de material no Brasil para exame específico para o novo coronavírus e, a análise do Laboratório Central do Estado de Goiás mostrou resultados negativos. Cada um dos repatriados recebeu uma declaração do Ministério da Saúde informando o estado de saúde livre da doença pelo novo coronavírus (Covid-19).
Segundo Ministério da Defesa, o grupo será apoiado por aeronaves da FAB, “em aproveitamento de voos de transporte logístico de material e de militares”. Os destinos são os seguintes:

Distrito Federal – 20 passageiros, sendo 9 militares, 1 profissional do Ministério da Saúde, 1 profissional da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e 9 repatriados;

São Paulo – 13 passageiros, sendo 11 repatriados, um militar e uma integrante do Ministério da Saúde;

Rio de Janeiro – 11 militares;

Paraná – 5 repatriados;

Santa Catarina – 4 repatriados;

Minas Gerais – 3 repatriados;

Pará – 1 repatriada;

Dois repatriados, transportados para Brasília, seguirão em voos comerciais para o Maranhão e para o Rio Grande do Norte. Um repatriado permanecerá em Anápolis (GO).

Operação Regresso

No dia 5 de fevereiro, duas aeronaves da Força Aérea Brasileira partiram para Wuhan, epicentro da doença que já matou mais de 2.300 pessoas na China. Entre brasileiros e familiares de outras nacionalidades, 34 chegaram ao Brasil no dia 9 de fevereiro. Além dos repatriados, 24 profissionais que fizeram parte do resgate também estavam cumprindo a quarentena inicialmente prevista para durar 18 dias. O procedimento é um protocolo internacional para evitar a disseminação da doença no Brasil. Até o momento, no Brasil, não há registro de casos da doença.

Por Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil

Brasileiros em quarentena serão liberados; 13 são de SP

(Keven Cobalchini/Fotos Públicas)

O grupo de repatriados da China que está em quarentena na Base Aérea de Anápolis será liberado amanhã (23). Na última sexta-feira (21), foi feita a terceira e última coleta de material para exame específico para o novo coronavírus e, análise do Laboratório Central do Estado de Goiás mostrou resultados negativos. Cada um dos repatriados recebeu uma declaração do Ministério da Saúde informando o estado de saúde livre da doença pelo novo coronavírus (COVID-19).

“Todos os hóspedes da Base Aérea de Anápolis, que permanecem com o quadro assintomático, serão transportados, neste domingo, pela Força Aérea Brasileira para nove estados do Brasil”, diz a nota divulgada pelo Ministério da Defesa neste sábado.

Os destinos são os seguintes:

Distrito Federal – 20 passageiros, sendo 9 militares, 1 profissional do Ministério da Saúde, 1 profissional da EBC e 9 repatriados;
São Paulo – 13 passageiros, sendo 11 repatriados, um militar e uma integrante do Ministério da Saúde;
Rio de Janeiro – 11 militares;
Paraná – 5 repatriados;
Santa Catarina – 4 repatriados;
Minas Gerais – 3 repatriados;
Pará – 1 repatriada;

Dois repatriados, transportados para Brasília, seguirão em voos comerciais para o Maranhão e para o Rio Grande do Norte. Um repatriado permanecerá em Anápolis (GO).

Operação

No dia 5 de fevereiro, duas aeronaves da Força Aérea Brasileira foram à China buscar brasileiros em Wuhan, epicentro da doença que já matou mais de 2.300 pessoas na China . Entre brasileiros e familiares de outras nacionalidades, 34 chegaram ao Brasil no dia 9 de fevereiro. Além dos repatriados, 24 profissionais que fizeram parte do resgate também estão cumprindo a quarentena de 18 dias contados a partir da decolagem do avião brasileiro no dia 5. O procedimento é um protocolo internacional para evitar a disseminação da doença no Brasil.

Casos suspeitos

Até o momento, no Brasil, não há registro de casos da doença. O mais recente boletim epidemiológico do Ministério da Saúde mostra que, no período entre 18 de janeiro a 21 de fevereiro de 2020, foram notificados 154 casos para investigação de possível contaminação pelo coronavírus (COVID-19). O primeiro caso suspeito no Brasil foi notificado no dia 22 de janeiro de 2020. Desse total, apenas um caso (0,7%) caso permanece em investigação como caso suspeito, 51 (33,1%) foram descartados por confirmação laboratorial para outros vírus respiratórios e 102 (66,2%) foram classificados como excluídos, por não atenderem à definição de caso.

“Destaca-se, no entanto, que todos os casos excluídos estão sendo monitorados conforme protocolo da vigilância da Influenza. O perfil epidemiológico do atual caso suspeito é: brasileira, sexo feminino, 21 anos de idade, residente da China, encontra-se atualmente no RJ, chegou ao Brasil no dia 17 de fevereiro de 2020, início dos sintomas no dia 11 de fevereiro de 2020 (febre,tosse,dor de garganta e fraqueza)”, diz o boletim.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), não foi estabelecido um tratamento definitivo para a doença. Contudo, a organização está aguardando os resultados de dois ensaios clínicos, incluindo uma combinação de medicamentos antivirais usados no tratamento do HIV. Os resultados devem ser conhecidos em três semanas.

Disseminação

Autoridades de saúde pública da China confirmaram, na sexta-feira (21), mais 109 mortes pelo novo coronavírus, elevando o total para 2.345 em todo o país. A maior parte ocorreu em Hubei, província onde o surto de coronavírus surgiu e cuja capital é Wuhan.
As autoridades informaram sobre um número adicional de 397 casos confirmados, elevando o total de infecções para 76.288. Acrescentaram que o vírus está se alastrando em diversas prisões nas províncias de Hubei, Zhejiang e Shandong, onde mais de 500 presos e agentes penitenciários foram infectados.

Por Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil

Covid-19: paciente que vier de mais 7 países com sintomas será tratado como suspeito

(Fernando Frazão/Agência Brasil)

O Ministério da Saúde decidiu aumentar seu nível de vigilância a respeito de pessoas que voltem da Ásia com sintomas semelhantes ao coronavírus. Até então, pessoas com viagem recente à China que apressentassem febre e mais um sintoma respiratório, como tosse, por exemplo, eram tratadas como suspeitas de ter o vírus. A partir de hoje (21), a definição de caso suspeito também vale para pessoas que vierem do Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Singapura, Vietnã, Tailândia e Camboja e apresentarem sintomas.

A mudança de parâmetro ocorreu por conta de um aumento de 14% no número de casos novos fora da China em apenas um dia. A Coreia do Sul tem 204 casos confirmados, o Japão tem 107 casos, Singapura tem 85, Tailândia tem 35 casos, Vietnã tem 16 e Camboja tem um caso. A Coreia do Norte, apesar de não ter nenhum caso confirmado, também foi incluída na ampliação do ministério por compor a mesma península que seu vizinho, a Coreia do Sul. No total, são 76.787 casos em todo o mundo, com 2.248 mortes, sendo 2.144 na China, e 18.864 curados. Os dados são da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos.

Outra justificativa para a decisão do governo brasileiro é a chegada do carnaval, período em que o fluxo de turistas extrangeiros aumenta no país. Apesar disso, o governo não tem nenhuma recomendação para que as pessoas evitem viajar para esses países, com exceção da China. Essa orientação, no entanto, poderá ocorrer caso algum dos países institua regime de quarentena. “Na China estamos vivendo uma situação de quarentena. E por isso recomendamos que não viajasse para lá se não houvesse uma justificativa plausível”, disse o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo.

Casos no Brasil

O Brasil tem, atualmente, um caso considerado suspeito. Ontem (20) também havia um caso, de uma criança de 2 anos, de São Paulo. Esse caso foi descartado, mas outro, de uma mulher de 21 anos, do Rio de Janeiro, foi incluído. Ela viajou recentemente à China, a exemplo da maioria dos casos considerados suspeitos. Os exames dessa mulher estão sendo processados e o resultado deve sair em breve.

Quarentena em Anápolis

Brasileiros estão isolados em base aérea, em Goiás (FAB/Fotos Públicas)

As 58 pessoas que estão em quarentena em Anápolis (GO), na base aérea da Força Aérea Brasileira (FAB), foram submetidas a mais uma coleta de exames hoje, 14º dia de quarentena. O prazo para o resultado ser conhecido é de 24 horas a 72 horas. “Estamos seguindo padrões internacionais de segurança. A partir de 14 dias, estando clinicamente saudáveis, poderão ser liberados”, disse o secretário de Vigilância em Saúde (SVS) do ministério, Wanderson de Oliveira.

O prazo de 18 dias de quarentena, segundo os representantes do ministério, contemplava justamente a coleta de quatro amostras para exame, sendo a última no 14º dia, tido como o último para que o vírus se manifeste após contágio, e o prazo para o conhecimento do resultado.

“A FAB vai levar as pessoas de volta à sua origem. O Ministério da Defesa vai montar a logística para transportar as pessoas onde elas moram no Brasil. Elas irão em voos da FAB ou aviões comerciais, mas tudo será organizado pelo Ministério da Defesa tão logo os exames estejam prontos e negativos”, explicou Gabbardo.

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil

Baixada Santista tem primeiro caso suspeito de Covid-19

A Baixada Santista tem o primeiro caso suspeito de Covid-19, o novo Coronavírus. A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo monitora uma criança que vive em Santos.
Segundo o Estado, a criança desembarcou no início do mês no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, vindo de Hong Kong.

Também nesta quinta-feira (20) foi descartado um caso suspeito da Capital. Agora, São Paulo registra 24 casos suspeitos descartados para COVID-19. No Brasil, já são 50 casos descartados.
O país tem hoje apenas o caso de Santos como suspeito. Todos os outros foram descartados. Não há caso confirmado de Covid-19 no Brasil.

*Com informações do Ministério da Saúde e da Secretaria de Estado da Saúde de SP

Passageiros de cruzeiro no Japão morrem de Covid-19

(NHK/Reprodução)

Autoridades do governo japonês informaram que dois passageiros do navio Diamond Princess morreram em decorrência do novo coronavírus. São as duas primeiras mortes entre os ocupantes da embarcação.

Os passageiros que morreram eram um homem e uma mulher, ambos na faixa de 80 anos de idade.

Com isso, o total de mortes no Japão chegou a três. A primeira vítima do vírus no país morreu na quinta-feira da semana passada (13).

O navio de cruzeiro Diamond Princess está ancorado no Porto de Yokohama, próximo a Tóquio. Os passageiros estão em quarentena desde o último dia 5, determinada pelo governo japonês por causa do surto do novo coronavírus.

Novos desembarques do navio

O segundo grupo de passageiros do navio Diamond Princess, afetado pelo novo coronavírus, deixará a embarcação nesta quinta-feira (20). A infecção foi confirmada em 621 passageiros e tripulantes.

Segundo o Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social do Japão, pessoas que testaram negativo para o vírus e não apresentam sintomas estão recebendo permissão para desembarcar desde ontem, após um período de quarentena de 14 dias.

A pasta informou que 443 pessoas deixaram a embarcação, sendo que 90% delas são japonesas. Disse ainda que aproximadamente mais 50 pessoas devem desembarcar hoje e que metade delas não é japonesa. Espera-se que a maioria dos passageiros desembarque do Diamond Princess até esta sexta (21).

O Ministério da Saúde pede que qualquer um que tenha testado negativo, mas compartilhado uma cabine com algum passageiro infectado, permaneça a bordo do navio por mais 14 dias, a partir do momento da separação de um do outro.

Autoridades da pasta planejam telefonar por vários dias para aqueles que voltaram para casa, com o objetivo de checar o estado de saúde deles.

As autoridades discutirão a adoção de medidas para a tripulação com a empresa operadora do Diamond Princess. Elas disseram que os tripulantes que desejarem desembarcar poderão ter permissão para isso.

Por NHK – Emissora pública de televisão do Japão