Creches voltam a funcionar 100% presencial

As creches municipais da cidade de São Paulo começaram hoje (8) o atendimento presencial de 100% das crianças matriculadas. Essa mudança vale para creches e unidades escolares com bebês e crianças de até 3 anos. 

Antes, as unidades estavam autorizadas a funcionar com 60% da capacidade, sem esquema de revezamento. Cada creche deverá respeitar o distanciamento mínimo de um metro entre um aluno e outro.

Devem ser seguidos protocolos sanitários, como medidas de segurança contra covid-19. As escolas devem garantir uso de máscaras, álcool gel e higienização dos ambientes. 

O retorno presencial é facultativo, ficando a critério dos pais ou responsáveis, mas, segundo a prefeitura, eles devem se comprometer com o desenvolvimento das atividades remotas. Para os estudantes do grupo de risco, o atendimento seguirá remoto. 

A opção pelo ensino em casa será facultada enquanto durar o período de emergência pela pandemia de covid-19, conforme a Lei 17.437, de 12 de agosto de 2020.

De acordo com a secretaria de Educação, há 2,8 mil unidades de ensino municipais que atendem 345 mil crianças de até 3 anos de idade.

Por Agência Brasil

Creches poderão receber 100% das crianças a partir de setembro

(Pref. de São Paulo)

As creches da rede municipal de São Paulo vão poder voltar a atender 100% das crianças a partir de 8 de setembro. A mudança, anunciada hoje (29) pela prefeitura da cidade, vale para creches e unidades escolares que atendem bebês e crianças de até 3 anos. De acordo com a secretaria de Educação, essa faixa etária corresponde a 345 mil matrículas na rede municipal, abrangendo 2,8 mil unidades.

O governo municipal destacou ainda que a decisão por ampliar o atendimento tem como base orientações das autoridades de Saúde e de Vigilância Sanitária. Deverão ser seguidos protocolos sanitários como medidas de segurança contra covid-19. As escolas devem garantir uso de máscaras, álcool gel e higienização dos ambientes.

O limite de atendimento das Escolas Municipais de Educação Infantil (Emeis) e Escolas Municipais de Ensino Fundamental (Emefs) havia sido ampliado em 2 de agosto, considerando a capacidade física de cada unidade. É preciso garantir um distanciamento mínimo de um metro entre os alunos. As creches ficaram de fora naquele momento, sendo autorizadas a funcionar com 60% da capacidade, sem esquema de revezamento.

A rede municipal possui 235 mil estudantes matriculados nas Emeis e 425,9 mil alunos no ensino fundamental e médio.

A prefeitura esclareceu que o retorno presencial é facultativo, ficando a critério dos pais ou responsáveis, mas eles devem se comprometer com o desenvolvimento das atividades remotas. O retorno é opcional enquanto durar o período de emergência pela pandemia do novo coronavírus, conforme a Lei 17.437, de 12 de agosto de 2020.

Por Camila Maciel, da Agência Brasil

Profissionais de serviços essenciais terão direito a creche na Capital

(Pref. de São Paulo)

O serviço de creche será mantido em São Paulo, na fase emergencial, durante o período de recesso das escolas, para filhos de trabalhadores de áreas essenciais ao enfrentamento da Covid-19. Segundo a Prefeitura da Capital, o atendimento será realizado para as crianças de 0 a 3 anos, matriculadas na rede municipal de ensino da cidade, cujos pais ou responsáveis atuem nas áreas da saúde, segurança, assistência social e serviço funerário que não tenham condições de manter seus filhos em casa, evitando a exposição à possível contaminação.

O município oferecerá o serviço em cinco unidades polo, portanto, a criança não será atendida no centro educacional em que frequenta. Haverá a necessidade de deslocamento, caso a família tenha interesse.

Após a inscrição, será analisada as possibilidades de atendimento de acordo com os endereços indicados e a coordenação da Secretaria Municipal de Educação entrará em contato por telefone ou e-mail.

Clique aqui e preencha o formulário.

Confira o endereço das Unidades Polo:

CEI Jardim Monte Azul – DRE Campo Limpo
Endereço: Avenida Tomas de Souza, 874 – Jardim Monte Azul

CEI Monteiro Lobato – DRE Freguesia/Brasilândia
Endereço: Avenida Dep. Emílio Carlos, 3694 – Vila Nova Cachoeirinha

CEI Salesiana Domingos Savio – DRE Penha
Endereço: Rua Porto da Folha, 57 – Vila Matilde

CEI Sonho Nosso – DRE Pirituba/Jaraguá
Endereço: Avenida Menotti Laudísio, 675 – Jardim Cidade Pirituba

CEI Bem TE VI – DRE Santo Amaro
Endereço: Rua das Bicuíbas, 70 – Jabaquara

Recesso Escolar
A partir de amanhã (17) um milhão de alunos da rede municipal de São Paulo iniciam, antecipadamente, o período de recesso, que seria no mês de julho, conforme o calendário escolar. Os responsáveis pelos estudantes terão um período para se programarem antes do recesso.

Até hoje (16), as escolas estarão abertas para a comunicação e orientação com as famílias, com merenda sendo servida. Nesses dias, os responsáveis que já puderem não precisam enviar os alunos para as escolas.

A recomendação é para que todas as atividades nas escolas sejam reduzidas ao mínimo necessário para diminuir a circulação de pessoas. As aulas presenciais serão retomadas no dia 5 de abril, após o feriado da Páscoa.

Durante esse período de recesso, as unidades escolares do município funcionarão em horário reduzido, das 10 às 16h, com rodízio entre os funcionários do trio gestor de cada escola e as Mães Guardiãs . Além de manter a rotina de adequação das escolas aos protocolos sanitários e de segurança da covid-19, os serviços de limpeza, pequenos reparos e poda de mato de mato continuarão a ser executados.

*Com Pref. de São Paulo

Liminar proíbe volta do ensino infantil da Capital

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) concedeu ontem (29) liminar suspendendo a retomada das aulas presenciais da educação infantil no âmbito da rede pública municipal da capital paulista – Centros de Educação Infantil e Escolas Municipais de Educação Infantil.

Na decisão, dada em resposta à ação civil coletiva impetrada pelo Sindicato dos Trabalhadores nas Unidades de Educação Infantil da Rede Direta e Autárquica do Município de SP (Sedin), o juiz Antonio Augusto Galvão de França apontou que em praticamente todo o estado está ocorrendo “agudo avanço dos casos de covid-19”.

Segundo informações apresentadas pelo sindicato à Justiça, a base de pessoas da rede de educação infantil municipal passiveis de contaminação é de aproximadamente 650 mil pessoas, apenas entre alunos e professores, sem contar pais e familiares dos alunos e dos professores.

“Não se nega que a restrição às aulas presenciais causa uma série de transtornos. Contudo, diante do início, ainda que tímido, da campanha de vacinação e, por outro lado, do novo pico da pandemia, com média de óbitos diários acima da casa dos mil, não se afigura razoável que, justo agora, após meses de resguardo total, haja a retomada das aulas presenciais, notadamente na rede municipal pública, a qual não detém os mesmos recursos das escolas particulares para implementação de medidas de contenção ou redução da taxa de transmissão do vírus”, argumento o juiz.

Ele acrescenta que “em contrapartida, entendo que não é possível a concessão de medida genérica para obstar qualquer trabalho presencial dos profissionais da educação infantil, porquanto é possível vislumbrar a realização de pontuais atividades que não impliquem em maior risco de comprometimento das regras de distanciamento social”.

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Educação, informa que não foi notificada e tomará as medidas cabíveis.

 Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil 

Capital zera fila à espera de creche pela 1ª vez, diz prefeitura

(Arquivo/Fábio Arantes/Pref. de SP)

A prefeitura de São Paulo anunciou hoje (17) que, pela primeira vez, a cidade conseguiu zerar a fila pela espera de uma vaga em creche. Até dezembro de 2016, pelo menos 65 mil crianças aguardavam lugar nesses estabelecimentos. Segundo a prefeitura, foram criadas 91 mil vagas nos últimos quatro anos. Apenas os pais que optaram por uma unidade específica permanecem na fila.

“Pela primeira vez na história, zeramos a fila da creche na cidade de São Paulo, uma conquista não apenas desta administração, mas da cidade de São Paulo, que eu queria dividir com todos os ex-prefeitos e ex-prefeitas que me antecederam neste cargo, que também fizeram a sua parte para que hoje pudéssemos comemorar esse grande feito”, disse o prefeito Bruno Covas.

Em setembro de 2017, a administração municipal, ainda na gestão de João Doria, fechou acordo com o Tribunal de Justiça comprometendo-se a criar 85.500 vagas em creches até dezembro de 2020, conforme promessa do então prefeito no Plano de Metas. Segundo o acordo, as vagas criadas para crianças até 3 anos deveriam ter como prioridade as Diretorias Regionais de Ensino que registravam o maior número de crianças na fila no fim de 2016.

“Não temos hoje nenhuma criança aguardando por vaga em creche, com aproximadamente 5 mil vagas ociosas ainda na rede pública municipal e quase 4 mil vagas credenciadas junto ao programa Mais Creche. Existem ainda 540 crianças que aguardam na fila por uma creche específica, porque as famílias preferem determinada unidade, apesar de a prefeitura oferecer vagas em quatro ou cinco creches do entorno”, explicou o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano.

Segundo Caetano, a partir da próxima semana, a secretaria entrará em contato com os pais e responsáveis pelas crianças para oferecer vagas no entorno dos locais pelos quais eles optaram e esperam.

Por Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil