Polícia prende 17 suspeitos de tráfico na Cracolândia

Por Ludmilla Souza 

Investigadores contam com o apoio da GCM (Nivaldo Lima/SP Agora)

O Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc) deflagrou na manhã desta quinta-feira (22) a Operação de Campo de Polícia Judiciária Cracolândia 2019, com a intenção de combater o tráfico na região da Nova Luz,  no centro de São Paulo.

Dos 20 mandados de busca e apreensão e 21 de prisão na região, os policiais do Denarc prenderam 10 pessoas suspeitas em oito hotéis e pensões da região acusadas de tráfico. Ainda outros 7 indivíduos foram detidos em flagrante no tráfico de drogas, totalizando 17 presos. Os mandatos são resultados de seis meses de investigação realizado pela 6ª Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise).

Segundo o delegado-geral de Polícia, Rui Ferraz Pontes, o trabalho não se encerrou e vai continuar nos dias que se seguem. Foram apreendidas três armas de fogo, cinco celulares  e aproximadamente 21 quilos de drogas, além de R$ 800 encontrados no local.

Pontes informou que entre os 21 quilos de droga estão 1kg de cocaína, 10kg de maconha, 1,5kg de crack, 8kg de lança-perfume e 18 gramas de haxixe.

De acordo a polícia, a operação foi tranquila e não sem necessidade de uso da força. “Importante entender que a polícia agiu com maior critério possível, isso incluindo as Polícias civis e militares sem embate que pudesse causar prejuízo aos dependentes que ali se encontravam”.

A ação, que faz parte do Programa Redenção 2, foi planejada por representantes da Secretaria da Segurança Pública e da Prefeitura de São Paulo e ocorreu de maneira planejada e integrada para a proteção e acolhimento das pessoas que circulam pela região.

Ao todo, participaram 566 agentes de segurança, com apoio de cerca de 140 viaturas e uma aeronave da Polícia Civil. A ação na região da Nova Luz contou com o apoio de policiamento de trânsito e territorial da Polícia Militar, Baep do Centro e da GCM da Capital.

Ainda de acordo com o delegado, o crime organizado tem diminuído na região. “O crime organizado tem desistido de atuar naquela região, desde 2016 quando a operação foi dirigida para tirar muitas barracas de lá eles têm tido cuidado, porque a instabilidade ali dentro, ou seja, eles temem a presença da PM, da GCM, diuturnamente e do próprio Denarc”.

Operação teve início nas primeiras horas do dia (Nivaldo Lima/SP Agora)
Investigação do Denarc começou no início do ano (Nivaldo Lima/SP Agora)
Mandados de busca foram cumpridos na região (Nivaldo Lima/SP Agora)

Caminhão com fuzis, munição e drogas é flagrado na marginal

Por  Bruno Bocchini

(Polícia Civil/Reprodução)

A Polícia Civil de São Paulo apreendeu hoje (9) seis fuzis, 7 mil munições e meia tonelada de maconha que estavam no fundo falso de um caminhão na capital paulista. O veículo foi abordado no acesso da Marginal Tietê, na zona oeste da cidade. O motorista, um homem de 39 anos, foi preso. Ele admitiu que tinha conhecimento da carga ilegal.

De acordo com a polícia, o caminhão veio do Paraguai e tinha como destino a capital paulista, onde a carga seria distribuída. Foram encontrados seis fuzis modelo AR 15 e 7 mil munições de calibre 556 e 762. Parte da droga teria como destino Minas Gerais.

O motorista foi autuado por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo. A Polícia Civil estimou que o crime organizado perdeu, com a apreensão, cerca de R$ 1,5 milhão. O preso será encaminhado ao 77º Departamento de Polícia de Santa Cecília. Ele deverá será encaminhado à Audiência de Custódia neste sábado (10).

Leia Também

https://spagora.com.br/metro-14-executivos-viram-reus-por-corrupcao/

Militar preso com droga na Espanha tem salário de R$ 7,2 mil

Sargento da Aeronáutica atuou na comitiva de três ex-presidentes, segundo a Folha de S. Paulo
(El País/Reprodução)

O militar preso com cocaína na Espanha ao desembarcar de um avião oficial do governo brasileiro tem salário de R$ 7,2 mil. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

Nesta quarta-feira (26), o comando da Aeronáutica informou que instaurou um inquérito policial militar (IPM) para apurar as circunstâncias da prisão do sargento Manoel Silva Rodrigues, no aeroporto de Sevilha. O militar está à disposição das autoridades espanholas e teve o nome divulgado pela imprensa espanhola e confirmado pelo jornal, que descobriu, por meio do portal da transparência, a participação do sargento em, pelo menos, 29 viagens no Brasil e para o exterior desde 2011, e atuou na comitiva de três ex-presidentes.

De acordo com a nota, o sargento da Aeronáutica trabalha como comissário de bordo na aeronave VC-2 Embraer 190. O texto informa ainda que ele fazia parte da missão de apoio da viagem presidencial e que ficaria em Sevilha, não integrando, portanto, a equipe que acompanha o presidente.

“Esclarecemos que o sargento partiu do Brasil em missão de apoio à viagem presidencial, fazendo parte apenas da tripulação que ficaria em Sevilha. Assim, o militar em questão não integraria, em nenhum momento, a tripulação da aeronave presidencial, uma vez que o retorno da aeronave que transporta o Presidente da República não passará por Sevilha, mas por Seattle, Estados Unidos”.

Na nota, a Aeronáutica informa que regularmente adota medidas para prevenir crimes como este e que, diante do ocorrido, “essas medidas serão reforçadas”.

“O Comando da Aeronáutica reitera que repudia atos dessa natureza, que dá prioridade para a elucidação do caso e aplicação dos regulamentos cabíveis, bem como colabora com as autoridades”, conclui o texto.

Repercussão

Na tarde desta quarta-feira, o presidente da República, Jair Bolsonaro, usou a rede social Twitter para informar que exigiu “punição severa” ao responsável, no episódio que classificou como “inaceitável”.

Ver imagem no Twitter

*Com informações da Agência Brasil

Publicada lei para internação involuntária de usuário de droga

A Lei nº 13.840, de 5 de junho de 2019, que prevê, entre outras medidas, a internação involuntária de dependente de drogas, está publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (6). Ela foi sancionada ontem (5) pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e dispõe sobre o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas e as condições de atenção aos usuários ou dependentes e para tratar do financiamento das políticas sobre drogas.

No seu artigo 23-A, o texto diz que o tratamento do usuário ou dependente de drogas deverá ser ordenado em uma rede de atenção à saúde, com prioridade para as modalidades de tratamento ambulatorial, incluindo “excepcionalmente formas de internação em unidades de saúde e hospitais gerais nos termos de normas dispostas pela União e articuladas com os serviços de assistência social e em etapas”.

Entre essas etapas, está a que trata da internação do dependente, que somente deverá ser feita em “unidades de saúde ou hospitais gerais, dotados de equipes multidisciplinares e deverá ser obrigatoriamente autorizada por médico devidamente registrado no Conselho Regional de Medicina (CRM) do estado onde se localize o estabelecimento no qual se dará a internação”.

De acordo com a lei, serão consideradas dois tipos de internação: voluntária e involuntária. Na internação involuntária, o texto diz que ela deve ser realizada após a formalização da decisão por “médico responsável e indicada depois da avaliação sobre o tipo de droga utilizada, o padrão de uso e na hipótese comprovada da impossibilidade de utilização de outras alternativas terapêuticas previstas na rede de atenção à saúde”.

O documento indica que a internação involuntária deveráocorrer no prazo de tempo necessário à desintoxicação do paciente, “no prazo máximo de 90 dias, tendo seu término determinado pelo médico responsável; e que a família ou o representante legal poderá, a qualquer tempo, requerer ao médico a interrupção do tratamento”.

A lei prevê também que todas as internações e altas deverão ser informadas, em, no máximo, de 72 horas, ao Ministério Público, à Defensoria Pública e a outros órgãos de fiscalização, por meio de sistema informatizado único”.

Mulher é flagrada em Viracopos com cocaína nas pernas

Droga estava presa às duas pernas da passageira (Receita Federal/Reprodução)

Uma mulher de 27 anos foi presa no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, interior de São Paulo, tentando embarcar com cocaína presa às pernas. A droga foi descoberta pela Equipe de Vigilância e Repressão da Receita Federal na noite de ontem (26).

Ao todo foram apreendidos 2,6 kg de cocaína. O entorpecente seria levado para Orly, na França.

O trabalho de inteligência e gerenciamento de risco da Receita Federal selecionou a passageira e, após fiscalização, a droga foi localizada em volta das suas pernas, sob as vestimentas.  

A passageira foi detida por tráfico internacional de entorpecentes e encaminhada, com a droga, à autoridade policial competente. 

Passageiros são flagrados com 27 kg de cocaína em Cumbica

Cães de faro ajudaram a identificar a droga (Receita Federal/Reprodução)

Três passageiros nigerianos foram presos por tráfico internacional de entorpecentes no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, entre quinta-feira (21) e a madrugada de hoje (22). A Receita Federal localizou, com ajuda de cães, cocaína nas bagagens deles. 

No primeiro caso, o passageiro viajaria para a cidade de Enugu, na Nigéria. Em sua bagagem despachada foram localizados 135 pacotes de sopa que ocultavam cocaína em seu interior, totalizando 10,775 kg da droga. 

Outro passageiro ocultou, aproximadamente, 8,6 kg de cocaína em embalagens de bombons. Nesse caso, a droga seria enviada para a cidade de Lagos, também na Nigéria. 

Droga seguiria para diferentes cidades da Nigéria (Receita Federal/Reprodução)

Nas duas bagagens despachadas pelo terceiro passageiro estavam 161 pares de sandálias que foram usadas para dissimular 7,728 kg de cocaína. O homem pretendia viajar para a cidade de Cotonou, no Benin. 

Os três passageiros foram conduzidos à Delegacia de Polícia Federal do aeroporto e autuados em flagrante. 

Ação apreende 47 aviões de quadrilha internacional de drogas

Aeronave apreendida pela Polícia Federal (PF/Reprodução)

A Polícia Federal deflagrou hoje (21) a Operação Flak para desarticular uma organização criminosa especializada no transporte aéreo de drogas para o Brasil, Estados Unidos e Europa. No total, são cumpridos 54 mandados de prisão e 81 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara Federal de Palmas (TO).

A investigação começou há dois anos, no período de 2017 a 2018. Foram identificados 23 voos transportando em média 400 quilos de cocaína cada, no total de mais de nove toneladas.

Segundo os investigadores, aviões eram adulterados para ter mais tempo de vôo.

Estados

(Tomaz Silva/Agência Brasil)

A operação é executada em Tocantins, Goiás, Paraná, Pará, Roraima, São Paulo, Ceará e no Distrito Federal. Mais de 400 policiais federais estão envolvidos.

Também participam a Força Aérea Brasileira (FAB) e o Grupamento de Rádio Patrulha Aérea da Polícia Militar de Goiás (GRAER/PMGO).

Há, ainda, o bloqueio de contas bancárias de aproximadamente 100 pessoas e empresas envolvidas, a apreensão de 47 aeronaves, o sequestro de 13 fazendas com mais de 10 mil cabeças de gado bovino e a inclusão de seis pessoas no Sistema de Difusão Vermelha da Interpol.

Crimes

Os investigados devem responder, na medida de suas participações, por tráfico transnacional de drogas, associação para o tráfico, financiamento ao tráfico, organização criminosa, lavagem de dinheiro e atentado contra a segurança do transporte aéreo.

O nome da operação Flak faz alusão a uma expressão utilizada pelos países aliados durante a Segunda Guerra Mundial para se referirem à artilharia antiaérea alemã.

De São Paulo para o Rio: PRF encontra maconha escondida em camas

Douglas Corrêa/Agência Brasil

(Agência PRF/Reprodução)

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreenderam hoje (3) uma tonelada de maconha prensada durante uma fiscalização na Rodovia Presidente Dutra (BR-116), em Vigário Geral, zona norte do Rio de Janeiro. A droga estava escondida dentro de camas transportadas por um caminhão tipo baú. A droga seria entregue em comunidades da zona norte controladas pelo tráfico de drogas.

Equipes da PRF faziam uma blitz na altura do Trevo das Margaridas, na saída da Via Dutra, quando mandaram o motorista de um caminhão tipo baú parar para ser vistoriado. O motorista desobedeceu a ordem e iniciou uma fuga em direção à Avenida Brasil. Depois de colidir na mureta da pista lateral, o homem pulou do veículo em movimento e correu na direção de um matagal. O motorista foi alcançado e apresentava diversas escoriações pelo corpo por causa da queda.



Em uma consulta aos sistemas de segurança pública, os policiais verificaram que o motorista já havia sido preso por estelionato e porte ilegal de arma. Logo em seguida, durante uma revista, foram encontrados os tabletes de maconha. O entorpecente estava escondido dentro de camas. O motorista, de 53 anos, confessou que trazia a droga de São Paulo para ser entregue na zona norte do Rio. A maconha abasteceria comunidades da região.

O caso foi encaminhado à Superintendência Polícia Federal, onde o motorista foi indiciado por tráfico de entorpecentes e encaminhado para um presídio do estado, onde ficará à disposição da Justiça Federal, aguardando julgamento.

Carregamento de pasta base de cocaína que saiu de SP é apreendido

Douglas Corrêa/Agência Brasil

Droga seria entregue no Rio de Janeiro (Agência PRF/Reprodução)

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreenderam, na noite de sexta-feira (30), um carregamento de 200 quilos de pasta base de cocaína escondida no fundo falso de uma caminhonete, que abasteceria comunidades da capital fluminense. O flagrante foi feito na BR-393, em Barra do Piraí, sul do estado.

Equipes da PRF fiscalizavam veículos suspeitos quando abordaram o carro de transporte de passageiros, sem ninguém sendo transportado. Isso fez com que os policiais rodoviários desconfiassem do motorista, de 42 anos. Interrogado, ele não soube explicar direito o motivo da viagem e acabou entrando em contradição.

Em uma consulta aos sistemas de segurança pública, os policiais verificaram que o motorista já tinha sido preso por tráfico de entorpecentes e sequestro.

Em uma revista mais detalhada, centenas de tabletes de pasta base de cocaína foram encontrados. O motorista acabou confessando que trazia a droga de São Paulo. Ele contou ainda que faria a entrega numa comunidade do Rio de Janeiro, mas não deu mais detalhes.

Os agentes da Polícia Rodoviária Federal encaminharam o motorista à sede da Superintendência da Polícia Federal, na Praça Mauá, centro do Rio. O motorista foi autuado por tráfico de entorpecentes e será encaminhado a um presídio do estado, onde ficará à disposição da Justiça Federal, aguardando julgamento.