Rodovias vão receber 2,4 milhões de veículos no Carnaval

(Gilberto Marques/Governo do Estado de SP)

A ARTESP (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) estima que cerca de 2,4 milhões de veículos circulem pelas principais rodovias de acesso e saída da região metropolitana de São Paulo no período do Carnaval. A partir de sexta-feira (21), as concessionárias de rodovias paulistas implantam a Operação Carnaval Mais Seguro.

No período, haverá reforço nas equipes operacionais, incluindo atendimento médico e mecânico, com número de guinchos e ambulâncias ampliados para atender ao aumento do tráfego de veículos, além de reforço nas inspeções de tráfego e no atendimento nas praças de pedágio. As rodovias paulistas sob concessão devem ter tráfego mais intenso a partir das 10 horas de sexta-feira, com fluxo acima da média até a madrugada de sábado, dependendo da rodovia.

Para viajar com conforto e segurança, alguns cuidados são importantes e começam antes mesmo de sair de casa. Verificar os freios, amortecedores, luzes, óleo e pneus, inclusive a calibragem, são condições básicas para pegar a estrada. Os níveis da água do radiador e do limpador de para-brisa devem ser checados. É importante manter a documentação do veículo e do motorista em dia.

Além disso, o condutor não deve esquecer os equipamentos obrigatórios como macaco, chave de roda, triângulo para sinalização e estepe. É essencial que o motorista tenha descanso no dia anterior à viagem e consuma alimentos leves para evitar a sonolência. Os viajantes também devem avaliar a melhor rota e, sempre que possível, evitar os horários de pico. É importante, também, ter anotado num papel ou gravado no celular o telefone 0800 de atendimento das concessionárias responsáveis pelas rodovias que for utilizar.

Viagens de ônibus

Quem for viajar com os ônibus do transporte intermunicipal deve ficar atento à segurança e nunca contratar empresas clandestinas. A ARTESP irá intensificar a fiscalização nas rodovias para coibir os irregulares. O serviço clandestino expõe os passageiros a vários riscos, uma vez que o veículo não é vistoriado para esse fim e não há garantia de que o motorista seja devidamente habilitado.

Os passageiros que encontrarem irregularidades podem entrar em contato com a Ouvidoria da ARTESP (fone 0800.727.83.77 ou email [email protected]). Nas viagens rodoviárias, o passageiro deve manter-se sentado e com cinto de segurança. Também é importante não carregar objetos pontiagudos ou cortantes. As bagagens de mão devem ser acomodadas no porta-embrulhos e as maiores, no bagageiro.

Infraestrutura reforçada

Durante a Operação Carnaval Mais Seguro, as concessionárias dimensionam suas equipes de atendimento de acordo com o volume de veículos que irá utilizar a malha.

Nas praças de pedágio, quando necessário, as empresas adotam a “Operação Papa Fila”, em que a cobrança é realizada antecipadamente, ainda na fila, para facilitar o escoamento do tráfego.

Anchieta-Imigrantes

Para o Carnaval, a expectativa da Ecovias, concessionária que opera o Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), é de que entre 360 mil e 550 mil veículos trafeguem pelo SAI. O maior volume de veículos está previsto para sexta-feira (21) a partir das 10h, quando está prevista a implantação da Operação Descida (7×3), que deve permanecer até às 21h de sábado (22). Essa operação será reimplantada no domingo (23) das 7h às 13h. Nessa operação, os veículos com destino ao Litoral utilizam as duas pistas da Anchieta (SP-150) e a pista Sul da Imigrantes (SP-160).

Para o retorno dos veículos, será implantada a Operação Subida (2×8) a partir das 17h de domingo (23) até as 23h59. Será reimplantada na segunda-feira (24) das 17h às 23h49; na terça-feira (25) das 9h até a 1h de quarta-feira (26). Nesse esquema, as duas pistas da Imigrantes (SP-160) e a Pista Norte da Anchieta (SP-150) tem a circulação sentido Capital, e a Pista Sul da Anchieta opera sentido Litoral. A inversão de sentido das pistas ocorre apenas no trecho de serra do SAI, entre o km 40 e o km 55 da Anchieta e entre o km 40 e o km 57 da Imigrantes.

Ayrton Senna/Carvalho Pinto

A Ecopistas, concessionária que opera o corredor Ayrton Senna-Carvalho Pinto (SP-070), estima que mais de 1,2 milhões de veículos passem pelas quatro praças de pedágio do trecho sob sua concessão no período de Carnaval. Somente na praça instalada em Itaquaquecetuba há previsão da passagem de 291 mil veículos com direção às cidades do Alto Tietê, Vale do Paraíba, região de Campos do Jornal e Litoral Norte. No sentido interior, a movimentação deve ser maior entre 15h e 19h de sexta-feira (21) e 9h e 12h de sábado (22). Em direção à capital, a previsão é de que o tráfego seja mais intenso entre 11h às 18h de terça-feira (25) e das 13h às 18h de quarta-feira (26).

Tamoios

A Concessionária Tamoios, estima que 165 mil veículos trafeguem na Rodovia dos Tamoios (SP-099) durante o Carnaval. A partir das 13h de sexta-feira (21), será implantado no trecho de serra a Operação Descida, que libera duas pistas sentido litoral e uma sentido São José dos Campos. Para a volta do feriado, a rodovia retoma a configuração normal, com duas pistas sentido São José e uma para o litoral. As obras do trecho de serra serão suspensas a partir das 13h de sexta-feira e no sábado (22). No domingo (23) e segunda-feira (24) poderão ser retomadas, dependendo do fluxo de veículos. Na terça-feira (25), as obras serão suspensas para o retorno.

Anhanguera-Bandeirantes

No Carnaval, a Autoban espera a circulação no Sistema Anhanguera-Bandeirantes de aproximadamente 964 mil veículos, entre saída e chegada à Capital. Na sexta-feira (21), o fluxo deve ser mais intenso entre 14h e 20h e no sábado das 8h às 15h. Para o retorno do feriado, a previsão é de tráfego mais carregado na terça-feira (25) das 13h às 20h e na quarta-feira (26) das 10h às 18h.

No domingo (23) e na terça-feira (25) os caminhões que seguem com destino à Capital pela Rodovia dos Bandeirantes (SP-348) devem utilizar a Anhanguera (SP-330) no trecho entre o km 48 e o km 23, entre Jundiaí e São Paulo. A Anhanguera deve ser acessada na saída 48 da Rodovia dos Bandeirantes.

Castelo-Raposo

Segundo estimativa da concessionária ViaOeste, que administra o Sistema Castello-Raposo, na saída de São Paulo, o motorista deverá enfrentar tráfego intenso na sexta-feira (21) entre 13h e 23h e no sábado (22), das 8h às 17h. A estimativa da concessionária é de que 779 mil veículos trafeguem nas rodovias Castello Branco (SP-280) e Raposo Tavares (SP-270) no fim de semana prolongado. Para o retorno do feriado, a previsão é de tráfego intenso na terça-feira (25), das 13h às 20h, e na quarta-feira (26), das 12h às 20h.

Emergências

É importante ter em mãos os telefones de atendimento das operadoras das rodovias e da Polícia Militar Rodoviária para eventuais emergências. O serviço de ajuda ao usuário, prestado pelas concessionárias de rodovias, é gratuito e está disponível 24 horas todos os dias nos 8,4 mil quilômetros de rodovias concedidas paulistas. O atendimento auxilia desde uma simples troca de pneu até a remoção de vítimas de acidentes e prestação de primeiros socorros.

Abaixo, os contatos de emergência da ARTESP, DER, DERSA, Polícia Rodoviária e das concessionárias que administram a malha rodoviária paulista:

AUTOBAN 0800.055.55.50
CART 0800.773.0090
CENTROVIAS 0800.17.89.98
COLINAS 0800.703.5080
ECOPISTAS 0800.777.0070
ECOVIAS 0800.19.78.78
ENTREVIAS 0800 3000 333
INTERVIAS 0800.707.1414
RENOVIAS 0800.055.96.96
RODOANEL OESTE 0800.773.6699
RODOVIAS DO TIETÊ 0800.770.3322
ROTA DAS BANDEIRAS 0800.770.8070
SPMAR 0800.774.8877
SPVIAS 0800.703.5030
TEBE 0800.55.11.67
TRIÂNGULO DO SOL 0800.701.1609
TAMOIOS 0800.545.0000
VIAOESTE 0800.701.5555
VIARONDON 0800.729.9300
VIAPAULISTA 0800.001.1255
ARTESP 0800.727.83.77
DER 0800.055.55.10
DERSA 0800.7266.300
POLÍCIA RODOVIÁRIA (11) 3327-2727

*Com informações do Governo do Estado de SP

Greve dos caminhoneiros é descartada pelo Governo

Caminhões em deslocamento em rodovia

Por Andreia Verdélio 

(Arquivo/Agência Brasil)


O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse hoje (16) que acredita que está descartada uma greve nacional de caminhoneiros, como ocorreu em maio de 2018.

“Hoje era o dia do início e não está tendo nada nas estradas, não houve ponto de bloqueio, porque há um respeito nosso com os caminhoneiros e dos caminhoneiros com a gente. Conseguimos estabelecer o diálogo, eles sabem que têm as portas abertas e a cada dia construímos uma solução nova”, disse, ao lado do presidente Jair Bolsonaro, após reunião no Ministério da Infraestrutura, em Brasília.

Na semana passada, um grupo de caminhoneiros falou sobre a possibilidade de uma greve que se iniciaria nesta segunda-feira, mas a maior parte dos representantes da categoria descarta o movimento.

De acordo com o ministro, o governo tem mantido um excelente diálogo com a maioria da categoria e já realizou, neste ano, seis encontros do Fórum Permanente para o Transporte Rodoviário De Carga (Fórum TRC). No início de dezembro, foi realizada a 35ª reunião do grupo  que representa 2,6 milhões de caminhoneiros, 37.386 empresas, 1.584 sindicatos e 75 federações.

Entre as ações já desenvolvidas para a melhoria das condições de trabalho e renda da categoria, o ministro Tarcísio citou a diminuição da multa por excesso de peso e a obrigação de concessionárias construírem pontos de parada e descanso em rodovias. Segundo o ministro, também estão sendo preparados sistema de documentação de transporte eletrônico e uma resolução que trata do código identificador da operação de transporte. “Ele vai simplificar muito a vida do caminhoneiro, diminuir tempo de parada em posto fiscal, permitir agendamento portuário automático, diminuir a necessidade de ter atravessador na ponta, isso aumenta a renda”, explicou.

O ministro disse ainda que nesta semana será lançado o projeto Roda Bem Caminhoneiro de estímulo ao cooperativismo da categoria.

Malha ferroviária

Em reunião, hoje, no Ministério da Infraestrutura, o presidente Jair Bolsonaro manifestou o interesse do governo na ampliação da malha ferroviária no país. De acordo com o ministro das Infraestrutura, para o ano que vem há “possibilidades muito concretas” da realização das concessões da Ferrovia de Integração Oeste Leste (Fiol) e da Ferrogrão.

“E discutimos soluções para a Transnordestina. Muito em breve teremos boas notícias para dar para a população dos três estados, Piauí, Pernambuco e Ceará, de uma solução para aquela obra.”


http://spagora.com.br/radares-em-tuneis-comecam-a-multar-nesta-segunda/sao-paulo/

Pioram as condições das rodovias, indica levantamento

Por  Pedro Peduzzi 

(Arquivo/SP Agora)


O número de pontos críticos da malha rodoviária pavimentada brasileira aumentou em 75,6% entre 2018 e 2019. De acordo com a Confederação Nacional do Transporte (CNT), essa situação, associada a outros fatores como falta de investimentos e má qualidade das pistas, prejudica a competitividade dos produtos brasileiros, aumentando em 28,5% o custo operacional dos produtos que têm, nas rodovias, sua principal forma de escoamento.

Os números constam da 23ª Pesquisa CNT de Rodovias, divulgada hoje (22) pela entidade. Ao todo, foram avaliados mais de 108 mil quilômetros de rodovias em todo o país. A pesquisa analisa toda a malha federal pavimentada e os principais trechos estaduais também pavimentados.

Segundo o levantamento, foram identificados, em 2019, 797 pontos críticos nas rodovias brasileiras. Destes, 130 são erosões na pista, 26 quedas de barreira, 2 pontes caídas e 639 trechos com buracos grandes. Entre 2017 e 2018, o número de pontos críticos já havia aumentado de 363 para 454 casos.

Na avaliação da CNT, 59,0% da malha rodoviária pavimentada apresentam algum tipo de problema, motivo pelo qual foi considerada regular, ruim ou péssima. Ainda segundo o levantamento, 41,0% da malha são consideradas ótimas ou boas. De acordo com o levantamento anterior, feito em 2018, 57% dos trechos de malha pavimentada apresentavam estado geral com classificação regular, ruim ou péssima.

A entidade aponta que 52,4% da extensão de todo pavimento avaliado apresentam problemas, e que 47,6% têm condição satisfatória. O pavimento está “totalmente destruído” em 0,9% da extensão avaliada.

No que se refere à sinalização, em 48,1% da extensão das rodovias ela foi considerada regular, ruim ou péssima; e em 51,9% foi considerada ótima ou boa. “A faixa central é inexistente em 6,6% da extensão e as faixas laterais são inexistentes em 11,5%”, aponta do estudo.

Na avaliação da geometria da via – que considera o tipo e o perfil da rodovia, a presença de faixa adicional, de curvas perigosas e de acostamento – 76,3% da extensão foram consideradas deficitários, e 23,7%  avaliados como ótimos ou boas. As pistas simples predominam em 85,8% da extensão e, em 45,5% dos trechos avaliados falta acostamento.

A CNT alerta que não há acostamento em 41,7% dos trechos com curvas perigosas.

Diante desse quadro, a entidade estima que em 2018, o prejuízo gerado pelos acidentes ficou em R$ 9,73 bilhões. No mesmo período, acrescenta a CNT, o governo teria gasto R$ 7,48 bilhões com obras de infraestrutura rodoviária de transporte.

A má qualidade do pavimento aumenta o consumo – e o desperdício – de combustíveis. Segundo estimativa da CNT, haverá, em 2019, um “consumo desnecessário” de 931,8 milhões de litros de diesel devido à má qualidade do pavimento, o que resultará em um aumento de R$ 3,3 bilhões nos custos para os transportadores.

O levantamento avalia que serão necessários R$ 38,6 bilhões em investimentos em “ações emergenciais de manutenção e reconstrução” para a recuperação das rodovias brasileiras. No entanto, complementa o estudo, dos R$ 6,2 bilhões em recursos autorizados pelo governo federal para a infraestrutura rodoviária, apenas R$ 4,78 bilhões (77,1%) foram investidos até setembro.

Governo prevê acordo com caminhoneiros até semana que vem

Por Luciano Nascimento

(Arquivo/Agência Brasil)

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, disse ontem (24) que um acordo com os caminhoneiros deve ser fechado na próxima semana. A proposta envolve a realização de “acordos coletivos” entre a categoria e transportadoras e embarcadores para resolver uma das principais reivindicações dos caminhoneiros, um ajuste no piso mínimo de frete de transporte rodoviário de cargas para prever a possibilidade de lucro para os caminhoneiros autônomos.

Segundo a categoria, a resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), suspensa na segunda-feira (22), só trazia a previsão do custo mínimo para o frete, deixando de fora a remuneração do caminhoneiro autônomo pela carga transportada. As reuniões da próxima semana estão marcadas para ocorrer de segunda (5)  a quarta-feira (7). A ideia é fazer uma espécie de acordo coletivo entre os segmentos.

Pela proposta em negociação, alguns itens seriam revistos na tabela para incluir custos, que de acordo com os caminhoneiros não foram considerados. Na outra ponta, os representantes do segmento fariam um acordo sobre o percentual de remuneração a ser aplicado no cálculo do frete.

“Ao longo das negociações surgiu essa possibilidade, que está prevista na lei, de fazer esses acordos coletivos. Os embarcadores toparam, os transportadores toparam e os autônomos também”, disse o ministro. “A vantagem é que o acordo gera o consenso e a partir daí se estabelece um patamar de valor que efetivamente vai ser praticado, o que não aconteceu até agora com a história da tabela de frete. Se gerava um valor que não era efetivamente pago”.

Resolução suspensa

No final de semana, os caminhoneiros demonstraram descontentamento com a metodologia aplicada na resolução da ANTT, elaborada em parceria com a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), da Universidade de São Paulo (USP), sobre o piso mínimo de frete. Com a suspensão das novas regras, a ANTT determinou que ficam valendo as regras anteriores, aprovadas em 2018, até nova decisão da agência reguladora.

A resolução suspensa determina que o cálculo do piso mínimo passará a considerar 11 categorias na metodologia. De acordo com o ministro, os acordos devem ser fechados com cada um dos segmentos, inclusive para resolver demandas pontuais de cada um deles. A proposta de consenso também prevê a revisão dos custos mínimos da tabela a cada seis meses e que os acordos tenham periodicidade de um ano.

“A base é a tabela da ESALQ. Foi um trabalho minucioso, escrutinado pela sociedade e submetido a consulta pública. É um trabalho que deve ter alguma necessidade de ajuste, de aperfeiçoamento constante da referência, porque no final das contas ela vai virar uma grande referência. Em cima disso vamos pactuar com os setores aquilo que é extra custo e que compõe então o valor do frete”, disse Tarcísio.

Confiança

Ao final da reunião, que durou mais de quatro horas, os caminhoneiros demonstraram confiança no fechamento de um acordo que contemple os interesses de cada segmento. Segundo o presidente da  Federação dos Caminhoneiros Autônomos de São Paulo (Fetrabens), Norival de Almeida, os caminhoneiros esperam resolver alguns pontos da tabela de piso mínimo e chegar também a um ponto de equilíbrio entre o que é pleiteado e o que embarcadores e transportadores estão dispostos a negociar.

“Existem alguns itens que não foram colocados na planilha [da tabela de piso mínimo] para poder dar os números realmente necessários [do custo de frete], por isso [ o que saiu na tabela] que ficou um número menor do que o já praticado”, disse Almeida, que também falou sobre o acordo de consenso sobre a remuneração da categoria. “Se formalizou ainda as confederação representando os autônomos e as outras confederações, todas elas estão se juntando e fazendo uma espécie de convenção coletiva para que isso tenha um embasamento e que seja também constitucional”.

Mais cedo, o ministro se reuniu com 43 empresas e associações de transportadores. Após as mais de três horas de reunião, o vice-presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Flávio Benatti, também disse estar otimista com a possibilidade de um acordo. “Saímos muito otimistas com relação à pretensão do ministério de buscar o consenso”, disse.

Rodovias paulistas registraram 26 mortes no feriado

Por Camila Maciel

O feriado prolongado em São Paulo de 9 de julho – que celebra a Revolução Constitucionalista de 1932 – teve 26 mortes em acidentes nas rodovias, uma redução de 3,7% em relação ao ano passado, segundo balanço do Comando de Policiamento Rodoviário (CPRv).

A maioria das ocorrências está relacionada a imprudência de motoristas, sendo 12 mortes em colisões (46,16%) e seis vítimas de atropelamentos (23,08%), que juntas correspondem a 69,24% dos mortos. Neste ano, o feriado, comemorado na terça-feira, teve um dia a mais que no ano passado.

O balanço aponta que foram feitas 28.739 autuações, um aumento de 41,68%, além de autuações por excesso de velocidade com registro de 26.402 imagens de radar. Por outro lado, diminuiu 15,42% o número de motoristas flagrados na Lei Seca, com 417 ocorrências.

Mais de 11 mil motoristas fizeram o teste do etilômetro neste ano, um incremento de 98,89%, dos quais 26 foram presos em flagrante pelo crime de embriaguez ao volante. Desse total, dez se envolveram em acidentes de trânsito.

A Operação Nove de Julho registrou prisão em flagrante de 55 pessoas por outros crimes, que representa uma alta de 10%, e 21 procurados pela Justiça foram recapturados e levados para o sistema penitenciário. Houve também a apreensão de mais de mil quilos de drogas e 400 mil maços de cigarros.

Feriadão tem operação especial nas rodovias

Por Flávia Albuquerque

(DER/Reprodução)

A Ecovias, concessionária que administra o Sistema Anchieta Imigrantes, que dá acesso ao litoral paulista, espera a passagem de 190 a 320 mil veículos em direção às praias durante o feriado prolongado da Revolução Constitucionalista de 1932, celebrado na próxima quarta-feira (9). A Operação Descida, na qual operam 7 pistas para descida e três para subida, foi implantada às 13h desta sexta-feira (5) e permanece em vigor até às 18h59. 

Segundo informações da Ecovias, amanhã (6), a operação voltará a ser montada entre 9h e 17h59 e no domingo (7) a mesma operação deve entrar em vigor entre 09h e 12h59. Durante a 7×3, os veículos que seguirem em direção ao Litoral poderão utilizar as pistas sul e norte da via Anchieta e também a pista sul da rodovia dos Imigrantes. Para subir, os usuários poderão seguir apenas pela pista norte da rodovia dos Imigrantes.

Para o retorno dos usuários à capital, a Operação Subida (2×8) está prevista para ser implantada já a partir das 19h de domingo (7), com permanência até às 21h59. A mesma operação deve ser montada outra vez na terça-feira (9), a partir das 18h e deve permanecer em vigor até às 20h59. Nesta operação, a subida será feita pelas duas pistas da rodovia dos Imigrantes e pela pista norte da via Anchieta. A descida será realizada somente pela pista sul da Anchieta.

Praias do Rio

Já no caminho sentido Rio de Janeiro devem deixar São Paulo pela via Dutra quase 275 mil veículos, entre a zero hora de hoje e a meia-noite de sábado (06), segundo estimativa da CCR NovaDutra. Os horários com maior volume de tráfego no trecho paulista da via Dutra serão entre 17h e 21h de hoje (5) e entre 8h e 14h de sábado (6). No retorno, o pico de tráfego será na terça-feira (9) entre 16h e 21h.

Nas estradas do Sistema Anhanguera-Bandeirantes devem circular cerca de 840 mil veículos, de acordo com a CCR AutoBAn, que administra o sistema. Os horários de maior movimento no Sistema Anhanguera-Bandeirantes estão previstos para hoje das 16 às 20h, sábado (6) das 08 às 14h e terça-feira (9) das 14 às 22h.

Queimadas nas rodovias caem pela metade

(Arquivo/Reprodução)

Levantamento realizado pela CCR ViaOeste, CCR RodoAnel, CCR AutoBAn e CCR SPVias registra queda de 51% no total de ocorrências de queimadas às margens das rodovias entre janeiro e maio de 2019, na comparação com o mesmo período do ano anterior. Devido ao início do período de estiagem, as concessionárias iniciaram na sexta-feira (7), a Operação Corta Fogo 2019, coordenada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e direcionada pela ARTESP (Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo) nas rodovias paulistas.       

O estudo soma as ocorrências registradas nos primeiros cinco meses do ano no Sistema Castello-Raposo, Trecho Oeste do RodoAnel, Sistema Anhanguera-Bandeirantes, além das principais rodovias do sudoeste paulista (como os trechos do interior das rodovias Castello-Branco e Raposo Tavares, entre outras), somando mais de 1 mil quilômetros administrados pelas empresas no Estado de São Paulo. Este ano, foram 464 registros de queimadas, ante 954 registros no mesmo período de 2018.

Um dos principais motivos destacados pelas concessionárias é que a maior incidência de chuvas nos trechos este ano contribuiu para a redução. Dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) apontam que o verão de 2019 foi o nono mais chuvoso do Estado de São Paulo. Além disso, o ano passado foi mais quente e seco.

O tempo seco dos meses de inverno facilita a propagação dos incêndios, e os trechos rodoviários são sensíveis a essas características climáticas devido à vegetação que margeia as estradas. Por este motivo, as concessionárias alertam que as bitucas de cigarros arremessadas pelas janelas dos veículos são uma das principais causas de queimadas, pois elas podem incendiar a vegetação seca. Outros fatores que contribuem para estes casos são a utilização de fogo para limpeza de terrenos, queima de lixo, fogueiras, queimadas para fins agrícolas não autorizadas e a queda de balões. Além do problema ambiental, a propagação do fogo representa risco à segurança dos motoristas, pois a fumaça reduz a visibilidade.

Orientações de segurança

Em caso de fumaça na pista:

  • – Reduza a velocidade
  • – Feche os vidros do veículo
  • – Mantenha distância segura do veículo à frente e o farol baixo aceso
  • –  Não ligue o pisca alerta com o veículo em movimento
Baixe o aplicativo do SP AGORA

Caminhoneiros cancelam greve marcada para o fim do mês

Por Luciano Nascimento

(Arquivo/Tomaz Silva/Agência Brasil)

Os representantes dos caminhoneiros disseram hoje (22), após uma reunião com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, que não haverá paralisação da categoria na próxima segunda-feira (29). Durante a reunião, que durou quase cinco horas, o ministro prometeu reajustar a planilha da tabela do piso mínimo de frete, umas das principais reivindicações dos caminhoneiros. O ministro disse ainda que vai intensificar a fiscalização do cumprimento da tabela de frete mínimo, com a participação dos caminhoneiros, e atrelar o reajuste da tabela ao preço do diesel.

“Eu acho que nós conseguimos administrar essa condição de momento e não deve haver paralisação de caminhoneiros neste momento. A representação dos caminhoneiros está conseguindo conversar com o governo”, disse o presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Bueno.



A reunião com o ministro reuniu cerca de 30 representantes de 11 entidades de classe, além de um grupo de caminhoneiros autônomos. A proposta apresentada pelo ministério prevê que os próprios caminhoneiros vão ajudar a realizar a fiscalização da tabele de frete. Ainda esta semana, o ministro e o presidente da CNTA deverão assinar um termo formalizando o procedimento. 

Anistia de multas

De acordo com um dos líderes da categoria, Wanderlei Alves, conhecido como Dedeco, as reclamações relacionadas ao descumprimento da tabela serão encaminhadas pela confederação ao ministério que as repassará à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). O ministério também teria se comprometido a retirar multas de motoristas que fizerem as denúncias.

“O ministro se comprometeu de que o próprio caminhoneiro será um fiscalizador junto aos seus sindicatos de base que irá passar para a CNTA e a CNTA irá trazer direto para o governo a empresa, o embarcador que não está pagando o piso mínimo e, dentro de 20 a 30 dias, a ANTT irá autuar essas empresas que não estão cumprindo a lei”, disse Dedeco. 

Mais cedo, antes da reunião, os caminhoneiros acenaram com a suspensão da paralisação desde que houvesse uma contraproposta do governo sobre as principais reivindicações. De acordo com Dedeco, o governo também prometeu adotar outro procedimento solicitado pelos caminhoneiros, que está previsto na legislação que estabeleceu o piso mínimo de frete, que é o acionamento de um “gatilho” na tabela para acompanhar os reajustes no preço do diesel.

Pela proposta, a planilha da tabela de piso mínimo sofrerá um reajuste toda vez que o percentual de aumento no diesel ultrapassar os 10%. O governo ficou de calcular quanto será o reajuste. “É o gatilho que já existia e que precisava ser colocado em prática para que o aumento do diesel não prejudique a categoria”, disse Dedeco.

Propostas

Na semana passada diante de rumores de paralisação da categoria, o governo apresentou um pacote de medidas para a categoria. Entre elas, a adoção de uma linha de crédito de R$ 500 milhões, em que cada caminhoneiro terá acesso a um financiamento de até R$ 30 mil. O dinheiro servirá para que os profissionais possam comprar pneus e realizar a manutenção de seus veículos. 

O governo também disse que vai efetuar melhorias nas estradas e construir pontos de descanso em rodovias federais, mas as medidas foram consideradas insuficientes pela categoria. De acordo com Dedeco, com a abertura de negociação, os caminhoneiros devem desistir de parar as estradas do país. “Da minha parte, eu peço aos caminhoneiros que se acalmem”, disse Dedeco.

Ministro

Em seu Twitter, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, também comentou sobre o encontro com os representantes dos caminhoneiros. Ele fez duas postagens por volta das 22h. Na primeira, Gomes de Freitas falou que houve a reunião e que o governo está trabalhando em “soluções efetivas”. “As portas estão sempre abertas e manter o diálogo é nossa prioridade”.

Na segunda postagem, o ministro escreveu  que construiu, em conjunto com os caminhoneiros e a CNTA uma agenda de trabalho “que envolve eliminação de multas injustas, transferência do custo do diesel para tabela de frete, fiscalização dessa referência de custo e termo de compromisso com entidades representantes para tornar a fiscalização mais efetiva.”

Em nota publicada na noite de hoje, o ministério confirmou que firmou  uma agenda de trabalho a curto prazo com a categoria e citou os compromissos anunciados pelo ministro em sua rede social.

Liberado trecho de serra da Rodovia dos Tamoios

O trecho de serra da Rodovia dos Tamoios foi liberado para o trânsito de veículos. As pistas haviam sido interditadas entre domingo (10)  e ontem (11) porque havia risco de deslizamento de terra.

Durante a chuva, técnicos da Concessionária Tamoios monitoraram a região. Nesta terça-feira (12), o sol voltou a aparecer na região, mas há possibilidade de chuva no fim do dia.

Apesar de liberado, há obras na rodovia e, por isso, funcionários organizam um “pare e siga”.

Chuva provoca queda de barreiras e interdita rodovias

Devido às fortes chuvas que caíram na noite deste domingo (10) e madrugada desta segunda-feira (11), muitas vias no Estado foram alagadas e sofreram deslizamentos, afetando a circulação de veículos.

Confira abaixo a atualização da situação das rodovias paulistas neste momento:

Rodovia Rio-Santos SP 055 (São Sebastião)

O Departamento de Estradas de Rodagem (DER) registrou queda de barreira nos Kms 115,8 e 118,4 (no acostamento) da SP-055, em São Sebastião.

No trecho do Km 115,8, devidamente sinalizado, o tráfego fluiu por sistema “Pare e Siga” no sentido de Guarujá.

As equipes da Unidade Básica de Atendimento do DER e da Defesa Civil estão no local e trabalham para que o talude seja estabilizado.

A instabilidade da encosta é decorrência das fortes chuvas que atingem a região. Além disso, o DER conta com o apoio da Policia Militar Rodoviária para orientar os usuários e motoristas.

Rodovia Tamoios SP 099 (Caraguatatuba)

Interditada preventivamente; na madrugada, foram registrados dois pontos de quedas de encostas, nos KMs 73 e 79.

Anchieta

a) Pista central sul/central norte (sentido SP e litoral) bloqueada nos KMs 10 e 13, devido ao reflexo de alagamentos;
b) Congestionamento na pista sentido SP, nos KMs 20 e 13;
c) Chegada em Santos tem congestionamento nos KMs 63 a 65;

Imigrantes

Trafego lento (sentido SP) e congestionada nos KMs 18 e 14.

Mogi-Bertioga

Trânsito fruindo parcialmente no siga e pare. Quatro pontos de deslizamentos, nos KMs 67, 68, 66 e 75.

Em caso de emergência, ligue para a Defesa Civil 199 ou para os Bombeiros 193. Cadastre no SMS 40199 para receber alertas de chuvas da Defesa Civil.