Escolas Técnicas voltam às aulas hoje

(Arquivo/Cris Castello Branco/Gov. do Estado de SP)

Estudantes da Escolas Técnicas Estaduais (Etecs) retomaram as aulas presenciais a partir desta quinta-feira (18). Diversas unidades do Centro Paula Souza (CPS) reabriram suas portas para receber até 35% dos alunos matriculados, seguindo a legislação vigente e os protocolos de segurança definidos pelas autoridades sanitárias. Neste primeiro semestre, o ensino será híbrido, conciliando aulas presenciais e remotas.

Cada Etec apresentou à Unidade do Ensino Médio e Técnico (Cetec) um plano de retomada, informando número de alunos, professores e servidores  que circularão diariamente nas dependências da escola. Supervisores educacionais analisaram esses documentos tendo como parâmetro os protocolos sanitários, a fim de garantir que a volta às aulas presenciais ocorra de forma segura para todos.

Nesta quinta, 164 Escolas Técnicas e classes descentralizadas – unidades  que funcionam com um ou mais cursos, sob a supervisão de uma Etec – abrem suas portas. Nos dias 22 de fevereiro e 1º de março está prevista a reabertura em outras escolas. As Etecs podem retomar as atividades presenciais em qualquer das fases do Plano São Paulo (vermelha, laranja, amarela e verde), conforme estabelece o Decreto 65.384, de 17 de dezembro de 2020, desde que sigam  as recomendações do Governo do Estado de São Paulo e autoridades sanitárias, quanto à preservação da saúde da comunidade escolar. É imprescindível, também, obedecer a Deliberação 195  do Conselho Estadual de Educação (CEE).

De acordo com a diretora do Grupo de Supervisão Educacional da Cetec, Sabrina Rodero Ferreira Gomes, uma pesquisa realizada com cerca de 95 mil estudantes das Etecs mostrou que 72,4% deles desejam voltar a frequentar a escola. “As Etecs devem oferecer, preferencialmente, aulas práticas e neste momento os alunos concluintes terão prioridade, mas os demais também podem ser contemplados, de acordo com o planejamento feito pelas equipes escolares”.

Em Ipaussu, a Etec Prof. Pedro Leme Brisolla Sobrinho dividiu as turmas em três, com as siglas A, B e C, e um terço de cada sala irá às aulas em dias diferentes. Nesta quinta, por exemplo, é a vez do grupo A, na sexta deve comparecer o B e assim por diante. “Nós estamos confiantes, seguindo os protocolos rigorosamente para transmitir segurança a professores, alunos e funcionários”, diz o diretor José Valdir Viol.

Já na Etec Professor Fausto Mazzola, de Avaré, que retoma as atividades presenciais na segunda-feira (22), a divisão é semanal. O grupo de estudantes que vai à unidade passa 5 dias acompanhando as aulas na Etec. “Eles virão para ter aulas práticas e farão as aulas online no Laboratório de Informática para otimizar o tempo”, conta o diretor da unidade, Manoel Ferreira Junior. O gestor explica que elaborou o plano de retomada e o submeteu à equipe escolar. “Foi de um dos professores a sugestão de fazermos essa divisão semanal.”

Entre os dias 8 e 17 deste mês, as Etecs realizaram presencialmente o chamado acolhimento dos alunos novos:  momento em que o estudante conhece o ambiente escolar, mantém os primeiros contatos com os professores, as disciplinas do curso, as normas da escola. 

Fatecs

As Faculdades de Tecnologia do Estado (Fatecs) retomam as aulas presenciais em 1º de março. No caso do Ensino Superior, a legislação indica que esse retorno só pode ocorrer quando a área em que a faculdade está localizada se encontre, pelo menos, na fase amarela do Plano São Paulo. Outro critério é o município não ter decretos que impeçam a reabertura das unidades.

Por Gov. do Estado de SP

Alunos de Etecs e Fatecs recebem chip para conexão à internet

Mais de 22 mil alunos das Escolas Técnicas (Etecs) e Faculdades de Tecnologia (Fatecs) estaduais receberam pacotes de dados do Centro Paula Souza (CPS) para acesso às aulas remotas. A entrega dos chips foi realizada após um levantamento junto à comunidade escolar para identificar os estudantes que tiveram dificuldades para acessar a Plataforma Microsoft Teams.

Leonardo Almeida é um dos que receberam o cartão de acesso à internet para acompanhar as atividades desenvolvidas na Plataforma Teams (Gov. do Estado/Reprodução)

Essa é a ferramenta adotada pelo CPS para uso nas atividades acadêmicas durante o período em que as escolas estão fechadas. Desde que recebeu o chip, o estudante Leonardo Almeida, de 20 anos, que cursa Desenvolvimento de Sistemas na Etec Dra. Ruth Cardoso, em São Vicente, não precisa mais pedir a senha do vizinho para usar sua rede e enfrentar oscilações no sinal. “Estava ótimo no início, mas o sinal foi ficando fraco, fraco, até cair de vez”, conta.

E a visita à lan house não vai mais fazer parte da rotina de Amanda Gabriela Marques de Queiroz, de 30 anos, aluna do curso de Segurança da Informação, da Fatec São Caetano. “Foi a saída que eu encontrei, mas era insustentável”, conta. “Se eu não tenho recursos para ter internet em casa, não podia ficar pagando uma lan house”, diz.

A solução também chegou para aqueles que tentaram usar o pacote de dados do celular, como Mickaelly Tatiane Silva Mota, de 27 anos, estudante de Processos Metalúrgicos da Fatec Sorocaba. “Eu só conseguia assistir meia aula com o 4G”, revela.

Se continuasse dependendo do plano de dados do celular, Sarah Santos Bento, de 17 anos, teria que escolher só algumas semanas do mês para acompanhar o curso. Aluna de Eventos na Etec Professora Dra. Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, do bairro de Pirituba, na capital, ela conta que as sessões virtuais com professores consumiam todos os dados do pacote de um mês inteiro. “Depois eu passava uma, duas semanas, sem internet para uso pessoal”, afirma.

Comunidade escolar

A pandemia obrigou o CPS a se reinventar e, em menos de um mês, transportar as aulas presenciais para o ambiente virtual. Toda a comunidade escolar teve de se adaptar. Diante do desafio de garantir a presença dos estudantes nas aulas online, a instituição fez um amplo levantamento entre os seus mais de 300 mil alunos. O objetivo era localizar aqueles que enfrentavam algum tipo de dificuldade de acesso à plataforma de ensino remota.

Foram identificados 22,5 mil estudantes e cada um recebeu um cartão para acesso à internet com disponibilidade de 20 gigabytes por mês, a ser usada exclusivamente para acesso às aulas.

A oferta dos chips foi mais uma das ações do Centro Paula Souza para garantir o acompanhamento das aulas durante o período de isolamento social. Graças a esse recurso e ao empenho de alunos e professores, o semestre teve finais felizes, apesar da pandemia.

Leonardo conseguiu entregar seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), feito em grupo, e terminou o curso. Agora, ele estudará Logística na mesma Etec. Amanda, que já havia perdido as esperanças de ter um bom desempenho no semestre, foi aprovada em seis das oito matérias em que estava matriculada. “Não adiantaria passar e não entender”, afirma, ao explicar que deixou as matérias mais complexas para a segunda metade do ano.

Sarah, que foi conversando com os professores sobre as dificuldades que enfrentava no acesso à internet, contou com a compreensão e apoio dos educadores e fechou o semestre com boas notas. Mickaelly conseguiu ser aprovada em quatro das oito matérias que cursou. “Graças a esse chip, felizmente, não perdi o semestre”, salienta.

O cartão de acesso à internet ficará disponível para o segundo semestre letivo e novos alunos também serão contemplados.

*Conteúdo do Gov. do Estado de SP

Etecs e Fatecs produzem produtos contra Coronavírus

(Fatec/Reprodução)

Escolas Técnicas (Etecs) e Faculdades de Tecnologia (Fatecs) estaduais estão unidas aos muitos voluntários que, por todo o País, buscam colaborar com soluções para o combate ao novo coronavírus. Confecção de máscaras para profissionais da saúde, conserto de equipamentos hospitalares e produção de álcool em gel são algumas das ações que mobilizam professores e alunos em todo o Estado.

Os resultados mostram que a importância das unidades do Centro Paula Souza (CPS) vai além da formação de profissionais qualificados para o mercado de trabalho. A partir desta semana, um grupo de dez voluntários da Fatec Sorocaba começou a orientar o conserto de ventiladores usados no tratamento da COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus.

“A Toyota nos procurou porque eles têm espaço e pessoal para fazer esses consertos, mas falta know-how”, conta o diretor da unidade, Luiz Rosa. “Nós vamos orientar essa manutenção”, completa.

Além disso, os professores que se voluntariaram para buscar soluções agora tentam desenvolver um meio de construir um duplicador para os respiradores, para que cada equipamento possa ser usado por dois pacientes.

“Nós sabemos que é possível, mas ainda estamos buscando a melhor forma de fazer”, salienta o gestor.

Protótipo



(Governo do Estado de SP/Reprodução)

Na Fatec Taubaté, docentes voluntários fizeram um protótipo de uma máscara para profissionais de saúde e aguardam a validação do modelo para iniciar a produção. Eles estão desenvolvendo também, como parte de um grupo que conta com outras instituições de ensino, empresas e makers, um respirador alternativo.

“É impossível homologar esse aparelho a tempo, mas, na falta do respirador, os hospitais teriam esse equipamento provisório”, afirma o coordenador do curso de Eletrônica da faculdade, Michel Robert Veiga.

A Fatec São Sebastião aguarda doação de material pela Prefeitura para iniciar a produção de máscaras de acetato. Em Batatais, professores da Etec Antonio de Pádua Cardoso lideram uma iniciativa que já conta com o apoio de um grupo de empresários da região. A escola cedeu sua impressora 3D à empreitada e já foram montadas mais de 500 máscaras de acetato, doadas à Santa Casa e à prefeitura da cidade. Além disso, foram confeccionadas mais de 1,3 mil toucas que também se destinam a profissionais de saúde.

No último fim de semana, a Etec Bento Quirino, de Campinas, conseguiu preparar as estruturas de 40 máscaras hospitalares usando suas impressoras 3D. O modelo foi retirado de um dos muitos grupos que compartilham instruções para a confecção dessas peças na internet. A unidade tem capacidade para produzir 30 máscaras por dia. Os voluntários aguardam doação de acetato para terminar a montagem.

“Nós entramos em contato com a Comissão de Monitoramento da COVID-19 de Campinas e as máscaras serão doadas à comissão, que fará a distribuição para os hospitais” enfatiza o diretor da Etec, Luis Eduardo Gonzalez.

Química

Em outra frente de atuação, diversas unidades conseguiram produzir álcool em gel em seus laboratórios. Em fevereiro, na Etec Conselheiro Antonio Prado, de Campinas, ao abordar a temática da COVID-19, a professora Paula Cristina da Silva Fernandes, que é farmacêutica, ensinou os alunos a fazer álcool em gel 70%.

Os 25 litros obtidos nos laboratórios foram usados na escola. Ao lado de outros dois voluntários, a docente voltou ao laboratório no final de março e fabricou outros 25 litros, entregues a funcionários terceirizados e doados ao Centro de Saúde Santa Mônica.

A Etec Professora Carmelina Barbosa, de Dracena, recebeu o álcool 96% de duas usinas (alcooleiras) da região. “Essa matéria-prima é transformada em álcool 70% e convertida em gel”, explica o diretor da escola, José Geraldo de Souza. Cada litro de álcool se transforma em, aproximadamente, 1,1 quilo de álcool em gel. Parte da produção foi doada a professores e funcionários terceirizados e outra parte, à Santa Casa de Dracena.

A falta de álcool em gel nas prateleiras de supermercados e farmácias também sensibilizou uma equipe de professores voluntários da Etec Amin Jundi, de Osvaldo Cruz. Com a matéria-prima que conseguiram, produziram 50 quilos de álcool em gel e uma parcela da produção foi doada ao Asilo São Vicente de Paulo.

Além disso, cerca de mil máscaras que serviriam para uso de alunos e professores em atividades laboratoriais foram cedidas à Secretaria de Saúde e Medicina Preventiva do município.

Doação

Na Fatec Capão Bonito, dois auxiliares de ensino já criaram, voluntariamente, a metodologia de produção de álcool em gel e fizeram testes, obtendo pouco mais de cinco quilos do produto. Empresários da região doaram 200 litros de álcool e a unidade está buscando as demais matérias-primas para produzir o gel, que será doado à Ação Social da cidade e encaminhado à população de baixa renda.

As Etecs Pedro D’Arcádia Neto (Assis), João Maria Stevanatto (Itapira), Benedito Storani (Jundiaí), Professor Alcídio de Souza Prado (Orlândia), Praia Grande e João Elias Margutti (Santa Cruz das Palmeiras) produziram álcool para consumo interno das unidades, antes do início da quarentena.

*Com informações do Governo do Estado de SP

Fatec anuncia novos cursos superiores na Capital e no Interior

O Vestibular 2020 das Faculdades de Tecnologia do Estado (Fatecs) terá vagas para três novos cursos: Ciência de Dados, Gestão da Qualidade e Design de Produto com ênfase em Processos de Produção e Industrialização. A partir de 2020, portanto, serão 80 cursos superiores de tecnologia oferecidos pelo Centro Paula Souza, responsável pela administração das Fatecs e Etecs no Estado de São Paulo.

O Vestibular para o primeiro semestre de 2020 tem ao todo 15.565 vagas, distribuídas entre as 73 Fatecs, localizadas em todas as regiões do Estado. As inscrições podem ser feitas até 11 de novembro, às 15 horas, pelo site www.vestibularfatec.com.br.

Ciência de Dados
Fatec Ourinhos (40 vagas)

Nove em cada dez rankings de carreira apontam a profissão de cientista de dados como uma das mais promissoras no mundo. A explicação para esse interesse está no fato de a tecnologia gerar um volume de informações muito grande nas organizações que, se for tratado de forma inteligente, gera valor e oportunidades de negócios.

Para o coordenador do novo curso da Fatec Ourinhos, Sidney Ferrari, o momento é favorável porque os primeiros cursos de formação superior ainda estão surgindo e, além da falta de gente especializada, o volume de dados cresce de forma exponencial. “Nosso curso vai proporcionar conhecimentos e habilidades exigidos pela Indústria 4.0”, afirma. “A ideia é atender candidatos de São Paulo e até de outros Estados”, complementa o professor.

No processo seletivo são oferecidas 40 vagas para o período noturno. O curso reúne conhecimento integrado e multidisciplinar das áreas de computação, estatística, marketing e psicologia. Empresas como IBM e Microsoft são parceiras da unidade e estão apoiando a implantação do novo curso.

A partir do segundo semestre, os alunos terão acesso a laboratórios específicos para práticas de Inteligência Artificial e Machine Learning. No sexto semestre, estão previstos workshops para estudo de casos reais de empresas que serão parceiras nessas atividades.

Gestão da Qualidade
Fatec Lins (40 vagas)

Além dos cursos superiores de Logística e Gestão da Produção Industrial, a Fatec Lins vai disponibilizar aos candidatos a graduação tecnológica de Gestão da Qualidade a partir do próximo semestre. O Vestibular oferece 40 vagas para o período noturno.

“O novo curso atende à demanda da região, um polo de produção de tecido e plástico biodegradável”, afirma a coordenadora de projetos da Unidade de Ensino Superior de Graduação (Cesu) do CPS, Marinês Perez. A formação tecnológica na área de qualidade capacita profissionais para monitorarem o processo de produção, identificando falhas e necessidade de adequação às normas técnicas dos órgãos certificadores.

Para viabilizar as atividades práticas, a Fatec de Lins montou dois laboratórios de metrologia equipados com balança digital, paquímetro digital para medição de chapas de aço, calibrador para conferência de embalagem tridimensional, traçador de altura para medição de equipamento vertical, entre outros instrumentos para medição e calibração que conferem o cumprimento de normas técnicas.

Design de Produto com ênfase em Processos de Produção e Industrialização
Fatec Tatuapé (40 vagas)

A partir de 2020, a Fatec Tatuapé, localizada na zona leste da capital, vai oferecer o curso de Design de Produto com ênfase em Processos de Produção e Industrialização, no período da manhã, com 40 vagas. Para o coordenador de projetos do eixo tecnológico de Produção Cultural e Design, André Guilles, o mercado é carente desses profissionais porque existem apenas cursos de bacharelado que oferecem uma formação mais conceitual e menos prática.

“O curso visa oferecer ao tecnólogo uma capacidade de execução bem consolidada para que possa sair com domínio de diversas técnicas e softwares de impressão em 3D para desenvolver projetos, protótipos, modelagens e croquis”, explica Guilles.

Segundo o coordenador, o design é uma atividade imprescindível para as marcas que querem disputar o mercado internacional. “Sem investimento em design não é possível ser competitivo no exterior. O Brasil tem uma tradição forte na área, somos referência”, diz.

*Conteúdo do Governo do Estado de SP

Curso de formação de empreendedores está com inscrição aberta

Quem tem vontade de empreender já pode se inscrever no programa Escola de Inovadores, curso de extensão gratuito oferecido pelo Centro Paula Souza (CPS). Organizado pela Inova CPS, que tem o intuito de ensinar pessoas com espírito empreendedor a transformar ideias inovadoras em startups, o curso será oferecido neste primeiro semestre de 2019 em Escolas Técnicas (Etecs) e Faculdades de Tecnologia (Fatecs) estaduais de 38 municípios. No total, 45 turmas serão formadas.

As cidades participantes são Americana, Araçatuba, Assis, Bebedouro, Birigui, Botucatu, Capital, Diadema, Franca, Franco da Rocha, Guaratinguetá, Ibitinga, Indaiatuba, Itapira, Jaboticabal, Jaú, Lorena, Mauá, Mogi das Cruzes, Monte Alto, Monte Aprazível, Ourinhos, Penápolis, Pindamonhangaba, Piracicaba, Praia Grande, Presidente Prudente, Presidente Venceslau, Ribeirão Preto, São Caetano do Sul, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Roque, Tatuí, Taquaritinga, Teodoro Sampaio e Tupã.

As inscrições para o processo seletivo são gratuitas e podem ser feitas pela internet. Os candidatos deverão apresentar projetos de empreendedorismo, que serão avaliados seguindo alguns critérios, como inovação, viabilidade técnica do projeto e potencial mercadológico.

Serão selecionados de 25 a 30 participantes por turma, e cada unidade será responsável por fazer seu próprio cronograma de aulas.

Empresários

Com 40 horas de duração, divididas em 10 encontros presenciais, o curso conta com diferentes temas que fornecem uma formação ampla e visão de negócio para o participante.

Entre outros assuntos, o aluno aprenderá gestão empresarial básica, design thinking, prototipagem, Canvas, marketing, tecnologia aplicada aos negócios, finanças e mercados.

Além das atividades, o participante também contará com mentoria na construção do seu próprio plano de negócios e, ao final do curso, os alunos terão a oportunidade de apresentar as propostas de startups a empresários, instituições do poder público e representantes de ambientes de inovação, como incubadoras, parques tecnológicos e espaços de coworking. O propósito é promover parcerias e oportunidades de negócios. Conheça o projeto pedagógico.

*conteúdo Governo do Estado de SP