Mulher de 41 anos é a 1ª paciente reinfectada por COVID-19 no estado

A Secretaria de Estado da Saúde de SP confirmou na noite de ontem (16) o primeiro caso de pessoa reinfectada pelo novo coronavírus do Estado de São Paulo.

A confirmação foi feita pelo Laboratório Estratégico do Instituto Adolfo Lutz, referência nacional e vinculado à pasta estadual, após o sequenciamento genético de duas amostras clínicas de um caso suspeito, identificadas pelo Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE).

A paciente reinfectada é uma mulher de 41 anos, que está viva e é residente de Fernandópolis, no noroeste do Estado. Ela desenvolveu a doença em junho, com resultado positivo em exame laboratorial. Se curou, e teve nova detecção em novembro, 145 dias após o primeiro diagnóstico. O caso apresentou todos os critérios estabelecidos em nota técnica do Ministério da Saúde para confirmação de reinfecção.

Os dois exames foram analisados pelo laboratório regional do Lutz de São José do Rio Preto. O Laboratório Estratégico do Instituto Central, localizado na capital, fez o sequenciamento do genoma completo e identificou que se tratam de duas linhagens distintas do vírus, o que pode justificar a reinfecção.

Uma delas foi constatada exclusivamente no Brasil, e a outra já identificada tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Chile, conforme sequências comparadas com o banco de dados online e mundial GISAID (na Global Initiative on Sharing All Influenza Data) – Iniciativa Global de Compartilhamento de Todos os Dados sobre Influenza, na tradução.

*Com informações do Gov. do Estado de SP

Fraudes no Fies são investigadas em operação da PF

(PF/Reprodução)

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (3), no interior paulista, uma operação para investigar esquema de fraude no Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies) e venda de vagas em universidades. Também estão sob suspeita a concessão de bolsas do Prouni, a transferência de alunos do exterior para curso de medicina em Fernandópolis e fraudes relacionadas a cursos de complementação do exame Revalida.

Foram expedidos 77 mandados judiciais nas cidades paulistas de Jales, Fernandópolis, São Paulo, São José do Rio Preto, Santos, Presidente Prudente, São Bernardo do Campo, Porto Feliz, Meridiano, Murutinga do Sul, São João das Duas Pontes e Água Boa no Mato Grosso. Foram determinadas 11 prisões preventivas, 11 prisões temporárias, 45 ordens de busca e apreensão e 10 medidas cautelares, além do bloqueio de bens e valores dos investigados em até R$ 250 milhões.

A Operação Vagatomia teve início após informações de que havia irregularidades em um curso de medicina em Fernandópolis, com a negociação de até R$ 120 mil pagos por aluno para o ingresso, transferência e financiamento do Fies. Após oito meses, as investigações indicaram que o líder da organização é o dono da universidade. Seu filho, sócio na instituição, também tinha ligação com o esquema, segundo a PF.

De acordo com a polícia, muitos dos alunos que compraram vagas ou conseguiram financiamentos já foram identificados, e entre eles estão filhos de fazendeiros, servidores públicos, políticos, empresários e amigos dos donos da universidade, todos com alto poder aquisitivo, que mesmo sem perfil de beneficiários do FIES, mediante fraude, tiveram acesso aos recursos do governo federal.

“Com o incremento desordenado de alunos de medicina no campus em Fernandópolis, a qualidade dos estudos foi prejudicada e alunos que ingressaram de forma regular procuraram o Ministério Público Federal para denunciar as irregularidades. No decorrer das investigações, foram identificadas ameaças, proferidas pelo dono da universidade aos alunos que fizeram as denúncias, além de tentativas de influenciar e intimidar autoridades, com destruição e ocultação de provas, dentre outras ilegalidades”, informou a PF em nota .

Prisão

Os dono da universidade e seu sócio tiveram a prisão decretada, assim como diretores e funcionários das unidades onde as fraudes ocorriam. As investigações mostraram que eles estavam investindo o dinheiro, obtido por meio irregular, em imóveis urbanos e rurais, no Brasil e no exterior. Também compraram aeronaves – helicóptero, jatinho e avião – e dezenas de veículos de luxo, enquanto o campussofria com falta de recursos.

“Os alunos e pais, que aceitaram pagar pela vaga ou financiamentos públicos, também responderão pelos crimes, em investigação, na medida de suas culpabilidades. Nova investigação será iniciada imediatamente pela Polícia Federal, objetivando identificar todos os pais e alunos que concordaram em pagar pelas fraudes praticadas pela organização criminosa e, portanto, também praticaram crimes”, disse a PF..

Os presos foram indiciados por crimes de organização criminosa, falsidade ideológica, inserção de dados falsos em sistemas de informações e estelionato majorado. As penas somadas podem chegar a 30 anos de reclusão.

Sarampo: 39 cidades têm vacinação para bebês; veja lista

(Tomaz Silva/Agência Brasil)

A partir desta segunda-feira (12), São Paulo vai vacinar contra sarampo bebês com idade entre 6 meses a menores de 12 meses de 39 cidades paulistas que registraram casos da doença. A medida inclui ainda a aplicação de doses em crianças nessa faixa etária que vão se deslocar para essas cidades. Nesses casos, a vacinação deve ser feita pelo menos 15 dias antes das viagens.

A vacina tríplice viral protege contra sarampo, rubéola e caxumba. A aplicação da chamada “dose D” visa proteger as crianças e não será contabilizada no calendário nacional de vacinação da criança, ou seja, os pais ou responsáveis deverão levar as crianças aos postos para receber a tríplice viral aos 12 meses e também aos 15 meses para aplicação do reforço com a tetraviral, que protege também contra varicela.

Após a aplicação da “dose D”, é preciso aguardar pelo menos 30 dias para aplicação da tríplice aos 12 meses, como prevê o calendário. A relação dos municípios com indicação será atualizada semanalmente, com base na situação epidemiológica. Se necessário, novos municípios serão incluídos nesta estratégica. Os casos entre crianças menores de 12 meses de idade representam 13,6% dos 967 casos existentes no Estado hoje. 80% do total de casos se concentram na capital, com 778.
Vale ressaltar que a  campanha de vacinação contra sarampo focada em jovens de 15 a 29 anos continua em 15 municípios da Grande São Paulo. Desde 10 de junho, 1,2 milhão de pessoas nessa faixa etária foram imunizadas. A meta é vacinar 4,4 milhões até o dia 16 de agosto, data de encerramento da campanha.

Relação das cidades que requerem imunização de bebês de 6 a menores de 12 meses:
· Atibaia
· Barueri
· Caçapava
· Caieiras
· Campinas
· Capital – São Paulo
· Carapicuiba
· Diadema
· Embu
· Estrela D’Oeste
· Fernandópolis
· Francisco Morato
· Guarulhos
· Hortolândia
· Indaiatuba
· Itapetininga
· Itaquaquecetuba
· Jales
· Jundiaí
· Mairiporã
· Mauá
· Mogi das Cruzes
· Osasco
· Peruíbe
· Pindamonhangaba
· Praia Grande
· Ribeirão Pires
· Ribeirão Preto
· Rio Grande da Serra
· Santo André
· Santos
· São Bernardo do Campo
· São Caetano do Sul
· São José do Rio Preto
· São José dos Campos
· Sorocaba
· Sumaré
· Taboão da Serra
· Taubaté

*Conteúdo Secretaria Estadual da Saúde

Leia também

https://spagora.com.br/cameras-gravam-casal-de-andarilhos-colocando-fogo-em-mulher/

Crianças devem ser vacinadas contra o Sarampo antes de viajar

Por  Elaine Patricia Cruz

O Ministério da Saúde soltou nesta terça-feira (6) um comunicado alertando pais, mães e responsáveis que vão viajar com seus filhos de seis meses a menores de um ano de idade para 39 cidades dos estados de São Paulo, Pará ou Rio de Janeiro, onde há surto ativo do sarampo, para que vacinem seus filhos. A recomendação é que todas essas crianças sejam imunizadas contra a doença no período mínimo de 15 dias antes da data prevista para a viagem. Além de proteger, a medida de segurança pretende interromper a cadeia de transmissão do vírus do sarampo no país.

Segundo o Ministério, a vacina não substitui e não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança. Assim, além dessa dose que está sendo aplicada agora, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral (D1) aos 12 meses de idade (1ª dose); e aos 15 meses (2ªdose) para tomar a vacina tetra viral ou a tríplice viral + varicela. A vacinação de rotina das crianças deve ser mantida independentemente do planejamento de viagens para os locais com surto ativo do sarampo ou não.

No estado de São Paulo, as cidades com registro de sarampo, segundo o Ministério da Saúde, são: São Paulo, Santos, Fernandópolis, Santo André, Guarulhos, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Mauá, Ribeirão Pires, Mairiporã, Pindamonhangaba, Sorocaba, Diadema, Indaiatuba, Osasco, Barueri, Caçapava, Caieiras, Embu, Estrela D’Oeste, Francisco Morato, Hortolândia, Itapetininga, Itaquaquecetuba, Jales, Mogi das Cruzes, Peruíbe, Praia Grande, Ribeirão Preto, São José dos Campos, Taboão da Serra e Taubaté. No estado do Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, Paraty e Nilópolis. No Pará: Monte Alegre, Santarém, Porto do Moz e Prainha.

O Ministério da Saúde registrou, entre os dias 05 de maio e 03 de agosto deste ano, 907 casos confirmados de sarampo no Brasil, em três estados: São Paulo (901 casos), Rio de Janeiro (5) e Bahia (1).