Hospitais de campanha de São Paulo somam 14 mortes

(Gov. de SP/via Fotos Públicas)

Os hospitais de campanha administrados pela prefeitura municipal de São Paulo registrou hoje (10) a 14ª morte por covid-19. Desse total, 13 óbitos ocorreram no hospital de campanha do Anhembi e uma no do Pacaembu. O outro hospital de campanha da cidade, o mais novo deles, é o do Ibirapuera, que é administrado pelo governo estadual e ainda não registrou mortes.

A vítima é uma mulher de 61 anos, com comorbidade, e morreu hoje no hospital de campanha do Anhembi, na capital paulista. Ela é segunda paciente do sexo feminino a morrer nesse tipo de hospital.

Os dois hospitais de campanha da prefeitura acumulam 1.668 altas de pacientes. Hoje, há 689 pessoas internadas nos dois hospitais.

Os hospitais de campanha foram criados para atender pacientes com coronavírus em situação de baixa ou média complexidade. Esses hospitais têm portas fechadas: os pacientes só chegam a eles transferidos de outras unidades.

Segundo a administração paulistana, a capital tem 28.027 casos confirmados de coronavírus, com 2.268 óbitos. Há 1.652 pessoas internadas nos hospitais municipais, com 426 internados em leitos de terapia intensiva (UTI). A taxa de ocupação de leitos de UTI dos hospitais municipais somou hoje 87%, índice que traz preocupação, por estar muito próximo de um colapso.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Hospitais de campanha têm 231 pacientes internados

Os dois hospitais de campanha de São Paulo registram nesta segunda-feira (20) 231 pacientes internados com covid-19. Com maior número de pacientes, o do Anhembi tem 152 internados, sendo que oito na sala de estabilização, usada para atender quem tem estado clínico mais grave.

Já no hospital de campanha do Pacaembu, 79 dos 200 leitos disponíveis estão ocupados, sendo que três pacientes estão internados em leitos de estabilização.

No sábado (18), o hospital do Anhembi registrou a primeira morte de um paciente pelo novo coronavírus. O paciente tinha 79 anos e apresentou piora clínica, vindo a falecer na noite de sábado. Foi a segunda morte de um paciente em um hospital de campanha: a primeira delas ocorreu no dia 12 de abril, na unidade do Pacaembu. Um homem de 36 anos que sofria da doença de chagas.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, 23 pacientes tiveram alta no hospital do Anhembi e se recuperam em casa. Já no Pacaembu foram dadas cinco altas.

Medida emergencial

Os hospitais de campanha foram criados para atender pacientes infectados pelo novo coronavírus em situação de baixa ou média complexidade. Esses hospitais têm portas fechadas: os pacientes só chegam a eles transferidos de outras unidades.

A cidade de São Paulo tem hoje 10.624 casos confirmados de coronavírus, com 847 óbitos. Ainda há 41.215 casos suspeitos da infecção e 1.332 óbitos em investigação.

Por Elaine Patrícia Cruz – Repórter da Agência Brasil

Hospital do Pacaembú registra primeira morte

Hospital de Campanha no estádio do Pacaembú (Sérgio Souza/Fotos Públicas)

O Hospital de Campanha do Pacaembú, na área central de São Paulo, registrou nesse domingo (12) a primeira morte de paciente com Covid-19. A vítima é um homem, de 36 anos, que, segundo a Secretaria Municipal da Saúde da Capital, sofria também de doença de Chagas e não resistiu ao Coronavírus.

A unidade montada no campo de futebol contava com 61 doentes internados até o meio da tarde. A maioria, 55, estava em leitos de baixa complexidade, enquanto outros seis permaneciam na ala de estabilização, equipada com recursos para tratamento de pacientes mais graves.

Ainda nesse domingo, três pessoas apresentaram melhora, receberam alta e vão continuar o tratamento isoladas em casa.

Anhembi

O Hospital de Campanha do Anhembi, que conta com 326 leitos prontos para a operação, tinha 13 pacientes internados em leitos de baixa e média complexidade no meio da tarde de ontem (12). Desses, 12 estavam em leitos de enfermaria e um em estabilização.

A Prefeitura ressalta que os dois hospitais de campanha são unidades de portas fechadas: as pessoas com sintomas não devem procurar atendimento direto no local. Os pacientes com covid-19 chegarão, exclusivamente, transferidos por ambulâncias de outras unidades. As internações são controladas pela regulação da Secretaria Municipal da Saúde.

*com informações da Prefeitura de São Paulo

 

São Paulo terá 3º hospital de campanha no Ibirapuera

(Gildson di Souza/Prefeitura de SP/via Fotos Públicas)

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou hoje (7) a criação de mais um hospital de campanha na capital. O novo hospital de campanha, que vai atender pessoas com coronavírus, será instalado no complexo esportivo do Ibirapuera. Segundo Doria, esse hospital de campanha terá 240 leitos de baixa complexidade e 28 leitos de estabilização (equipados com recursos para tratamento de pacientes mais graves) e será inaugurado no dia 1º de maio.

Os hospitais de campanha recebem pacientes com sintomas de covid-19 de baixa e média complexidade, transferidos dos equipamentos de saúde da capital, como hospitais, pronto-socorros e unidades de pronto atendimento (UPA).

São Paulo conta com outros dois hospitais de campanha. O primeiro foi inaugurado ontem, no Estádio do Pacaembu, com 200 leitos. O segundo será inaugurado no dia 15 de abril, no Complexo do Anhembi, com 1,8 mil leitos de baixa complexidade.

Hospital de Campanha no estádio do Pacaembú (Sérgio Souza/Fotos Públicas)

Com isso, ressaltou Doria, a cidade de São Paulo contará com 2.240 leitos de baixa complexidade para pessoas que estiverem infectadas por coronavírus, precisando de internação em enfermaria. “No total, estamos acrescentando aqui na capital 2.240 leitos de baixa complexidade, fundamentais para liberarem as unidades de saúde para o atendimento da alta complexidade”, disse o governador.

“Se conseguirmos aumentar o distanciamento social para 70%, que está na média em 54% hoje, o número de leitos disponíveis no estado de São Paulo será suficiente para essa primeira onda epidêmica”. disse o infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo. “Se não aderirmos a isso, teremos mais dificuldades com leitos.”



Segundo Doria, 800 profissionais de saúde vão fazer os atendimentos no hospital de campanha do Ibirapuera. O total de recursos para a construção e desmobilização do local é de R$ 12 milhões, informou o governo paulista. Outros R$ 10 milhões mensais serão investidos para o custeio da unidade.

Alimento Solidário

O governador anunciou também a criação do programa Alimento Solidário, de doação de cestas básicas para pessoas mais vulneráveis e pobres, registradas no CadÚnico, cadastro federal oficial para inclusão em programas de assistência social e transferências de renda e que possuem renda de até R$ 89 per capita mensal. As cestas começarão a ser doadas a partir de 17 de abril. Serão doadas um milhão de cestas.

Para montar as cestas, o governo recebeu doações de empresários, que somaram R$ 110 milhões. “Esse é um programa do governo de São Paulo que vai distribuir, a partir do dia 17 de abril, um milhão de cestas do Alimento Solidário. Isso vai atender quatro milhões de pessoas em situação de pobreza no nosso estado”, disse.

Doria informou ainda que vai doar seus salários de março, abril, maio, junho e julho para a compra de cestas básicas do Alimento Solidário. O valor líquido que será repassado para a entidade é de R$ 85 mil, informou. A cesta será composta por arroz, feijão, lentilha, leite em pó, sardinha, charque, linguiça, ervilha, macarrão, milho verde, sal, açúcar, farinha, fubá, molho de tomate, mistura para bolo, óleo e biscoitos.

Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil 

Mais de 6 mil se inscrevem para Hospital de Campanha

Hospital de Campanha no Anhembi (Edson Lopes Jr./Pref. de São Paulo/via Fotos Públicas)

A Prefeitura de São Paulo recebeu mais de 6 mil currículos de profissionais interessados nas 980 vagas do Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas), para trabalhar no Hospital de Campanha que está sendo construído no Complexo do Anhembi. Somente para a área de enfermagem foram inscritos mais de 4 mil candidatos.

O processo terá duas etapas. A primeira, realizada online, foi encerrada ontem (30), com o envio de documentos, currículo e pré-seleção. A segunda etapa é presencial e foi iniciada nesta segunda no Cate Central, com a aplicação de prova e entrevista com os candidatos.

“A unidade do Cate, que estava fechada para atendimento à população em virtude do coronavírus, foi reaberta exclusivamente para realizar a seleção do Hospital de Campanha do Anhembi. Neste momento de pandemia estamos com todas as nossas equipes voltadas para ações de combate ao Covid-19 em diversas frentes”, explica a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso.

Todas as medidas de segurança e higiene, recomendadas pela Organização Mundial da Saúde, foram adotadas para o atendimento aos candidatos no Cate Central como disponibilização de álcool gel, agendamento de número reduzido de pessoas para não haver aglomeração, higienização do local e maior espaçamento entre as pessoas.

As vagas mais procuradas foram de técnico de enfermagem, enfermeiro hospitalar e recepcionista hospitalar. Entre as 980 vagas ainda estão escriturário, técnico de farmácia, farmacêutico, nutricionista, fisioterapeuta, oficial de manutenção, técnico em gasoterapia, auxiliar de rouparia e assistente social.

Os candidatos pré-selecionados estão sendo convocados para a segunda fase do processo por faixa de horário para que não haja aglomeração. No local, o candidato recebe as informações sobre salário, benefícios e horário de trabalho.

Analistas da Ade Sampa, agência vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, auxiliaram as equipes do Cate em virtude da urgência na contratação dos profissionais de saúde para atender as necessidades do Iabas, que irá gerenciar o Hospital de Campanha do Anhembi.

*Com informações da Prefeitura de São Paulo

Capital tem 859 vagas para Hospitais de Campanha

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, abre processo seletivo para 260 vagas na área da saúde para trabalhar por 90 dias no Hospital de Campanha do Anhembi, que está sendo construído no centro de eventos da zona norte da capital. As inscrições on-line podem ser realizadas até as 13h desta sexta-feira, 27 de março, pelo site.

“A Prefeitura está fazendo todos os esforços para promover o enfrentamento ao coronavírus. Diante da necessidade de contratação de profissionais para o Hospital de Campanha do Anhembi, disponibilizamos as equipes do Cate para auxiliar a entidade que irá gerenciar o equipamento, na seleção dos profissionais que irão trabalhar no atendimento às pessoas infectadas pelo coronavírus”, explica a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso.

As vagas são para os cargos de farmacêutico, fisioterapeuta, nutricionista, técnico de farmácia, técnico em gasoterapia, assistente social, auxiliar de rouparia, escriturário, oficial de manutenção e recepcionista.

Serão exigidos ao menos seis meses de atuação na área hospitalar e comprovação de escolaridade completa nas áreas técnica e superior e acordo com o cargo. Para recepcionista, escriturário e auxiliar de rouparia, o requisito obrigatório é o ensino médio completo.

Durante o processo seletivo será informado o salário, benefícios e horário de trabalho para as equipes a serem formadas. Os candidatos selecionados na primeira fase passarão por prova e entrevista.

Pacaembú

Segundo o G1, o Hospital Albert Einstein informou que vai contratar 599 funcionários da área de saúde para trabalhar no Hospital de Campanha do Pacaembú. Informações são encontradas no site do hospital.

*Com informações da Prefeitura de SP

Guarulhos terá hospital de campanha contra o Coronavírus

A prefeitura de Guarulhos organiza um hospital de campanha para pacientes infectados pela covid-19, que será inaugurado às 15h desta sexta-feira (27). A unidade está sendo levantada ao lado do Clube Parque Cecap, próximo ao Aeroporto Internacional de São Paulo e às rodovias Ayrton Senna e Presidente Dutra. Com 5 mil metros quadrados de área total e 2 mil de área construída, a estrutura contará com 70 leitos, respiradores mecânicos e aparelhos de tomografia computadorizada e ultrassom.

Ao todo, serão montados dez leitos de emergência, para oferecer atendimento 24h aos casos mais graves. Além de tendas erguidas para acomodar pacientes e profissionais de saúde, haverá no local um estacionamento reservado para ônibus e ambulâncias.

Prefeitura de Guarulhos cria hospital de campanha para centraliz
Prefeitura de Guarulhos cria hospital de campanha para centralizar casos de Covid-19 (Márcio Lino/Prefeitura de Guarulhos)

Operando com uma lógica de prevenção, o ponto de atendimento, batizado de Centro de Combate ao Coronavírus (CCC), ficará disponível para receber qualquer pessoa que tiver suspeita de covid-19, no período de 7h às 19h. Quem chegar ao local de carro fará a triagem em esquema de drive thru, sem precisar sair do automóvel.

Controle

Conforme explica o prefeito de Guarulhos, Gustavo Henric Costa, mais conhecido como Guti, ao criar o espaço, a proposta é de centralizar as ocorrências para que se tenha mais controle quanto aos registros e se possa evitar que o contágio se alastre na região. “A ideia desse hospital, desse Centro de Combate, é fazer com que as pessoas saiam das outras Unidades Básicas de Saúde, saiam de outras unidades de saúde e venham direto a esse local, que é específico, aquelas com sintomas de coronavírus. Porque a pessoa que pode ter alguma coisa pode contaminar alguém em uma UBS. E, aí, o fator de contaminação acaba sendo exponencial. E a pessoa que não tem nada [não tem coronavírus], se ela for a uma UBS por outro tipo de problema, e tiver alguém que tenha [covid-19] ela pode pegar. Então, a gente está isolando”, pondera, complementando que as equipes das UBS não irão se recusar a prestar atendimento a pacientes com sintomas de covid-19, mas que o ideal é que estes se dirijam ao hospital de campanha.

Segundo Guti, foram contratados cerca de 30 médicos para atuar nos 12 consultórios do hospital de campanha, mas a prefeitura já se prepara para reforçar a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) com mais 100 médicos. No total, estão sendo aplicados R$ 3 milhões na construção do hospital de campanha. A quantia, ressaltou o prefeito à Agência Brasil, foi conseguida após decidir realocar recursos de outras áreas para a saúde, como a de recapeamento de asfalto, responsabilidade da Secretaria de Obras.

“Amanhã a gente consegue inaugurar a parte de triagem, tanto o drive thru, tanto o normal [para pedestres], e, no meio da semana que vem, a parte mais complexa do hospital, que são os 70 leitos, a ala vermelha e o tomógrafo”, diz.

Para Guti, a prioridade agora é tomar medidas de proteção à saúde da população local, ainda que isso signifique paralisar temporariamente a economia da região. “Nessa guerra, a gente tem que escolher entre economia e vida. Qualquer gestor público, na minha visão, tem que escolher a vida”, afirma, acrescentando que a prefeitura deverá lançar um pacote de recuperação econômica dentro dos próximos dez dias.

Em seu site oficial, a prefeitura também informou, nesta terça-feira (24), quais são os laboratórios da região que estão credenciados a fazer diagnóstico da Covid-19. São eles: Laboratório de Virologia do Hospital Israelita Albert Einstein, Laboratório Fleury de São Paulo e Laboratório Dasa, que reúne as seguintes empresas: Alta Diagnóstico, Previlab Laboratório, Delboni Auriemo, Labsim, Cytolab Medicina Diagnóstica, Vital Brasil, Salomão Zoppi, Laboratório Oswaldo Cruz, Lavoisier, Deliberado Análises Clínicas, Vale Club Laboratório e Padrão Ribeirão Medicina Diagnóstica.

Prefeitura de Guarulhos cria hospital de campanha para centraliz
Hospital de campanha será inaugurado nesta sexta-feira (27) (Márcio Lino/Prefeitura de Guarulhos)

Medidas de contenção

A prefeitura de Guarulhos tem anunciado, ao longo dos últimos dias, diversas medidas para enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. O município passará a realizar, por exemplo, a desinfecção de pontos de ônibus e de vias de grande movimento e também lançou uma central telefônica para esclarecer dúvidas sobre a doença. A central está disponível de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, pelo número (11) 2475-8661.

A prefeitura também promoveu mudanças nos serviços funerários, para reduzir as chances de transmissão da doença. O atendimento da Agência Funerária Central foi transferido para a agência funerária do Cemitério Necrópole Campo Santo, na Vila Rio de Janeiro, onde estão sendo atendidos apenas dois familiares por vez. Para evitar aglomerações, ficou determinado que os velórios serão realizados somente pela manhã à tarde e terão duração máxima de duas horas. Além disso, as salas destinadas a velórios poderão reunir apenas dez pessoas por vez.

Caso a pessoa falecida seja um caso de confirmação ou suspeita de covid-19, de demais doenças respiratórias ou relacionadas a infecções gerais, a orientação é de que haja apenas despedida em local aberto e sepultamento direto. A prefeitura também proibiu que as famílias enfeitem os caixões com flores ou outros itens e determinou que sejam mantidos lacrados, independentemente da causa de óbito.

A gestão municipal de Guarulhos tem destinado, ainda, ações específicas para a população em situação de rua, como a implementação de um Centro Pop, onde se poderá tomar banho e lavar roupas. O local deve começar a funcionar na próxima semana e será instalado na região central da cidade. A Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social está arrecadando alimentos, embalagens de marmitex, sabonetes e toalhas, que serão distribuídos a esse grupo populacional. As doações podem ser entregues na sede da pasta (Avenida Guarulhos, 2.200 – Vila Augusta) ou na sede do Fundo Social de Solidariedade (Alameda Tutoia, 534 – Gopoúva).

Prefeitura de Guarulhos cria hospital de campanha para centraliz
Estado de São Paulo tem 862 casos de covid-19 confirmados (Márcio Lino/Prefeitura de Guarulhos)

Incidência

Município localizado na região metropolitana de São Paulo, Guarulhos tem uma população de cerca 1,3 milhão de habitantes. A cidade já contabiliza cinco casos confirmados de covid-19, de acordo com o balanço mais recente da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, divulgado ontem (25). O estado de São Paulo soma 862 casos confirmados e 48 mortes.